Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

08/03/2018 13:00
Por Sucena Shkrada Resk
 
A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o maior investidor em energia renovável -, o Japão, a Alemanha e os EUA, com destaque ao estado da Califórnia, independente da atual política ambiental retrógrada de Donald Trump e a Índia, entre outros países. Apesar dessa ordem no ranking se alterar continuamente nos últimos anos, à medida que há novos empreendimentos, estas nações têm se destacado historicamente no fomento desta matriz. Isso sem falar especificamente de energia fotovoltaica produzida pelos próprios cidadãos (microgeração e minigeração distribuídas), com os painéis solares residenciais e em condomínios, por meio de linhas de incentivo. Um tema específico para outro artigo. 
 
No país asiático, o destaque é o Parque Solar de Longyangxia Dam (850 MW), com capacidade para abastecer 200 mil famílias, onde antes ficava uma fazenda de gado, que estava desmatada e está próximo a um complexo hidrelétrico de mesmo nome, no Yellow River. O país tem uma meta ambiciosa de até 2020 produzir 110 GW de energia solar, atendendo principalmente os acordos internacionais do clima para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). 
 
Na Índia, a Kamuthi Solar Power Project apresenta 648 MW de capacidade de geração. Com capacidade de 70 MW, a Kagoshima Nanatsujima Mega Solar Power Plant, no Japão, é capaz de abastecer 22 mil residenciais. Na Baviera, Alemanha, usina na cidade de Hemau pode atender 4.600 habitantes. 
 
Na Califórnia, EUA, se encontram em funcionamento também algumas das maiores instalações solares no planeta:  a Solar Star (capacidade de 579 megawatts), a Topaz Solar Farm (550 MW),  a Desert Sunlight Solar Farm (550 MW), estas capazes de abastecer 160 mil residências cada e a Ivanpah Solar Electric Generating System. 
 
Brasil a passos lentos
O Brasil, ainda lanterninha neste modelo de fonte, começa a apresentar algumas novidades, que podem modificar este cenário nos próximos anos. Comparativamente aos outros países, que têm políticas mais incisivas quanto à matriz solar, não aproveita o potencial, com altas taxas de irradiação durante todo ano (em especial em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e estados do Nordeste) e de recursos minerais de quartzo (para produção do silício para a confecção dos painéis). 
 
No final de 2017, no estado do Piauí, começou a operar o Parque Solar Nova Olinda, com capacidade de 292 MW e atendimento a 300 mil famílias, considerada o maior da América Latina, e o Parque Solar Ituverava, na Bahia (254MW), sob gestão da Enel Green Power Brasil. 
De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, em 2016, possuía 81 MWp de energia solar fotovoltaica instalados, correspondentes a 0,05% da capacidade instalada total no país, sendo 24 MWp de geração centralizada e 57 MWp de geração distribuída.
Desde a construção da primeira usina solar no país – a Tauá -, em 2011, no estado de Pernambuco, com 1 MW de potência, as escalas de capacidade têm aumentado progressivamente. De acordo com o Banco de Informações de Geração (BIG) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), atualmente se encontram 85 Centrais Geradoras Solares Fotovoltaicas em operação no Brasil, com potência outorgada de 1.025.962 kW, que representam 0,65% dos empreendimentos de diferentes fontes energéticas em funcionamento. Já em construção, estão 27 empreendimentos que correspondem a 749.620 kW de potência. E há a projeção de construção de mais 38 unidades, com potência de 908.291 kW. Ainda muito pouco, em relação ao total das matrizes de energia elétrica, predominantemente hidráulica, que apesar de estar na categoria de energia limpa, deixam passivos socioambientais, que são questionáveis.#Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira
Por Sucena Shkrada Resk
 
A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o maior investidor em energia renovável -, o Japão, a Alemanha e os EUA, com destaque ao estado da Califórnia, independente da atual política ambiental retrógrada de Donald Trump e a Índia, entre outros países. Apesar dessa ordem no ranking se alterar nos últimos anos, à medida que há novos empreendimentos, estas nações têm se destacado historicamente no fomento desta matriz. Isso sem falar especificamente de energia fotovoltaica produzida pelos próprios cidadãos (microgeração e minigeração distribuídas), com os painéis solares residenciais e em condomínios, por meio de linhas de incentivo. Um tema específico para outro artigo. 
No país asiático, o destaque é o Parque Solar de Longyangxia Dam (850 MW), com capacidade para abastecer 200 mil famílias, onde antes ficava uma fazenda de gado, que estava desmatada e está próximo a um complexo hidrelétrico de mesmo nome, no Yellow River. O país tem uma meta ambiciosa de até 2020 produzir 110 GW de energia solar, atendendo principalmente os acordos internacionais do clima para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). 
 
Na Índia, a Kamuthi Solar Power Project apresenta 648 MW de capacidade de geração. Com capacidade de 70 MW, a Kagoshima Nanatsujima Mega Solar Power Plant, no Japão, é capaz de abastecer 22 mil residenciais. Na Baviera, Alemanha, usina na cidade de Hemau pode atender 4.600 habitantes. 
 
Na Califórnia, EUA, se encontram em funcionamento também algumas das maiores instalações solares no planeta:  a Solar Star (capacidade de 579 megawatts), a Topaz Solar Farm (550 MW),  a Desert Sunlight Solar Farm (550 MW), estas capazes de abastecer 160 mil residências cada e a Ivanpah Solar Electric Generating System. 
 
Brasil a passos lentos
O Brasil, ainda lanterninha neste modelo de fonte começa a apresentar algumas novidades, que podem modificar este cenário nos próximos anos. Comparativamente aos outros países, não aproveita o potencial, com altas taxas de irradiação durante todo ano (em especial em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e estados do Nordeste) e de recursos minerais de quartzo (para produção do silício para a confecção dos painéis. 
No final de 2017, no estado do Piauí, começou a operar o Parque Solar Nova Olinda, com capacidade de 292 MW e atendimento a 300 mil famílias, considerada o maior da América Latina, e o Parque Solar Ituverava, na Bahia (254MW), sob gestão da Enel Green Power Brasil. 
De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, em 2016, possuía 81 MWp de energia solar fotovoltaica instalados, correspondentes a 0,05% da capacidade instalada total no país, sendo 24 MWp de geração centralizada e 57 MWp de geração distribuída.
 
Desde a construção da primeira usina solar no país – a Tauá -, em 2011, no estado de Pernambuco, com 1 MW de potência, as escalas de capacidade têm aumentado progressivamente. De acordo com o Banco de Informações de Geração (BIG) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), atualmente se encontram 85 Centrais Geradoras Solares Fotovoltaicas em operação no Brasil, com potência outorgada de 1.025.962 kW, que representam 0,65% dos empreendimentos de diferentes fontes energéticas em funcionamento. Já em construção, estão 27 empreendimentos que correspondem a 749.620 kW de potência. E há a projeção de construção de mais 38 unidades, com potência de 908.291 kW. Ainda muito pouco, em relação ao total das matrizes de energia elétrica, predominantemente hidráulica, que apesar de estar na categoria de energia limpa, deixam passivos socioambientais, que são questionáveis.

Pesquisar no site

Blog

07/04/2020 14:31

Parte 3: A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha

Neste Dia Mundial da Saúde (07/04), fica o alerta em defesa de nossos profissionais da área da saúde Por Sucena Shkrada Resk* A batalha contra a Covid-19 está resultando em muitas baixas no front, em todo o mundo. No município de São Paulo, o médico socorrista Paulo Fernando, 56 anos; o enfermeiro...
30/03/2020 10:30

Parte 2: A espiral do novo coronavírus expõe a janela da fragilidade aberta no Antropoceno

Com a pandemia da Covid-19, somos obrigados a descobrir novos caminhos para a humanidade Por Sucena Shkrada Resk* Existem algumas guerras que não são estruturadas com armamentos bélicos e que são tão devastadoras quanto a estes conflitos geopolíticos que têm assolado a humanidade, como a 1ª e 2ª...
10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...
03/02/2020 11:22

Minas Gerais: um recorte sobre os abalos sísmicos e a gestão de riscos

Por Sucena Shkrada Resk* O Brasil tem na casa de 500 abalos sísmicos anualmente e pouca gente tem conhecimento disso. Minas Gerais é um dos estados que historicamente registra os maiores números de terremotos no país (a maioria entre 1 e 4 graus na Escala Richter, que vai até 10 graus), o que é um...
23/01/2020 12:18

Saúde ambiental: estado de alerta mundial para o coronavírus reflete um desequilíbrio ecossistêmico

Por Sucena Shkrada Resk* Maior parte dos registros de casos, até agora, se concentra na China e em outros países asiáticos A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta mundial sobre a propagação do coronavírus (2019-nCoV) e instituiu um comitê de emergência com renomados cientistas...
21/01/2020 13:12

Guerra na Síria: todo o peso da expressão “infância roubada” sobre mais de 5 milhões de crianças

Por Sucena Shkrada Resk* Este é um dos exemplos mais cruéis de obstáculos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que se multiplica em outras nações no mundo Quando observamos atentamente as consequências dos oito anos e meio da devastadora Guerra na Síria, alguns dos pontos mais...
17/01/2020 13:45

Ana Maria Primavesi: a pioneira semeadora da Agroecologia

Por Sucena Shkrada Resk* A construção da história se tece com ícones. Quando se trata da Agroecologia, a personagem que emerge é da engenheira agrônoma e Doutora em Cultura de Solos e Nutrição Vegetal Ana Maria Primavesi, que partiu para o outro plano, aos 99 anos, no último dia 5 de janeiro,...
16/01/2020 12:49

O Piroceno chegou e agora?

Por Sucena Shkrada Resk* Os incêndios na Austrália são o alerta mais contundente do aquecimento global na atualidade Nem nos longas-metragens mais dramáticos, poderíamos imaginar o roteiro da vida real de incêndios florestais que atingem com mais intensidade até agora especialmente a Austrália,...
15/01/2020 14:59

As mudanças climáticas desenham o cenário de urgência em saúde, na próxima década

Por Sucena Shkrada Resk Inação diante da crise pode ter um preço muito alto, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) A saúde pública é, em última análise, uma escolha política e a crise climática é uma crise de saúde. Esta afirmação ecoa um dos principais alertas em relatório divulgado neste...
20/10/2019 13:49

O ônus da desigualdade no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Há uma máxima que deve ser respeitada: os fatos não mentem, quando se trata de analisar a desigualdade socioeconômica no Brasil, que inclui a injustiça ambiental. Os percentuais estatísticos se revelam diariamente, nos trazendo a uma realidade gritante: o país está entre os...
24/08/2019 15:16

A carência de uma visão e ação integradas panamazônicas

Artigo nº 761/Podcast 8 – Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Neste ano de 2019, a evidência de posturas de governanças isolacionistas reacende uma discussão nas entranhas sul-americanas. Vivemos décadas após décadas, a carência de uma visão e ação...
13/08/2019 16:32

#ODS_4: O incentivo à leitura forjado em bibliotecas cidadãs

Atitudes de pessoas comuns fazem a diferença em suas comunidades e municípios e são fonte de inspiração em um país no qual o analfabetismo é ainda um desafio a se superar; são exemplos na busca do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS-4), na seara da educação   Por Sucena Shkrada...
06/08/2019 14:02

Poluição do ar: um assunto transversal nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Análise é feita pelo médico-patologista e pesquisador Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), em entrevista especial ao Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Não é por acaso que o sistema da...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk