Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

08/03/2018 13:00
Por Sucena Shkrada Resk
 
A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o maior investidor em energia renovável -, o Japão, a Alemanha e os EUA, com destaque ao estado da Califórnia, independente da atual política ambiental retrógrada de Donald Trump e a Índia, entre outros países. Apesar dessa ordem no ranking se alterar continuamente nos últimos anos, à medida que há novos empreendimentos, estas nações têm se destacado historicamente no fomento desta matriz. Isso sem falar especificamente de energia fotovoltaica produzida pelos próprios cidadãos (microgeração e minigeração distribuídas), com os painéis solares residenciais e em condomínios, por meio de linhas de incentivo. Um tema específico para outro artigo. 
 
No país asiático, o destaque é o Parque Solar de Longyangxia Dam (850 MW), com capacidade para abastecer 200 mil famílias, onde antes ficava uma fazenda de gado, que estava desmatada e está próximo a um complexo hidrelétrico de mesmo nome, no Yellow River. O país tem uma meta ambiciosa de até 2020 produzir 110 GW de energia solar, atendendo principalmente os acordos internacionais do clima para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). 
 
Na Índia, a Kamuthi Solar Power Project apresenta 648 MW de capacidade de geração. Com capacidade de 70 MW, a Kagoshima Nanatsujima Mega Solar Power Plant, no Japão, é capaz de abastecer 22 mil residenciais. Na Baviera, Alemanha, usina na cidade de Hemau pode atender 4.600 habitantes. 
 
Na Califórnia, EUA, se encontram em funcionamento também algumas das maiores instalações solares no planeta:  a Solar Star (capacidade de 579 megawatts), a Topaz Solar Farm (550 MW),  a Desert Sunlight Solar Farm (550 MW), estas capazes de abastecer 160 mil residências cada e a Ivanpah Solar Electric Generating System. 
 
Brasil a passos lentos
O Brasil, ainda lanterninha neste modelo de fonte, começa a apresentar algumas novidades, que podem modificar este cenário nos próximos anos. Comparativamente aos outros países, que têm políticas mais incisivas quanto à matriz solar, não aproveita o potencial, com altas taxas de irradiação durante todo ano (em especial em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e estados do Nordeste) e de recursos minerais de quartzo (para produção do silício para a confecção dos painéis). 
 
No final de 2017, no estado do Piauí, começou a operar o Parque Solar Nova Olinda, com capacidade de 292 MW e atendimento a 300 mil famílias, considerada o maior da América Latina, e o Parque Solar Ituverava, na Bahia (254MW), sob gestão da Enel Green Power Brasil. 
De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, em 2016, possuía 81 MWp de energia solar fotovoltaica instalados, correspondentes a 0,05% da capacidade instalada total no país, sendo 24 MWp de geração centralizada e 57 MWp de geração distribuída.
Desde a construção da primeira usina solar no país – a Tauá -, em 2011, no estado de Pernambuco, com 1 MW de potência, as escalas de capacidade têm aumentado progressivamente. De acordo com o Banco de Informações de Geração (BIG) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), atualmente se encontram 85 Centrais Geradoras Solares Fotovoltaicas em operação no Brasil, com potência outorgada de 1.025.962 kW, que representam 0,65% dos empreendimentos de diferentes fontes energéticas em funcionamento. Já em construção, estão 27 empreendimentos que correspondem a 749.620 kW de potência. E há a projeção de construção de mais 38 unidades, com potência de 908.291 kW. Ainda muito pouco, em relação ao total das matrizes de energia elétrica, predominantemente hidráulica, que apesar de estar na categoria de energia limpa, deixam passivos socioambientais, que são questionáveis.#Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira
Por Sucena Shkrada Resk
 
A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o maior investidor em energia renovável -, o Japão, a Alemanha e os EUA, com destaque ao estado da Califórnia, independente da atual política ambiental retrógrada de Donald Trump e a Índia, entre outros países. Apesar dessa ordem no ranking se alterar nos últimos anos, à medida que há novos empreendimentos, estas nações têm se destacado historicamente no fomento desta matriz. Isso sem falar especificamente de energia fotovoltaica produzida pelos próprios cidadãos (microgeração e minigeração distribuídas), com os painéis solares residenciais e em condomínios, por meio de linhas de incentivo. Um tema específico para outro artigo. 
No país asiático, o destaque é o Parque Solar de Longyangxia Dam (850 MW), com capacidade para abastecer 200 mil famílias, onde antes ficava uma fazenda de gado, que estava desmatada e está próximo a um complexo hidrelétrico de mesmo nome, no Yellow River. O país tem uma meta ambiciosa de até 2020 produzir 110 GW de energia solar, atendendo principalmente os acordos internacionais do clima para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). 
 
Na Índia, a Kamuthi Solar Power Project apresenta 648 MW de capacidade de geração. Com capacidade de 70 MW, a Kagoshima Nanatsujima Mega Solar Power Plant, no Japão, é capaz de abastecer 22 mil residenciais. Na Baviera, Alemanha, usina na cidade de Hemau pode atender 4.600 habitantes. 
 
Na Califórnia, EUA, se encontram em funcionamento também algumas das maiores instalações solares no planeta:  a Solar Star (capacidade de 579 megawatts), a Topaz Solar Farm (550 MW),  a Desert Sunlight Solar Farm (550 MW), estas capazes de abastecer 160 mil residências cada e a Ivanpah Solar Electric Generating System. 
 
Brasil a passos lentos
O Brasil, ainda lanterninha neste modelo de fonte começa a apresentar algumas novidades, que podem modificar este cenário nos próximos anos. Comparativamente aos outros países, não aproveita o potencial, com altas taxas de irradiação durante todo ano (em especial em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e estados do Nordeste) e de recursos minerais de quartzo (para produção do silício para a confecção dos painéis. 
No final de 2017, no estado do Piauí, começou a operar o Parque Solar Nova Olinda, com capacidade de 292 MW e atendimento a 300 mil famílias, considerada o maior da América Latina, e o Parque Solar Ituverava, na Bahia (254MW), sob gestão da Enel Green Power Brasil. 
De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, em 2016, possuía 81 MWp de energia solar fotovoltaica instalados, correspondentes a 0,05% da capacidade instalada total no país, sendo 24 MWp de geração centralizada e 57 MWp de geração distribuída.
 
Desde a construção da primeira usina solar no país – a Tauá -, em 2011, no estado de Pernambuco, com 1 MW de potência, as escalas de capacidade têm aumentado progressivamente. De acordo com o Banco de Informações de Geração (BIG) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), atualmente se encontram 85 Centrais Geradoras Solares Fotovoltaicas em operação no Brasil, com potência outorgada de 1.025.962 kW, que representam 0,65% dos empreendimentos de diferentes fontes energéticas em funcionamento. Já em construção, estão 27 empreendimentos que correspondem a 749.620 kW de potência. E há a projeção de construção de mais 38 unidades, com potência de 908.291 kW. Ainda muito pouco, em relação ao total das matrizes de energia elétrica, predominantemente hidráulica, que apesar de estar na categoria de energia limpa, deixam passivos socioambientais, que são questionáveis.

Pesquisar no site

Blog

20/10/2019 13:49

O ônus da desigualdade no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Há uma máxima que deve ser respeitada: os fatos não mentem, quando se trata de analisar a desigualdade socioeconômica no Brasil, que inclui a injustiça ambiental. Os percentuais estatísticos se revelam diariamente, nos trazendo a uma realidade gritante: o país está entre os...
24/08/2019 15:16

A carência de uma visão e ação integradas panamazônicas

Artigo nº 761/Podcast 8 – Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Neste ano de 2019, a evidência de posturas de governanças isolacionistas reacende uma discussão nas entranhas sul-americanas. Vivemos décadas após décadas, a carência de uma visão e ação...
13/08/2019 16:32

#ODS_4: O incentivo à leitura forjado em bibliotecas cidadãs

Atitudes de pessoas comuns fazem a diferença em suas comunidades e municípios e são fonte de inspiração em um país no qual o analfabetismo é ainda um desafio a se superar; são exemplos na busca do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS-4), na seara da educação   Por Sucena Shkrada...
06/08/2019 14:02

Poluição do ar: um assunto transversal nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Análise é feita pelo médico-patologista e pesquisador Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), em entrevista especial ao Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Não é por acaso que o sistema da...
24/07/2019 13:26

Mananciais - Billings exemplifica um dos maiores desafios nas regiões metropolitanas: planejamento urbano

As leis de proteção dos mananciais existem desde os anos 1970 (com atualização em 1997) e o problema da poluição das águas formadoras do reservatório já é discutido desde aquela época. Por Sucena Shkrada Resk* Aos 94 anos, a Represa Billings, na Bacia Hidrográfica do Alto-Tietê, é considerada como...
18/07/2019 12:57

Entrevista - Endocrinologista brasileira alerta sobre os riscos da obesidade na infância e adolescência

FAO avalia a obesidade como uma pandemia mundial e constatação é um dos desafios para o cumprimento de alguns Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, da ONU Por Sucena Shkrada Resk A roupagem da malnutrição se dá de diferentes formas: não só pela fome/subnutrição, mas também pela obesidade, e um...
10/07/2019 17:39

As baleias-jubarte têm muito a nos ensinar

Por Sucena Shkrada Resk* Companheiras, acolhedoras, resilientes, volumosas, ágeis e com um fôlego de dar inveja. Se pensarmos bem, temos muito a aprender com elas. Vocês já descobriram quem são estas personagens com tantos atributos? Não? Então, vamos desvendar este mistério: são as baleias-jubarte...
18/06/2019 13:56

Artigo e Podcast 7 – Blog jornalístico Cidadãos do Mundo: Cidadania ambiental tem rosto e nome

Por Sucena Shkrada Resk* Atitude é tudo, não é? Personagens anônimos nos revelam dia a dia um Brasil rico em significados de cidadania ambiental. Estas experiências vêm ao nosso encontro, quando estamos receptivos e olhamos ao nosso redor. Vivenciei um desses momentos, no último domingo, 16 de...
12/06/2019 13:05

Microplásticos: microscópicos e invasivos

Por Sucena Shkrada Resk* Nós comemos e respiramos microplásticos diariamente. Mesmo parecendo absurdo, isto já é comprovado cientificamente e revela os bastidores da relação de produção, consumo e descarte. Apesar de minúsculos e microscópicos, estes fragmentos menores que cinco milímetros são...
05/06/2019 16:48

Poluição do ar: Qual é o valor de cinco segundos?

Por Sucena Shkrada Resk* A maioria de nós provavelmente nunca pensou quanto valem cinco segundos nos dias de hoje, não é? Valem literalmente uma vida, pois neste curto espaço de tempo morre uma pessoa no mundo em decorrência de doenças associadas à poluição do ar, correspondendo anualmente a 7...
23/05/2019 13:15

Podcast 6 – Blog Cidadãos do Mundo: Assustador é não ouvir mais os zumbidos das abelhas

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir os zumbidos das abelhas para muitos pode ser algo assustador, mas ao contrário do que você possa pensar, mais assustador é justamente não ouvir esses zumbidos. A resposta é simples: esses agentes da natureza responsáveis pela maior parte da polinização no planeta...
21/05/2019 14:33

Brasil sai do protagonismo em decisões internacionais da área ambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A linha histórica dos esforços mais intensivos em cooperações multilaterais internacionais no campo ambiental já soma quase meio século, com a Declaração de Estocolmo (1972), mas desde a Segunda Guerra Mundial houve um impulso a este propósito, com a Declaração dos Direitos...
10/05/2019 17:12

O cenário conturbado da gestão ambiental brasileira

Por Sucena Shkrada Resk* A condução da gestão socioambiental no Brasil, neste ano de 2019, causa apreensão aqui e no exterior. Uma série de medidas está sendo tomada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), sob comando do ministro Ricardo Salles, e tem causado polêmica ao acelerar a redução da...
07/05/2019 10:50

Artigo - Podcast 5 - Blog Cidadãos do Mundo: Um dia de second life nas teias socioambientais

Por Sucena Shkrada Resk* Será possível viver sem utopias? Na concepção de grande parte da humanidade, consciente ou inconscientemente, talvez não. Por quê? Uma das respostas possíveis é um sentimento que nos move e que se chama esperança. O que faríamos sem ela? Neste artigo também na versão do...
04/05/2019 12:49

Podcast 4: Saúde ambiental não existe sem prevenção - um alerta no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk*   Neste quarto podcast do meu blog jornalístico Cidadãos do Mundo, falo com vocês a respeito da importância da prevenção na saúde ambiental. É uma questão que está sempre no nosso calcanhar, não é? Quer queira, quer não. E me faz lembrar deste trecho da música dos...
12/04/2019 13:41

Podcast 3 - Blog Cidadãos do Mundo - as facetas das desigualdades sociais no Brasil, por Sucena Shkrada Resk*

Olá, compartilho hoje com vocês o terceiro podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo. Estou trazendo para este espaço algumas reflexões sobre a questão da desigualdade social que historicamente tem afetado o Brasil, e que traduz aquela lacuna de desenvolvimento, que revela as facetas ainda...
02/04/2019 15:05

Podcast 2 - Blog Cidadãos do Mundo - Uma imersão no turismo de base comunitária, por Sucena Shkrada Resk

Olá, estou tratando no segundo podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo, da reflexão sobre o turismo de base comunitária e o etnoturismo, que saem da esfera convencional que conhecemos e trazem um ingrediente importante: a junção da proposta da conservação ambiental com a valorização...
27/03/2019 17:39

Primeiro podcast do Blog Cidadãos do Mundo traz reflexão sobre os efeitos do ciclone Idai na África

Olá, neste ano de 2019, eu, Sucena Shkrada Resk, estou ampliando o formato de linguagem do meu blog jornalístico Cidadãos do Mundo, com a introdução de podcasts periódicos, no qual faço comentários e reflexões sobre temas socioambientais, de sustentabilidade e cidadania, além dos artigos e...
25/03/2019 13:20

Podcast - Agricultura orgânica: grupo de mulheres revela o casamento da faceta da raiz cultural às sementes crioulas

Por Sucena Shkrada Resk  A entrevistada desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk, é a agricultora familiar pernambucana Vilma Martins (terceira à direita na foto), radicada em São Paulo, que integra a composição feminina do Grupo de Agricultores Urbanos...
20/02/2019 14:05

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano

Por Sucena Shkrada Resk* A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk