Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

08/03/2018 13:00
Por Sucena Shkrada Resk
 
A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o maior investidor em energia renovável -, o Japão, a Alemanha e os EUA, com destaque ao estado da Califórnia, independente da atual política ambiental retrógrada de Donald Trump e a Índia, entre outros países. Apesar dessa ordem no ranking se alterar continuamente nos últimos anos, à medida que há novos empreendimentos, estas nações têm se destacado historicamente no fomento desta matriz. Isso sem falar especificamente de energia fotovoltaica produzida pelos próprios cidadãos (microgeração e minigeração distribuídas), com os painéis solares residenciais e em condomínios, por meio de linhas de incentivo. Um tema específico para outro artigo. 
 
No país asiático, o destaque é o Parque Solar de Longyangxia Dam (850 MW), com capacidade para abastecer 200 mil famílias, onde antes ficava uma fazenda de gado, que estava desmatada e está próximo a um complexo hidrelétrico de mesmo nome, no Yellow River. O país tem uma meta ambiciosa de até 2020 produzir 110 GW de energia solar, atendendo principalmente os acordos internacionais do clima para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). 
 
Na Índia, a Kamuthi Solar Power Project apresenta 648 MW de capacidade de geração. Com capacidade de 70 MW, a Kagoshima Nanatsujima Mega Solar Power Plant, no Japão, é capaz de abastecer 22 mil residenciais. Na Baviera, Alemanha, usina na cidade de Hemau pode atender 4.600 habitantes. 
 
Na Califórnia, EUA, se encontram em funcionamento também algumas das maiores instalações solares no planeta:  a Solar Star (capacidade de 579 megawatts), a Topaz Solar Farm (550 MW),  a Desert Sunlight Solar Farm (550 MW), estas capazes de abastecer 160 mil residências cada e a Ivanpah Solar Electric Generating System. 
 
Brasil a passos lentos
O Brasil, ainda lanterninha neste modelo de fonte, começa a apresentar algumas novidades, que podem modificar este cenário nos próximos anos. Comparativamente aos outros países, que têm políticas mais incisivas quanto à matriz solar, não aproveita o potencial, com altas taxas de irradiação durante todo ano (em especial em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e estados do Nordeste) e de recursos minerais de quartzo (para produção do silício para a confecção dos painéis). 
 
No final de 2017, no estado do Piauí, começou a operar o Parque Solar Nova Olinda, com capacidade de 292 MW e atendimento a 300 mil famílias, considerada o maior da América Latina, e o Parque Solar Ituverava, na Bahia (254MW), sob gestão da Enel Green Power Brasil. 
De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, em 2016, possuía 81 MWp de energia solar fotovoltaica instalados, correspondentes a 0,05% da capacidade instalada total no país, sendo 24 MWp de geração centralizada e 57 MWp de geração distribuída.
Desde a construção da primeira usina solar no país – a Tauá -, em 2011, no estado de Pernambuco, com 1 MW de potência, as escalas de capacidade têm aumentado progressivamente. De acordo com o Banco de Informações de Geração (BIG) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), atualmente se encontram 85 Centrais Geradoras Solares Fotovoltaicas em operação no Brasil, com potência outorgada de 1.025.962 kW, que representam 0,65% dos empreendimentos de diferentes fontes energéticas em funcionamento. Já em construção, estão 27 empreendimentos que correspondem a 749.620 kW de potência. E há a projeção de construção de mais 38 unidades, com potência de 908.291 kW. Ainda muito pouco, em relação ao total das matrizes de energia elétrica, predominantemente hidráulica, que apesar de estar na categoria de energia limpa, deixam passivos socioambientais, que são questionáveis.#Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira
Por Sucena Shkrada Resk
 
A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o maior investidor em energia renovável -, o Japão, a Alemanha e os EUA, com destaque ao estado da Califórnia, independente da atual política ambiental retrógrada de Donald Trump e a Índia, entre outros países. Apesar dessa ordem no ranking se alterar nos últimos anos, à medida que há novos empreendimentos, estas nações têm se destacado historicamente no fomento desta matriz. Isso sem falar especificamente de energia fotovoltaica produzida pelos próprios cidadãos (microgeração e minigeração distribuídas), com os painéis solares residenciais e em condomínios, por meio de linhas de incentivo. Um tema específico para outro artigo. 
No país asiático, o destaque é o Parque Solar de Longyangxia Dam (850 MW), com capacidade para abastecer 200 mil famílias, onde antes ficava uma fazenda de gado, que estava desmatada e está próximo a um complexo hidrelétrico de mesmo nome, no Yellow River. O país tem uma meta ambiciosa de até 2020 produzir 110 GW de energia solar, atendendo principalmente os acordos internacionais do clima para redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs). 
 
Na Índia, a Kamuthi Solar Power Project apresenta 648 MW de capacidade de geração. Com capacidade de 70 MW, a Kagoshima Nanatsujima Mega Solar Power Plant, no Japão, é capaz de abastecer 22 mil residenciais. Na Baviera, Alemanha, usina na cidade de Hemau pode atender 4.600 habitantes. 
 
Na Califórnia, EUA, se encontram em funcionamento também algumas das maiores instalações solares no planeta:  a Solar Star (capacidade de 579 megawatts), a Topaz Solar Farm (550 MW),  a Desert Sunlight Solar Farm (550 MW), estas capazes de abastecer 160 mil residências cada e a Ivanpah Solar Electric Generating System. 
 
Brasil a passos lentos
O Brasil, ainda lanterninha neste modelo de fonte começa a apresentar algumas novidades, que podem modificar este cenário nos próximos anos. Comparativamente aos outros países, não aproveita o potencial, com altas taxas de irradiação durante todo ano (em especial em Minas Gerais, Goiás, Tocantins e estados do Nordeste) e de recursos minerais de quartzo (para produção do silício para a confecção dos painéis. 
No final de 2017, no estado do Piauí, começou a operar o Parque Solar Nova Olinda, com capacidade de 292 MW e atendimento a 300 mil famílias, considerada o maior da América Latina, e o Parque Solar Ituverava, na Bahia (254MW), sob gestão da Enel Green Power Brasil. 
De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o Brasil, em 2016, possuía 81 MWp de energia solar fotovoltaica instalados, correspondentes a 0,05% da capacidade instalada total no país, sendo 24 MWp de geração centralizada e 57 MWp de geração distribuída.
 
Desde a construção da primeira usina solar no país – a Tauá -, em 2011, no estado de Pernambuco, com 1 MW de potência, as escalas de capacidade têm aumentado progressivamente. De acordo com o Banco de Informações de Geração (BIG) da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), atualmente se encontram 85 Centrais Geradoras Solares Fotovoltaicas em operação no Brasil, com potência outorgada de 1.025.962 kW, que representam 0,65% dos empreendimentos de diferentes fontes energéticas em funcionamento. Já em construção, estão 27 empreendimentos que correspondem a 749.620 kW de potência. E há a projeção de construção de mais 38 unidades, com potência de 908.291 kW. Ainda muito pouco, em relação ao total das matrizes de energia elétrica, predominantemente hidráulica, que apesar de estar na categoria de energia limpa, deixam passivos socioambientais, que são questionáveis.

Pesquisar no site

Blog

12/04/2019 13:41

Podcast 3 - Blog Cidadãos do Mundo - as facetas das desigualdades sociais no Brasil, por Sucena Shkrada Resk*

Olá, compartilho hoje com vocês o terceiro podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo. Estou trazendo para este espaço algumas reflexões sobre a questão da desigualdade social que historicamente tem afetado o Brasil, e que traduz aquela lacuna de desenvolvimento, que revela as facetas ainda...
02/04/2019 15:05

Podcast 2 - Blog Cidadãos do Mundo - Uma imersão no turismo de base comunitária, por Sucena Shkrada Resk

Olá, estou tratando no segundo podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo, da reflexão sobre o turismo de base comunitária e o etnoturismo, que saem da esfera convencional que conhecemos e trazem um ingrediente importante: a junção da proposta da conservação ambiental com a valorização...
27/03/2019 17:39

Primeiro podcast do Blog Cidadãos do Mundo traz reflexão sobre os efeitos do ciclone Idai na África

Olá, neste ano de 2019, eu, Sucena Shkrada Resk, estou ampliando o formato de linguagem do meu blog jornalístico Cidadãos do Mundo, com a introdução de podcasts periódicos, no qual faço comentários e reflexões sobre temas socioambientais, de sustentabilidade e cidadania, além dos artigos e...
25/03/2019 13:20

Podcast - Agricultura orgânica: grupo de mulheres revela o casamento da faceta da raiz cultural às sementes crioulas

Por Sucena Shkrada Resk  A entrevistada desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk, é a agricultora familiar pernambucana Vilma Martins (terceira à direita na foto), radicada em São Paulo, que integra a composição feminina do Grupo de Agricultores Urbanos...
20/02/2019 14:05

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano

Por Sucena Shkrada Resk* A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos...
08/02/2019 12:42

Rompimentos de barragens de rejeitos minerais revelam cenário de insegurança no país

Por Sucena Shkrada Resk* Ausência e/ou ineficiência nas precaução e prevenção, manutenção, em monitoramento e investimento em tecnologias mais seguras e em fiscalização contínua na destinação e tratamento de rejeitos minerais. Essa série de potenciais causas tem demonstrado um verdadeiro campo...
25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk