#Saúdeambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?

09/01/2018 10:34

Por Sucena Shkrada Resk

 Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores Haemagogus ou o Sabethes, que transmitem o vírus RNA) acenderam a luz amarela para a versão urbana da doença, sobre a qual não há registros desde 1942, cujo vetor é o Aedes Aegypti.

Por que a situação exige extrema vigilância? O Brasil enfrenta um surto, em especial, em municípios do Sudeste que se tornaram pautas recorrentes das manchetes dos grandes veículos de imprensa, como a de hoje - "Sobe para 13 o número de mortos por febre amarela, desde o ano passado..." ou "Minas Gerais tem 21 cidades com alto risco de febre amarela". Em 2018, o país continua a computar uma estatística de perda de vidas por causa da doença. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) identificou no ano passado alterações do genoma viral da febre amarela, o que está requerendo aprofundamento, segundo os pesquisadores. O Ministério da Saúde chegou a anunciar em 2017, que o país estava livre do surto, mas vimos que a situação é outra. Entre dezembro do ano anterior e agosto de 2017, houve a confirmação de 777 casos, sendo que 261 resultaram em óbito.

A vacina entra no calendário vacinal. A necessidade de prevenção se amplia, porque as regiões mais afetadas têm alta densidade demográfica e retratam que o desenvolvimento à custa de uma precária infraestrutura de saneamento ambiental é um dos pontos mais fragilizados dos governos. Afinal, nas áreas urbanas, onde o vetor da doença é o Aedes Aegypti, há maior temor, pois a época de chuvas começou e o perigo da existência de centenas de criadouros é grande. Fazendo uma retrospectiva, seria interessante saber o que sanitaristas pioneiros como Oswaldo Cruz (1872-1917) e Emílio Ribas (1862-1925) diriam a respeito deste cenário atual, não é?  

Ações consorciadas

Oswaldo Cruz tinha uma visão racional do que era necessário realizar ações consorciadas para combater as causas e efeitos da doença, no ano de 1903, como é descrito em sua biografia. Apesar de muitos considerarem que sua postura era radical, as suas ações foram de relevante importância em um país que vivia sucessivas epidemias. Tanto que uma das primeiras medidas que tomou no Rio de Janeiro, que sofria com a febre amarela, foi de iniciar uma campanha e incorporar à Diretoria da Saúde Pública, o pessoal médico e da limpeza pública do município. Com isso, o número de mortes caiu consideravelmente.

O sanitarista se pautava em uma visão holística do problema. Para isso, adotava o critério de multas e intimações a proprietários que não zelavam pela higiene e condições sanitárias dos imóveis; ao mesmo tempo, brigadas anti-mosquitos para atuar na limpeza dos possíveis criadouros e encaminhamento dos doentes para devido tratamento.

As medidas que tomava eram inspiradas na então teoria do médico cubano Carlos Finlay de que o transmissor da doença (nas áreas urbanas) era o mosquito Aedes aegypti, na época conhecido como Stegomyia fasciata ou Culex aegypti, nestes últimos anos tão conhecido por nós associado também à Dengue, à Febre chikungunya e ao Zika Vírus. Um questionamento pertinente: onde está o gargalo da vigilância sanitária no país? Será uma política que lida só com sazonalidades e não é de longo prazo? Ficam as perguntas.

Agora, nas áreas silvestres, o Haemagogus ou o Sabethes, que estão causando apreensão em municípios principalmente do Sudeste, desencadearam os processos de vacinação em massa em várias regiões. Os animais silvestres (primatas) contaminados estão sento sentinelas, de certa forma. Infelizmente as suas mortes revelam o perigo presente. Pode parecer óbvio, mas o contágio a humanos pelos mosquitos perde fronteiras, desde que o mesmo esteja infectado. A circulação de pessoas pelo país é uma constante.

O Ministério da Saúde fez um acompanhamento maior da doença pela última vez, em 2008, quando à época houve uma campanha nacional. Agora a atenção a este novo surto aciona o MS, principalmente com o encaminhamento das vacinas a todos os estados, em especial para a BA, ES, MG, RJ e SP. Cerca de 40 milhões de doses até o momento. Agora, não é mais só uma exigência quando viajamos às então chamadas áreas de riscos.  

Neste processo histórico, é interessante observar que a vacina começou a ser fabricada, nos anos 40, pela Fiocruz, com financiamento do então empresário norte-americano Rockfeller (e não, por investimento interno). O cerco contra a doença se estabelecia e agora vimos se repetir a necessidade, no século XXI. Falar em febre amarela não está circunscrito mais à região amazônica e cerrado principalmente. A chamada febre amarela urbana, por via de transmissão pelo Aedes Aegypti, passa a ser uma possibilidade iminente, segundo especialistas. Diante da proliferação da mosquito-fêmea nos últimos anos e a incidência de chuvas, que facilita a eclosão dos ovos, a preocupação redobra.

E fica a pergunta: como o sanitarista Oswaldo Cruz avaliaria e agiria, no contexto atual da febre amarela no país? Talvez seja preciso recobrar o ontem para avaliar as conduções do hoje...

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
31/01/2016 - Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda
07/04/2013 - Dengue: brechas na prevenção no Brasil 
11/12/2012 - Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
08/09/2010 - Precisamos nos reconhecer sul-americanos (II)
20/02/2010 - Dengue: prevenção não pode ser sazonal
 

Pesquisar no site

Blog

11/10/2017 11:35

Arpilleras: a defesa dos direitos tecida com a sensibilidade da arte

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro Maria Alacídia, 52 anos, de Altamira, Pará, e Claides Helga Kohwald, 76 anos, do Rio Grande do Sul e que hoje mora no Paraná, vivem a milhares de quilômetros de distância, mas têm suas vidas ligadas por um bordado e por uma “linha histórica” em comum. A...
09/10/2017 17:53

Justiça socioambiental: centenas de vozes ecoam homenagem póstuma à pescadora Nicinha, no Rio de Janeiro

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro  A pescadora Nilce de Souza Magalhães, mais conhecida por Nicinha, liderança feminina do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), no estado de Rondônia, defendia os direitos das populações afetadas pelo Complexo Hidrelétrico, no rio Madeira e seus...
25/09/2017 12:22

Gameleira traz um exemplo propositivo de afirmação identitária quilombola

PÍLULAS SOCIOAMBIENTAIS Por Sucena Shkrada Resk O Museu Gídio Veio, da Comunidade de Remanescentes Quilombolas de Gameleira, em São Tomé, no Rio Grande do Norte, é uma prova de que o senso de pertencimento étnico ao território pode ser ‘perpetuado’ por meio de ações proativas, que tragam o resgate...
21/08/2017 16:06

Ser quilombola: um diálogo com a memória ancestral

Por Sucena Shkrada Resk, em Eldorado (SP) - 20/08/2017 “Eu tenho uma memória ancestral que diz quem eu sou”, destaca o quilombola Ronaldo dos Santos, coordenador executivo da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ). Essa afirmação nunca foi tão...
01/08/2017 11:40

Mobilização nacional defende comunidades remanescentes quilombolas contra retrocessos em direitos estabelecidos

Por Sucena Shkrada Resk Nos últimos anos, está sendo construído um cenário de retrocessos no campo dos direitos humanos no Brasil, que ferem a Constituição de 1988. Atualmente, uma causa que ganha visibilidade é a das comunidades remanescentes quilombolas. Isso acontece, porque o julgamento...
09/07/2017 18:10

O discurso da invisibilidade no contexto da injustiça socioambiental e no campo

Por Sucena Shkrada Resk Vivemos tempos de invisibilização acentuada de povos e comunidades tradicionais e indígenas promovida pelos modus operandi das políticas de infraestrutura, que ferem os direitos instituídos legalmente, no âmbito nacional e internacional. Algumas das agendas com maior número...
22/01/2017 18:21

O ônus socioambiental da contemporaneidade “Flex”

  Por Sucena Shkrada Resk   Quando dizemos que um indivíduo ou uma nação têm "palavra", o sentido implícito nesta frase implica retidão, ética e relação de confiança. Mas nos deparamos hoje na contemporaneidade com uma fragilidade que reflete um mundo em que leis, direitos instituídos e...
18/12/2016 10:34

Guerra na Síria: o retrato da desumanização no século XXI

Por Sucena Shkrada ReskQuem cura as cicatrizes das feridas profundas das guerras civis que marcam o século XXI, em especial, na Síria? Os acordos geopolíticos demonstram que impera a crueldade imposta pelas polaridades, que armam os lados opostos internos com aparato bélico e financiamento e causam...
12/12/2016 21:38

A legislação socioambiental sob o ataque da artilharia ruralista no Congresso Nacional

Por Sucena Shkrada Resk Agora, querem destruir as regras do licenciamento ambiental O desgaste político brasileiro na agenda socioambiental chega a beirar o surrealismo. Tal qual uma artilharia, com tanque de guerra, a bancada ruralista tem assumido o ataque, por meio de projetos que tramitam no...
05/09/2016 17:41

A longevidade em tempos de mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk Caso fôssemos fazer uma enquete para saber se as pessoas querem envelhecer em um planeta com o aumento da temperatura média acima de dois graus Celsius até o final do século com relação à era pré-industrial, muitas talvez não tivessem a noção do que essa pergunta significa....
28/08/2016 16:31

Savanização da Amazônia mato-grossense a olhos nus

Por Sucena Shkrada Resk Mais de 15 mil focos de incêndio/queimadas, neste ano, colocam o Mato Grosso em primeiro do ranking no país atualmente. E boa parte destes registros ocorre no bioma amazônico ao norte e noroeste do estado. Colniza, a pouco mais de mil quilômetros de Cuiabá, é o município que...
26/06/2016 22:35

Mortes de ativistas socioambientais não podem se perder nas estatísticas

Por Sucena Shkrada Resk Muitos nomes em algumas lápides por este Brasil podem ser anônimos para a maioria de nós, mas representam o descaso cada vez maior com a vida de cidadãos e cidadãs, que fazem parte de comunidades indígenas, que pleiteiam a demarcação de terra que se estende em processos...
24/04/2016 14:53

Agrotóxicos – Parte 2: mais um projeto polêmico na Câmara

Por Sucena Shkrada Resk Quando imaginamos que está chegando o momento de bonança, vem mais uma notícia que exige um olhar atento da sociedade quanto à temática dos agrotóxicos e a tentativa de mudança de nomenclatura e regras, que ferem o direito do consumidor. Tramita na Câmara dos Deputados, o...
11/04/2016 12:44

Estão calando aos poucos as raízes indígenas: a memória oral é um caminho necessário

Por Sucena Shkrada Resk Quando anunciam que dezenas de línguas indígenas podem morrer, como centenas já desapareceram no Brasil, dá uma sensação de vazio. O processo de extermínio das raízes vem se acelerando, desde o “Descobrimento do Brasil”, quando se estima que havia o registro entre 1.500 e...
03/04/2016 09:44

Agrotóxicos-transgênicos: um rolo compressor está sendo passado sobre o direito do consumidor

Por Sucena Shkrada Resk Enquanto o cenário político brasileiro enfrenta uma de suas maiores crises na história democrática no país, nos bastidores, a orquestração no Congresso de grupos políticos, que representam predominantemente interesses de mercado, consegue aprovar projetos que prejudicam o...
23/02/2016 20:34

Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk Bactérias, vírus e parasitas, coliformes fecais, produtos químicos, metais pesados...  Sinto muito dizer, mas 42% da população convivem com este contexto de saneamento, porque não têm acesso a um direito mínimo, que é a coleta de rede de esgoto. O endereço dessa...
09/02/2016 07:27

As lamas da mineração: a caixa de pandora foi aberta

Por Sucena Shkrada Resk Três meses se passaram e a conclusão a que se chega é que a expressão “tragédia anunciada” se materializou no acidente do rompimento da barragem de rejeitos minerais(de ferro) do Fundão, operada pela Samarco, controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Biliton, , em...
31/01/2016 14:00

Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda

Por Sucena Shkrada Resk Lembro como se fosse hoje. O ano era 2002 e trabalhava como repórter no Diário do Grande ABC. Uma das pautas que mais cobri, neste período, foi com relação à epidemia de dengue e aos diversos focos do mosquito fêmea do Aedes aegypti que havia na região e no país. Em outras...
26/12/2015 15:58

Implementação é a palavra-chave após a COP21

Por Sucena Shkrada Resk Esta é uma fase de amadurecimento de reflexões. Os últimos dias após o acordo firmado na 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e da 11ª Reunião das Partes no Protocolo de Quioto (MOP-11), em...
07/12/2015 21:32

COP21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque

Por Sucena Shkrada Resk Enquanto nas salas climatizadas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-21), em Paris, tudo vai hipoteticamente bem, obrigado, do lado de fora, a realidade é bem outra. Essa constatação vem por meio de dados do recente...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk