#Saúdeambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?

09/01/2018 10:34

Por Sucena Shkrada Resk

 Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores Haemagogus ou o Sabethes, que transmitem o vírus RNA) acenderam a luz amarela para a versão urbana da doença, sobre a qual não há registros desde 1942, cujo vetor é o Aedes Aegypti.

Por que a situação exige extrema vigilância? O Brasil enfrenta um surto, em especial, em municípios do Sudeste que se tornaram pautas recorrentes das manchetes dos grandes veículos de imprensa, como a de hoje - "Sobe para 13 o número de mortos por febre amarela, desde o ano passado..." ou "Minas Gerais tem 21 cidades com alto risco de febre amarela". Em 2018, o país continua a computar uma estatística de perda de vidas por causa da doença. A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) identificou no ano passado alterações do genoma viral da febre amarela, o que está requerendo aprofundamento, segundo os pesquisadores. O Ministério da Saúde chegou a anunciar em 2017, que o país estava livre do surto, mas vimos que a situação é outra. Entre dezembro do ano anterior e agosto de 2017, houve a confirmação de 777 casos, sendo que 261 resultaram em óbito.

A vacina entra no calendário vacinal. A necessidade de prevenção se amplia, porque as regiões mais afetadas têm alta densidade demográfica e retratam que o desenvolvimento à custa de uma precária infraestrutura de saneamento ambiental é um dos pontos mais fragilizados dos governos. Afinal, nas áreas urbanas, onde o vetor da doença é o Aedes Aegypti, há maior temor, pois a época de chuvas começou e o perigo da existência de centenas de criadouros é grande. Fazendo uma retrospectiva, seria interessante saber o que sanitaristas pioneiros como Oswaldo Cruz (1872-1917) e Emílio Ribas (1862-1925) diriam a respeito deste cenário atual, não é?  

Ações consorciadas

Oswaldo Cruz tinha uma visão racional do que era necessário realizar ações consorciadas para combater as causas e efeitos da doença, no ano de 1903, como é descrito em sua biografia. Apesar de muitos considerarem que sua postura era radical, as suas ações foram de relevante importância em um país que vivia sucessivas epidemias. Tanto que uma das primeiras medidas que tomou no Rio de Janeiro, que sofria com a febre amarela, foi de iniciar uma campanha e incorporar à Diretoria da Saúde Pública, o pessoal médico e da limpeza pública do município. Com isso, o número de mortes caiu consideravelmente.

O sanitarista se pautava em uma visão holística do problema. Para isso, adotava o critério de multas e intimações a proprietários que não zelavam pela higiene e condições sanitárias dos imóveis; ao mesmo tempo, brigadas anti-mosquitos para atuar na limpeza dos possíveis criadouros e encaminhamento dos doentes para devido tratamento.

As medidas que tomava eram inspiradas na então teoria do médico cubano Carlos Finlay de que o transmissor da doença (nas áreas urbanas) era o mosquito Aedes aegypti, na época conhecido como Stegomyia fasciata ou Culex aegypti, nestes últimos anos tão conhecido por nós associado também à Dengue, à Febre chikungunya e ao Zika Vírus. Um questionamento pertinente: onde está o gargalo da vigilância sanitária no país? Será uma política que lida só com sazonalidades e não é de longo prazo? Ficam as perguntas.

Agora, nas áreas silvestres, o Haemagogus ou o Sabethes, que estão causando apreensão em municípios principalmente do Sudeste, desencadearam os processos de vacinação em massa em várias regiões. Os animais silvestres (primatas) contaminados estão sento sentinelas, de certa forma. Infelizmente as suas mortes revelam o perigo presente. Pode parecer óbvio, mas o contágio a humanos pelos mosquitos perde fronteiras, desde que o mesmo esteja infectado. A circulação de pessoas pelo país é uma constante.

O Ministério da Saúde fez um acompanhamento maior da doença pela última vez, em 2008, quando à época houve uma campanha nacional. Agora a atenção a este novo surto aciona o MS, principalmente com o encaminhamento das vacinas a todos os estados, em especial para a BA, ES, MG, RJ e SP. Cerca de 40 milhões de doses até o momento. Agora, não é mais só uma exigência quando viajamos às então chamadas áreas de riscos.  

Neste processo histórico, é interessante observar que a vacina começou a ser fabricada, nos anos 40, pela Fiocruz, com financiamento do então empresário norte-americano Rockfeller (e não, por investimento interno). O cerco contra a doença se estabelecia e agora vimos se repetir a necessidade, no século XXI. Falar em febre amarela não está circunscrito mais à região amazônica e cerrado principalmente. A chamada febre amarela urbana, por via de transmissão pelo Aedes Aegypti, passa a ser uma possibilidade iminente, segundo especialistas. Diante da proliferação da mosquito-fêmea nos últimos anos e a incidência de chuvas, que facilita a eclosão dos ovos, a preocupação redobra.

E fica a pergunta: como o sanitarista Oswaldo Cruz avaliaria e agiria, no contexto atual da febre amarela no país? Talvez seja preciso recobrar o ontem para avaliar as conduções do hoje...

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
31/01/2016 - Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda
07/04/2013 - Dengue: brechas na prevenção no Brasil 
11/12/2012 - Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
08/09/2010 - Precisamos nos reconhecer sul-americanos (II)
20/02/2010 - Dengue: prevenção não pode ser sazonal
 

Pesquisar no site

Blog

05/03/2012 17:43

Rio+20: Zukang no Brasil e cidadãos na mobilização, por Sucena Shkrada Resk

O principal papel da cidadania é exercê-la, senão se torna figurativa. No contexto da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20, o acompanhamento de algumas agendas e documentos também possibilita a construção de argumentos mais sólidos nas bandeiras de lutas. Afinal,...
04/03/2012 12:30

Pensata - Rio+20: agora é a vez do como, por Sucena Shkrada Resk

Com toda a efervescência da Rio+20 e seus contextos...sabemos o que está "errado", já foi feito o diagnóstico. Agora, está mais do que na hora de pular essa etapa e partir para o como fazer diferente e melhor...E poucos tratam disso. Onde encontramos algo sistematizado, desde modelos e boas...
03/03/2012 10:06

Pensata: Comunicação compartilhada, por Sucena Shkrada Resk

#Comunicação_compartilhada é o exercício do desapego...Começa por ideias, reflexões e informações para seguir a ações e mudanças de valores. Mas não basta o ctrl C, ctrl V...mas a intenção, a escolha do tema, a utilidade do mesmo, que está na rede dos porquês, dos 'comos' e para quês...Quando...
03/03/2012 07:09

O desafio de reaprendermos a ser humanos, por Sucena Shkrada Resk

Alguns ensinamentos na vida são para sempre. Nesse repertório adquirido no dia a dia, as palavras de Nélida Céspedes, educadora peruana, presidente do Conselho de Educação de Adultos da América Latina (CEAAL), proporciona muitas reflexões: "Precisamos reaprender a ser seres humanos". A frase dita,...
02/03/2012 17:14

A importância da discussão da água na Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

Hoje ao ler a matéria 2,7 bilhões de pessoas sofrem com escassez de água, veiculada no Estadão, e acompanhar as discussões que envolvem o VI Fórum Mundial da Água, que acontecerá, em Marselha, entre os dias 12 e 17, reflito o seguinte, no contexto da Conferência das Nações Unidas sobre...
26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...
06/02/2012 13:39

Aeroportos: Um país de duas medidas, por Sucena Shkrada Resk

Na semana passada, ouvi uma notícia que, no mínimo, demonstra um desequilíbrio total de gestão. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) anunciou que aeroportos em cidades da Copa terão opções de lanchonetes econômicas x aqueles preços homéricos que nos cobram. A iniciativa...
06/02/2012 11:18

Nota: Reflexões rumo às eleições & cidadania, por Sucena Shkrada Resk

Exigir que os CANDIDATOS DE TODOS OS PARTIDOS INDISTINTAMENTE a prefeitos e vereadores tenham plano de governos e legislativos coerentes, com metas, diretrizes de curto, médio e longo prazos, apresentem de onde virão as dotações orçamentárias (do tesouros, Parcerias Público-Privadas - PPs etc)...
06/02/2012 09:18

Prática da cidadania: combate ao uso do cerol, por Sucena Shkrada Resk

Praticar cidadania não tem hora marcada, feito uma consulta no médico, e nem pode depender de conveniência, de acordo com o ambiente, personagens envolvidos e interesses particulares. Isso deveria ser a regra, mas a gente sabe que não é bem assim. Vou citar um exemplo cotidiano para reflexão, aqui...
02/02/2012 12:14

Chico Whitaker: Como sensibilizar os 99%?, por Sucena Shkrada Resk

Um dos raciocínios e sensibilizações mais coerentes sobre o qual refleti, durante o Fórum Social Temático (FST) 2012, entre os dias 24 e 29 de janeiro, foi expresso por Chico Whitaker. Durante um encontro entre ativistas de mídia livre, promovido pela Ciranda.Net, no dia 25, ele trouxe a bagagem de...
25/01/2012 21:59

Caminhada do FST 2012: um momento em que as vozes emergem, por Sucena Shkrada Resk

A atmosfera de lançamento dos Fóruns Sociais consegue ter um DNA em comum a cada edição e isso se repetiu no dia 24, com o Fórum Social Temático – FST 2012, em Porto Alegre. As mais diversas “tribos” se misturaram e ao mesmo tempo se separaram em blocos e colocaram suas reivindicações na pauta das...
13/01/2012 18:42

Rio+20: O que fazemos com tanta informação?, por Sucena Shkrada Resk

Para quem acompanha ou atua na área socioambiental, a contagem regressiva para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, ao menos, gera uma carga significativa de pesquisas e informações para que possamos trabalhar o pensamento complexo,...
09/01/2012 16:14

E os planos de contingência?, por Sucena Shkrada Resk

Fiz esse breve questionário, como uma pré-pauta, para aguçar nossas reflexões. Quem será que tem as respostas na ponta da língua ou pelo menos sabe onde encontrá-las?: - O Brasil (enquanto federação) tem um plano de contingência a desastres naturais implementado? - Quantos dos 5.565 municípios...
06/01/2012 16:13

Que chance teve a criança indígena?, por Sucena Shkrada Resk

Uma notícia realmente me abateu hoje. Foi da denúncia da atrocidade feita com uma criança indígena do povo Awá-Guajá, de cerca de oito anos. O seu corpo carbonizado teria sido abandonado pelos Awá isolados, a cerca de 20 km da aldeia Patizal do povo Tenetehara, em Arame (MA). Tudo indica que foi...
06/01/2012 11:17

Anos e décadas institucionais da ONU e a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

No contexto da #Rio+20, estrategicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 2012 como ano de importantes eixos da sustentabilidade, quando completa 40 anos de atividade: Os temas são: - Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos e - Ano Internacional das Cooperativas (que...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk