#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

17/01/2018 08:51

Por Sucena Shkrada Resk

Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de proporções continentais. A constatação se dá pelos fatos: estamos em 2018 e 45% da população brasileira ou 93,6 milhões de pessoas não têm acesso a tratamento de esgoto e o resultado desta falta de foco em infraestrutura no país é o despejo diário de 9,1 mil toneladas nos corpos d`água, de lagos a rios, que estão morrendo e revelando um dos aspectos mais complexos que envolve o tema da crise hídrica. Os 106 municípios com mais de 250 mil habitantes são responsáveis por 48% desta descarga.

Quem retrata este cenário desolador? A própria Agência Nacional de Águas (ANA) e o Ministério das Cidades, no Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas, estudo divulgado no segundo semestre do ano passado, que faz análise comparativa entre dados populacionais de 2013 e 2035 para realizar a construção de cenários futuros e alternativas para remediar problemas que se estendem por décadas a fio, em um Brasil com 168,4 milhões de habitantes que deveria chegar a 204,8 mi habitantes. O mapeamento foi dividido em 12 regiões hidrográficas (Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlântico Nordeste Ocidental, Parnaíba, Atlântico Nordeste Oriental, São Francisco, Atlântico Leste, Sudeste, Sul, Uruguai, Paraná e Paraguai). O quadro é ainda mais perverso, pois o levantamento se restringiu às áreas urbanas. Isso quer dizer, não diagnostica a parte rural.

Quando vimos principalmente trechos do rio Tietê, na região metropolitana de São Paulo ou o Iguaçu, no Paraná e o Ipojuca, em Pernambuco, a sensação é das piores. Rios que se transformaram em esgotos, que carregam múltiplas externalidades. 

Um dado que representa a ponta mais desfavorecida da desigualdade na justiça socioambiental, neste levantamento, é o registro de que 27% dos brasileiros sequer são beneficiados pela coleta de esgoto e 18% têm seu esgoto coletado e não tratado. Já 12% da população utiliza fossa séptica. A Resolução Conama 430, do ano de 2011, que determina o tratamento de no mínimo, 60% da Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) antes do lançamento, praticamente é ignorada. A lei do saneamento básico (Lei Federal nº 11.445/2007) entra no hall das legislações que são desrespeitadas. Discutir modelo de desenvolvimento neste contexto faz sentido, tendo em vista, que 45% da carga orgânica gerada em todo país provém do Sudeste.

A tabela das condições de operação e eficiência das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) em funcionamento no Brasil também são um termômetro interessante do que já existe e ainda é subutilizado. A proporção varia de 30% a 90%, com diferentes modalidades tecnológicas aplicadas. Foram registradas 2.768 ETES em 1.592 municípios.

Os percentuais de falta de coleta e tratamento por estado, segundo o estudo, descrevem esta realidade e é possível ver o distanciamento real de acesso aos serviços entre o Norte e Sudeste do país. Amapá, Rondônia, Pará, Alagoas, Maranhão são os que exigem maior cobertura. Entretanto, a complexidade por volume se dá nos estados mais desenvolvidos.
- Acre  - 22 municípios – 562.843 habitantes - (51,65% não coletados/não tratados) e (1,98% coletados e não tratados);
- Alagoas - 102 municípios –  2.437.832 habitantes - (61,97% não coletados/não tratados) e (9,19% coletados e não tratados);
- Amazonas – 62 municípios – 3.014.220 habitantes – (57,73% não coletados/não tratados) e (3,66% coletados e não tratados);
- Amapá – 16 municípios – 658.840 habitantes – (75,84% não coletados/não tratados e 0,61% coletados e não tratados);
- Bahia – 417 municípios – 10.880.101 habitantes – (31,21% não coletados/não tratados) e (12,3% coletados e não tratados);
- Ceará – 184 municípios – 6.603.150 habitantes – (25,77% não coletados/não tratados) e (3,98% coletados e não tratados);
- Distrito Federal – 2.694.296 habitantes – (8,57% não coletados e não tratados);
- Espírito Santo – 78 municípios – 3.209.162 habitantes – (34,94% não coletados e não tratados) e (19,52% coletados e não tratados);
- Goiás – 246 municípios e 5.817.885 habitantes – (36,55% não coletados e não tratados) e (2,53% coletados e não tratados)
- Maranhão – 217 municípios - 4.290.065 habitantes – (60,86% não coletados e não tratados) e (13% coletados e não tratados);
- Minas Gerais – 853 municípios – 17.592.969 habitantes – (11,56% não coletados e não tratados) e 42,25% coletados e não tratados);
- Mato Grosso do Sul – 79 municípios – 2.215.953 habitantes – (41,76% não coletados e não tratados) e (0,8% coletados e não tratados);
- Mato Grosso – 141 municípios – 2.604.062 habitantes – (54,5% não coletados e não tratados) e (2,11% coletados e não tratados);
- Pará – 144 municípios – 5.459.309 habitantes – (65,66% não coletados e não tratados) e (4,98% coletados e não tratados);
- Paraíba – 223 municípios – 2.958.129 habitantes – (34,27% não coletados e não tratados) e (16,2% coletados e não tratados);
- Pernambuco – 185 municípios – 7.385.329 habitantes – (44,12% não coletados e não tratados) e (17,6% coletados e não tratados);
- Piauí – 224 municípios – 2.096.856 habitantes – (59,16% não coletados e não tratados) e (2,34% coletados e não tratados);
- Paraná – 399 municípios – 9.402.234 habitantes – (23,54% não coletados e não tratados) e (1,11% coletados e não tratados);
- Rio de Janeiro – 92 municípios – 15.826.680 habitantes (18,37% não coletados e não tratados) e (30,55% coletados e não tratados);
- Rio Grande do Norte – 167 municípios – 2.630.467 habitantes – (47,28% não coletados e não tratados) – (6.07% coletados e não tratados);
- Rondônia – 52 municípios – 1.277.299 habitantes – (71,55% não coletados e não tratados) e (5,15% coletados e não tratados);
- Roraima – 15 municípios – 374.084 habitantes – (47,97% não coletados e não tratados) e (3,82% coletados e não tratados);
- Rio Grande do Sul – 497 municípios – 9.512.434 habitantes – (21,56% não coletados e não tratados) e (28,17% coletados e não tratados);
- Santa Catarina – 295 municípios – 5.594.950 habitantes – (19.78% não coletados e não tratados) e (8,69% coletados e não tratados);
- Sergipe – 75 municípios – 1.619.457 habitantes – (56,21% não coletados e não tratados) e (10.73% coletados e não tratados);
- São Paulo – 645 municípios – 41.892.786 habitantes – (9,15% não coletados e não tratados) e (22,62% coletados e não tratados);
- Tocantins – 139 municípios – 1.169.213 habitantes – (54,06% não coletados e não tratados) e (1,31% coletados e não tratados)

Esgotamento sanitário é investimento

A ausência de tratamento que atinge mais de 4,4 mil municípios dos 5.570 destaca a necessidade emergente de investimento, que requer que os gestores e legisladores elenquem a pauta como prioridade, o que não ocorre historicamente. Somente 31 dos 100 municípios mais populosos brasileiros conseguem tratar mais de 60%. E por incrível que pareça, o único município que supera este percentual no país, é Brasília. E a poluição dos recursos hídricos é o resultado destas discrepâncias. Hoje, de acordo com as classificações de qualidade hídrica, 84 mil km de rios são praticamente mortos e é descartada a captação para abastecimento público nos mesmos.

Uma das condições mais preocupantes está em trechos dos rios na região do litoral fluminense. De acordo com o Atlas, o problema é identificado em 30,7% da extensão dos corpos d’água, que concentram 19 das 21 cidades que compõem a Região Metropolitana da capital do Estado, onde vivem cerca de 12 milhões de pessoas. Pela densidade demográfica, a área do rio Tietê se destaca na descarga da poluição hídrica, com 29 milhões de habitantes. As regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas e o litoral paulista são os que mais sofrem pressão.

De acordo com o Atlas, o valor de investimento necessário no país seria da ordem de R$ 135 bi até o ano de 2.035 e os estudos apresentam alternativas de ações a serem executadas, no contexto do aumento populacional no período. O problema é que não são só as cifras suficientes para suprir esse déficit, mas o gargalo é mais fundo: gestão eficiente para a realização e manutenção de um serviço de qualidade, como também a capacidade de diluição dos esgotos nos rios. Deste total, a avaliação é que 55% devem ser investidos nas regiões hidrográficas do Paraná e do Atlântico Nordeste Oriental.

Munir-se desse tipo de informação e ser proativo no encaminhamento de soluções eficazes e de longo prazo lícitas, revela a qualidade de gestores e legisladores. Quem  ignora esta agenda demonstra que não é capaz e nem digno de representar a população brasileira. 

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
23/12/2016 - Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil 
28/09/2014 - Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental
18/08/2014 - Qualidade das águas em (como entender a gestão das águas - parte 2)
15/08/2014 - Como entender a gestão das águas no estado de São Paulo - parte 1 
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício
22/03/2013 - Água purar...quero ver-te 
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
23/05/12 - Nota: Saneamento está interligado a outras infraestruturas
28/10/11 - Por dentro do saneamento básico
28/10/2011 - Trata Brasil estuda projeto de educação para o saneamento
28/10/2011 - Reflexões sobre segurança alimentar & meio ambiente
19/10/2011 - Esgoto: o calcanhar de aquiles do Brasil
12/09/2011 - Rio+20: um cenário de incertezas (parte 1)
12/08/2011 - Todo dia é tempo de recomeço
07/08/2011 - O que se fala sobre vulnerabilidade climática (parte 1)
06/08/2011 - Seca na Somália: precisamos sair de nossas caixas blindadas
26/04/2011 - A “sociedade do lixo”: 60.868.080 toneladas só em 2010
03/05/2010 - Educação ambiental: o saneamento é um elemento básico
14/07/2010 - Uma realidade sem agrotóxicos é possível
29/06/2010 - O que comemos?
01/02/2010 - Esp.FSM 2010 - Qual é a nossa conjuntura ambiental?
13/12/2009 - Especial COP15: O balanço dos antagonismos
06/12/2009 - Copenhague vira o centro do planeta
24/10/2009 - A fome não tem fronteiras
13/09/2009 - Qual 'casa' podemos construir para nós?
29/06/2009 - A quem interessa?
20/04/2009 - A mensagem socioambiental é atemporal

*Blog Cidadãos do Mundo - Jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

23/05/2012 10:57

Nota: Saneamento está interligado a outras infraestruturas, por Sucena Shkrada Resk

A pesquisa “A percepção do brasileiro quanto ao saneamento básico e a responsabilidade do poder público” foi divulgada ontem, pelo Trata Brasil - IBOPE. Ao todo, foram realizadas 1.008 entrevistas em 26 grandes cidades do país, com população acima de 300 mil habitantes, e em todas as regiões. Ao...
22/05/2012 19:56

Nota: #RumoàRioMais20: Obra trata da resiliência & sustentabilidade, por Sucena Shkrada Resk

O Relatório "Povos Resilientes - Planeta Resiliente: Um futuro digno de Escolha" (https://www.onu.org.br/docs/gsp-resumo.pdf ), lançado pelo Painel de Alto Nível do Secretário Geral das Nações Unidas sobre Sustentabilidade Global, apresenta um total de 56 itens. Entre as propostas, está a criação...
22/05/2012 19:22

Rumo à Rio+20:Oceano é tema de livro no Dia Internacional da Biodiversidade, por Sucena Shkrada Resk

Hoje (22), em comemoração ao Dia Internacional da Biodiversidade, foi lançado o livro "One Ocean Many Worlds of Life" (Um oceano: muitas palavras, muita vida), pela Organização das Nações Unidas (ONU). A versão digital (em inglês), com 80 páginas, está publicada no site:...
20/05/2012 19:09

RumoàRioMais20 - Game simula ambiente real de decisões políticas, por Sucena Shkrada Resk

Foi lançado, nesta semana, sob encomenda do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), o "Game Change Rio" na plataforma do facebook (com versão em português), que tem como mote, os desafios da "economia verde" e da escolha de políticas para a sustentabilidade, como se o participante...
07/05/2012 11:54

Comunicação: do cordel à tecnologia, por Sucena Shkrada Resk

O acesso à comunicação na contemporaneidade não pode ser definido somente por plataformas tecnológicas, como se fosse a única solução para tudo. Quando restringimos a uma alternativa, caímos na armadilha da verticalização. O princípio é o poder de escolha aos diversos tipos de mídias, desde o...
07/05/2012 09:30

Liberdade de expressão: o princípio da horizontalidade, por Sucena Shkrada Resk

Liberdade de expressão. Um termo que exige aprofundamento e que, cotidianamente, é pasteurizado, em definições genéricas, como slogan de campanhas. Refleti, nesta semana, sobre essa questão, durante e pós o Seminário Desafios da Liberdade de Expressão, promovido pelo Fórum Nacional pela...
03/05/2012 13:45

Rumo à RioMais20: seca, fome, morte e draft zero, por Sucena Shkrada Resk

#RumoàRioMais20 O título da notícia, no último dia 2, é o seguinte: "Um milhão de crianças correm risco de morrer de desnutrição no Sahel, alerta UNICEF", no site da Organização das Nações Unidas (ONU). Nas entrelinhas, está descrita mais essa informação: Existem atualmente 15 milhões de pessoas...
30/04/2012 17:20

Patagônia: múltiplas experiências cotidianas, por Sucena Shkrada Resk

Durante o período de férias na Patagônia Argentina, entre os dias 16 e 27 de abril, exercitei experiências cotidianas "simples", que tiveram como principal contribuição, o significado dos valores e das mensagens socioambientais implícitas nas mesmas. Eu me deixei levar por essa atmosfera para...
30/04/2012 13:52

Rumo à Rio+20: Um olhar sobre Perito Moreno, por Sucena Shkrada Resk

#RumoàRioMais20 & MudançasClimáticas - Registrei essa imagem do Glacial Perito Moreno, no Parque Nacional Los Glaciares, na Patagônia Argentina, no último dia 17 de abril. O gigante de gelo dos Andes vem sofrendo transformações gradativas e grandes calotas começaram a se desprender do maciço, a...
16/04/2012 11:56

Breve recesso - período de férias, por Sucena Shkrada Resk

Pessoal, boa tarde. Hoje comecei o meu curto período de férias, que prossegue até o próximo dia 27 de abril. Já cheguei em Buenos Aires e daqui a pouco, sigo para El Calafate, para iniciar a aventura na Patagônia. Nesta fase, ficarei afastada das postagens para poder absorver melhor essas...
15/04/2012 21:37

Inhotim: arte e verde superam mineração no entorno, por Sucena Shkrada Resk

Em uma região na qual predomina um histórico de mineração no entorno, o Horto Florestal do Instituto Inhotim, em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, no mínimo, chama a atenção pelo efeito contrastante que causa para quem visita a unidade, que ocupa uma área de 100 ha. O espaço abriga uma das...
15/04/2012 00:00

A experiência da moeda social, por Sucena Shkrada Resk

Agora, me restam cinqüenta centavos de elo como lembrança. Vocês podem estar perguntando – “O que ela quer dizer com isso? – Esperem, já explico. É a moeda social que circulou durante o VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, no mês passado, em Salvador, na Bahia. O público adquiria...
11/04/2012 09:14

Site da ONU pretende ser canal de diálogo com a sociedade sobre a Rio+20, por Sucena S.Resk

A Organização das Nações Unidas (ONU) lança oficialmente, no dia 16 de abril, (mas já pode ser consultado no ar) o site que terá versão também em português, além do inglês - https://www.riodialogues.org/login?destination=login - que segundo a instituição, pretende ser um canal de diálogo com a...
10/04/2012 18:01

Nota: May East conta que Senegal criou ministério das ecovilas, por Sucena Shkrada Resk

#Curiosidades_socioambientais - Uma das informações mais interessantes que ouvi, durante o VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, em Salvador, em março, foi transmitida por May East, da Fundação Gaia e diretora-executiva da CIFAL Findhorn...Segundo ela, o Senegal criou o Ministério das...
10/04/2012 16:10

Nota: Educomunicadores criam associação, por Sucena Shkrada Resk

#Educomunicação - A Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais em Educomunicação (ABPEducom) foi criada em fevereiro deste ano e está em fase de estruturação. A iniciativa surgiu, durante o XXXIV Congresso Nacional da Intercom, Recife, PE, em setembro de 2011. O site da entidade é:...
10/04/2012 10:14

E a educomunicação ambiental nas políticas públicas brasileiras?, por Sucena S.Resk

Hoje o que se observa é a dificuldade de se conseguir obter informações sistematizadas e contínuas sobre o campo da educomunicação no país. Durante o Encontro Paralelo de Educomunicação, no dia 28 de março, em Salvador, que integrou o VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, Renata Maranhão,...
08/04/2012 22:19

Educomunicação: uma questão de estímulo, por Sucena Shkrada Resk

Olhos ávidos, mentes ativas e produções educomunicativas a todo vapor. Essa combinação pôde ser observada, durante a cobertura feita por cerca de 30 alunas e alunos de oito escolas públicas de Salvador, durante o VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, entre 28 e 31 de março deste ano. Esses...
08/04/2012 13:58

Esp.Educom 2012:Ismar Soares e a educomunicação na academia e fora de seus muros, por Sucena S.Resk

O professor Ismar de Oliveira Soares, mestre e doutor em Ciências da Comunicação, durante bate-papo com o Blog Cidadãos do Mundo, fala sobre as recém-criadas licenciatura em educomunicação e especialização na Universidade de São Paulo (USP), das quais é coordenador, e do panorama da formação na...
06/04/2012 16:08

Especial Educom 2012: Grácia Lopes Lima fala dos objetivos do Cala-Boca Já Morreu,por Sucena S.Resk

Durante o Encontro Paralelo de Educomunicação, no VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental, no último dia 28 de março, Grácia Lopes Lima, doutora em Educação e mestre em Ciências da Comunicação, concedeu entrevista ao Blog Cidadãos do Mundo, momento em que falou de seu olhar sobre o processo...
26/03/2012 07:34

Encontro de Educomunicação no VII Fórum de EA, por Sucena Shkrada Resk

Desde 2008, venho me familiarizando com o universo da educomunicação socioambiental, quando cobri profissionalmente o VI Simpósio Brasileiro de Educomunicação, no Sesc Vila Mariana, e comecei a pesquisar e levar esse aprendizado à construção de artigos, entrevistas e matérias e aos alunos em sala...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk