#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

17/01/2018 08:51

Por Sucena Shkrada Resk

Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de proporções continentais. A constatação se dá pelos fatos: estamos em 2018 e 45% da população brasileira ou 93,6 milhões de pessoas não têm acesso a tratamento de esgoto e o resultado desta falta de foco em infraestrutura no país é o despejo diário de 9,1 mil toneladas nos corpos d`água, de lagos a rios, que estão morrendo e revelando um dos aspectos mais complexos que envolve o tema da crise hídrica. Os 106 municípios com mais de 250 mil habitantes são responsáveis por 48% desta descarga.

Quem retrata este cenário desolador? A própria Agência Nacional de Águas (ANA) e o Ministério das Cidades, no Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas, estudo divulgado no segundo semestre do ano passado, que faz análise comparativa entre dados populacionais de 2013 e 2035 para realizar a construção de cenários futuros e alternativas para remediar problemas que se estendem por décadas a fio, em um Brasil com 168,4 milhões de habitantes que deveria chegar a 204,8 mi habitantes. O mapeamento foi dividido em 12 regiões hidrográficas (Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlântico Nordeste Ocidental, Parnaíba, Atlântico Nordeste Oriental, São Francisco, Atlântico Leste, Sudeste, Sul, Uruguai, Paraná e Paraguai). O quadro é ainda mais perverso, pois o levantamento se restringiu às áreas urbanas. Isso quer dizer, não diagnostica a parte rural.

Quando vimos principalmente trechos do rio Tietê, na região metropolitana de São Paulo ou o Iguaçu, no Paraná e o Ipojuca, em Pernambuco, a sensação é das piores. Rios que se transformaram em esgotos, que carregam múltiplas externalidades. 

Um dado que representa a ponta mais desfavorecida da desigualdade na justiça socioambiental, neste levantamento, é o registro de que 27% dos brasileiros sequer são beneficiados pela coleta de esgoto e 18% têm seu esgoto coletado e não tratado. Já 12% da população utiliza fossa séptica. A Resolução Conama 430, do ano de 2011, que determina o tratamento de no mínimo, 60% da Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) antes do lançamento, praticamente é ignorada. A lei do saneamento básico (Lei Federal nº 11.445/2007) entra no hall das legislações que são desrespeitadas. Discutir modelo de desenvolvimento neste contexto faz sentido, tendo em vista, que 45% da carga orgânica gerada em todo país provém do Sudeste.

A tabela das condições de operação e eficiência das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) em funcionamento no Brasil também são um termômetro interessante do que já existe e ainda é subutilizado. A proporção varia de 30% a 90%, com diferentes modalidades tecnológicas aplicadas. Foram registradas 2.768 ETES em 1.592 municípios.

Os percentuais de falta de coleta e tratamento por estado, segundo o estudo, descrevem esta realidade e é possível ver o distanciamento real de acesso aos serviços entre o Norte e Sudeste do país. Amapá, Rondônia, Pará, Alagoas, Maranhão são os que exigem maior cobertura. Entretanto, a complexidade por volume se dá nos estados mais desenvolvidos.
- Acre  - 22 municípios – 562.843 habitantes - (51,65% não coletados/não tratados) e (1,98% coletados e não tratados);
- Alagoas - 102 municípios –  2.437.832 habitantes - (61,97% não coletados/não tratados) e (9,19% coletados e não tratados);
- Amazonas – 62 municípios – 3.014.220 habitantes – (57,73% não coletados/não tratados) e (3,66% coletados e não tratados);
- Amapá – 16 municípios – 658.840 habitantes – (75,84% não coletados/não tratados e 0,61% coletados e não tratados);
- Bahia – 417 municípios – 10.880.101 habitantes – (31,21% não coletados/não tratados) e (12,3% coletados e não tratados);
- Ceará – 184 municípios – 6.603.150 habitantes – (25,77% não coletados/não tratados) e (3,98% coletados e não tratados);
- Distrito Federal – 2.694.296 habitantes – (8,57% não coletados e não tratados);
- Espírito Santo – 78 municípios – 3.209.162 habitantes – (34,94% não coletados e não tratados) e (19,52% coletados e não tratados);
- Goiás – 246 municípios e 5.817.885 habitantes – (36,55% não coletados e não tratados) e (2,53% coletados e não tratados)
- Maranhão – 217 municípios - 4.290.065 habitantes – (60,86% não coletados e não tratados) e (13% coletados e não tratados);
- Minas Gerais – 853 municípios – 17.592.969 habitantes – (11,56% não coletados e não tratados) e 42,25% coletados e não tratados);
- Mato Grosso do Sul – 79 municípios – 2.215.953 habitantes – (41,76% não coletados e não tratados) e (0,8% coletados e não tratados);
- Mato Grosso – 141 municípios – 2.604.062 habitantes – (54,5% não coletados e não tratados) e (2,11% coletados e não tratados);
- Pará – 144 municípios – 5.459.309 habitantes – (65,66% não coletados e não tratados) e (4,98% coletados e não tratados);
- Paraíba – 223 municípios – 2.958.129 habitantes – (34,27% não coletados e não tratados) e (16,2% coletados e não tratados);
- Pernambuco – 185 municípios – 7.385.329 habitantes – (44,12% não coletados e não tratados) e (17,6% coletados e não tratados);
- Piauí – 224 municípios – 2.096.856 habitantes – (59,16% não coletados e não tratados) e (2,34% coletados e não tratados);
- Paraná – 399 municípios – 9.402.234 habitantes – (23,54% não coletados e não tratados) e (1,11% coletados e não tratados);
- Rio de Janeiro – 92 municípios – 15.826.680 habitantes (18,37% não coletados e não tratados) e (30,55% coletados e não tratados);
- Rio Grande do Norte – 167 municípios – 2.630.467 habitantes – (47,28% não coletados e não tratados) – (6.07% coletados e não tratados);
- Rondônia – 52 municípios – 1.277.299 habitantes – (71,55% não coletados e não tratados) e (5,15% coletados e não tratados);
- Roraima – 15 municípios – 374.084 habitantes – (47,97% não coletados e não tratados) e (3,82% coletados e não tratados);
- Rio Grande do Sul – 497 municípios – 9.512.434 habitantes – (21,56% não coletados e não tratados) e (28,17% coletados e não tratados);
- Santa Catarina – 295 municípios – 5.594.950 habitantes – (19.78% não coletados e não tratados) e (8,69% coletados e não tratados);
- Sergipe – 75 municípios – 1.619.457 habitantes – (56,21% não coletados e não tratados) e (10.73% coletados e não tratados);
- São Paulo – 645 municípios – 41.892.786 habitantes – (9,15% não coletados e não tratados) e (22,62% coletados e não tratados);
- Tocantins – 139 municípios – 1.169.213 habitantes – (54,06% não coletados e não tratados) e (1,31% coletados e não tratados)

Esgotamento sanitário é investimento

A ausência de tratamento que atinge mais de 4,4 mil municípios dos 5.570 destaca a necessidade emergente de investimento, que requer que os gestores e legisladores elenquem a pauta como prioridade, o que não ocorre historicamente. Somente 31 dos 100 municípios mais populosos brasileiros conseguem tratar mais de 60%. E por incrível que pareça, o único município que supera este percentual no país, é Brasília. E a poluição dos recursos hídricos é o resultado destas discrepâncias. Hoje, de acordo com as classificações de qualidade hídrica, 84 mil km de rios são praticamente mortos e é descartada a captação para abastecimento público nos mesmos.

Uma das condições mais preocupantes está em trechos dos rios na região do litoral fluminense. De acordo com o Atlas, o problema é identificado em 30,7% da extensão dos corpos d’água, que concentram 19 das 21 cidades que compõem a Região Metropolitana da capital do Estado, onde vivem cerca de 12 milhões de pessoas. Pela densidade demográfica, a área do rio Tietê se destaca na descarga da poluição hídrica, com 29 milhões de habitantes. As regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas e o litoral paulista são os que mais sofrem pressão.

De acordo com o Atlas, o valor de investimento necessário no país seria da ordem de R$ 135 bi até o ano de 2.035 e os estudos apresentam alternativas de ações a serem executadas, no contexto do aumento populacional no período. O problema é que não são só as cifras suficientes para suprir esse déficit, mas o gargalo é mais fundo: gestão eficiente para a realização e manutenção de um serviço de qualidade, como também a capacidade de diluição dos esgotos nos rios. Deste total, a avaliação é que 55% devem ser investidos nas regiões hidrográficas do Paraná e do Atlântico Nordeste Oriental.

Munir-se desse tipo de informação e ser proativo no encaminhamento de soluções eficazes e de longo prazo lícitas, revela a qualidade de gestores e legisladores. Quem  ignora esta agenda demonstra que não é capaz e nem digno de representar a população brasileira. 

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
23/12/2016 - Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil 
28/09/2014 - Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental
18/08/2014 - Qualidade das águas em (como entender a gestão das águas - parte 2)
15/08/2014 - Como entender a gestão das águas no estado de São Paulo - parte 1 
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício
22/03/2013 - Água purar...quero ver-te 
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
23/05/12 - Nota: Saneamento está interligado a outras infraestruturas
28/10/11 - Por dentro do saneamento básico
28/10/2011 - Trata Brasil estuda projeto de educação para o saneamento
28/10/2011 - Reflexões sobre segurança alimentar & meio ambiente
19/10/2011 - Esgoto: o calcanhar de aquiles do Brasil
12/09/2011 - Rio+20: um cenário de incertezas (parte 1)
12/08/2011 - Todo dia é tempo de recomeço
07/08/2011 - O que se fala sobre vulnerabilidade climática (parte 1)
06/08/2011 - Seca na Somália: precisamos sair de nossas caixas blindadas
26/04/2011 - A “sociedade do lixo”: 60.868.080 toneladas só em 2010
03/05/2010 - Educação ambiental: o saneamento é um elemento básico
14/07/2010 - Uma realidade sem agrotóxicos é possível
29/06/2010 - O que comemos?
01/02/2010 - Esp.FSM 2010 - Qual é a nossa conjuntura ambiental?
13/12/2009 - Especial COP15: O balanço dos antagonismos
06/12/2009 - Copenhague vira o centro do planeta
24/10/2009 - A fome não tem fronteiras
13/09/2009 - Qual 'casa' podemos construir para nós?
29/06/2009 - A quem interessa?
20/04/2009 - A mensagem socioambiental é atemporal

*Blog Cidadãos do Mundo - Jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

30/01/2013 15:06

Saúde ambiental: alerta sobre a pneumonia química em Santa Maria, por Sucena Shkrada Resk

Os resultados trágicos do incêndio na casa noturna “Kiss” na cidade de Santa Maria, no último domingo, 27, trouxeram à tona a necessidade de esclarecimento sobre uma doença que pouco era comentada até agora. É a pneumonia química, decorrente da inalação de gases altamente tóxicos (monóxido e...
29/01/2013 11:13

Menos de cinco minutos, por Sucena Shkrada Resk

Um domingo tenso e triste que se estende. Assim ficou marcado o dia 27 de janeiro de 2013 e essa semana. A tragédia em Santa Maria, no RS, preenche um espaço de tantos questionamentos, que fica difícil priorizar outras questões, pelo menos, agora. O que não sai de minha cabeça é que em menos de...
16/01/2013 17:35

Foto-legenda: Pulmão verde urbano, por Sucena Shkrada Resk

Expira, inspira...Quantas vezes ouvimos essa recomendação do médico, do professor de ginástica e de nossa própria consciência, quando conhecemos melhor a potencialidade de nosso corpo e de sua relação com o meio? Só que fazer isso se torna cada vez mais difícil em centros urbanos repletos de ilhas...
16/01/2013 13:08

Reflexão sobre o aumento do custo de vida e o consumo sustentável, por Sucena Shkrada Resk

Como não vivemos em uma bolha, acredito que muitos de nós têm percebido o aumento de preços nas gôndolas dos supermercados, nas feiras, nas padarias...enfim, no comércio e sentido literalmente no bolso. Sim, o custo de vida aumentou e muito e o que é mais delicado - afeta os gêneros de primeira...
14/01/2013 19:39

Reflexão: a desertificação e o consumo inconsciente, por Sucena Shkrada Resk

Quando se trata do tema “desertificação”, a integração de ações antrópicas e processos naturais refletem o processo de fragilidade presente em vários pontos do planeta. O certo é que a série histórica demonstra que se intensificam os eventos extremos a cada década. Tanto as secas como as estiagens...
09/01/2013 11:20

#Reflexão: Ir além do morde e assopra nas políticas socioambientais, por Sucena Shkrada Resk

A implementação de políticas socioambientais no contexto federativo ao municipal é lenta e essa é a realidade. Não adianta colocarmos "panos quentes", pois é isso que vivenciamos. Ao usar uma figura de linguagem, fica em muitas questões, no ritmo do "morde e assopra". Se formos avaliar o...
08/01/2013 17:32

Atenção a histórias de vida sobre a luta em favor dos direitos humanos, por Sucena Shkrada Resk

Nesta semana foi lançada a publicação Dez faces da luta pelos #direitoshumanos no Brasil(ONU, Embaixada do Reino dos Países Baixos, SDH e UE, 2012). É um material denso, com 101 páginas, no qual há entrevistas com dez personagens de diferentes localidades do país. O conteúdo é interessante, pelo...
04/01/2013 09:28

Reflexão: Diferentes relações do ser humano com a natureza, por Sucena Shkrada Resk

No último dia 31 de dezembro, ao conhecer o Borboletário de Campos do Jordão, considerei interessante a iniciativa de pesquisa e de educação ambiental, por estimular o aprendizado por meio da vivência e estímulos sensoriais, em uma atmosfera lúdica que envolve o ambiente no qual elas se desenvolvem...
17/12/2012 19:01

Desastres naturais:o desafio na prevenção e na emergência no Sul e Sudeste, por Sucena Shkrada Resk

A incidência dos altos índices pluviométricos nas regiões Sul e Sudeste, neste verão, com estimativas acumuladas até fevereiro do ano que vem, de chegar a 1400 mm já sinalizam as dificuldades contínuas identificadas anteriormente na série histórica em ambas as regiões. O que está mudando aos poucos...
12/12/2012 10:20

Até quando iremos silenciar as primaveras?, por Sucena Shkrada Resk

Há cinco décadas, a bióloga marinha Rachel Carson (www.rachelcarson.org) desnudava por meio da literatura, um processo desencadeado no frenesi industrial da sociedade contemporânea, em que o uso excessivo de agrotóxicos (pesticidas) sintéticos, nos EUA, resultava na aniquilação de espécies de aves...
11/12/2012 13:01

Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação, por Sucena Shkrada Resk

O direito ao acesso à informação passa por todas as áreas e em especial na de saúde. Na semana passada, tive conhecimento da existência da FEBER – Associação Brasileira de Enfermidades Raras (https://feber-brasil.comunidades.net), que é focada em divulgação sobre esse tema. O site ainda está sendo...
09/12/2012 15:32

O papel dos cães nos processos educacionais e terapêuticos, por Sucena Shkrada Resk

Quem olha os cães Lion, de 1 ano e 8 meses e Picolé, de 2 anos, os companheiros de “pelo” das pedagogas Andrea e Laura, de São Paulo, não imaginam que os dois são, de certa forma, assistentes na área educacional. É verdade! Os animais têm um papel importante principalmente no auxílio lúdico a...
06/12/2012 18:26

Mães de Maio: a força diante da experiência da perda violenta de um filho, por Sucena Shkrada Resk

Olhos úmidos, fala embargada e uma saudade quase que insuportável. Com essa fusão e profundidade de sentimentos expressos, conheci ontem a dona de casa M.H.T.P, 55 anos, da cidade de Santos, que tenta se recuperar da recente perda violenta de seu filho caçula José Rodrigo, de 25 anos, no início de...
06/12/2012 10:43

Reflexão: a resiliência diante das perdas, por Sucena Shkrada Resk

#Reflexão - Essa semana, em particular, estou mais sensível aos sentimentos que envolvem as partidas deste plano. Ontem me deixei levar pelos relatos de Mães de Maio (https://www.facebook.com/maes.demaio?ref=ts&fref=ts), no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, e...
03/12/2012 18:00

Educomunicação:memória e resiliência no enfrentamento dos eventos extremos , por Sucena Shkrada Resk

Poucos minutos ou horas e tudo está sob as águas ou sob escombros. Imaginaram a cena praticamente dantesca? Talvez muitos de vocês já passaram por essa situação algum dia na vida...O que não se pode negar é que o enfrentamento de inundações, enchentes e outros tipos de eventos extremos é uma...
29/11/2012 21:26

Joanne Garde-Hansen fala da ética de se importar, por Sucena Shkrada Resk

A mensagem que me marcou no dia de hoje foi da especialista britânica em memória e mídia, Joanne Garde-Hansen, durante o 5º Seminário Internacional do Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, em São Paulo. Ela falou da importância da "ética de se importar...", que é o lado...
23/11/2012 16:36

FIQUEPORDENTRO-Cadastro propõe recuperação florestal voluntária de matas ciliares,por Sucena S Resk

Hoje ao pesquisar dados sobre reflorestamento, descobri que no Estado de São Paulo, existe o Banco de Áreas Ciliares (particulares) para Recuperação Florestal, mantido no site da Secretaria do Meio Ambiente, que conta hoje com um total de 412 locais, que correspondem a 3.333,16 ha. As inscrições...
08/11/2012 14:18

Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas, por Sucena Shkrada Resk

“O eu se constrói em frente aos tus”. Nessa frase, está o pano de fundo que envolve a história oral, que é um método a partir de técnicas que envolvem principalmente histórias de vida e de famílias. Reconhecer a importância da elaboração de perguntas “férteis” e entender a dinâmica do olhar (o que...
07/11/2012 09:57

Nota: Barack Obama reeleito, o que muda na política ambiental?, por Sucena Shkrada Resk

#PolíticainternacionaleMeioAmbiente - Barack Obama foi reeleito ( https://blogs.estadao.com.br/radar-global/ao-vivo-eleicoes-nos-eua-2012/ ) e se levanta a questão de como ficará a política norte-americana com relação ao meio ambiente, tendo em vista, as resistências históricas no Senado...
01/11/2012 17:36

JT: uma escola de jornalismo, por Sucena Shkrada Resk

Dizem que a gente não deve ser saudosista, pois isso não leva a nada. Eu entendo de outra maneira. As recordações podem e devem ter o papel de fazer com que avancemos, são partes de nossa história, que nos constituem enquanto seres integrais e podem ser recobradas como algo construtivo. Fiz essa...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk