#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

17/01/2018 08:51

Por Sucena Shkrada Resk

Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de proporções continentais. A constatação se dá pelos fatos: estamos em 2018 e 45% da população brasileira ou 93,6 milhões de pessoas não têm acesso a tratamento de esgoto e o resultado desta falta de foco em infraestrutura no país é o despejo diário de 9,1 mil toneladas nos corpos d`água, de lagos a rios, que estão morrendo e revelando um dos aspectos mais complexos que envolve o tema da crise hídrica. Os 106 municípios com mais de 250 mil habitantes são responsáveis por 48% desta descarga.

Quem retrata este cenário desolador? A própria Agência Nacional de Águas (ANA) e o Ministério das Cidades, no Atlas Esgotos: Despoluição de Bacias Hidrográficas, estudo divulgado no segundo semestre do ano passado, que faz análise comparativa entre dados populacionais de 2013 e 2035 para realizar a construção de cenários futuros e alternativas para remediar problemas que se estendem por décadas a fio, em um Brasil com 168,4 milhões de habitantes que deveria chegar a 204,8 mi habitantes. O mapeamento foi dividido em 12 regiões hidrográficas (Amazônica, Tocantins-Araguaia, Atlântico Nordeste Ocidental, Parnaíba, Atlântico Nordeste Oriental, São Francisco, Atlântico Leste, Sudeste, Sul, Uruguai, Paraná e Paraguai). O quadro é ainda mais perverso, pois o levantamento se restringiu às áreas urbanas. Isso quer dizer, não diagnostica a parte rural.

Quando vimos principalmente trechos do rio Tietê, na região metropolitana de São Paulo ou o Iguaçu, no Paraná e o Ipojuca, em Pernambuco, a sensação é das piores. Rios que se transformaram em esgotos, que carregam múltiplas externalidades. 

Um dado que representa a ponta mais desfavorecida da desigualdade na justiça socioambiental, neste levantamento, é o registro de que 27% dos brasileiros sequer são beneficiados pela coleta de esgoto e 18% têm seu esgoto coletado e não tratado. Já 12% da população utiliza fossa séptica. A Resolução Conama 430, do ano de 2011, que determina o tratamento de no mínimo, 60% da Demanda Bioquímica de Oxigênio (DBO) antes do lançamento, praticamente é ignorada. A lei do saneamento básico (Lei Federal nº 11.445/2007) entra no hall das legislações que são desrespeitadas. Discutir modelo de desenvolvimento neste contexto faz sentido, tendo em vista, que 45% da carga orgânica gerada em todo país provém do Sudeste.

A tabela das condições de operação e eficiência das Estações de Tratamento de Esgoto (ETEs) em funcionamento no Brasil também são um termômetro interessante do que já existe e ainda é subutilizado. A proporção varia de 30% a 90%, com diferentes modalidades tecnológicas aplicadas. Foram registradas 2.768 ETES em 1.592 municípios.

Os percentuais de falta de coleta e tratamento por estado, segundo o estudo, descrevem esta realidade e é possível ver o distanciamento real de acesso aos serviços entre o Norte e Sudeste do país. Amapá, Rondônia, Pará, Alagoas, Maranhão são os que exigem maior cobertura. Entretanto, a complexidade por volume se dá nos estados mais desenvolvidos.
- Acre  - 22 municípios – 562.843 habitantes - (51,65% não coletados/não tratados) e (1,98% coletados e não tratados);
- Alagoas - 102 municípios –  2.437.832 habitantes - (61,97% não coletados/não tratados) e (9,19% coletados e não tratados);
- Amazonas – 62 municípios – 3.014.220 habitantes – (57,73% não coletados/não tratados) e (3,66% coletados e não tratados);
- Amapá – 16 municípios – 658.840 habitantes – (75,84% não coletados/não tratados e 0,61% coletados e não tratados);
- Bahia – 417 municípios – 10.880.101 habitantes – (31,21% não coletados/não tratados) e (12,3% coletados e não tratados);
- Ceará – 184 municípios – 6.603.150 habitantes – (25,77% não coletados/não tratados) e (3,98% coletados e não tratados);
- Distrito Federal – 2.694.296 habitantes – (8,57% não coletados e não tratados);
- Espírito Santo – 78 municípios – 3.209.162 habitantes – (34,94% não coletados e não tratados) e (19,52% coletados e não tratados);
- Goiás – 246 municípios e 5.817.885 habitantes – (36,55% não coletados e não tratados) e (2,53% coletados e não tratados)
- Maranhão – 217 municípios - 4.290.065 habitantes – (60,86% não coletados e não tratados) e (13% coletados e não tratados);
- Minas Gerais – 853 municípios – 17.592.969 habitantes – (11,56% não coletados e não tratados) e 42,25% coletados e não tratados);
- Mato Grosso do Sul – 79 municípios – 2.215.953 habitantes – (41,76% não coletados e não tratados) e (0,8% coletados e não tratados);
- Mato Grosso – 141 municípios – 2.604.062 habitantes – (54,5% não coletados e não tratados) e (2,11% coletados e não tratados);
- Pará – 144 municípios – 5.459.309 habitantes – (65,66% não coletados e não tratados) e (4,98% coletados e não tratados);
- Paraíba – 223 municípios – 2.958.129 habitantes – (34,27% não coletados e não tratados) e (16,2% coletados e não tratados);
- Pernambuco – 185 municípios – 7.385.329 habitantes – (44,12% não coletados e não tratados) e (17,6% coletados e não tratados);
- Piauí – 224 municípios – 2.096.856 habitantes – (59,16% não coletados e não tratados) e (2,34% coletados e não tratados);
- Paraná – 399 municípios – 9.402.234 habitantes – (23,54% não coletados e não tratados) e (1,11% coletados e não tratados);
- Rio de Janeiro – 92 municípios – 15.826.680 habitantes (18,37% não coletados e não tratados) e (30,55% coletados e não tratados);
- Rio Grande do Norte – 167 municípios – 2.630.467 habitantes – (47,28% não coletados e não tratados) – (6.07% coletados e não tratados);
- Rondônia – 52 municípios – 1.277.299 habitantes – (71,55% não coletados e não tratados) e (5,15% coletados e não tratados);
- Roraima – 15 municípios – 374.084 habitantes – (47,97% não coletados e não tratados) e (3,82% coletados e não tratados);
- Rio Grande do Sul – 497 municípios – 9.512.434 habitantes – (21,56% não coletados e não tratados) e (28,17% coletados e não tratados);
- Santa Catarina – 295 municípios – 5.594.950 habitantes – (19.78% não coletados e não tratados) e (8,69% coletados e não tratados);
- Sergipe – 75 municípios – 1.619.457 habitantes – (56,21% não coletados e não tratados) e (10.73% coletados e não tratados);
- São Paulo – 645 municípios – 41.892.786 habitantes – (9,15% não coletados e não tratados) e (22,62% coletados e não tratados);
- Tocantins – 139 municípios – 1.169.213 habitantes – (54,06% não coletados e não tratados) e (1,31% coletados e não tratados)

Esgotamento sanitário é investimento

A ausência de tratamento que atinge mais de 4,4 mil municípios dos 5.570 destaca a necessidade emergente de investimento, que requer que os gestores e legisladores elenquem a pauta como prioridade, o que não ocorre historicamente. Somente 31 dos 100 municípios mais populosos brasileiros conseguem tratar mais de 60%. E por incrível que pareça, o único município que supera este percentual no país, é Brasília. E a poluição dos recursos hídricos é o resultado destas discrepâncias. Hoje, de acordo com as classificações de qualidade hídrica, 84 mil km de rios são praticamente mortos e é descartada a captação para abastecimento público nos mesmos.

Uma das condições mais preocupantes está em trechos dos rios na região do litoral fluminense. De acordo com o Atlas, o problema é identificado em 30,7% da extensão dos corpos d’água, que concentram 19 das 21 cidades que compõem a Região Metropolitana da capital do Estado, onde vivem cerca de 12 milhões de pessoas. Pela densidade demográfica, a área do rio Tietê se destaca na descarga da poluição hídrica, com 29 milhões de habitantes. As regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas e o litoral paulista são os que mais sofrem pressão.

De acordo com o Atlas, o valor de investimento necessário no país seria da ordem de R$ 135 bi até o ano de 2.035 e os estudos apresentam alternativas de ações a serem executadas, no contexto do aumento populacional no período. O problema é que não são só as cifras suficientes para suprir esse déficit, mas o gargalo é mais fundo: gestão eficiente para a realização e manutenção de um serviço de qualidade, como também a capacidade de diluição dos esgotos nos rios. Deste total, a avaliação é que 55% devem ser investidos nas regiões hidrográficas do Paraná e do Atlântico Nordeste Oriental.

Munir-se desse tipo de informação e ser proativo no encaminhamento de soluções eficazes e de longo prazo lícitas, revela a qualidade de gestores e legisladores. Quem  ignora esta agenda demonstra que não é capaz e nem digno de representar a população brasileira. 

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
23/12/2016 - Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil 
28/09/2014 - Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental
18/08/2014 - Qualidade das águas em (como entender a gestão das águas - parte 2)
15/08/2014 - Como entender a gestão das águas no estado de São Paulo - parte 1 
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício
22/03/2013 - Água purar...quero ver-te 
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
23/05/12 - Nota: Saneamento está interligado a outras infraestruturas
28/10/11 - Por dentro do saneamento básico
28/10/2011 - Trata Brasil estuda projeto de educação para o saneamento
28/10/2011 - Reflexões sobre segurança alimentar & meio ambiente
19/10/2011 - Esgoto: o calcanhar de aquiles do Brasil
12/09/2011 - Rio+20: um cenário de incertezas (parte 1)
12/08/2011 - Todo dia é tempo de recomeço
07/08/2011 - O que se fala sobre vulnerabilidade climática (parte 1)
06/08/2011 - Seca na Somália: precisamos sair de nossas caixas blindadas
26/04/2011 - A “sociedade do lixo”: 60.868.080 toneladas só em 2010
03/05/2010 - Educação ambiental: o saneamento é um elemento básico
14/07/2010 - Uma realidade sem agrotóxicos é possível
29/06/2010 - O que comemos?
01/02/2010 - Esp.FSM 2010 - Qual é a nossa conjuntura ambiental?
13/12/2009 - Especial COP15: O balanço dos antagonismos
06/12/2009 - Copenhague vira o centro do planeta
24/10/2009 - A fome não tem fronteiras
13/09/2009 - Qual 'casa' podemos construir para nós?
29/06/2009 - A quem interessa?
20/04/2009 - A mensagem socioambiental é atemporal

*Blog Cidadãos do Mundo - Jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

27/10/2013 21:09

Enrique Leff alerta sobre o reducionismo econômico, por Sucena Shkrada Resk

Achar normal as instabilidades planetárias que são aceleradas com a intervenção humana e reduzir a complexidade do planeta pela economia do mercado são alguns dos grandes equívocos na contemporaneidade, segundo o economista  e ecologista político mexicano Enrique Leff , que participou no...
14/10/2013 23:27

Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício, por Sucena Shkrada Resk

Já se tornou algo habitual ouvir falar que a água hoje tem o mesmo “valor” que o petróleo teve  neste século e no século passado no mundo. A comparação quanto ao peso geopolítico, socioeconômico e na balança das perdas e danos dos recursos naturais tem toda coerência, tendo em vista os...
13/10/2013 13:38

Educação: o exemplo de Malala, por Sucena Shkrada Resk

A segurança nas convicções da jovem paquistanesa Malala Yousafzai Montero, de 16 anos, chega a deixar muitos adultos desconcertados e eu me incluo nesse hall. Após sofrer uma emboscada, há um ano, quando levou um tiro na cabeça, no ônibus escolar em que se encontrava, no Vale do Swat, no Paquistão,...
04/08/2013 19:53

Personagens de Sampa: Uma noite na Paulista ao som da banda Xupisco, por Sucena Shkrada Resk

Sexta-feira (02/08), 20h, uma noite quente e um som harmonioso ao fundo de Música Popular Brasileira (MPB) em pleno calçadão da avenida Paulista, em frente ao Conjunto Nacional. A curiosidade é maior. Afinal, de onde vêm essas músicas? Logo, vou à procura da resposta. Da banda Xupisco, formada pelo...
30/06/2013 21:34

Um Outono que já marca as nossas vidas, por Sucena Shkrada Resk

“Meu partido é meu país”, “Reforma política”, “Você não me representa”, “País rico é país sem corrupção”, “Chega de corrupção”, “Vem pra rua que a luta é sua - #insatisfação”, “Desculpe o transtorno, estamos mudando o país”, “Verás que um filho teu não foge à luta”, “O gigante acordou”, “O povo...
16/06/2013 20:19

Sr. Pedro, o barqueiro, por Sucena Shkrada Resk

O seu nome é Pedro Roque do Carmo. Profissão: barqueiro de táxi fluvial. Conheci esse amazonense de 65 anos, em maio, em Manaus, ao fazer um passeio em seu barco na região do encontro dos rios Negro e Solimões, que formam o Amazonas, e de igarapés, acompanhada por mais quatro colegas jornalistas....
16/06/2013 16:15

Hortas urbanas: um exercício de desprendimento, por Sucena Shkrada Resk

O cenário urbano de São Paulo nos reserva algumas surpresas em meio ao caos composto por espigões, veículos e todo o tipo de poluição, da atmosférica à visual. De forma gradativa, um contingente de voluntários tem tornado a paisagem mais harmoniosa com os princípios da agroecologia por meio de...
02/06/2013 11:33

Memória socioambiental: o legado de “Realidade”, por Sucena Shkrada Resk

A encadernação é delicada e para folheá-la o cuidado tem de ser redobrado. Afinal 43 anos se passaram. Estou falando da edição de maio de 1970 da Revista Realidade, da Editora Abril, que traduzia em suas matérias as facetas de um Brasil que ainda permanecem pouco alteradas, se formos colocar uma...
01/05/2013 20:22

Qualidade do ar: será que ainda há tempo?, por Sucena Shkrada Resk

O ar que respiramos nos grandes centros urbanos é praticamente irrespirável, se formos observar a diversidade de poluentes primários e secundários (resultantes da reação química entre poluentes primários e componentes naturais da atmosfera) acima dos limites recomendados pelo Guia de Qualidade do...
17/04/2013 23:22

E o seu nome é “vinchuca”, por Sucena Shkrada Resk

Vinchuca...Uma palavra marcante associada à pobreza e à falha de vigilância à saúde que transcende a realidade dos países sul-americanos e já atinge o velho mundo. De origem quéchua, é utilizada principalmente na Argentina, Bolívia, no Chile, na Colômbia e no Paraguai  - em regiões como o...
07/04/2013 20:20

Dengue: brechas na prevenção no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

2013 ou 2002? Ao observar a evolução dos registros atuais de casos de dengue pelo Brasil, eu me recordo de que há uma década, o país vivia uma epidemia, que resultou em campanhas de prevenção e um olhar mais atento da mídia naquele período. À época, fiz várias reportagens no Caderno de Cidades do...
29/03/2013 15:12

Reflexão: Na pulsação da Pachamama “andina”, por Sucena Shkrada Resk

“Pachamama”. Palavra vigorosa forjada na América “andina”, por meio da sabedoria tradicional dos povos indígenas e campesinos, traz um simbolismo importante de pertencimento e respeito à  “Madre Tierra” ou à “Mãe Terra”. Essa metáfora materna e feminina nos leva à ideia da fecundidade,...
26/03/2013 17:19

Um olhar sobre a Venezuela megadiversa, por Sucena Shkrada Resk

Ampliar a leitura sobre países vizinhos ao Brasil na América do Sul, é um exercício de aprendizado interessante. No caso da Venezuela, conhecida mundialmente pela figura de seu ex-líder Hugo Chávez, que faleceu recentemente, e por ser uma potência petrolífera mundial e extrativista de...
22/03/2013 21:53

Água “pura”...quero ver-te, por Sucena Shkrada Resk

Fonte de imagem: FAO Olho para o céu e sei que lá estão os “Rios Voadores”. Ao ler a explicação de Gérard e Margi Moss sobre o projeto de mesmo nome (https://www.riosvoadores.com.br/o-projeto/rios-voadores) penso o quanto do intangível há no tangível, quando se trata do tema água, que já é...
19/03/2013 17:13

Costa Rica: exemplo de cultura de paz e socioambiental, por Sucena Shkrada Resk

  Geralmente o que nos atrai na hora da escolha de um roteiro turístico são as belezas naturais e as características culturais do destino. Mas o meu olhar para a América Central me leva a querer conhecer a Costa Rica, também por outra peculiaridade.  O que chama a atenção nessa nação de...
18/03/2013 16:38

A métrica da felicidade na agenda “sustentável”, por Sucena Shkrada Resk

Quantas vezes observamos a menção da palavra “sustentabilidade”, como um mantra? Inúmeras, não é? E cada uma soa como se fosse um álibi ou a saída estratégica para tudo que dá errado no antagônico  regime capitalista em que vivemos. Mas ao nos aprofundarmos em sua gênese e propósito,...
08/03/2013 18:26

Um sentimento chamado saudade, por Sucena Shkrada Resk

 #Saudade. Essa é uma palavra que estará sempre presente na trajetória de qualquer um de nós. É a saudade de um período que nos marcou, de pessoas que partiram deste plano e foram importantes para nós, de amores que deixaram suas marcas e até de hábitos cotidianos que nos faziam bem, como...
24/02/2013 17:57

Nota - A garimpagem de pontos de logística reversa em SCS, por Sucena Shkrada Resk

Qualquer um de nós tem o que podemos chamar de olhar cidadão e para isso não há hora marcada. Neste domingo, ao seguir para fazer compras domésticas, eis que me deparei com dois pontos de coleta de recicláveis, que recebem itens dos mais complicados ainda para nós, consumidores, conseguirmos...
22/02/2013 20:11

Comunicação socioambiental:o trabalho de alinhavar a história, por Sucena Shkrada Resk

As cronologias da história oficial e da não-oficial se fundem e se desprendem ao longo do tempo, quando tratamos da trajetória socioambiental. Geralmente o que nos ensinam formalmente está vinculado a documentos legais ou a grandes eventos de porte nacional ou mundial. Mas há um vasto universo de...
01/02/2013 21:25

Conservação das zonas úmidas: Brasil tem 11 sítios de Ramsar, por Sucena Shkrada Resk

Amanhã, 2 de fevereiro, será comemorado o Dia Mundial das Zonas Úmidas. Atualmente existem 2083 sítios distribuídos em 164 países, o que corresponde a 197.849.428 ha, segundo dados da Convenção de Ramsar, que entrou em vigor em 21 de dezembro de 1975. Com o objetivo de conservação e uso...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk