#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

29/01/2018 17:06

Por Sucena Shkrada Resk

 A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias sobre sua importância para os indígenas e moradores da região, que o utilizavam como meio de transporte, pesca e, inclusive, para lavar roupa. Sim, suas águas em 35 km de extensão eram límpidas, desde sua nascente na Gruta Santa Luzia, localizada em parque ecológico em Mauá, passando por Santo André e São Caetano até desembocar em São Paulo, no Tietê. Desde as primeiras décadas do século XX, este rio que poderia ser um cartão-postal, se tornou um depósito de esgoto que exala um odor fétido.

Aos paulistanos e migrantes e imigrantes que vivem na capital, uma perda irreparável de um recurso hídrico importante na Bacia do Alto Tietê. Não bastasse a poluição, o seu curso rico em curvas foi sendo retificado pelo homem a partir do final do século XIX e a dureza quase retilínea que não faz parte de sua natureza o engessou. Em certos trechos fica camuflado pelo concreto. Ladeado pela frieza da avenida dos Estados e pelo Corredor Expresso de ônibus, de onde o avistamos de cima, no seu trecho no Grande ABC e em São Paulo, retrata este cenário compactado. Quando passamos neste percurso na zona central paulistana, uma atmosfera decadente se revela.

Palavras duras? Nem tanto. Observar nas últimas décadas a situação de deterioração do Tamanduateí é a prova factual de que o poder público não conseguiu exercer de forma efetiva o seu papel e, ao mesmo tempo, a sociedade não foi uma boa cuidadora do rio. Suas águas turvas recebem esgoto clandestino e despejo de outros córregos poluídos, como os Barroca, Pedra Branca, Taboão, Corumbê, Saracura, Ribeirões dos Meninos e dos Couros, Córregos do Oratório, Guarará, Anhangabaú, além de efluentes industriais. São mais de 30. Nos anos 50, um desastre ambiental no Polo Petroquímico de Capuava, em Mauá, causou um sério reflexo na qualidade de suas águas. Estações de tratamento de Esgoto (ETEs) na região ainda não conseguiram eliminar o despejo inadvertido, que resulta em um rio doente.

O contexto oficial

Em relatório da Síntese da Qualidade das Águas no Estado de São Paulo – versão 2015, a Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (Cetesb) destaca: “...Ressalta-se que, em 2014, 40 % dos pontos monitorados na Bacia Hidrográfica do Alto Tiête 6(UGRHI 6) foram classificados na categoria Péssima. Dentro dessa categoria encontram-se os trechos dos rios Tietê, Pinheiros, Tamanduateí e alguns de seus tributários.... E os maiores contribuintes de esgoto para o Tietê, quem são? O Tamanduateí, seguido dos córregos Cabuçu e Baquirivu (São Paulo e Guarulhos), Pinheiros e Itaquera e Aricanduva (SP)...”.  

O atual Plano da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê refere-se ao período de 2016 a 2035. No primeiro relatório a respeito consta inúmeros desafios de gestão pública. Entre eles, que apesar de haver infraestrutura de interceptores e tratamento de esgoto no Sistema Principal pela Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), que incorpora os rios Tietê, Tamanduateí e Pinheiros, a afluência dos esgotos para as ETEs ainda é baixa em virtude da dificuldade de implantação dos coletores tronco nos fundos de vale dos tributários.

O documento também alerta que  - “...As áreas declaradas contaminadas por metais e outros e hidrocarbonetos halogenados (que são tóxicos) são as mais preocupantes devido ao comportamento desses compostos na água subterrânea e por estarem localizadas em áreas importantes da zona urbana das cidades, sobretudo acompanhando o vale dos principais rios da BHAT, Tietê, Pinheiros e Tamanduateí...”.

O relatório técnico Observando os Rios 2017 – O Retrato da Qualidade das Águas nas Bacias da Mata Atlântica, produzido pela Fundação SOS Mata Atlântica, registra essa condição “ruim” do Tamanduateí e “regular” no trecho de sua nascente.

Na página da web do Comitê de Bacias Hidrográficas do Alto Tietê, que tem como um dos subcomitês “Billings-Tamanduateí” (Diadema, Mauá, Ribeirão Pires, Rio Grande da Serra, Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul e São Paulo), constam como “não definidos” o município coordenador geral e nem do Estado, como também da sociedade civil, enquanto os demais há a identificação, com exceção do subcomitê Juqueri-Cantareira. Isto já sinaliza a dificuldade da sociedade civil poder exercer um acompanhamento mais próximo da agenda e das deliberações específicas.

Até 9 de março, está aberto o prazo para propostas de empreendimentos para a aplicação das prioridades do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro) 2018, cuja deliberação tem como algumas das metas: estudos e projetos de recuperação das águas em áreas sensíveis da Bacia; esgotos sanitários e controle de fontes difusas de poluição das águas. Esses tipos de informações deveriam ser mais publicizadas para o cidadão, por outros mecanismos de comunicação, para que possa entender como funciona o mecanismo de aplicação de recursos, e poder monitorar de forma mais contínua os processos. E quem sabe, os cidadãos (ãs) consigam vislumbrar um futuro diferente ao atual Tamanduateí que hoje agoniza.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk: 
26/01/2018 - #Saneamentoambiental - 2018, lixões e aterros controlados: uma realidade ainda gritante no Brasil 
19/01/2018 - #Saúdeambiental: O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da Bacia do Tejo, em Portugal?
17/01/2018 - #Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda pública? 
23/02/2016 - Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil 
26/09/2014 - Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental
18/08/2014 - Qualidade das águas em SP (Como entender a gestão das águas - Parte 2)
15/08/2014 - Como entender a gestão das águas no estado de SP?
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício
22/03/2013 - Água "pura, quero ver-te...
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...
29/01/2018 17:06

#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

Por Sucena Shkrada Resk  A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias...
26/01/2018 14:56

#Saneamentoambiental – 2018: lixões e aterros controlados, uma realidade ainda gritante no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O Ano era 2010, e a  Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) trouxe a esperança de que a gestão pública brasileira, de uma forma geral, iria se redimir dos sucessivos erros no quesito infraestrutura, ao longo de décadas. Mas do papel à realidade,...
19/01/2018 17:52

#Saúdeambiental - O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da bacia hidrográfica do Tejo, na Europa?

Por Sucena Shkrada Resk Quem um dia viu o rio Tejo, o mais extenso da Península Ibérica (da Espanha a Portugal), com 1.007 km e cuja bacia hidrográfica ocupa 80,6 mil km 2, poluído, quase sem vida e seco em vários trechos, há alguns anos observa um esforço para o processo de revitalização, de forma...
17/01/2018 08:51

#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

Por Sucena Shkrada Resk Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de...
09/01/2018 10:34

#Saúdeambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?

Por Sucena Shkrada Resk  Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores...
05/01/2018 08:59

#Protagonismofemininoindígena: da comunicação à incidência política

Entrevistada da semana: Telma Taurepang Por Sucena Shkrada Resk No Brasil e em outros países da América Latina, o papel da mulher indígena se destaca cada vez mais. No universo da comunicação, existe a iniciativa Comunicadoras y Realizadoras Indígenas, que tem incentivado este protagonismo na AL....
26/12/2017 11:45

Uma brasileira chamada Nise da Silveira...uma rebelde a favor da humanização

Por Sucena Shkrada Resk “...Nunca me fizeram a pergunta que eu queria ouvir em minha vida: onde estão os homens e mulheres que pintaram estas obras artísticas...? Este teor de questionamento quanto ao interesse da imprensa feito pela psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999), em documentário...
18/12/2017 12:27

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula!

Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na...
11/12/2017 09:04

#Direitoindígena - Coordenadora na COIAB destaca: Protocolos de consulta de diferentes povos indígenas na Amazônia são instrumentos de luta pelos direitos

Entrevistada da semana - Angela Amankawa Kaxuyana   Por Sucena Shkrada Resk    O protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da TI Kaxuyana Tunayana, do extremo Norte do Pará, que...
27/11/2017 14:40

Médica sanitarista fala sobre o universo da saúde ambiental, com destaque sobre os impactos dos agrotóxicos

Por Sucena Shkrada Resk A entrevistada, desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk, é a médica sanitarista Telma de Cassia dos Santos Nery, que trata do tema Saúde Ambiental, com os impactos dos agrotóxicos e da poluição, neste contexto, e também explica o trabalho...
14/11/2017 14:01

Vozes do Direito indígena refletem sobre cenário atual

  Por Sucena Shkrada Resk Compreender os conceitos de bem-viver, de patrimônios imaterial e espiritual, do significado holístico da terra, do ecossistema e do território e do planeta como casa (mãe “pachamama”) e local sagrado, é o grande desafio das visões herméticas dos Estados que ainda se...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk