Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

26/08/2018 16:33

Por Sucena Shkrada Resk*

As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo e começamos a ter exemplos mais cotidianos aqui no Brasil, com os episódios envolvendo grupos de brasileiros e venezuelanos, na fronteira dos dois países, em Roraima. Compreender a situação de “refúgio” é algo que exige se despir de “pré-conceitos” e o exercício de se colocar no lugar do outro. Tarefa fácil, longe disso, mas extremamente necessária para que sejam evitados conflitos civis, que mutilam qualquer regime democrático.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 2,3 milhões de venezuelanos partiram para destino incerto de seu país, ao longo dos últimos anos, sob regime do presidente Nicolás Maduro, onde vivem cerca de 30 milhões de habitantes. É um número bem maior de refugiados do que na Europa.  

O país vive sob uma inflação, que deve chegar à casa dos 2.350%, de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), sofre embargo dos EUA e de outros países e apesar de ser rico em combustível fóssil (petróleo), a carestia chegou de forma avassaladora à população. A violência também permeia a população de diferentes formas. O Observatório Venezuelano da Violência (OVV) registrou que 28.479 pessoas foram mortas em 2016 no país, que representa na ampliação da taxa de homicídios de 91,8 por cem mil habitantes. No ano de 2017, houve manifestações contra a crise humanitária. Segundo relatório das ONGs Human Rights Watch (HRW) e Fórum Penal, neste episódio ocorreram violações de direitos humanos cometidas pelas Forças Armadas venezuelanas.

Trata-se, sem dúvida, de uma crise humanitária. Além do Brasil, para onde já vieram mais de 58 mil (registrados), os principais destinos na América do Sul, são a Colômbia, o Equador e o Peru, como também o Chile e a Argentina.

Hoje a pergunta que permanece - O quanto nós e nossas nações estamos preparados para este fluxo de pessoas que estão vindo em diversas situações, desde quadros de miserabilidade aos de capacidade de formação e trabalho oriundas de suas trajetórias? No caso brasileiro, esta complexidade se soma também à situação da crise interna do país, que reflete diversos Brasis, que tem seus próprios “refugiados” internos e uma situação macro de 13 milhões de desempregados.

O Equador e o Peru já começaram a exigir passaportes dos venezuelanos. No caso do Equador, a Justiça do país deu um prazo de 45 dias de suspensão das medidas. O controle das fronteiras começa a ser mais severo. Já o Chile, por exemplo, está pedindo certificado de antecedentes criminais emitido na Venezuela, além de passaporte que não expire nos 18 meses após a entrada do refugiado.

No contexto das negociações regionais, a Organização dos Estados Americanos (OEA) não conseguiu encontrar uma via de solução para esta crise, que extrapola a autonomia governamental venezuelana. É um problema que vai muito além de polarizações entre “Direita” e “Esquerda” e se revela uma agenda de direitos humanos internacional.

No Brasil, as fronteiras ainda estão abertas aos refugiados, mas sob esse contexto de pressão e incertezas do encaminhamento das políticas a respeito, nesta fase de processo eleitoral. Fazendo parênteses, há outros componentes que devem ser observados. O próprio estado de Roraima é refém de uma situação que poucos sabem: 65% de sua energia são provenientes da Venezuela e o Brasil deve cerca de R$ 120 milhões à empresa de energia venezuelana, que estão sendo cobrados, com iminência de corte. A Eletrobras alegou que conseguirá cobrir esse corte caso ocorra, em 15 municípios, e detalhe – com termoelétricas, já que o estado não integra o Sistema Interligado Nacional (SIN) de energia. São panos de fundo a serem considerados nesta complexidade.

Voltando ao processo migratório de venezuelanos, são famílias inteiras, que se veem nos últimos anos, reféns de um sistema político e econômico conturbado, de condições insalubres de vida e tentam encontrar guarida nos “países” hipoteticamente irmãos, no sentido simbólico. É como se houvesse uma mensagem subliminar – ‘somos sul-americanos, ainda há esperança’. Já pararam para pensar como a maioria destas pessoas se sente humilhada e, por muitas vezes, deprimida? Como para qualquer um de nós, passar fome, ser privado de um emprego, de serviços de saúde e estar exposto a violências físicas e psicológicas de todo tipo, é algo que exige extrema resiliência.

História em movimento

No guarda-chuva histórico, mais um ponto de reflexão é lembrar que o Brasil, como os demais países do mundo, é formado por povos originários e imigrantes, que aqui vieram por meio das mais diferentes circunstâncias. Entre elas, na contemporaneidade, sob a lente de aumento sobre as motivações e resultados das Primeira e Segunda Guerras Mundiais e de conflitos presentes entre Israel e Palestina, das situações na Síria, no Haiti, em países como Somália, Sudão do Sul, Paquistão e Nicarágua. Todos esses processos históricos não são números e informes frios quaisquer. O que vivenciamos aqui está no contexto destas crises humanitárias pelo planeta.

Sempre há a parte do “copo cheio”, nestas grandes crises humanitárias, com exemplos que agregam princípios de boa governança, de pacifismo, comunicação não-violenta, de humanidade e equilíbrio democrático. O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), a Cruz Vermelha e a Human Rights Watch (HRW), entre outras organizações atuam nestas retaguardas mais organizadas internacionalmente, mas não têm dado conta de um fluxo e periodicidade incerta desses períodos de refúgio. Especificamente em Roraima, cerca de 40 organizações que integram o chamado Comitê para Migrações de Roraima chegaram a fazer uma nota de repúdio à situação de violência que ocorreu em Pacaraima recentemente ( https://www.conectas.org/wp/wp-content/uploads/2018/08/COMIRR-Nota-01-2018-Final-6.pdf ). São alertas oportunos.

O fantasma da xenofobia

O que vimos na realidade, no entanto, é que um conjunto de fatores tem revelado que o paradigma da amplitude do significado de ‘humanidade’ está sendo fragilizado também por um “medo” por parte de coletivos dos países fronteiriços aos que estão em crise e inoperância sistematizada dos governos. Essa desagregação se transforma em raízes da formação de estereótipos preconceituosos, pelos quais se alicerçam guetos, cisões e segregações. O fantasma da palavra xenofobia aparece nesta atmosfera desequilibrada.

O termômetro de que a desconstrução da relação humanitária está em vigor aparece quando movimentos em massa de violência exacerbam o ódio e o ranço pelo fato da existência próxima de um outro semelhante que fala uma língua diferente, ter nascido em outro país, seja ele, criança, adulto ou idoso. De uma hora para outra, esse agrupamento de seres humanos “refugiados” se torna de forma infundada um “inimigo” e ponto final.  Neste processo conturbado, que integra os diferentes vértices da psicologia social, todas estas pessoas em estado de vulnerabilidade acabam sendo rotuladas como personagens que representam um perigo hipoteticamente iminente à segurança e à empregabilidade, no lugar de poucos que possam ter praticado algum ato ilícito.

Enquanto a situação de crise da Venezuela ou de outro país é simplesmente pauta de noticiários, a solidariedade remota funciona, mas quando se faz parte da crise, aí é que o equilíbrio emocional e a racionalidade de se cobrar ações dos governantes, e de exercitar a solidariedade prática, se tornam os desafios presentes. É um esforço que exige a participação multidisciplinar dos governos federal, estadual e municipal, dos poderes judiciário e legislativo, desde o âmbito das relações internacionais à retaguarda de vigilância epidemiológica. Nós, como parte da sociedade civil, somos constituintes desta engrenagem e fazemos a diferença entre a contribuição para a paz ou para o conflito.

* Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 26 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

17/06/2018 – Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma sociedade adoecida
01/07/2014 – Uma relação mundial a ser repensada: número de refugiados aumenta
09/03/2014 - Uma Ucrânia remexida em suas raízes
16/02/2014 - Os seres humanos que roubam sonhos
21/09/2012 - Refugiados: o quanto compreendemos dessa realidade?
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África
10/03/12 - Refugiados climáticos: do alerta ao fato
09/11/2011 - Refletindo sobre o Estado do Futuro
07/08/2011 - O que se fala sobre vulnerabilidade climática (parte 1)
31/07/2011 -  Um diálogo com a Ecosofia
22/07/2011 - Alerta sobre o flagelo africano
28/06/2010  - A relação das APPs e as enchentes nordestinas
01/02/2010 -  Esp.FSM 2010 - Qual é a nossa conjuntura ambiental?
10/12/2009 - Especial COP15 - Lembrem bem deste nome – Tuvalu
06/12/2009  - Copenhague vira o centro do planeta
29/11/2009 - O caminho da economia verde
13/09/2009 - Qual 'casa' podemos construir para nós?
18/05/2009 - Especial II FCS - 3 - Um jornalismo mais comprometido
10/12/2008 - DHs: começam pelo princípio de dar dignidade à vida
01/04/2008 - Parte 1 - No caminho da Política Nacional de Mudanças Climáticas
05/09/2007 - As fronteiras das zonas de conflito

 

Pesquisar no site

Blog

29/05/2020 13:00

Parte 10 – Estudo aponta o risco associado da desintegração ecológica com a origem de mais doenças infecciosas como a Covid-19

Por Sucena Shkrada Resk* Surtos epidêmicos entre humanos, com início em doenças zoonóticas, se tornam mais prováveis A The Wildlife Conservation Society lançou um documento, neste mês de maio, que alerta sobre o perigo que ronda a humanidade com a possibilidade de mais surtos epidêmicos e pandemias...
28/05/2020 09:58

Parte 9 – Mais de 40 milhões de vozes da área da saúde clamam por um meio ambiente saudável ao G20 no contexto da pandemia

Por Sucena Shkrada Resk* Carta foi encaminhada, nesta semana, aos líderes do grupo das 20 nações com as maiores economias mundiais, incluindo o Brasil, e clama pela necessidade de combate à poluição atmosférica “...Antes da Covid-19, a poluição do ar - principalmente originária do tráfego, uso...
26/05/2020 13:00

Parte 8: O papel estratégico da conservação da saúde ambiental no enfrentamento à Covid-19 no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Mídia ambiental está atenta ao processo de desestruturação nesta agenda, que pode ser uma porta aberta também para avanços de epidemias A saúde ambiental brasileira está seguindo para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Nunca foi tão necessário evocar esta analogia com...
25/05/2020 14:32

Parte 7 – A corrente de humanização que se tece em tempos da pandemia da Covid -19

Por Sucena Shkrada Resk* Campanhas pelo país impulsionam o exercício de empatia e desprendimento Uma das características singulares que emerge em tempos de crise é a humanização, que vem carregada daquela palavra ‘aconchegante’ chamada empatia. Problemas da sociedade moderna já existentes se...
22/05/2020 13:56

Parte 6: o impacto na saúde mental em tempos de pandemia da Covid-19

Por Sucena Shkrada Resk* OMS lança documento em maio e iniciativas se multiplicam no Brasil No conjunto de complexidades a respeito dos impactos da pandemia da Covid-19, a saúde mental ganha projeção em recentes pesquisas, e os comprometimentos são avaliados como “extremamente preocupantes”,...
29/04/2020 15:28

Parte 5: #Covid19 e a valorização da pesquisa científica

Por Sucena Shkrada Resk* Esta pandemia reitera o quanto é crucial o investimento no capital humano científico Nós, individualmente e como integrantes do coletivo da humanidade procuramos um norte, nesta pandemia da Covid-19. Neste horizonte de incertezas, a “bússola” leva a uma área que nos últimos...
22/04/2020 16:34

Parte 4 – Em tempos de #Covid19 e #mudançasclimáticas

No Dia Mundial da Terra, a reflexão sobre novos paradigmas de desenvolvimento Por Sucena Shkrada Resk* A expressão “em tempos de #Covid19 ou de #Coronavírus tem se fixado em nossas mentes para definir o atual momento histórico em que vivemos nos últimos meses. Este ano de 2020 definitivamente é...
07/04/2020 14:31

Parte 3: A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha

Neste Dia Mundial da Saúde (07/04), fica o alerta em defesa de nossos profissionais da área da saúde Por Sucena Shkrada Resk* A batalha contra a Covid-19 está resultando em muitas baixas no front, em todo o mundo. No município de São Paulo, o médico socorrista Paulo Fernando, 56 anos; o enfermeiro...
30/03/2020 10:30

Parte 2: A espiral do novo coronavírus expõe a janela da fragilidade aberta no Antropoceno

Com a pandemia da Covid-19, somos obrigados a descobrir novos caminhos para a humanidade Por Sucena Shkrada Resk* Existem algumas guerras que não são estruturadas com armamentos bélicos e que são tão devastadoras quanto a estes conflitos geopolíticos que têm assolado a humanidade, como a 1ª e 2ª...
10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...
03/02/2020 11:22

Minas Gerais: um recorte sobre os abalos sísmicos e a gestão de riscos

Por Sucena Shkrada Resk* O Brasil tem na casa de 500 abalos sísmicos anualmente e pouca gente tem conhecimento disso. Minas Gerais é um dos estados que historicamente registra os maiores números de terremotos no país (a maioria entre 1 e 4 graus na Escala Richter, que vai até 10 graus), o que é um...
23/01/2020 12:18

Saúde ambiental: estado de alerta mundial para o coronavírus reflete um desequilíbrio ecossistêmico

Por Sucena Shkrada Resk* Maior parte dos registros de casos, até agora, se concentra na China e em outros países asiáticos A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta mundial sobre a propagação do coronavírus (2019-nCoV) e instituiu um comitê de emergência com renomados cientistas...
21/01/2020 13:12

Guerra na Síria: todo o peso da expressão “infância roubada” sobre mais de 5 milhões de crianças

Por Sucena Shkrada Resk* Este é um dos exemplos mais cruéis de obstáculos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que se multiplica em outras nações no mundo Quando observamos atentamente as consequências dos oito anos e meio da devastadora Guerra na Síria, alguns dos pontos mais...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk