Refugiados: o quanto compreendemos dessa realidade?, por Sucena Shkrada Resk

21/09/2012 10:40

O colombiano J.M. convive até hoje com sequelas físicas e psicológicas do tempo em que foi seqüestrado político em seu país, por 45 dias, que pareceram anos. Refugiado no Brasil há quatro anos, tenta se restabelecer, mas ainda teme pela vida de familiares que ficaram por lá. J.M, de origem síria, há quatro meses aqui, não esquece dos momentos que viveu com sua família o risco de morte sob bombas, durante os conflitos que atingem a Síria. “Enterramos mais de 20 crianças...Mas muitas pessoas morreram e não houve notificação...”. Esses fragmentos de relatos compõem um pouco das histórias vividas por cidadãos (ãs) pelo mundo que tentam sobreviver e fugir da situação de risco. Ouvi esses depoimentos, durante o 1ª Oficina de Jornalismo sobre a Proteção Internacional de Refugiados em São Paulo, neste mês.

Quando trocamos a “lente” para olhar o que acontece no mundo, percebemos que há um fluxo de milhares de pessoas, que não estão a passeio, mas saem de seus lugares de origem, em decorrência da instabilidade geopolítica em várias localidades no planeta. É o retrato do sofrimento humano, que por muitas vezes, não nos chega pelas vias da informação midiática ou pela redoma que colocamos ao nosso redor, para não enxergar o sofrimento alheio.

Em 2011, 42,5 milhões de pessoas terminaram o ano de 2011 em condições de refúgio. Desse contingente, 15,42 milhões como refugiados (veja definição abaixo); 26,4 milhões como deslocados internos ou em uma terceira condição, que é de solicitantes de refúgio. Nesse caso, 895 mil cidadãos (ãs). Os dados foram registrados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), no documento Tendências Globais 2011, lançado em junho deste ano. O alerta é que se detecta que o deslocamento forçado afeta grandes grupos de pessoas ao redor do mundo, consecutivamente nos últimos cinco anos.

Mas o recorte da discriminação também é composto pela invisibilidade institucional, tendo em vista que milhares de outros cidadãos não se encontram em estatísticas oficiais, pois vagam clandestinamente ou então, sucumbem, porque não conseguiram suportar os desafios impostos para conseguirem estar a salvos. Em outra hipótese, conseguem auxílio de uma rede de comunidades, e deixam de solicitar o status de refugiado (que na verdade, é um direito).

Um dos momentos históricos que podem ser destacados da própria realidade brasileira, é o período da Ditadura, quando centenas de pessoas seguiram ao exterior, como refugiados políticos. Ao olharmos para os dias de hoje, há inúmeros cenários instalados, como a situação vivenciada por cidadãos afegãos, iraquianos, somalis, sudaneses, congoleses, da Costa do Marfim, líbios, paquistaneses e sírios, entre outros...

Mais um ângulo a ser destacado é que existe mais um contigente expressivo de refugiados, que não estão na área de competência do ACNUR. São aproximadamente 4,8 milhões de cidadãos de origem palestina, registrados pela agência UNRWA (United Nations Relief and Works Agency for Palestine Refugees).

Essa realidade deve ser trazida às crianças, aos jovens e a nós, adultos, como forma de sensibilização para a cultura de paz. Afinal, pouco ou quase nada se fala a respeito desse tema, no nosso dia a dia ocidental, como se não fizemos parte desse contexto que atinge todos os continentes.

Institucionalmente, a Convenção das Nações Unidas do Estatuto dos Refugiados foi adotada em 28 de julho de 1951, e entrou em vigor em 22 de abril de 1954, no contexto posterior à Segunda Guerra Mundial. Para auxiliar esse contingente de pessoas vulneráveis entrou em funcionamento o ACNUR, que até hoje prossegue com esse trabalho, em parceria com governos e entidades não governamentais. Apesar de atuar com orçamento bilionário, uma das dificuldades de operação se deve ao fato de depender de contribuições voluntárias dos países signatários, de campanhas e doações particulares.

Pelo documento (que não sofreu atualização até hoje), se definiu o conceito de refugiado como: “uma pessoa que está fora do seu país natal em decorrência de temores com fundamentos de perseguição que podem se relacionar a questões raciais, religiosas, de nacionalidade, de conflitos de grupos sociais ou opinião política, e a conflitos armados. Em decorrência disso, tiveram de deixar seus bens, empregos, familiares e amigos para que pudessem preservar a sua liberdade e vida”. No Brasil, a legislação nacional, que trata desse assunto, é a Lei nº 9.474, de 22/07/1997. Os pedidos de refúgio são analisados pelo Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), que está ligado ao Ministério da Justiça.

É fundamental destacar, que oficialmente as pessoas que se “refugiam” devido às mudanças climáticas não são consideradas refugiadas (pela convenção) e são chamadas de “deslocados em função das mudanças climáticas”. Independente de nomenclatura, elas fazem parte do grupo de assistidos, que aumenta cada vez mais, mas têm de ser enquadrados pela burocracia, por outros dispositivos legais em cada país. “No mundo, ainda existe um vazio para dar cobertura a essas pessoas”, constata Andrés Ramirez, representante do ACNUR no Brasil

Ele explica que aqui, por exemplo, os haitianos que chegam ao país, estão recebendo vistos humanitários. Foi a decisão tomada pelo governo brasileiro. Por meio de acordo, o Brasil limitou receber o número de 1,2 mil anualmente, mas o que se percebe com as notícias recentes divulgadas na mídia, é que chegam cada vez mais haitianos. Agora, a questão é como esse novo cenário será tratado...

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo:

10/03/12 - Refugiados climáticos: do alerta ao fato
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África

Pesquisar no site

Blog

11/10/2017 11:35

Arpilleras: a defesa dos direitos tecida com a sensibilidade da arte

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro Maria Alacídia, 52 anos, de Altamira, Pará, e Claides Helga Kohwald, 76 anos, do Rio Grande do Sul e que hoje mora no Paraná, vivem a milhares de quilômetros de distância, mas têm suas vidas ligadas por um bordado e por uma “linha histórica” em comum. A...
09/10/2017 17:53

Justiça socioambiental: centenas de vozes ecoam homenagem póstuma à pescadora Nicinha, no Rio de Janeiro

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro  A pescadora Nilce de Souza Magalhães, mais conhecida por Nicinha, liderança feminina do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), no estado de Rondônia, defendia os direitos das populações afetadas pelo Complexo Hidrelétrico, no rio Madeira e seus...
25/09/2017 12:22

Gameleira traz um exemplo propositivo de afirmação identitária quilombola

PÍLULAS SOCIOAMBIENTAIS Por Sucena Shkrada Resk O Museu Gídio Veio, da Comunidade de Remanescentes Quilombolas de Gameleira, em São Tomé, no Rio Grande do Norte, é uma prova de que o senso de pertencimento étnico ao território pode ser ‘perpetuado’ por meio de ações proativas, que tragam o resgate...
21/08/2017 16:06

Ser quilombola: um diálogo com a memória ancestral

Por Sucena Shkrada Resk, em Eldorado (SP) - 20/08/2017 “Eu tenho uma memória ancestral que diz quem eu sou”, destaca o quilombola Ronaldo dos Santos, coordenador executivo da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ). Essa afirmação nunca foi tão...
01/08/2017 11:40

Mobilização nacional defende comunidades remanescentes quilombolas contra retrocessos em direitos estabelecidos

Por Sucena Shkrada Resk Nos últimos anos, está sendo construído um cenário de retrocessos no campo dos direitos humanos no Brasil, que ferem a Constituição de 1988. Atualmente, uma causa que ganha visibilidade é a das comunidades remanescentes quilombolas. Isso acontece, porque o julgamento...
09/07/2017 18:10

O discurso da invisibilidade no contexto da injustiça socioambiental e no campo

Por Sucena Shkrada Resk Vivemos tempos de invisibilização acentuada de povos e comunidades tradicionais e indígenas promovida pelos modus operandi das políticas de infraestrutura, que ferem os direitos instituídos legalmente, no âmbito nacional e internacional. Algumas das agendas com maior número...
22/01/2017 18:21

O ônus socioambiental da contemporaneidade “Flex”

  Por Sucena Shkrada Resk   Quando dizemos que um indivíduo ou uma nação têm "palavra", o sentido implícito nesta frase implica retidão, ética e relação de confiança. Mas nos deparamos hoje na contemporaneidade com uma fragilidade que reflete um mundo em que leis, direitos instituídos e...
18/12/2016 10:34

Guerra na Síria: o retrato da desumanização no século XXI

Por Sucena Shkrada ReskQuem cura as cicatrizes das feridas profundas das guerras civis que marcam o século XXI, em especial, na Síria? Os acordos geopolíticos demonstram que impera a crueldade imposta pelas polaridades, que armam os lados opostos internos com aparato bélico e financiamento e causam...
12/12/2016 21:38

A legislação socioambiental sob o ataque da artilharia ruralista no Congresso Nacional

Por Sucena Shkrada Resk Agora, querem destruir as regras do licenciamento ambiental O desgaste político brasileiro na agenda socioambiental chega a beirar o surrealismo. Tal qual uma artilharia, com tanque de guerra, a bancada ruralista tem assumido o ataque, por meio de projetos que tramitam no...
05/09/2016 17:41

A longevidade em tempos de mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk Caso fôssemos fazer uma enquete para saber se as pessoas querem envelhecer em um planeta com o aumento da temperatura média acima de dois graus Celsius até o final do século com relação à era pré-industrial, muitas talvez não tivessem a noção do que essa pergunta significa....
28/08/2016 16:31

Savanização da Amazônia mato-grossense a olhos nus

Por Sucena Shkrada Resk Mais de 15 mil focos de incêndio/queimadas, neste ano, colocam o Mato Grosso em primeiro do ranking no país atualmente. E boa parte destes registros ocorre no bioma amazônico ao norte e noroeste do estado. Colniza, a pouco mais de mil quilômetros de Cuiabá, é o município que...
26/06/2016 22:35

Mortes de ativistas socioambientais não podem se perder nas estatísticas

Por Sucena Shkrada Resk Muitos nomes em algumas lápides por este Brasil podem ser anônimos para a maioria de nós, mas representam o descaso cada vez maior com a vida de cidadãos e cidadãs, que fazem parte de comunidades indígenas, que pleiteiam a demarcação de terra que se estende em processos...
24/04/2016 14:53

Agrotóxicos – Parte 2: mais um projeto polêmico na Câmara

Por Sucena Shkrada Resk Quando imaginamos que está chegando o momento de bonança, vem mais uma notícia que exige um olhar atento da sociedade quanto à temática dos agrotóxicos e a tentativa de mudança de nomenclatura e regras, que ferem o direito do consumidor. Tramita na Câmara dos Deputados, o...
11/04/2016 12:44

Estão calando aos poucos as raízes indígenas: a memória oral é um caminho necessário

Por Sucena Shkrada Resk Quando anunciam que dezenas de línguas indígenas podem morrer, como centenas já desapareceram no Brasil, dá uma sensação de vazio. O processo de extermínio das raízes vem se acelerando, desde o “Descobrimento do Brasil”, quando se estima que havia o registro entre 1.500 e...
03/04/2016 09:44

Agrotóxicos-transgênicos: um rolo compressor está sendo passado sobre o direito do consumidor

Por Sucena Shkrada Resk Enquanto o cenário político brasileiro enfrenta uma de suas maiores crises na história democrática no país, nos bastidores, a orquestração no Congresso de grupos políticos, que representam predominantemente interesses de mercado, consegue aprovar projetos que prejudicam o...
23/02/2016 20:34

Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk Bactérias, vírus e parasitas, coliformes fecais, produtos químicos, metais pesados...  Sinto muito dizer, mas 42% da população convivem com este contexto de saneamento, porque não têm acesso a um direito mínimo, que é a coleta de rede de esgoto. O endereço dessa...
09/02/2016 07:27

As lamas da mineração: a caixa de pandora foi aberta

Por Sucena Shkrada Resk Três meses se passaram e a conclusão a que se chega é que a expressão “tragédia anunciada” se materializou no acidente do rompimento da barragem de rejeitos minerais(de ferro) do Fundão, operada pela Samarco, controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Biliton, , em...
31/01/2016 14:00

Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda

Por Sucena Shkrada Resk Lembro como se fosse hoje. O ano era 2002 e trabalhava como repórter no Diário do Grande ABC. Uma das pautas que mais cobri, neste período, foi com relação à epidemia de dengue e aos diversos focos do mosquito fêmea do Aedes aegypti que havia na região e no país. Em outras...
26/12/2015 15:58

Implementação é a palavra-chave após a COP21

Por Sucena Shkrada Resk Esta é uma fase de amadurecimento de reflexões. Os últimos dias após o acordo firmado na 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e da 11ª Reunião das Partes no Protocolo de Quioto (MOP-11), em...
07/12/2015 21:32

COP21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque

Por Sucena Shkrada Resk Enquanto nas salas climatizadas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-21), em Paris, tudo vai hipoteticamente bem, obrigado, do lado de fora, a realidade é bem outra. Essa constatação vem por meio de dados do recente...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk