Refugiados: o quanto compreendemos dessa realidade?, por Sucena Shkrada Resk

21/09/2012 10:40

O colombiano J.M. convive até hoje com sequelas físicas e psicológicas do tempo em que foi seqüestrado político em seu país, por 45 dias, que pareceram anos. Refugiado no Brasil há quatro anos, tenta se restabelecer, mas ainda teme pela vida de familiares que ficaram por lá. J.M, de origem síria, há quatro meses aqui, não esquece dos momentos que viveu com sua família o risco de morte sob bombas, durante os conflitos que atingem a Síria. “Enterramos mais de 20 crianças...Mas muitas pessoas morreram e não houve notificação...”. Esses fragmentos de relatos compõem um pouco das histórias vividas por cidadãos (ãs) pelo mundo que tentam sobreviver e fugir da situação de risco. Ouvi esses depoimentos, durante o 1ª Oficina de Jornalismo sobre a Proteção Internacional de Refugiados em São Paulo, neste mês.

Quando trocamos a “lente” para olhar o que acontece no mundo, percebemos que há um fluxo de milhares de pessoas, que não estão a passeio, mas saem de seus lugares de origem, em decorrência da instabilidade geopolítica em várias localidades no planeta. É o retrato do sofrimento humano, que por muitas vezes, não nos chega pelas vias da informação midiática ou pela redoma que colocamos ao nosso redor, para não enxergar o sofrimento alheio.

Em 2011, 42,5 milhões de pessoas terminaram o ano de 2011 em condições de refúgio. Desse contingente, 15,42 milhões como refugiados (veja definição abaixo); 26,4 milhões como deslocados internos ou em uma terceira condição, que é de solicitantes de refúgio. Nesse caso, 895 mil cidadãos (ãs). Os dados foram registrados pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), no documento Tendências Globais 2011, lançado em junho deste ano. O alerta é que se detecta que o deslocamento forçado afeta grandes grupos de pessoas ao redor do mundo, consecutivamente nos últimos cinco anos.

Mas o recorte da discriminação também é composto pela invisibilidade institucional, tendo em vista que milhares de outros cidadãos não se encontram em estatísticas oficiais, pois vagam clandestinamente ou então, sucumbem, porque não conseguiram suportar os desafios impostos para conseguirem estar a salvos. Em outra hipótese, conseguem auxílio de uma rede de comunidades, e deixam de solicitar o status de refugiado (que na verdade, é um direito).

Um dos momentos históricos que podem ser destacados da própria realidade brasileira, é o período da Ditadura, quando centenas de pessoas seguiram ao exterior, como refugiados políticos. Ao olharmos para os dias de hoje, há inúmeros cenários instalados, como a situação vivenciada por cidadãos afegãos, iraquianos, somalis, sudaneses, congoleses, da Costa do Marfim, líbios, paquistaneses e sírios, entre outros...

Mais um ângulo a ser destacado é que existe mais um contigente expressivo de refugiados, que não estão na área de competência do ACNUR. São aproximadamente 4,8 milhões de cidadãos de origem palestina, registrados pela agência UNRWA (United Nations Relief and Works Agency for Palestine Refugees).

Essa realidade deve ser trazida às crianças, aos jovens e a nós, adultos, como forma de sensibilização para a cultura de paz. Afinal, pouco ou quase nada se fala a respeito desse tema, no nosso dia a dia ocidental, como se não fizemos parte desse contexto que atinge todos os continentes.

Institucionalmente, a Convenção das Nações Unidas do Estatuto dos Refugiados foi adotada em 28 de julho de 1951, e entrou em vigor em 22 de abril de 1954, no contexto posterior à Segunda Guerra Mundial. Para auxiliar esse contingente de pessoas vulneráveis entrou em funcionamento o ACNUR, que até hoje prossegue com esse trabalho, em parceria com governos e entidades não governamentais. Apesar de atuar com orçamento bilionário, uma das dificuldades de operação se deve ao fato de depender de contribuições voluntárias dos países signatários, de campanhas e doações particulares.

Pelo documento (que não sofreu atualização até hoje), se definiu o conceito de refugiado como: “uma pessoa que está fora do seu país natal em decorrência de temores com fundamentos de perseguição que podem se relacionar a questões raciais, religiosas, de nacionalidade, de conflitos de grupos sociais ou opinião política, e a conflitos armados. Em decorrência disso, tiveram de deixar seus bens, empregos, familiares e amigos para que pudessem preservar a sua liberdade e vida”. No Brasil, a legislação nacional, que trata desse assunto, é a Lei nº 9.474, de 22/07/1997. Os pedidos de refúgio são analisados pelo Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), que está ligado ao Ministério da Justiça.

É fundamental destacar, que oficialmente as pessoas que se “refugiam” devido às mudanças climáticas não são consideradas refugiadas (pela convenção) e são chamadas de “deslocados em função das mudanças climáticas”. Independente de nomenclatura, elas fazem parte do grupo de assistidos, que aumenta cada vez mais, mas têm de ser enquadrados pela burocracia, por outros dispositivos legais em cada país. “No mundo, ainda existe um vazio para dar cobertura a essas pessoas”, constata Andrés Ramirez, representante do ACNUR no Brasil

Ele explica que aqui, por exemplo, os haitianos que chegam ao país, estão recebendo vistos humanitários. Foi a decisão tomada pelo governo brasileiro. Por meio de acordo, o Brasil limitou receber o número de 1,2 mil anualmente, mas o que se percebe com as notícias recentes divulgadas na mídia, é que chegam cada vez mais haitianos. Agora, a questão é como esse novo cenário será tratado...

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo:

10/03/12 - Refugiados climáticos: do alerta ao fato
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África

Pesquisar no site

Blog

26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...
06/02/2012 13:39

Aeroportos: Um país de duas medidas, por Sucena Shkrada Resk

Na semana passada, ouvi uma notícia que, no mínimo, demonstra um desequilíbrio total de gestão. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) anunciou que aeroportos em cidades da Copa terão opções de lanchonetes econômicas x aqueles preços homéricos que nos cobram. A iniciativa...
06/02/2012 11:18

Nota: Reflexões rumo às eleições & cidadania, por Sucena Shkrada Resk

Exigir que os CANDIDATOS DE TODOS OS PARTIDOS INDISTINTAMENTE a prefeitos e vereadores tenham plano de governos e legislativos coerentes, com metas, diretrizes de curto, médio e longo prazos, apresentem de onde virão as dotações orçamentárias (do tesouros, Parcerias Público-Privadas - PPs etc)...
06/02/2012 09:18

Prática da cidadania: combate ao uso do cerol, por Sucena Shkrada Resk

Praticar cidadania não tem hora marcada, feito uma consulta no médico, e nem pode depender de conveniência, de acordo com o ambiente, personagens envolvidos e interesses particulares. Isso deveria ser a regra, mas a gente sabe que não é bem assim. Vou citar um exemplo cotidiano para reflexão, aqui...
02/02/2012 12:14

Chico Whitaker: Como sensibilizar os 99%?, por Sucena Shkrada Resk

Um dos raciocínios e sensibilizações mais coerentes sobre o qual refleti, durante o Fórum Social Temático (FST) 2012, entre os dias 24 e 29 de janeiro, foi expresso por Chico Whitaker. Durante um encontro entre ativistas de mídia livre, promovido pela Ciranda.Net, no dia 25, ele trouxe a bagagem de...
25/01/2012 21:59

Caminhada do FST 2012: um momento em que as vozes emergem, por Sucena Shkrada Resk

A atmosfera de lançamento dos Fóruns Sociais consegue ter um DNA em comum a cada edição e isso se repetiu no dia 24, com o Fórum Social Temático – FST 2012, em Porto Alegre. As mais diversas “tribos” se misturaram e ao mesmo tempo se separaram em blocos e colocaram suas reivindicações na pauta das...
13/01/2012 18:42

Rio+20: O que fazemos com tanta informação?, por Sucena Shkrada Resk

Para quem acompanha ou atua na área socioambiental, a contagem regressiva para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, ao menos, gera uma carga significativa de pesquisas e informações para que possamos trabalhar o pensamento complexo,...
09/01/2012 16:14

E os planos de contingência?, por Sucena Shkrada Resk

Fiz esse breve questionário, como uma pré-pauta, para aguçar nossas reflexões. Quem será que tem as respostas na ponta da língua ou pelo menos sabe onde encontrá-las?: - O Brasil (enquanto federação) tem um plano de contingência a desastres naturais implementado? - Quantos dos 5.565 municípios...
06/01/2012 16:13

Que chance teve a criança indígena?, por Sucena Shkrada Resk

Uma notícia realmente me abateu hoje. Foi da denúncia da atrocidade feita com uma criança indígena do povo Awá-Guajá, de cerca de oito anos. O seu corpo carbonizado teria sido abandonado pelos Awá isolados, a cerca de 20 km da aldeia Patizal do povo Tenetehara, em Arame (MA). Tudo indica que foi...
06/01/2012 11:17

Anos e décadas institucionais da ONU e a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

No contexto da #Rio+20, estrategicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 2012 como ano de importantes eixos da sustentabilidade, quando completa 40 anos de atividade: Os temas são: - Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos e - Ano Internacional das Cooperativas (que...
01/05/2011 10:35

Suassuna, em verso e prosa

Por Sucena Shkrada Resk O escritor, poeta, dramaturgo e historiador Ariano Suassuna, 84 anos, no palco, e o geógrafo Aziz Ab´Saber, 87, na plateia. Poderia haver combinação mais emocionante de se flagrar? Presenciei esse bonito quadro, neste sábado, 30 de abril, no teatro do Sesc Vila Mariana, em...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk