Reflexão: a desertificação e o consumo inconsciente, por Sucena Shkrada Resk

14/01/2013 19:39

Quando se trata do tema “desertificação”, a integração de ações antrópicas e processos naturais refletem o processo de fragilidade presente em vários pontos do planeta. O certo é que a série histórica demonstra que se intensificam os eventos extremos a cada década. Tanto as secas como as estiagens se estendem por mais tempo e hoje cerca de 40% da superfície terrestre é suscetível à desertificação, onde vivem 15% da população do planeta e estima-se que 92% da água consumida seja na agricultura. Esse é o cenário do estado do mundo próximo à realização da 2ª Conferência Científica da Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos de Secas (UNCCD), em Fortaleza, CE, entre os dias 4 e 7 de fevereiro.

A situação do Brasil – inclusive por causa de sua dimensão continental - é um exemplo claro de que é necessário melhorar a retaguarda de adaptação e mitigação (redução de danos), tendo em vista que enfrenta desde o ano passado, a maior seca em quatro décadas. Vale registrar: desde o século XIX já existem registros a respeito. Não é um assunto de "ocasião".

Segundo o Ministério do Meio Ambiente, atualmente 16% do território correspondem a áreas em processo de desertificação. Essa grande faixa de aridez corresponde a 1.488 municípios, onde vivem 31.663.671 pessoas. Praticamente 20% da população do país, ou seja, um quinto dos habitantes. O mais gritante é que o quadro está logicamente associado à pobreza e pelo menos oito milhões de pessoas se encontram nessa situação.

Com a instabilidade climática ascendente, pesquisas científicas associadas com o tema demonstram o aumento da vulnerabilidade. Em um dos levantamentos expostos no livro “Flora das caatingas do Rio São Francisco: história natural e conservação” (Andrea Jakobsson Estúdio), o professor José Alves Siqueira, da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), de Petrolina, PE, ressalta esse aspecto no artigo“A extinção inexorável do Rio São Francisco”, que representa 70% da oferta regional de água. O trabalho é resultado de ações em campo entre 2008 e 2012, quando ocorreram 212 expedições.

Ao mesmo tempo, vimos anúncios do governo de previsão de investimentos cada vez mais altos nas obras de transposição do São Francisco. De R$ 4,5 bi já se prevê R$ 8,2 bi até o final. Até agora já estariam concluídas 43% das obras, segundo o Ministério de Integração Nacional. A obra iniciada em 2007, com previsão inicial de término em 2011, tem novo prazo: 2015. Recebe duras críticas de especialistas e é alvo de investigação do Tribunal de Contas da União (TCU). Tem sucessivos atrasos em diferentes trechos, alguns tiveram de ser refeitos e outros são “flagrados” parados. O que se prevê, se o projeto for cumprido, é o benefício a 400 municípios em quatro estados. Mas as tendências apontadas pelas pesquisas científicas não são de seu futuro desaparecimento?

A remoção da vegetação da Caatinga é mais um forte fator de pressão, como é destacado no livro “Desertificação e Mudanças Climáticas no Semiárido Brasileiro”, do Instituto Nacional do Semiárido (INSA/MCTI). As monoculturas e extração extensivas de recursos naturais se somam ao ciclo climático, que impulsionam o esgotamento.

Com tantos poréns calcados nas dúvidas quanto ao futuro em algumas décadas, é incontestável que a escassez e desperdício se retroalimentam no problema da desertificação brasileira. Os processos de irrigação são as principais ações de consumo de água, que até hoje não foram otimizados. O país figura como 4º colocado no ranking mundial, atrás de China, Índia e Estados Unidos, de acordo com o estudo americano da Hoekstra, veiculado na publicação National Academy of Sciences (PNAS), no ano passado.

Quais caminhos de política pública estão sendo adotados e o quanto terão de efeito “remediador”? Hoje foi lançada a Política Nacional de Irrigação, que em seu texto diz: ... “...que o objetivo da nova lei é incentivar a ampliação da área irrigada no país, aumentando a produtividade de forma sustentável e reduzindo os riscos climáticos para a agropecuária.” ...e a proposta é ampliar o crédito para obtenção de equipamentos com uso eficiente da água, modernizar instrumentos e implantar sistemas de suporte à irrigação. Mas uma questão importante a levantar: a legislação está associada à educação para o consumo sustentável? A algo mais amplo que é a pegada hídrica?

Mais um anúncio, às vésperas da Conferência das Nações Unidas, é da catalogação e difusão de métodos de convivência com o Semiárido e de minimização de efeitos de secas prolongadas, a partir de março, por meio do lançamento de projeto do Insa/MCTI em parceria com a Rede de Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA), com o apoio do Ministério do Meio Ambiente (MMA). O público-alvo são agricultores nordestinos e de parte de Minas Gerais.

Difícil dizer o quanto essas ações terão efeitos significativos na vida das milhares de pessoas que sofrem com a seca. Isso, tendo em vista como o formato do modelo de produção e consumo brasileiro acompanha essas medidas. Aquecimento global, mudanças climáticas...cenário de savanização previsto pelo 4º Relatório do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas...São quadros instáveis que se concretizam dia a dia.
OS EXEMPLOS GLOBAIS

No outro lado do mundo, os eventos extremos também sinalizam tempos difíceis. A Austrália parece um caldeirão efervescente, com temperaturas acima de 50 graus. Nos últimos dias, por exemplo, um incêndio de grande proporção já causou danos no observatório australiano do espaço, na Nova Gales do Sul, entre outras regiões. Tempestades de “poeira” gigantescas são registradas no país.

Mais de 100 países sofrem com a desertificação mundialmente e desde 2010 vivemos na Década sobre Desertos e de Combate à Desertificação, instituída pela ONU. Mas o que se percebe, é que falta entrosamento dessa agenda com as decisões tomadas no âmbito da Biodiversidade e das Mudanças Climáticas. Sem essa postura, será difícil a construção de novos cenários mais positivos

Pesquisar no site

Blog

26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...
06/02/2012 13:39

Aeroportos: Um país de duas medidas, por Sucena Shkrada Resk

Na semana passada, ouvi uma notícia que, no mínimo, demonstra um desequilíbrio total de gestão. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) anunciou que aeroportos em cidades da Copa terão opções de lanchonetes econômicas x aqueles preços homéricos que nos cobram. A iniciativa...
06/02/2012 11:18

Nota: Reflexões rumo às eleições & cidadania, por Sucena Shkrada Resk

Exigir que os CANDIDATOS DE TODOS OS PARTIDOS INDISTINTAMENTE a prefeitos e vereadores tenham plano de governos e legislativos coerentes, com metas, diretrizes de curto, médio e longo prazos, apresentem de onde virão as dotações orçamentárias (do tesouros, Parcerias Público-Privadas - PPs etc)...
06/02/2012 09:18

Prática da cidadania: combate ao uso do cerol, por Sucena Shkrada Resk

Praticar cidadania não tem hora marcada, feito uma consulta no médico, e nem pode depender de conveniência, de acordo com o ambiente, personagens envolvidos e interesses particulares. Isso deveria ser a regra, mas a gente sabe que não é bem assim. Vou citar um exemplo cotidiano para reflexão, aqui...
02/02/2012 12:14

Chico Whitaker: Como sensibilizar os 99%?, por Sucena Shkrada Resk

Um dos raciocínios e sensibilizações mais coerentes sobre o qual refleti, durante o Fórum Social Temático (FST) 2012, entre os dias 24 e 29 de janeiro, foi expresso por Chico Whitaker. Durante um encontro entre ativistas de mídia livre, promovido pela Ciranda.Net, no dia 25, ele trouxe a bagagem de...
25/01/2012 21:59

Caminhada do FST 2012: um momento em que as vozes emergem, por Sucena Shkrada Resk

A atmosfera de lançamento dos Fóruns Sociais consegue ter um DNA em comum a cada edição e isso se repetiu no dia 24, com o Fórum Social Temático – FST 2012, em Porto Alegre. As mais diversas “tribos” se misturaram e ao mesmo tempo se separaram em blocos e colocaram suas reivindicações na pauta das...
13/01/2012 18:42

Rio+20: O que fazemos com tanta informação?, por Sucena Shkrada Resk

Para quem acompanha ou atua na área socioambiental, a contagem regressiva para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, ao menos, gera uma carga significativa de pesquisas e informações para que possamos trabalhar o pensamento complexo,...
09/01/2012 16:14

E os planos de contingência?, por Sucena Shkrada Resk

Fiz esse breve questionário, como uma pré-pauta, para aguçar nossas reflexões. Quem será que tem as respostas na ponta da língua ou pelo menos sabe onde encontrá-las?: - O Brasil (enquanto federação) tem um plano de contingência a desastres naturais implementado? - Quantos dos 5.565 municípios...
06/01/2012 16:13

Que chance teve a criança indígena?, por Sucena Shkrada Resk

Uma notícia realmente me abateu hoje. Foi da denúncia da atrocidade feita com uma criança indígena do povo Awá-Guajá, de cerca de oito anos. O seu corpo carbonizado teria sido abandonado pelos Awá isolados, a cerca de 20 km da aldeia Patizal do povo Tenetehara, em Arame (MA). Tudo indica que foi...
06/01/2012 11:17

Anos e décadas institucionais da ONU e a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

No contexto da #Rio+20, estrategicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 2012 como ano de importantes eixos da sustentabilidade, quando completa 40 anos de atividade: Os temas são: - Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos e - Ano Internacional das Cooperativas (que...
01/05/2011 10:35

Suassuna, em verso e prosa

Por Sucena Shkrada Resk O escritor, poeta, dramaturgo e historiador Ariano Suassuna, 84 anos, no palco, e o geógrafo Aziz Ab´Saber, 87, na plateia. Poderia haver combinação mais emocionante de se flagrar? Presenciei esse bonito quadro, neste sábado, 30 de abril, no teatro do Sesc Vila Mariana, em...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk