#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

23/03/2018 10:29

Por Sucena Shkrada Resk

O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002. Esta constatação não é por acaso, no período do Antropoceno, em que “predar” ainda ganha rounds diante do “conservar”. Então, a que e a quem apelar? Ao próprio ecossistema, que em sua infinita sabedoria no conceito de gaia, em sua organicidade viva, traz processos regenerativos. Entretanto, para que o processo ocorra, a atitude proativa do ser humano continua crucial. Essa é a parte que nos cabe como parte constitutiva do meio ambiente e como sujeitos políticos.

As propostas colocadas à mesa, no informe da ONU - Água, são diversas e muitas já conhecidas em diferentes documentos anteriores. Entre as recomendações, que estão num bojo da infraestrutura verde, estão o desenvolvimento prático da ecohidrologia (diálogo permanente de adoções respeitando a hidrologia + biota), de restauração e engenharia ecológica e de restauração de paisagem florestal. Também são recomendadas a redução de riscos de desastres baseada em ecossistemas, serviços ecossistêmicos baseados no contexto das mudanças climáticas, tratamento de águas residuais, a adoção da chamada economia circular (que preconiza o mínimo de desperdício) e da agricultura de conservação, que é caracterizada pelo mínimo de perturbação no solo e a prática de rotação de culturas. Para alavancar essas ações, são sugeridas práticas como a de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) e a criação de fundos para a conservação da água, entre outros.

Não podemos negar que vivemos um cenário perturbador. A água é pivô de conflitos internacionais em ascendência. Há pelo menos 260 bacias fluviais em quase 150 fronteiras internacionais, o que esquenta uma atmosfera de construção de guerras. Quando analisamos que 30% da superfície terrestre é coberta por vegetação/florestas, mas que 65% desta área estão degradadas (dados de 2010), os ingredientes para esta situação de instabilidade aumentam. As áreas úmidas, rios e lagos cobrem somente 2,6%. As ameaças para a manutenção do equilíbrio ecossistêmico, neste contexto, são de toda ordem: erosão, quanto a nutrientes, salinização e sodificação, perda de biodiversidade, contaminação, acidificação e compactação, entre outras.

Hoje mais de 2 bilhões de pessoas não têm acesso à água potável e mais do dobro não conta com acesso aos serviços de saneamento seguro em uma sociedade mundial de 7,7 bilhões de cidadãos, destaca o documento. Com o rápido crescimento populacional até o ano de 2050, poderemos chegar a 10,2 bilhões de indivíduos, com dois terços vivendo em cidades. Quantitativamente o maior número de cidadãos será nos continentes africanos e asiáticos. Como suprir esta necessidade, exercitando o mesmo modelo de desenvolvimento vigente, que é discriminatório?

O descompasso é crescente. Nos últimos 100 anos, o uso global da água foi multiplicado por seis e continua crescendo a uma taxa de 1% ao ano. O quebra-cabeças está nos usos agrícola, industrial e doméstico, que estão comprometendo tanto as águas subterrâneas como as superficiais. Quando vimos no recorte geopolítico quais são os maiores consumidores hoje dos recursos subterrâneos, percebemos como o problema é de uma complexidade considerável. São Índia, EUA, China, Irã e Paquistão, que representam 67% das extrações totais mundiais e a utilização deste recurso no planeta tende a aumentar e chegar na casa de mais 39% até 2050. Atualmente um terço desses ecossistemas está sob perigo. Já a escassez de águas superficiais poderá atingir 5,7 bilhões de cidadãos, neste mesmo período.

Segundo o informe, estima-se que mundialmente 80% das águas residuais industriais e municipais são liberadas ao meio ambiente sem nenhum tipo de tratamento prévio. É preciso frisar – 80%. Não é difícil imaginar o que isso significa no dia a dia das atuais e futuras gerações. Sede, fome, doenças e morte. Esta equação não faz parte de um roteiro de ficção científica e se olharmos com maior interesse, já detectamos este quadro em todos os continentes, incluindo o Brasil e países dos blocos desenvolvidos, como no continente europeu.

Na Europa, por exemplo, já observam o excesso de nitrato nas águas, acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e do fósforo. Outra preocupação é a presença de herbicidas e fungicidas que são carreados aos corpos d`água. Para lembrar – o Brasil continua a ser o maior consumidor de agrotóxicos no mundo. O que dizer de nossas águas?

O aceleramento das mudanças climáticas começa a ocasionar grandes processos de secas e de inundações. A desertificação já atinge 1,8 bi de pessoas, e está relacionada à categoria mais importante que causa mortalidade e impacto socioeconômico. As inundações têm aumentado consideravelmente no Chile, na China, no Oriente Médio, na África do Norte e na Índia. Desde o ano de 1992 tem sido feito o registro de que inundações, secas e tormentas têm atingido 4,2 bilhões de pessoas e os danos estão na casa dos US$ 1,3 bi, sendo que 63% são relacionados às águas (dados até 2012).

É preciso respirar, para ganhar fôlego e refletir se conseguiremos atingir as metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Uma delas, que é a 6,6, diz – “proteger e restaurar ecossistemas aquáticos, incluindo montanhas, bosques, zonas úmidas, rios, aquíferos e lagos até 2020, que está dentro da proposta maior de garantir a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos. Será?

Veja outros artigos no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
19/03/2018 – Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas
29/01/2018 - #Saneamentoambiental: Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia
26/01/2018 - #Saneamentoambiental - 2018, lixões e aterros controlados: uma realidade ainda gritante no Brasil 
19/01/2018 - #Saúdeambiental: O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da Bacia do Tejo, em Portugal?
17/01/2018 - #Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda pública? 
28/08/2016 – Savanização da Amazônia a olhos nus
23/02/2016 - Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil 
04/04/2015 – Um dia no “Velho Chico”
O “Velho Chico” tem sede  
14/11/2014 – Crise hídrica estimula protagonismo da sociedade
26/09/2014 - Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental
18/08/2014 - Qualidade das águas em SP (Como entender a gestão das águas - Parte 2)
15/08/2014 - Como entender a gestão das águas no estado de SP?
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício
22/03/2013 - Água "pura, quero ver-te...
14/01/2013 – A desertificação e o consumo insconsciente
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
07/06/2012 – Rumo à Rio Mais 20: o valor oculto da água
03/05/2012 – Rumo à Rio Mais 20: seca, fome, morte e draft zero
Entre outras...

*Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

16/03/2012 21:12

Aziz Ab`Saber: uma mente brilhante, por Sucena Shkrada Resk

Fiquei contente em encontrar em meu arquivo de imagens, a foto que tirei do professor Aziz Ab`Saber, em 30 de abril do ano passado, quando fui conversar com ele, após o espetáculo de Ariano Suassuna, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. Sentado na primeira fileira, com a voz mansa e demonstrando a...
13/03/2012 11:39

#RioMais20: Reflexão: Como entender o jogo do tabuleiro?, por Sucena Shkrada Resk

Como que a sociedade civil não-organizada pode entender o "jogo de tabuleiro" da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (#RioMais20) e da #CúpuladosPovos na Rio+20 por Justiça Social e Ambiental? Não há receita de bolo para isso, mas é necessário que compreendendamos quais...
13/03/2012 08:16

Nota: expectativas oficiais sobre a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

#Rumo_à_Rio+20 - A agenda da reunião de negociações dos países continua...(19 a 27/03 - 23/4 a 04/05 - 13/06 a 15/06), antes da rodada oficial. Segundo Sha Zukang, secretário-Geral da Conferência, a expectativa é de que governos, empresas e outras partes interessadas registrem mais de 1.000...
12/03/2012 21:09

Nota: Os vazios deixados por Fukushima, por Sucena Shkrada Resk

#Fukushima_um_ano - O desafio de se preencher vazios. Esse pensamento me passou ao ver as manifestações realizadas no domingo, com relação ao aniversário de um ano do terremoto e tsunami no Japão, que resultaram no desastre nuclear em Fukushima e em 15.853 mortes e estragos em outras cidades. Ainda...
12/03/2012 19:20

Versão em português dá dicas de 50 livros sobre sustentabilidade, por Sucena Shkrada Resk

Como fazer com que a palavra sustentabilidade não caia no descrédito? Quem nunca se questionou, ao menos, uma vez, ao ouvir aos “quatro ventos” o seu uso para os mais diferentes comportamentos e ações, já que se tornou corriqueira, em propagandas, nem sempre, condizentes ao conceito? Para ajudar...
11/03/2012 22:23

P.1- Paulo Nogueira-Neto:história que se funde com o ambientalismo brasileiro, por Sucena S.Resk

Falar sobre Paulo Nogueira-Neto não é uma das tarefas mais fáceis, afinal, é figura-chave para a compreensão da história “viva” do socioambientalismo brasileiro e internacional. Prestes a completar 90 anos, em 18 de abril, esse paulistano continua a contribuir com suas reflexões oriundas de uma...
11/03/2012 12:55

Nota: como participar do processo da Cúpula dos Povos?, por Sucena Shkrada Resk

11/03 - Para facilitar a compreensão, no processo de participação da #Cúpuladospovos , seguem duas maneiras divulgadas pela organização: - Chamada para participação de entidades (atividades autogestionadas) - https://cupuladospovos.org.br/2012/02/como-voce-pretende-participar-da-cupula-dos-povos/ -...
10/03/2012 08:07

Refugiados climáticos: do alerta ao fato, por Sucena Shkrada Resk

O anúncio feito pelo governo insular de Kiribati (arquipélago no Pacífico), em 2010, começa a se concretizar em 2012...Esse é um fato real, poucos meses antes da Rio+20. O líder do governo anunciou que o país deve adquirir 20 km² de terras em Fiji, para poder levar aos poucos a sua população de...
05/03/2012 17:43

Rio+20: Zukang no Brasil e cidadãos na mobilização, por Sucena Shkrada Resk

O principal papel da cidadania é exercê-la, senão se torna figurativa. No contexto da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20, o acompanhamento de algumas agendas e documentos também possibilita a construção de argumentos mais sólidos nas bandeiras de lutas. Afinal,...
04/03/2012 12:30

Pensata - Rio+20: agora é a vez do como, por Sucena Shkrada Resk

Com toda a efervescência da Rio+20 e seus contextos...sabemos o que está "errado", já foi feito o diagnóstico. Agora, está mais do que na hora de pular essa etapa e partir para o como fazer diferente e melhor...E poucos tratam disso. Onde encontramos algo sistematizado, desde modelos e boas...
03/03/2012 10:06

Pensata: Comunicação compartilhada, por Sucena Shkrada Resk

#Comunicação_compartilhada é o exercício do desapego...Começa por ideias, reflexões e informações para seguir a ações e mudanças de valores. Mas não basta o ctrl C, ctrl V...mas a intenção, a escolha do tema, a utilidade do mesmo, que está na rede dos porquês, dos 'comos' e para quês...Quando...
03/03/2012 07:09

O desafio de reaprendermos a ser humanos, por Sucena Shkrada Resk

Alguns ensinamentos na vida são para sempre. Nesse repertório adquirido no dia a dia, as palavras de Nélida Céspedes, educadora peruana, presidente do Conselho de Educação de Adultos da América Latina (CEAAL), proporciona muitas reflexões: "Precisamos reaprender a ser seres humanos". A frase dita,...
02/03/2012 17:14

A importância da discussão da água na Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

Hoje ao ler a matéria 2,7 bilhões de pessoas sofrem com escassez de água, veiculada no Estadão, e acompanhar as discussões que envolvem o VI Fórum Mundial da Água, que acontecerá, em Marselha, entre os dias 12 e 17, reflito o seguinte, no contexto da Conferência das Nações Unidas sobre...
26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...
06/02/2012 13:39

Aeroportos: Um país de duas medidas, por Sucena Shkrada Resk

Na semana passada, ouvi uma notícia que, no mínimo, demonstra um desequilíbrio total de gestão. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) anunciou que aeroportos em cidades da Copa terão opções de lanchonetes econômicas x aqueles preços homéricos que nos cobram. A iniciativa...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk