#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

23/03/2018 10:29

Por Sucena Shkrada Resk

O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002. Esta constatação não é por acaso, no período do Antropoceno, em que “predar” ainda ganha rounds diante do “conservar”. Então, a que e a quem apelar? Ao próprio ecossistema, que em sua infinita sabedoria no conceito de gaia, em sua organicidade viva, traz processos regenerativos. Entretanto, para que o processo ocorra, a atitude proativa do ser humano continua crucial. Essa é a parte que nos cabe como parte constitutiva do meio ambiente e como sujeitos políticos.

As propostas colocadas à mesa, no informe da ONU - Água, são diversas e muitas já conhecidas em diferentes documentos anteriores. Entre as recomendações, que estão num bojo da infraestrutura verde, estão o desenvolvimento prático da ecohidrologia (diálogo permanente de adoções respeitando a hidrologia + biota), de restauração e engenharia ecológica e de restauração de paisagem florestal. Também são recomendadas a redução de riscos de desastres baseada em ecossistemas, serviços ecossistêmicos baseados no contexto das mudanças climáticas, tratamento de águas residuais, a adoção da chamada economia circular (que preconiza o mínimo de desperdício) e da agricultura de conservação, que é caracterizada pelo mínimo de perturbação no solo e a prática de rotação de culturas. Para alavancar essas ações, são sugeridas práticas como a de Pagamentos por Serviços Ambientais (PSA) e a criação de fundos para a conservação da água, entre outros.

Não podemos negar que vivemos um cenário perturbador. A água é pivô de conflitos internacionais em ascendência. Há pelo menos 260 bacias fluviais em quase 150 fronteiras internacionais, o que esquenta uma atmosfera de construção de guerras. Quando analisamos que 30% da superfície terrestre é coberta por vegetação/florestas, mas que 65% desta área estão degradadas (dados de 2010), os ingredientes para esta situação de instabilidade aumentam. As áreas úmidas, rios e lagos cobrem somente 2,6%. As ameaças para a manutenção do equilíbrio ecossistêmico, neste contexto, são de toda ordem: erosão, quanto a nutrientes, salinização e sodificação, perda de biodiversidade, contaminação, acidificação e compactação, entre outras.

Hoje mais de 2 bilhões de pessoas não têm acesso à água potável e mais do dobro não conta com acesso aos serviços de saneamento seguro em uma sociedade mundial de 7,7 bilhões de cidadãos, destaca o documento. Com o rápido crescimento populacional até o ano de 2050, poderemos chegar a 10,2 bilhões de indivíduos, com dois terços vivendo em cidades. Quantitativamente o maior número de cidadãos será nos continentes africanos e asiáticos. Como suprir esta necessidade, exercitando o mesmo modelo de desenvolvimento vigente, que é discriminatório?

O descompasso é crescente. Nos últimos 100 anos, o uso global da água foi multiplicado por seis e continua crescendo a uma taxa de 1% ao ano. O quebra-cabeças está nos usos agrícola, industrial e doméstico, que estão comprometendo tanto as águas subterrâneas como as superficiais. Quando vimos no recorte geopolítico quais são os maiores consumidores hoje dos recursos subterrâneos, percebemos como o problema é de uma complexidade considerável. São Índia, EUA, China, Irã e Paquistão, que representam 67% das extrações totais mundiais e a utilização deste recurso no planeta tende a aumentar e chegar na casa de mais 39% até 2050. Atualmente um terço desses ecossistemas está sob perigo. Já a escassez de águas superficiais poderá atingir 5,7 bilhões de cidadãos, neste mesmo período.

Segundo o informe, estima-se que mundialmente 80% das águas residuais industriais e municipais são liberadas ao meio ambiente sem nenhum tipo de tratamento prévio. É preciso frisar – 80%. Não é difícil imaginar o que isso significa no dia a dia das atuais e futuras gerações. Sede, fome, doenças e morte. Esta equação não faz parte de um roteiro de ficção científica e se olharmos com maior interesse, já detectamos este quadro em todos os continentes, incluindo o Brasil e países dos blocos desenvolvidos, como no continente europeu.

Na Europa, por exemplo, já observam o excesso de nitrato nas águas, acima do recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e do fósforo. Outra preocupação é a presença de herbicidas e fungicidas que são carreados aos corpos d`água. Para lembrar – o Brasil continua a ser o maior consumidor de agrotóxicos no mundo. O que dizer de nossas águas?

O aceleramento das mudanças climáticas começa a ocasionar grandes processos de secas e de inundações. A desertificação já atinge 1,8 bi de pessoas, e está relacionada à categoria mais importante que causa mortalidade e impacto socioeconômico. As inundações têm aumentado consideravelmente no Chile, na China, no Oriente Médio, na África do Norte e na Índia. Desde o ano de 1992 tem sido feito o registro de que inundações, secas e tormentas têm atingido 4,2 bilhões de pessoas e os danos estão na casa dos US$ 1,3 bi, sendo que 63% são relacionados às águas (dados até 2012).

É preciso respirar, para ganhar fôlego e refletir se conseguiremos atingir as metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Uma delas, que é a 6,6, diz – “proteger e restaurar ecossistemas aquáticos, incluindo montanhas, bosques, zonas úmidas, rios, aquíferos e lagos até 2020, que está dentro da proposta maior de garantir a disponibilidade e gestão sustentável da água e saneamento para todos. Será?

Veja outros artigos no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
19/03/2018 – Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas
29/01/2018 - #Saneamentoambiental: Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia
26/01/2018 - #Saneamentoambiental - 2018, lixões e aterros controlados: uma realidade ainda gritante no Brasil 
19/01/2018 - #Saúdeambiental: O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da Bacia do Tejo, em Portugal?
17/01/2018 - #Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda pública? 
28/08/2016 – Savanização da Amazônia a olhos nus
23/02/2016 - Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil 
04/04/2015 – Um dia no “Velho Chico”
O “Velho Chico” tem sede  
14/11/2014 – Crise hídrica estimula protagonismo da sociedade
26/09/2014 - Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental
18/08/2014 - Qualidade das águas em SP (Como entender a gestão das águas - Parte 2)
15/08/2014 - Como entender a gestão das águas no estado de SP?
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício
22/03/2013 - Água "pura, quero ver-te...
14/01/2013 – A desertificação e o consumo insconsciente
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
07/06/2012 – Rumo à Rio Mais 20: o valor oculto da água
03/05/2012 – Rumo à Rio Mais 20: seca, fome, morte e draft zero
Entre outras...

*Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

27/10/2013 21:09

Enrique Leff alerta sobre o reducionismo econômico, por Sucena Shkrada Resk

Achar normal as instabilidades planetárias que são aceleradas com a intervenção humana e reduzir a complexidade do planeta pela economia do mercado são alguns dos grandes equívocos na contemporaneidade, segundo o economista  e ecologista político mexicano Enrique Leff , que participou no...
14/10/2013 23:27

Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício, por Sucena Shkrada Resk

Já se tornou algo habitual ouvir falar que a água hoje tem o mesmo “valor” que o petróleo teve  neste século e no século passado no mundo. A comparação quanto ao peso geopolítico, socioeconômico e na balança das perdas e danos dos recursos naturais tem toda coerência, tendo em vista os...
13/10/2013 13:38

Educação: o exemplo de Malala, por Sucena Shkrada Resk

A segurança nas convicções da jovem paquistanesa Malala Yousafzai Montero, de 16 anos, chega a deixar muitos adultos desconcertados e eu me incluo nesse hall. Após sofrer uma emboscada, há um ano, quando levou um tiro na cabeça, no ônibus escolar em que se encontrava, no Vale do Swat, no Paquistão,...
04/08/2013 19:53

Personagens de Sampa: Uma noite na Paulista ao som da banda Xupisco, por Sucena Shkrada Resk

Sexta-feira (02/08), 20h, uma noite quente e um som harmonioso ao fundo de Música Popular Brasileira (MPB) em pleno calçadão da avenida Paulista, em frente ao Conjunto Nacional. A curiosidade é maior. Afinal, de onde vêm essas músicas? Logo, vou à procura da resposta. Da banda Xupisco, formada pelo...
30/06/2013 21:34

Um Outono que já marca as nossas vidas, por Sucena Shkrada Resk

“Meu partido é meu país”, “Reforma política”, “Você não me representa”, “País rico é país sem corrupção”, “Chega de corrupção”, “Vem pra rua que a luta é sua - #insatisfação”, “Desculpe o transtorno, estamos mudando o país”, “Verás que um filho teu não foge à luta”, “O gigante acordou”, “O povo...
16/06/2013 20:19

Sr. Pedro, o barqueiro, por Sucena Shkrada Resk

O seu nome é Pedro Roque do Carmo. Profissão: barqueiro de táxi fluvial. Conheci esse amazonense de 65 anos, em maio, em Manaus, ao fazer um passeio em seu barco na região do encontro dos rios Negro e Solimões, que formam o Amazonas, e de igarapés, acompanhada por mais quatro colegas jornalistas....
16/06/2013 16:15

Hortas urbanas: um exercício de desprendimento, por Sucena Shkrada Resk

O cenário urbano de São Paulo nos reserva algumas surpresas em meio ao caos composto por espigões, veículos e todo o tipo de poluição, da atmosférica à visual. De forma gradativa, um contingente de voluntários tem tornado a paisagem mais harmoniosa com os princípios da agroecologia por meio de...
02/06/2013 11:33

Memória socioambiental: o legado de “Realidade”, por Sucena Shkrada Resk

A encadernação é delicada e para folheá-la o cuidado tem de ser redobrado. Afinal 43 anos se passaram. Estou falando da edição de maio de 1970 da Revista Realidade, da Editora Abril, que traduzia em suas matérias as facetas de um Brasil que ainda permanecem pouco alteradas, se formos colocar uma...
01/05/2013 20:22

Qualidade do ar: será que ainda há tempo?, por Sucena Shkrada Resk

O ar que respiramos nos grandes centros urbanos é praticamente irrespirável, se formos observar a diversidade de poluentes primários e secundários (resultantes da reação química entre poluentes primários e componentes naturais da atmosfera) acima dos limites recomendados pelo Guia de Qualidade do...
17/04/2013 23:22

E o seu nome é “vinchuca”, por Sucena Shkrada Resk

Vinchuca...Uma palavra marcante associada à pobreza e à falha de vigilância à saúde que transcende a realidade dos países sul-americanos e já atinge o velho mundo. De origem quéchua, é utilizada principalmente na Argentina, Bolívia, no Chile, na Colômbia e no Paraguai  - em regiões como o...
07/04/2013 20:20

Dengue: brechas na prevenção no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

2013 ou 2002? Ao observar a evolução dos registros atuais de casos de dengue pelo Brasil, eu me recordo de que há uma década, o país vivia uma epidemia, que resultou em campanhas de prevenção e um olhar mais atento da mídia naquele período. À época, fiz várias reportagens no Caderno de Cidades do...
29/03/2013 15:12

Reflexão: Na pulsação da Pachamama “andina”, por Sucena Shkrada Resk

“Pachamama”. Palavra vigorosa forjada na América “andina”, por meio da sabedoria tradicional dos povos indígenas e campesinos, traz um simbolismo importante de pertencimento e respeito à  “Madre Tierra” ou à “Mãe Terra”. Essa metáfora materna e feminina nos leva à ideia da fecundidade,...
26/03/2013 17:19

Um olhar sobre a Venezuela megadiversa, por Sucena Shkrada Resk

Ampliar a leitura sobre países vizinhos ao Brasil na América do Sul, é um exercício de aprendizado interessante. No caso da Venezuela, conhecida mundialmente pela figura de seu ex-líder Hugo Chávez, que faleceu recentemente, e por ser uma potência petrolífera mundial e extrativista de...
22/03/2013 21:53

Água “pura”...quero ver-te, por Sucena Shkrada Resk

Fonte de imagem: FAO Olho para o céu e sei que lá estão os “Rios Voadores”. Ao ler a explicação de Gérard e Margi Moss sobre o projeto de mesmo nome (https://www.riosvoadores.com.br/o-projeto/rios-voadores) penso o quanto do intangível há no tangível, quando se trata do tema água, que já é...
19/03/2013 17:13

Costa Rica: exemplo de cultura de paz e socioambiental, por Sucena Shkrada Resk

  Geralmente o que nos atrai na hora da escolha de um roteiro turístico são as belezas naturais e as características culturais do destino. Mas o meu olhar para a América Central me leva a querer conhecer a Costa Rica, também por outra peculiaridade.  O que chama a atenção nessa nação de...
18/03/2013 16:38

A métrica da felicidade na agenda “sustentável”, por Sucena Shkrada Resk

Quantas vezes observamos a menção da palavra “sustentabilidade”, como um mantra? Inúmeras, não é? E cada uma soa como se fosse um álibi ou a saída estratégica para tudo que dá errado no antagônico  regime capitalista em que vivemos. Mas ao nos aprofundarmos em sua gênese e propósito,...
08/03/2013 18:26

Um sentimento chamado saudade, por Sucena Shkrada Resk

 #Saudade. Essa é uma palavra que estará sempre presente na trajetória de qualquer um de nós. É a saudade de um período que nos marcou, de pessoas que partiram deste plano e foram importantes para nós, de amores que deixaram suas marcas e até de hábitos cotidianos que nos faziam bem, como...
24/02/2013 17:57

Nota - A garimpagem de pontos de logística reversa em SCS, por Sucena Shkrada Resk

Qualquer um de nós tem o que podemos chamar de olhar cidadão e para isso não há hora marcada. Neste domingo, ao seguir para fazer compras domésticas, eis que me deparei com dois pontos de coleta de recicláveis, que recebem itens dos mais complicados ainda para nós, consumidores, conseguirmos...
22/02/2013 20:11

Comunicação socioambiental:o trabalho de alinhavar a história, por Sucena Shkrada Resk

As cronologias da história oficial e da não-oficial se fundem e se desprendem ao longo do tempo, quando tratamos da trajetória socioambiental. Geralmente o que nos ensinam formalmente está vinculado a documentos legais ou a grandes eventos de porte nacional ou mundial. Mas há um vasto universo de...
01/02/2013 21:25

Conservação das zonas úmidas: Brasil tem 11 sítios de Ramsar, por Sucena Shkrada Resk

Amanhã, 2 de fevereiro, será comemorado o Dia Mundial das Zonas Úmidas. Atualmente existem 2083 sítios distribuídos em 164 países, o que corresponde a 197.849.428 ha, segundo dados da Convenção de Ramsar, que entrou em vigor em 21 de dezembro de 1975. Com o objetivo de conservação e uso...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk