Sucena Shkrada Resk


Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

19/02/2018 19:33

Por Sucena Shkrada Resk

Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo Santana do Baixo Jambuaçu, em Moju, BA, e Raimundo Silva, da Comunidade quilombola do Charco, MA, estes três últimos lideranças assassinadas em 2017, ganha um sentido maior neste mês de fevereiro de 2018. Estas personagens revelam o peso simbólico de lutas através de séculos, que reforçam a importância da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), neste mês, que é apenas uma das etapas de um processo árduo pela frente, no campo das titulações, que andam a passos lentos no país – 1,5 mil processos em andamento.

A maioria dos ministros reafirmou o direito estabelecido de titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades quilombolas, constante no Decreto 4.887/2003, e acabaram com um impasse que tramitava desde a entrada da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 3239, ajuizada pelo Partido da Frente Liberal (PFL), atual Democratas (DEM), em 2012.

Assim o veto aos direitos adquiridos dos quilombolas e à tese do “marco temporal” a partir de 1988 (Constituição), para demarcações de terras quilombolas e indígenas (esta proposta pelo ministro Dias Toffoli, e defendida pela bancada ruralista no Congresso), foram enterradas. Os ministros Celso de Mello, Edson Fachin, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Marco Aurélio, Ricardo Lewandowski e a presidente, ministra Cármen Lúcia, além da ministra Rosa Weber, foram enfáticos nos seus votos. Os ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes se posicionaram a favor de parte dos argumentos do partido, além do voto do relator Cezar Pelluzo (já aposentado).

A ação questionava o critério de autoatribuição fixado no decreto para identificar os remanescentes dos quilombos e a caracterização das terras a serem reconhecidas a essas comunidades. Veja mais em (Ivaporunduva ecoa vozes pelos direitos quilombolas no Brasil – Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk) . Os argumentos dos ministros favoráveis "100%" ao Decreto demonstraram o respeito constitucional e legítimo que reforçou as bandeiras de mobilização de centenas de milhares de pessoas, por meio de iniciativas, como da Coordenação Nacional das Comunidades Quilombolas do Brasil (Conaq) e de outras Organizações Não-Governamentais (ONGs).  Uma decisão histórica mas que é parte de um quebra-cabeças mais complexo, que é a própria implementação do Decreto pela gestão pública.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
25/09/2017 – Gameleira traz um exemplo propositivo de afirmação identitária quilombola
21/08/2017 – Ser quilombola: um diálogo com a memória ancestral
01/08/2017 – Mobilização nacional defende comunidades remanescentes quilombolas contra retrocessos em direitos estabelecidos
09/07/2017 – O discurso da invisibilidade no contexto da injustiça socioambiental e no campo

23/11/2013 – Quilombolas: raiz, identidade cultural e ancestralidade

08/01/2013 - Atenção a histórias de vida sobre a luta em favor dos direitos humanos
11/05/2012 - Liberdade de expressão: o princípio da horizontalidade
15/10/2011 - Internet para muitos ou para poucos e com que custo-benefício?
15/12/2010 - Especial Fórum Social Pan-Amazônico - A luta só está no começo
01/02/2010 - Esp. FSM 2010 - Qual é a nossa conjuntura ambiental? 
26/11/2010 - Especial Fórum Social Pan-Amazônico - Abertura leva centenas de pessoas à orla
25/01/2010 - Especial: Fórum Social Mundial 2010 - Caminhada celebra a diversidade
24/02/2009 - Especial FSM 2009 - Encerramento leva à reflexão sobre a exclusão
20/02/2009 . Mais FSM 2009 - As vozes quilombola paraense e indígena dos Andes
12/08/2007 - Ainda existe um bom jornalismo

*Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk

—————

Voltar