Quanto da Mata Atlântica matamos dentro e fora de nós?, por Sucena Shkrada Resk

30/07/2012 15:48

Mais de 120 milhões de pessoas vivem na Mata Atlântica (https://www.mma.gov.br/biomas/mata-atlantica), que ocupa 1.315.460 km2 em 17 estados, do PI ao RS (correspondente a praticamente o tamanho do País de Gales), num país de quase 192 milhões de pessoas. Essa região representa 70% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Ao ter contato com esses dados, tudo aparece em termos superlativos. Mas o contexto é bem outro, quando nos deparamos com a realidade. Restam apenas 7,9% de remanescentes florestais em 98% do território pesquisado do bioma, que também apresenta o maior número de espécies da flora ameaçadas (276) no país, seguida pelo Cerrado (131), da Caatinga (46), da Amazônia (24), do Pampa (17) e do Pantanal (2), segundo o Sistema Nacional de Informações Florestais (SNIF).

Pau-Brasil, Imbuia, Canela – Sassafrás...Até quando elas subsistirão, entre tantas dezenas de outras espécies? E como o ecossistema funcionará sem elas, se o desmatamento continuar?

As informações contidas no Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica 2012 (https://www.sosma.org.br/projeto/atlas-da-mata-atlantica/), uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI), dão a nítida sensação de que a nossa vida é subtraída a cada destruição, principalmente quando saímos das estatísticas da visão georreferenciada e começamos a olhar ao nosso redor. Afinal, nossa "eco" (casa) está por um fio e não nos damos conta disso...

As condições mais críticas se encontram nos estados de Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso, Santa Catarina e Espírito Santo. E os municípios que lideram esse ranking são: Águas Vermelhas (MG), Canavieiras (BA) e Jequitinhonha (MG). Os três tiveram respectivamente 1.367 ha, 1.337 ha e 1.270 ha devastados. O mais incrível é que essas florestas estão sendo transformadas em carvão e substituídas por eucaliptos (quando ocorre), no chamado reflorestamento econômico, para no final virarem bens de consumo novamente. E quem se preocupa em recompor a mata nativa? Em outros locais, a monocultura e a pecuária extensivas comprometem os solos.

Aí se eleva a importância do encaminhamento do novo Código Florestal sancionado recentemente e sua nova redação que voltou à apreciação do Congresso (que deverá ter novas propostas de emendas analisadas); ressurgem no contexto da Mata Atlântica e dos demais biomas com mais força com relação ao real significado de reserva legal e de área de preservação permanente (APP).

Outra questão colocada em xeque é o real significado do“manejo florestal sustentável”. Ao recorrer às informações do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), a explicação é a seguinte: ‘administração da floresta para obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema objeto do manejo e considerando-se, cumulativa ou alternativamente, a utilização de múltiplas espécies madeireiras, de múltiplos produtos e subprodutos não-madeireiros, bem como a utilização de outros bens e serviços florestais’. E o ponto-chave na realidade: há ainda um abismo quanto ao respeito dos mecanismos de sustentação do ecossistema.

Com essa série de constatações, outra mais contundente evidencia que além das dezenas de espécies ameaçadas da flora, desde o período do Descobrimento, outras centenas da fauna estão identificadas com extintas na natureza, mas criadas em cativeiro (EW) ou extintas (EX), e viraram objeto de literatura e imagens retratadas em nanquim e, por muitas vezes, nem isso. Algo que, de alguma forma, deixa um vazio, em todos os sentidos.

Entre as que constam no Livro das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, estão desde a libélula (Acanthagrion taxaense) a arara-azul-pequena (Anodorhynchus glaucus). Em praticamente 50% dos casos a extinção foi constatada em unidades de conservação (UCs), o que demonstra um desafio maior, na implementação e manutenção das mesmas.

E para tentar reverter o processo de perigo de extinção, algumas espécies estão na lista dos Planos de Ação Nacionais para a Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção ou do Patrimônio Espeleológico (PAN), como a ave Mutum do Sudeste, os mamíferos Muriqui e os Ouriços Pretos.

Eu, que moro em São Caetano do Sul (SP), não me sinto mais confortável, por causa disso, de não estar hipoteticamente no olho do furacão. No estado, por sinal, foram desmatados 216 ha, no período. E a razão é simples. Não é possível analisarmos essa situação com bairrismos ou isoladamente. O mercado é global e, de alguma forma, todos temos nossa parte nessa destruição, afinal somos consumidores e alimentamos ativamente ou passivamente a prática predatória de extração e/ou devastação (mesmo que involuntariamente).

Se soubéssemos todos os caminhos do que chega às prateleiras realmente ficaríamos assustados ou não? Esse é o meu receio. O quanto a conscientização é capaz de mudar atitudes em um modelo de desenvolvimento permissivo.

Quando retrocedemos nos últimos 25 anos, o comprometimento da Mata Atlântica, no período, foi 1.735.479 ha. Ano a ano o rankeamento sofre alterações nas primeiras colocações, mas o fato é incontestável: o problema continua. Por quê?

Todos os caminhos levam à educação ambiental e ao padrão de produção e consumo. Como se aprende a entender o valor da conservação e da vida em toda a sua extensão de biodiversidade? Como compreender que o ar que respiramos, a brisa, a chuva, a harmonia das aves, que nos encantam, ou as centenas de cores verdes de nossas folhagens e do colorido de nossas flores, dependem de nós...? Que o alimento, a fitoterapia, o que vestimos e onde vivemos dependem dos recursos naturais?

Como entender a importância dos pequenos sistemas agroflorestais, da necessidade de implementação de planos de manejo em unidades de conservação, da composição dos corredores ecológicos, do que significa manter as matas ciliares, os manguezais e as restingas? E por que o oceano Atlântico depende da harmonia de tudo isso...e nós dependemos dele?

Cada animal, do unicelular ao maior dos mamíferos, pertence à nossa família nessa cadeia. Alguém tem dúvida quanto a isso? Já nos perguntamos de onde a terra se alimenta e quem se alimenta da terra? Ou de onde nossas águas emergem para nos possibilitar a vida? Então, novamente o porquê ressurge forte.

O modelo de consumo, que corresponde às nossas pegadas ecológica, hídrica...sinaliza o que está errado nessa matemática da destruição. As respostas, em um primeiro momento, parecem fáceis: precisamos consumimos para viver. Mas quando refinamos os questionamentos, outro cenário se forma. E para viver necessitamos de quanto da natureza? E o que ela pede de mim em troca?

E a violência de saber que restam 7,9% dos remanescentes de Mata Atlântica toma as suas devidas proporções. Dá até um arrepio imaginar como somos vorazes ou apáticos diante dessa constatação. E o medo de não ouvir mais o som do bem-te-vi, da maritaca, do vento soprando, de não sentir mais o orvalho e só encontrar a terra seca, com sulcos tão profundos, que dela só se extrai poeira, que nos cega diante da realidade. E pior – de não ouvir mais a nossa respiração. Enfim, depois de tantos questionamentos, quanto da Mata Atlântica deixamos morrer dentro de nós em cada atitude do dia a dia?

Pesquisar no site

Blog

08/02/2015 12:01

Castanheira viva, um sinal da floresta em pé

crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk   Por Sucena Shkrada Resk Mais que sombra, mais que frutos, a castanheira viva é símbolo da floresta em pé no bioma amazônico. Alta, soberana, se destaca na paisagem, mas depende de seus pares nativos de outras espécies para ficar vigorosa. Pode atingir...
26/01/2015 13:06

As perguntas encontram sentido nas coisas aparentemente miúdas

Por Sucena Shkrada ReskUm dia estava eu na atmosfera paulista da mata atlântica, vivendo um cotidiano entre São Caetano do Sul e São Paulo, e no outro já estava fincando os pés em Alta Floresta e depois, em Cotriguaçu, na Amazônia matogrossense. Um mero deslocamento geográfico e de bioma? Não,...
10/01/2015 15:18

Nivaldo, o artesão: uma história enraizada na Serra da Capivara (PI)

O oleiro e artesão Nivaldo Coelho de Oliveira é o segundo personagem entrevistados pelo Projeto Vozes dos Biomas - jornalista Sucena Shkrada Resk, na Serra da Capivara   Bioma Caatinga Entrevistado (2): artesão Nivaldo Coelho de Oliveira, 82 anos, da Cerâmica Serra da Capivara obs: auxiliou a...
08/01/2015 09:42

Vozes dos Biomas: início de um ideal jornalístico

Por Sucena Shkrada Resk  #Vozesdosbiomas - #Jornalismoambiental   Estou divulgando hoje uma iniciativa de jornalismo audiovisual socioambiental que estou gestando há quase dois anos: Projeto Vozes dos Biomas -  jornalista Sucena Shkrada Resk, e dei início neste mês. Como o...
03/01/2015 13:42

Mafalda, a COP20, o estado do mundo e do Brasil

Exposição "O Mundo segundo Mafalda", em cartaz gratuitamente na Praça das Artes, em São Paulo. (Crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk) Por Sucena Shkrada Resk A eterna Mafalda completou meio século e continua sagaz como sempre. A personagem carismática criada pelo cartunista argentino Quino tem...
14/12/2014 22:00

Paranapiacaba: um manancial estratégico na Mata Atlântica

Em Parque Natural Municipal ficam nascentes do rio Grande, principal formador da represa Billings Por Sucena Shkrada Resk(texto e fotos) A água brota da terra, de forma quase imperceptível e continuamente. É preciso fixar os olhos para perceber esse delicado processo natural. Na superfície, mais...
23/11/2014 17:17

Os resíduos nossos de cada dia no Brasil e a relação com as mudanças climáticas

Do total de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs) no país, 4% são provenientes dessa fonte principalmente por causa da presença de lixões e da falta de estrutura de saneamento Por Sucena Shkrada Resk O estudo "Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG 2.0)-edição 2014",...
18/11/2014 18:19

Pantanal: um bioma rico em serviços ecossistêmicos

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Reconhecimento do seu valor existe, mas a pressão ainda é muito maior Por Sucena Shkrada Resk Reconhecer o valor é o primeiro passo. Neste quesito, o Pantanal matogrossense – cujo dia foi celebrado em 12 de novembro - ganha visibilidade mundial ao longo do...
14/11/2014 16:50

Crise hídrica estimula protagonismo da sociedade

Campanhas e mobilizações começam a se multiplicar Por Sucena Shkrada Resk Dizem que momentos de crise podem fazer com que descubramos o ‘nosso melhor’. A afirmação tem fundamento, quando vimos o reflexo do exercício de cidadania crescente ao contexto da prolongada estiagem, a pior dos últimos 80...
13/11/2014 12:41

Manoel de Barros: o descobridor de memórias fósseis

Poeta pantaneiro falece aos 97 anos e deixa sua poesia rica em humanidade e vivência próxima à natureza Por Sucena Shkrada Resk “...A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos. Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos......
12/11/2014 17:07

Justiça socioambiental: um grande gargalo no Brasil

País é considerado o mais perigoso para os ativistas e o registro de mortes tem aumentado nos últimos anos Por Sucena Shkrada Resk O povo Guarani-Kaiowá está em luto. Mais uma representante da etnia foi brutalmente assassinada no último dia 31 de outubro, em Dourados, MS. Marinalva Manoel Kaiowá,...
04/11/2014 15:13

Decisões geopolíticas definem o caminho das mudanças climáticas

Caso continue o desenvolvimento pautado pelos combustíveis fósseis e pelo desmatamento, se desenha o pior cenário até o fim do século; posição brasileira é estratégica neste desafio Por Sucena Shkrada Resk Tudo junto, tudo misturado. Até onde vai a extensão da postura geopolítica mundial e sua...
29/10/2014 21:16

Especial Biodiversidade (Parte 2): declínio de espécies ecoa alerta

Situação está interligada com a pegada ecológica do ser humano e consequentemente ao quadro crescente das mudanças climáticas Por Sucena Shkrada Resk A fauna presente na América Latina está declinando nas últimas quatro décadas de forma ascendente, mais que em todo o globo. O silêncio começa a...
20/10/2014 17:24

Encheremos um balde d`água?

Escassez hídrica não pode ser colocada na conta de “São Pedro” Por Sucena Shkrada Resk As nascentes do São Francisco (MG) estão praticamente secas, colocando em risco a existência do rio da integração nacional, que já sofre em toda sua extensão. O Paraíba do Sul, que abastece (RJ, SP e MG), está...
16/10/2014 14:26

Guaranis-Kaiowás resistem à dinâmica da desigualdade, mas até quando?

Povo indígena tenta ser ouvido por autoridades Por Sucena Shkrada Resk Ter o direito de se expressar e se fazer ouvido e assistido em suas reivindicações pelas instâncias deliberativas brasileiras, desde os Governos federal e estadual à esfera judicial. Esse anseio tem sido manifestado pelo povo...
15/10/2014 18:05

Especial Biodiversidade (Parte 1): Protocolo de Nagoya passa a valer, sem o Brasil

País não ratificou o documento no Congresso Nacional Por Sucena Shkrada Resk Agora está oficialmente validado internacionalmente. Desde o dia 12 de outubro, entrou em vigor o Protocolo de Nagoya sobre Acesso a Recursos Genéticos e a Partilha Equitativa Justa dos Benefícios Decorrentes da sua...
13/10/2014 14:47

Uma paquistanesa e um indiano num propósito em comum: o direito à infância digna

Ativistas, vencedores do Nobel da Paz, dão voz àqueles que são oprimidos Por Sucena Shkrada Resk O universo geopolítico é marcado por cisões de décadas que comprometem a qualidade de vida de suas populações, mas dois cidadãos conseguiram unir dois países separados, desde 1947, pelo menos, neste...
03/10/2014 19:16

O ‘Velho Chico’ tem sede

As nascentes do rio da integração nacional estão secando e a bacia carece de medidas de longo prazo Por Sucena Shkrada Resk Sedento. Assim está o ‘Velho Chico’. Nascentes no Parque Nacional da Serra da Canastra, na região do Alto São Francisco, em Minas Gerais, estão praticamente secas. Ao longo...
02/10/2014 15:14

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 8): o Haiti não pode ser esquecido

Crédito da foto: Ivan Munox/Intermon_Oxfam Este país é o que mais necessita de apoio internacional hoje nas Américas Por Sucena Shkrada Resk Entre o mar do Caribe e o oceano Atlântico, ao lado da República Dominicana, lá está o Haiti. Este país insular, com 27,7 mil km2 (tamanho equivalente ao...
01/10/2014 10:49

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 7): o direito dos povos indígenas

Em Conferência Mundial, povos reforçam a necessidade de assegurar o que já é acordado em documentos internacionais, e no Brasil, há mobilizações para defender demarcações e segurança dos índios Por Sucena Shkrada Resk Declarações, convenções internacionais e leis nacionais não são suficientes para...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk