Quanto da Mata Atlântica matamos dentro e fora de nós?, por Sucena Shkrada Resk

30/07/2012 15:48

Mais de 120 milhões de pessoas vivem na Mata Atlântica (https://www.mma.gov.br/biomas/mata-atlantica), que ocupa 1.315.460 km2 em 17 estados, do PI ao RS (correspondente a praticamente o tamanho do País de Gales), num país de quase 192 milhões de pessoas. Essa região representa 70% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. Ao ter contato com esses dados, tudo aparece em termos superlativos. Mas o contexto é bem outro, quando nos deparamos com a realidade. Restam apenas 7,9% de remanescentes florestais em 98% do território pesquisado do bioma, que também apresenta o maior número de espécies da flora ameaçadas (276) no país, seguida pelo Cerrado (131), da Caatinga (46), da Amazônia (24), do Pampa (17) e do Pantanal (2), segundo o Sistema Nacional de Informações Florestais (SNIF).

Pau-Brasil, Imbuia, Canela – Sassafrás...Até quando elas subsistirão, entre tantas dezenas de outras espécies? E como o ecossistema funcionará sem elas, se o desmatamento continuar?

As informações contidas no Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica 2012 (https://www.sosma.org.br/projeto/atlas-da-mata-atlantica/), uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE/MCTI), dão a nítida sensação de que a nossa vida é subtraída a cada destruição, principalmente quando saímos das estatísticas da visão georreferenciada e começamos a olhar ao nosso redor. Afinal, nossa "eco" (casa) está por um fio e não nos damos conta disso...

As condições mais críticas se encontram nos estados de Minas Gerais, Bahia, Mato Grosso, Santa Catarina e Espírito Santo. E os municípios que lideram esse ranking são: Águas Vermelhas (MG), Canavieiras (BA) e Jequitinhonha (MG). Os três tiveram respectivamente 1.367 ha, 1.337 ha e 1.270 ha devastados. O mais incrível é que essas florestas estão sendo transformadas em carvão e substituídas por eucaliptos (quando ocorre), no chamado reflorestamento econômico, para no final virarem bens de consumo novamente. E quem se preocupa em recompor a mata nativa? Em outros locais, a monocultura e a pecuária extensivas comprometem os solos.

Aí se eleva a importância do encaminhamento do novo Código Florestal sancionado recentemente e sua nova redação que voltou à apreciação do Congresso (que deverá ter novas propostas de emendas analisadas); ressurgem no contexto da Mata Atlântica e dos demais biomas com mais força com relação ao real significado de reserva legal e de área de preservação permanente (APP).

Outra questão colocada em xeque é o real significado do“manejo florestal sustentável”. Ao recorrer às informações do Serviço Florestal Brasileiro (SFB), a explicação é a seguinte: ‘administração da floresta para obtenção de benefícios econômicos, sociais e ambientais, respeitando-se os mecanismos de sustentação do ecossistema objeto do manejo e considerando-se, cumulativa ou alternativamente, a utilização de múltiplas espécies madeireiras, de múltiplos produtos e subprodutos não-madeireiros, bem como a utilização de outros bens e serviços florestais’. E o ponto-chave na realidade: há ainda um abismo quanto ao respeito dos mecanismos de sustentação do ecossistema.

Com essa série de constatações, outra mais contundente evidencia que além das dezenas de espécies ameaçadas da flora, desde o período do Descobrimento, outras centenas da fauna estão identificadas com extintas na natureza, mas criadas em cativeiro (EW) ou extintas (EX), e viraram objeto de literatura e imagens retratadas em nanquim e, por muitas vezes, nem isso. Algo que, de alguma forma, deixa um vazio, em todos os sentidos.

Entre as que constam no Livro das Espécies da Fauna Brasileira Ameaçadas de Extinção, estão desde a libélula (Acanthagrion taxaense) a arara-azul-pequena (Anodorhynchus glaucus). Em praticamente 50% dos casos a extinção foi constatada em unidades de conservação (UCs), o que demonstra um desafio maior, na implementação e manutenção das mesmas.

E para tentar reverter o processo de perigo de extinção, algumas espécies estão na lista dos Planos de Ação Nacionais para a Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção ou do Patrimônio Espeleológico (PAN), como a ave Mutum do Sudeste, os mamíferos Muriqui e os Ouriços Pretos.

Eu, que moro em São Caetano do Sul (SP), não me sinto mais confortável, por causa disso, de não estar hipoteticamente no olho do furacão. No estado, por sinal, foram desmatados 216 ha, no período. E a razão é simples. Não é possível analisarmos essa situação com bairrismos ou isoladamente. O mercado é global e, de alguma forma, todos temos nossa parte nessa destruição, afinal somos consumidores e alimentamos ativamente ou passivamente a prática predatória de extração e/ou devastação (mesmo que involuntariamente).

Se soubéssemos todos os caminhos do que chega às prateleiras realmente ficaríamos assustados ou não? Esse é o meu receio. O quanto a conscientização é capaz de mudar atitudes em um modelo de desenvolvimento permissivo.

Quando retrocedemos nos últimos 25 anos, o comprometimento da Mata Atlântica, no período, foi 1.735.479 ha. Ano a ano o rankeamento sofre alterações nas primeiras colocações, mas o fato é incontestável: o problema continua. Por quê?

Todos os caminhos levam à educação ambiental e ao padrão de produção e consumo. Como se aprende a entender o valor da conservação e da vida em toda a sua extensão de biodiversidade? Como compreender que o ar que respiramos, a brisa, a chuva, a harmonia das aves, que nos encantam, ou as centenas de cores verdes de nossas folhagens e do colorido de nossas flores, dependem de nós...? Que o alimento, a fitoterapia, o que vestimos e onde vivemos dependem dos recursos naturais?

Como entender a importância dos pequenos sistemas agroflorestais, da necessidade de implementação de planos de manejo em unidades de conservação, da composição dos corredores ecológicos, do que significa manter as matas ciliares, os manguezais e as restingas? E por que o oceano Atlântico depende da harmonia de tudo isso...e nós dependemos dele?

Cada animal, do unicelular ao maior dos mamíferos, pertence à nossa família nessa cadeia. Alguém tem dúvida quanto a isso? Já nos perguntamos de onde a terra se alimenta e quem se alimenta da terra? Ou de onde nossas águas emergem para nos possibilitar a vida? Então, novamente o porquê ressurge forte.

O modelo de consumo, que corresponde às nossas pegadas ecológica, hídrica...sinaliza o que está errado nessa matemática da destruição. As respostas, em um primeiro momento, parecem fáceis: precisamos consumimos para viver. Mas quando refinamos os questionamentos, outro cenário se forma. E para viver necessitamos de quanto da natureza? E o que ela pede de mim em troca?

E a violência de saber que restam 7,9% dos remanescentes de Mata Atlântica toma as suas devidas proporções. Dá até um arrepio imaginar como somos vorazes ou apáticos diante dessa constatação. E o medo de não ouvir mais o som do bem-te-vi, da maritaca, do vento soprando, de não sentir mais o orvalho e só encontrar a terra seca, com sulcos tão profundos, que dela só se extrai poeira, que nos cega diante da realidade. E pior – de não ouvir mais a nossa respiração. Enfim, depois de tantos questionamentos, quanto da Mata Atlântica deixamos morrer dentro de nós em cada atitude do dia a dia?

Pesquisar no site

Blog

10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...
03/02/2020 11:22

Minas Gerais: um recorte sobre os abalos sísmicos e a gestão de riscos

Por Sucena Shkrada Resk* O Brasil tem na casa de 500 abalos sísmicos anualmente e pouca gente tem conhecimento disso. Minas Gerais é um dos estados que historicamente registra os maiores números de terremotos no país (a maioria entre 1 e 4 graus na Escala Richter, que vai até 10 graus), o que é um...
23/01/2020 12:18

Saúde ambiental: estado de alerta mundial para o coronavírus reflete um desequilíbrio ecossistêmico

Por Sucena Shkrada Resk* Maior parte dos registros de casos, até agora, se concentra na China e em outros países asiáticos A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta mundial sobre a propagação do coronavírus (2019-nCoV) e instituiu um comitê de emergência com renomados cientistas...
21/01/2020 13:12

Guerra na Síria: todo o peso da expressão “infância roubada” sobre mais de 5 milhões de crianças

Por Sucena Shkrada Resk* Este é um dos exemplos mais cruéis de obstáculos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que se multiplica em outras nações no mundo Quando observamos atentamente as consequências dos oito anos e meio da devastadora Guerra na Síria, alguns dos pontos mais...
17/01/2020 13:45

Ana Maria Primavesi: a pioneira semeadora da Agroecologia

Por Sucena Shkrada Resk* A construção da história se tece com ícones. Quando se trata da Agroecologia, a personagem que emerge é da engenheira agrônoma e Doutora em Cultura de Solos e Nutrição Vegetal Ana Maria Primavesi, que partiu para o outro plano, aos 99 anos, no último dia 5 de janeiro,...
16/01/2020 12:49

O Piroceno chegou e agora?

Por Sucena Shkrada Resk* Os incêndios na Austrália são o alerta mais contundente do aquecimento global na atualidade Nem nos longas-metragens mais dramáticos, poderíamos imaginar o roteiro da vida real de incêndios florestais que atingem com mais intensidade até agora especialmente a Austrália,...
15/01/2020 14:59

As mudanças climáticas desenham o cenário de urgência em saúde, na próxima década

Por Sucena Shkrada Resk Inação diante da crise pode ter um preço muito alto, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) A saúde pública é, em última análise, uma escolha política e a crise climática é uma crise de saúde. Esta afirmação ecoa um dos principais alertas em relatório divulgado neste...
20/10/2019 13:49

O ônus da desigualdade no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Há uma máxima que deve ser respeitada: os fatos não mentem, quando se trata de analisar a desigualdade socioeconômica no Brasil, que inclui a injustiça ambiental. Os percentuais estatísticos se revelam diariamente, nos trazendo a uma realidade gritante: o país está entre os...
24/08/2019 15:16

A carência de uma visão e ação integradas panamazônicas

Artigo nº 761/Podcast 8 – Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Neste ano de 2019, a evidência de posturas de governanças isolacionistas reacende uma discussão nas entranhas sul-americanas. Vivemos décadas após décadas, a carência de uma visão e ação...
13/08/2019 16:32

#ODS_4: O incentivo à leitura forjado em bibliotecas cidadãs

Atitudes de pessoas comuns fazem a diferença em suas comunidades e municípios e são fonte de inspiração em um país no qual o analfabetismo é ainda um desafio a se superar; são exemplos na busca do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS-4), na seara da educação   Por Sucena Shkrada...
06/08/2019 14:02

Poluição do ar: um assunto transversal nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Análise é feita pelo médico-patologista e pesquisador Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), em entrevista especial ao Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Não é por acaso que o sistema da...
24/07/2019 13:26

Mananciais - Billings exemplifica um dos maiores desafios nas regiões metropolitanas: planejamento urbano

As leis de proteção dos mananciais existem desde os anos 1970 (com atualização em 1997) e o problema da poluição das águas formadoras do reservatório já é discutido desde aquela época. Por Sucena Shkrada Resk* Aos 94 anos, a Represa Billings, na Bacia Hidrográfica do Alto-Tietê, é considerada como...
18/07/2019 12:57

Entrevista - Endocrinologista brasileira alerta sobre os riscos da obesidade na infância e adolescência

FAO avalia a obesidade como uma pandemia mundial e constatação é um dos desafios para o cumprimento de alguns Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, da ONU Por Sucena Shkrada Resk A roupagem da malnutrição se dá de diferentes formas: não só pela fome/subnutrição, mas também pela obesidade, e um...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk