Parte 6: o impacto na saúde mental em tempos de pandemia da Covid-19

22/05/2020 13:56

Por Sucena Shkrada Resk*

OMS lança documento em maio e iniciativas se multiplicam no Brasil

No conjunto de complexidades a respeito dos impactos da pandemia da Covid-19, a saúde mental ganha projeção em recentes pesquisas, e os comprometimentos são avaliados como “extremamente preocupantes”, segundo Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). Constatação exige aumento de serviços de retaguarda nesta área em todo o planeta e relatório da organização lançado, neste mês de maio, trata justamente de propostas de políticas públicas sobre saúde mental aos governos, em vista deste quadro.

A combinação de solidão e isolamento e distanciamento social, com receio de contágio e de contagiar alguém, e de ter perdas reais ou hipotéticas de entes e amigos e da própria vida, como também do emprego e do meio de subsistência próprio e da família, funciona como uma combustão nesta desestabilização. O resultado é o aumento de casos de depressão e ansiedade em diferentes grupos sociais e, inclusive, suicídios.

São profissionais da saúde e de outras áreas da linha de frente do enfrentamento à doença, mulheres (principalmente arrimos de família), idosos, pessoas desempregadas, como também estudantes e grupos de imunodeprimidos. Qualquer pessoa está sujeita a passar por esta situação. Entre os efeitos no hoje está um receio ainda maior que paira – como será o amanhã em meio a tantas incertezas.

Um dado importante é que este assunto já é de interesse médico, bem antes da pandemia. Mais recentemente, em 2019, Damir Huremovic, médico norte-americano, edita o livro Psychiatry of Pandemics, aborda esta questão, em artigos de diferentes especialistas, unindo a medicina psicossomática e psiquiatria no contexto de um surto de doença infecciosa, observando os desafios apresentados pelas mudanças climáticas e pelas infecções emergentes. Contextualiza as crises durante a gripe espanhola de 1918, a epidemia de HIV, do Ebola e do Zika vírus, entre outros surtos e os possíveis mecanismo de respostas para atender aos pacientes.

Como enfrentar esta dimensão da crise?

Algumas iniciativas são expostas no documento da OMS, como a criação de planos de saúde mental e psicossocial de resposta a setores relevantes, com apoio à criação de ambientes de aprendizagem a crianças e jovens confinados em casa; de ações que respondam proativamente à redução das adversidades relacionadas à pandemia, como aumento da violência doméstica e do empobrecimento agudo da população.

Em mais frentes, apoiar ações comunitárias que reforcem a coesão social e redução da solidão, como atividades que ajudam idosos isolados a permanecerem conectados; investimentos em intervenções de saúde mental, entre elas, o tele-aconselhamento de qualidade garantida para a linha de frente profissionais de saúde e pessoas em casa com depressão e ansiedade.

E já com um olhar para o futuro, estruturar a garantia e ampliação de que a saúde mental faça parte da cobertura universal de saúde, incluindo cuidados com doenças mentais, neurológicas e transtornos por uso de substâncias nos cuidados de saúde de pacotes de benefícios e planos de seguro. Ao mesmo tempo, capacitar recursos humanos para esta área e a de assistência social, entre os trabalhadores da comunidade, para que possam fornecer suporte.

Os desafios já vêm antes da pandemia

Antes da pandemia, as estatísticas a respeito da saúde mental (distúrbios neurológicos e de uso de substâncias, risco de suicídio e deficiências psicossociais e intelectuais associadas) globalmente já são impactantes. A depressão e ansiedade já comprometem US$ 1 trilhão da economia no mundo anualmente; mais de 264 mi pessoas sofrem com a depressão. Os quadros são apresentados principalmente a partir dos 14 anos de idade e e o suicídio é a segunda causa principal de morte em jovens de 15 a 29 anos.

Os alertas não param por aí. Atualmente, entre 76% e 85% das pessoas com problemas de saúde mental, nos países de baixa e média renda, não recebem tratamento para sua condição e há menos de um profissional de saúde mental para cada 10.000 pessoas mundialmente.

Pesquisas e atendimento começam no Brasil

No Brasil, há diferentes iniciativas em andamento. A Fiocruz elaborou uma cartilha de Saúde Mental e Atenção Psicossocial na Pandemia Covid-19, que expõe algumas recomendações de cuidado psíquico aos cidadãos (ãs). Entre elas, estão:

- Reconhecer e acolher seus receios e medos, procurando pessoas de confiança para conversar; retomar estratégias e ferramentas de cuidado que tenha usado em momentos de crise ou sofrimento e ações que trouxeram sensação de maior estabilidade emocional;

• Investir em exercícios e ações que auxiliem na redução do nível de estresse agudo (meditação, leitura, exercícios de respiração, entre outros mecanismos que auxiliem a situar o pensamento no momento presente, bem como estimular a retomada de experiências e habilidades usadas em tempos difíceis do passado para gerenciar emoções durante a epidemia);

• Se você estiver trabalhando durante a epidemia, fique atento a suas necessidades básicas, garanta pausas sistemáticas durante o trabalho (se possível em um local calmo e relaxante) e entre os turnos. Evite o isolamento junto a sua rede socioafetiva, mantendo contato, mesmo que virtual, entre outros.

Neste período de quarentena, a organização não governamental Rede de Apoio Psicológico está oferecendo atendimento gratuito e on line a médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, recepcionistas, profissionais da limpeza, que estão na linha de frente. Os profissionais interessados se cadastram na plataforma e os psicólogos e psicólogas se voluntariam ao atendimento.

No último dia 19 de maio, entrou em funcionamento o projeto TelePSI, coordenado pelo Ministério da Saúde e Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). A iniciativa de teleconsulta psicológica acontece por meio de uma central de atendimento a profissionais da saúde, de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, pelo 0800-6446543.

O Conselho Federal de Psicologia normatizou como deve ocorrer os procedimentos on-line por parte dos profissionais, que devem realizar o cadastro no e-Psi .  Antes de optar por algum atendimento a recomendação é sempre checar se o profissional está cadastrado e as plataformas que estão oferecendo atualmente os serviços on-line gratuitos.

O Coletivo Psicanálise na Praça Roosevelt, de São Paulo, está realizando atendimento on-line, com informações por meio de sua plataforma no Facebook (que já tem lista de espera) . A plataforma Relações Simplificadas é mais um canal de atendimento psicológico à população.

Nesta matéria da Folha de SP, há informações sobre outros coletivos no país. Para residentes no estado de São Paulo, o Portal Psicologia Viva também está disponibilizando serviços gratuitos.

O Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IP_USP) está realizando o atendimento on line à comunidade USP. Na Universidade de Campinas (Unicamp) profissionais de saúde mental também se dedicam a pacientes da Covi-19 e familiares.

No estado do Amazonas, a Comissão de Saúde Mental da Universidade Estadual (UEA) do Amazonas oferece serviço psicológico, por chamada telefônica ou de vídeo, entre 9h e 21h, com intervalo para almoço.

O Grupo de Estudos Pesquisas e Ações em Psicologia de Orientação Psicodramática (Grupo Creare), do Ceará, optou por atendimentos gratuitos por videoconferências no WhatsApp, com profissionais do estado até RS.

No Espírito Santo, foi criado o serviço gratuito “Psicologia para Todos”, que atende on-line à comunidade por meio de agendamentos no cel. (27) 99667-3196, como noticiado na Folha de Vitória. Em Santa Catarina, a Universidade do Extremo Sul Catarinense deu início ao Programa Acolher Unesc Covid-19, com agendamento pelo (48) 99644-1887, de segunda a sexta, das 8h às 20h. A Universidade Federal do Delta do Parnaíba, no Piauí, criou o Atendimento Psicológico Emergencial .  

Inclusive, prefeituras, também entraram neste esforço de retaguarda psicológica à população, como a de Arapongas (PR), entre outras. E assim, os esforços se multiplicam pelo país.

Na segunda quinzena de maio, no escopo das pesquisas, começou o Estudo Longitudinal de Saúde do Adulto (ELSA Brasil) que tem o objetivo de avaliar repercussões psiquiátricas e psicológicas decorrentes da pandemia do novo coronavírus no país (entre outros temas) e é dirigida a 15 mil funcionários de seis instituições públicas de ensino superior e pesquisa de diferentes regiões.

Esta avaliação se dará por meio de respostas a questionários virtuais mensais. Até dezembro, deverá ocorrer a avaliação de sintomas depressivos e ansiosos, aumento de estresse e fatores de proteção e risco dessa população, segundo o médico psiquiatra André Russowsky Brunoni, professor associado da Faculdade de Medicina (FM) da USP.

Ele acrescenta, em entrevista ao Jornal da USP, que os pacientes que solicitarem auxílio psicológico, e apresentarem sintomas graves ou muito graves e piora superior a 50% nas escalas de depressão, serão convidados a passar por até cinco intervenções psicológicas on-line, com duração de 45 minutos, com profissionais de saúde mental experientes no manejo desses sintomas.

Nesta corrida pelo bem-estar da população, estas inúmeras iniciativas demonstram como a saúde mental deve ser prioridade durante e pós-pandemia. 

*Sucena Shkrada Resk - jornalista, formada há 28 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

29/04/2020 – Parte 5 – Covid-19 e a valorização da pesquisa científica
22/04/2020 – Parte 4 – Em tempos de Covid-19 e mudanças climáticas
07/04/2020 – Parte 3 - A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha
30/03/2020 – Parte 2: a expiral do novo coronavírus expõe a janela de fragilidade aberta no Antropoceno
23/01/2020 – Saúde Ambiental: estado de alerta mundial para o coronavírus reflete um desequilíbrio ecossistêmico

Pesquisar no site

Blog

12/04/2019 13:41

Podcast 3 - Blog Cidadãos do Mundo - as facetas das desigualdades sociais no Brasil, por Sucena Shkrada Resk*

Olá, compartilho hoje com vocês o terceiro podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo. Estou trazendo para este espaço algumas reflexões sobre a questão da desigualdade social que historicamente tem afetado o Brasil, e que traduz aquela lacuna de desenvolvimento, que revela as facetas ainda...
02/04/2019 15:05

Podcast 2 - Blog Cidadãos do Mundo - Uma imersão no turismo de base comunitária, por Sucena Shkrada Resk

Olá, estou tratando no segundo podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo, da reflexão sobre o turismo de base comunitária e o etnoturismo, que saem da esfera convencional que conhecemos e trazem um ingrediente importante: a junção da proposta da conservação ambiental com a valorização...
27/03/2019 17:39

Primeiro podcast do Blog Cidadãos do Mundo traz reflexão sobre os efeitos do ciclone Idai na África

Olá, neste ano de 2019, eu, Sucena Shkrada Resk, estou ampliando o formato de linguagem do meu blog jornalístico Cidadãos do Mundo, com a introdução de podcasts periódicos, no qual faço comentários e reflexões sobre temas socioambientais, de sustentabilidade e cidadania, além dos artigos e...
25/03/2019 13:20

Podcast - Agricultura orgânica: grupo de mulheres revela o casamento da faceta da raiz cultural às sementes crioulas

Por Sucena Shkrada Resk  A entrevistada desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk, é a agricultora familiar pernambucana Vilma Martins (terceira à direita na foto), radicada em São Paulo, que integra a composição feminina do Grupo de Agricultores Urbanos...
20/02/2019 14:05

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano

Por Sucena Shkrada Resk* A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos...
08/02/2019 12:42

Rompimentos de barragens de rejeitos minerais revelam cenário de insegurança no país

Por Sucena Shkrada Resk* Ausência e/ou ineficiência nas precaução e prevenção, manutenção, em monitoramento e investimento em tecnologias mais seguras e em fiscalização contínua na destinação e tratamento de rejeitos minerais. Essa série de potenciais causas tem demonstrado um verdadeiro campo...
25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk