PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

14/05/2018 14:29

Por Sucena Shkrada Resk

 O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro “Plantas Alimentícias Não Convencionais (Panc) no Brasil”, lançado em 2015, que se tornou uma referência básica sobre o assunto, com o destaque de 351 espécies e 1.053 receitas. De lá para cá, há outras iniciativas de disseminação do tema, como o Guia Prático sobre PANCs., do Instituto Kairós.

Quantas vezes passamos entre ou sobre estas plantas (até pisando nelas) ou as avistamos pelo caminho, as taxando de “mato”, “erva-daninha” ou uma semente, flor, vegetal e/ou planta ornamental sem importância? A falta de cultura da popularização desses conhecimentos, muitas vezes, circunscritos a regionalidades de biomas, nos leva a esse estado de ignorância e consequentemente a desprezarmos o potencial nutricional dessas espécies que não fazem parte do nosso cotidiano. Ou melhor, até fazem, mas não sabemos o valor implícito dessas plantas, que desprezamos a olho nu.

Quando estão em área rural ou na roça, a sua coleta fica mais fácil. Mas ao serem expostas a poluentes e contaminação em calçadas e até ruas, não se tornam indicadas para consumo. Aí um cuidado redobrado com a higienização. Com isso, potencializa a ampliação dos cultivos em nossas hortas caseiras ou comunitárias.

Ao nos enveredarmos neste universo de aprendizado, certamente todo cuidado é necessário, para inadvertidamente não ingerirmos alguma planta tóxica, sem o devido cuidado de saber, por meio de pesquisa nas fontes primárias, se realmente pode ser comestível, e como deve ser ingerida (crua, refogada, processada, em infusão, em forma de suco...). De resto, a recomendação é se deixar levar pela experiência da degustação, contato sinestésico e combinações de cardápio, que enriqueçam nossos pratos. O que pode ser uma PANC para mim no Sudeste, pode não ser no Nordeste ou na Amazônia, e vice-versa. Isso nos leva a viajarmos nas raízes tradicionais da flora da Mata Atlântica, do Cerrado, da Amazônia, dos Pampas e do Semi-Árido.  

Nos relatos dos povos tradicionais e indígenas, muitas dessas espécies vegetais emergem nas narrativas e práticas a gerações, o que faz da escuta atenta a essas narrativas algo cada vez mais importante, aliada ao aprofundamento realizado pela Ciência. Outras são oriundas de outros países. 

Eu tive a oportunidade de passar por um breve exercício, no último sábado, durante uma aula/palestra com a chef de cozinha Simone Gomes, da Cia da Não-Ficção, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo. Foi uma forma de abrir um horizonte nutricional e aguçar a curiosidade para aprender mais. Moral da história: somente pesquisando e quebrando preconceitos, conseguimos valorizar, de fato, todo o potencial das plantas na natureza. Tato, olfato, paladar... tudo isso foi impulsionado. Afinal, a alimentação também deve ser um ato prazeroso.

Durante a atividade, pude conhecer e sentir o sabor da stevia, que é um adoçante natural (e conhecemos industrializada); da flor capuchinha (Tropaeolum majus), que é uma herbácea com propriedades diuréticas e anti-inflamatórias, expectorante, que tem vitamina C, usada em salada; das folhas de taioba (Xanthosoma sagittifolium), com sabor semelhante ao espinafre, rica em vitaminas, ferro e cálcio, que podem ser comidas cozidas ou refogadas; e de caruru (Amaranthus spp.), também utilizada em refogados e saladas e rica em cálcio, entre outros nutrientes e da azedinha (Rumex acetosa);

Nesta abundância de variedades, ainda havia a planta do hibisco (Hibiscus) e da erva-baleeira (Cordia verbenacea), utilizadas em chás; como também o almeirão-roxo (Lactuca indica L./canadensis); o jambú-do-pará (do gênero Acmella), que entre os seus usos, está no tradicional tacacá, com grande concentração de vitamina C; e uma planta chamada “major-gomes” (Talinum paniculatum), com alto teor de cálcio e potássio, entre outras.

Apesar de ser muita informação, sabores e cheiros para um dia, já foi um bom começo para aguçar a curiosidade para um maior aprofundamento, não é? Segue o convite, então, para que conversem com seus avós, com representantes de povos tradicionais e estabeleçam os seus primeiros contatos com as PANCs, após também se abastecerem da leitura oficial básica sobre as espécies e suas funcionalidades e modos de preparo. A partir daí, bom apetite!

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
23/05/2012 - Rio +20: Como tratará da realidade da África Subsaariana?
03/05/2012 - Rumo à Rio + 20: seca, fome, morte e draft zero
22/03/2012 - Campanha a Água e a Segurança Alimentar

*Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

15/09/2014 15:58

Especial – Desenvolvimento Sustentável (parte 2): os desafios dos ODM aos ODS no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk Atingir os vários ângulos que representam o conjunto do desenvolvimento sustentável, na prática, é uma meta contínua a ser alcançada, quando nos deparamos com a realidade da tentativa da universalização de direitos. Os diferentes 'Brasis' no Brasil são uma prova disso. Um...
12/09/2014 12:18

Especial - Desenvolvimento Sustentável: como sair do círculo dos gabinetes?

Por Sucena Shkrada Resk O tempo passa e já faz dois anos que ocorreu a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), no Rio de Janeiro, quando surgiu a tarefa de as nações estabelecerem consensualmente as metas dos chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS),...
08/09/2014 14:47

Recursos hídricos: o exercício de conservação por microbacias

Por Sucena Shkrada Resk A busca por alternativas eficientes para a gestão dos recursos hídricos se torna cada vez mais constante. Uma das alternativas para otimizar esforços e ao mesmo tempo envolver mais de perto a comunidade são gestões focadas nas microbacias hidrográficas. Neste sentido, um...
04/09/2014 14:09

Onde está a vulnerabilidade social no estado de São Paulo

Por Sucena Shkrada Resk As generalizações são capazes de esconder os aspectos de vulnerabilidade social do estado mais rico do Brasil: São Paulo. Neste ponto, as pesquisas auxiliam a colocar à tona estas questões, que são cruciais para revelar para a sociedade quais são as pautas que devem ser...
03/09/2014 19:44

José Pacheco fala da importância dos educadores no Brasil

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk   Por Sucena Shkrada Resk “Antes pensava de forma etnocêntrica e considerava que o desenvolvimento pedagógico estava concentrado na Europa. Quando descobri os avanços no Brasil, desfiz essa visão equivocada, e avaliei que o país está entre os primeiros...
02/09/2014 16:49

O Código Florestal e a influência na gestão das águas

Por Sucena Shkrada Resk Dois anos após a aprovação da atual legislação florestal brasileira, lei 12651 (de 25 de maio de 2012), ocorreu no último dia 31 de agosto, a pré-estreia do documentário A Lei da água: novo Código Florestal, sob direção de André Vilela D`Elia e produção de Fernando...
01/09/2014 15:21

Oceanos com sua biodiversidade costeira e marinha: documentar para conservar

Por Sucena Shkrada Resk  Existe uma máxima que faz todo sentido. Se você não conhece e nem sequer se sente parte da imensidão azul, que são nossos oceanos e sua biodiversidade, como pode perceber que é responsável por sua conservação? Pensando nisso, a figura do documentarista, que também é um...
29/08/2014 18:09

Alerta vermelho ao estado de conservação da biodiversidade costeira e marinha brasileira

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk  Por Sucena Shkrada Resk As analogias, por muitas vezes, facilitam a melhor absorção das conexões dos fatos. Sendo assim, se aqui no Brasil, colocarmos o ecossistema costeiro e marinho no lugar do paciente e a sociedade, os gestores e legisladores no papel...
27/08/2014 17:07

Livros recheados de ternura

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk, Quinze anos se passaram, mas para a pedagoga mineira Mirtes de Souza, 60 anos, radicada em São Paulo, é como se fosse hoje. A presidente do Movimento de Mulheres do Jardim Comercial lembra bem das palavras de sua filha à época – “Mãe,...
22/08/2014 17:26

Memória - Almirante Ibsen: um defensor do conservacionismo

Por Sucena Shkrada Resk Saber do falecimento do almirante Ibsen de Gusmão Câmara, no último dia 31 de julho deste ano, me causou num primeiro momento tristeza, mas ao mesmo tempo fiquei feliz por ter tido a oportunidade de ter conhecido um pouco de sua contribuição em vida. Uma semana antes de...
21/08/2014 11:08

Suassuna, um brasileiro travestido de “esperança”

Por Sucena Shkrada Resk Foto (Acervo pessoal: Sucena Shkrada Resk/abril 2011) “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso”. Frase inesquecível do dramaturgo, poeta e romancista paraibano Ariano Suassuna (1927-2014), que penetra em nossas reflexões, por...
20/08/2014 14:35

Cantareira expõe a fragilidade do sistema de abastecimento

(Como entender a gestão das águas em SP – parte 3) Por Sucena Shkrada Resk Como dizia o pensador Heráclito de Éfeso, as águas de um mesmo rio nunca são as mesmas águas. Metaforicamente essa constatação cai como luva, quando se trata do atual quadro do Sistema Cantareira, que abastece cerca de 12...
18/08/2014 17:12

Qualidade das águas em SP (Como entender a gestão das águas - parte 2)

Por Sucena Shkrada Resk Os principais cursos d´água do estado de São Paulo apresentam baixo Índice de Qualidade das Águas (IQA), de acordo com a avaliação 2013, da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), que observa a diluição de efluentes, em especial de origem doméstica, com...
15/08/2014 18:37

Como entender a gestão das águas, no estado de SP (parte 1)

Por Sucena Shkrada Resk Compreender como funcionam os mecanismos internos de gestão das águas e qual é o grau de participação da sociedade, em parte, facilita a cobrança feita por qualquer um de nós, como cidadãos, da melhoria da atuação dos órgãos públicos, na gestão desses recursos. Para entender...
14/08/2014 14:51

Ebola: uma emergência mundial sem fronteiras, por Sucena Shkrada Resk

As emergências mundiais em saúde se alternam de tempos em tempos e hoje, sem dúvida, a incidência do vírus Ebola na região ocidental do continente africano, é o que mais causa apreensão. São mais de mil mortes e 1,8 mil casos até agora registrados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde...
13/08/2014 17:43

Rubem Alves e a Escola da Ponte: a desconstrução de paradigmas, por Sucena Shkrada Resk

“Quero uma escola retrógrada...em que a aprendizagem e o ensino sejam um empreendimento comunitário, uma expressão de solidariedade...e não uma linha de montagem”. Compreender o sentido amplo destes anseios de Rubem Alves (1933-2014) requer a libertação de amarras conceituais e fazer uma imersão no...
11/08/2014 19:40

Resíduos sólidos: São Paulo aprovou seu plano municipal, e agora...?, por Sucena Shkrada Resk

São Paulo, apesar de ser um município com porte de estado e a sexta cidade mais populosa mundialmente, só agora instituiu seu Plano de Gestão Integral de Resíduos Sólidos, depois de reelaborar uma primeira versão de 2010. A legislação foi aprovada após quatro anos da Política nacional no setor....
08/08/2014 17:44

Resíduos sólidos e reciclagem: catadores reivindicam mais espaço participativo, por Sucena Shkrada Resk

Quatro anos após a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a reivindicação por uma relação mais inclusiva nas implementações das coletas seletivas e dos processos de triagem e reciclagem no país ainda é presente entre os catadores, segundo  Armando Octaviano Júnior, 42 anos,...
07/08/2014 10:34

Resíduos sólidos: Portugal acabou com seus lixões e optou pelo modelo consorciado, por Sucena Shkrada Resk

Não existe país no mundo que esteja isento de problemas a solucionar diariamente com relação à geração e destinação de seus resíduos sólidos. Portugal não foge à regra e optou por criar um sistema de gestão consorciado entre seus municípios e tem um Plano Nacional (2011-2020) em vigor. Mas as...
06/08/2014 19:00

Resíduos sólidos: os desafios na região do ABCDMRR, por Sucena Shkrada Resk

A região do ABCDMRR, no estado de São Paulo, que engloba os municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e de Rio Grande da Serra, gera 2.138,3 toneladas diariamente de resíduos sólidos, segundo o Plano de Gestão Integrada do setor. Esse volume...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk