O Piroceno chegou e agora?

16/01/2020 12:49

Incêndio Austrália - Crédito da foto: Reuters/divulgação

Por Sucena Shkrada Resk*

Os incêndios na Austrália são o alerta mais contundente do aquecimento global na atualidade

Nem nos longas-metragens mais dramáticos, poderíamos imaginar o roteiro da vida real de incêndios florestais que atingem com mais intensidade até agora especialmente a Austrália, desde setembro de 2019, com um efeito devastador nunca antes visto: mais de 11,8 milhões de hectares e 3 mil casas destruídos e mais de meio bilhão de exemplares de fauna mortos e 28 vítimas humanas fatais. Cenas dantescas chocam o mundo, mas será que têm o poder de mudar o rumo mais grave que teremos de enfrentar diante da inação ao combate às mudanças climáticas e ao aquecimento global?

Uma combinação de fatores torna a situação complexa: um governo negacionista quanto ao comprometimento das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs) por combustíveis fósseis, como o carvão; temperaturas que só aumentam; secas extremas; ventos fortes; dificuldades de acesso e origens do fogo naturais e criminosas. A intensidade e os comprometimentos são cada vez maiores e mais rápidos. O que estamos vendo é um dos exemplos mais catastróficos da Era do Fogo (florestal) ou Piroceno, termo criado pelo historiador norte-americano Stephen Pyne, professor emérito da Universidade Estadual do Arizona, que é um estudioso deste tema. Ele é o autor do recente título “Fire: a brief history” (Fogo: uma breve história).

O que Pyne observa é que de uma forma direta ou indireta o ser humano está por trás destes focos de incêndio, o que tem como premissa o chamado Antropoceno.

Os danos são incalculáveis e atingem ecossistemas, a saúde e a economia. A Agência Espacial Americana (Nasa) informa que a fumaça da Austrália dará, pelo menos, uma volta pelo mundo, na estratosfera. Por sinal, já passou pelo Chile, pela Argentina e pelo Brasil e completou metade desta trajetória. Por onde passa deixa rastros de fuligens e altera a qualidade do ar.  

A vulnerabilidade exposta demonstra que o que acontece na Austrália é, sim, uma preocupação de ordem global. Nem todo o aparato com aviões, por terra, com mais de 4000 bombeiros, brigadistas e integrantes da Marinha e da Aeronáutica estão conseguindo dissipar o fogo. A população se vê em uma encruzilhada, tendo de evacuar as áreas atingidas, como em um front de guerra. Decisões governamentais polêmicas de exterminar por volta de 10 mil camelos entre outros animais também se somam neste caos instalado.

A Austrália tem uma predominância de fonte energética baseada no carvão e o seu sistema de precaução e mitigação praticamente inexistem. O governo foi extremamente criticado pela própria população, em manifestação que ocorreu na semana passada. O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, está sofrendo pressão de sair do governo por menosprezar os registros desde o início dos focos de incêndio e chegou a tirar férias no Havaí, enquanto o país estava em chamas. Agora, faz anúncios de liberação de cifras bilionárias de verbas para o combate ao incêndio que já se alastrou. Isso sem falar no que se perdeu de vidas e, de forma geral, no ecossistema, quando se fizer um rescaldo.

A Agência Federal de Ciência da Austrália chegou a emitir um relatório, no ano de 2007, que apontava para cenários mais intensos de incêndios no país em 2020. Um relatório de 2007 da Agência Federal de Ciência da Austrália previu que incêndios mais intensos ocorreriam partir de 2020, segundo Tim Curran, professor de ecologia da Lincoln University, na Nova Zelândia.

Neste cenário praticamente apocalíptico, cenas de salvamento e união são o que causam empatia. Mas a proporção da destruição é incalculável. Nestes respiros, saber que estão sendo salvas espécies raras pré-históricas, como as araucárias de Wollemi (Wollemia nobilis), as chamadas árvores dinossauros é algo positivo mas ao mesmo tempo pensar em quantos animais sucumbiram sem chance de se salvar é algo desolador.

O exemplo da Austrália é um alerta real para todo o planeta de que a tendência é que estes eventos extremos se tornem cada vez mais intensos e devastadores por causa da falta de comprometimento de governantes com a complacência da sociedade com os modelos de desenvolvimento predatórios que comprometem os rumos da humanidade. O Piroceno chegou!

*Sucena Shkrada Resk - jornalista, formada há 28 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

obs: crédito da foto: Reuters/divulgação

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

15/01/2020 – As mudanças climáticas desenham o cenário de urgência em saúde nas próximas décadas
24/08/2019 – A carência de uma visão e ação integradas panamazônicas
05/06/2019 – Poluição do ar: qual é o valor de cinco segundos?
27/03/2019 - Primeiro podcast do Blog Cidadãos do Mundo traz reflexão sobre os efeitos do Ciclone Idai na África
18/10/2017 - Do papel à realidade, existe um gap na mitigação e adaptação aos eventos extremos no Brasil
28/08/2016 - Savanização da Amazônia mato-grossense a olhos nus
07/12/2015 - COP 21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque  
23/02/2014 – Poluição no Gigante Asiático prejudica população local e extrapola fronteiras
07/02/2012 - Malária: uma realidade do século XXI
01/05/2013 - Qualidade do ar: será que ainda há tempo?
 

Pesquisar no site

Blog

18/12/2017 12:27

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula!

Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na...
11/12/2017 09:04

#Direitoindígena - Coordenadora na COIAB destaca: Protocolos de consulta de diferentes povos indígenas na Amazônia são instrumentos de luta pelos direitos

Entrevistada da semana - Angela Amankawa Kaxuyana   Por Sucena Shkrada Resk    O protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da TI Kaxuyana Tunayana, do extremo Norte do Pará, que...
27/11/2017 14:40

Médica sanitarista fala sobre o universo da saúde ambiental, com destaque sobre os impactos dos agrotóxicos

Por Sucena Shkrada Resk A entrevistada, desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk, é a médica sanitarista Telma de Cassia dos Santos Nery, que trata do tema Saúde Ambiental, com os impactos dos agrotóxicos e da poluição, neste contexto, e também explica o trabalho...
14/11/2017 14:01

Vozes do Direito indígena refletem sobre cenário atual

  Por Sucena Shkrada Resk Compreender os conceitos de bem-viver, de patrimônios imaterial e espiritual, do significado holístico da terra, do ecossistema e do território e do planeta como casa (mãe “pachamama”) e local sagrado, é o grande desafio das visões herméticas dos Estados que ainda se...
02/11/2017 18:15

As mudanças climáticas sob o olhar indígena

Por Sucena Shkrada Resk Subestimar os conhecimentos tradicionais que se perpetuam por gerações é um ato de ignorância que tem se repetido por décadas. No contexto das mudanças climáticas, essa constatação se torna mais evidente, pois a vivência dos povos indígenas e suas relações cosmológicas...
18/10/2017 09:33

Do papel à realidade, existe um “gap” na mitigação (redução de danos) e adaptação aos eventos extremos no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O que dizer sobre o “Velho Chico” agonizando, e pessoas e animais tendo de dividir a pouca água que resta, entre outras centenas de cenas desoladoras por todo país? Imagens que ficam gravadas para sempre. As manchetes sobre eventos extremos e desastres naturais no Brasil,...
16/10/2017 08:42

Ivaporunduva ecoa vozes pelos direitos quilombolas no Brasil

O Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk coletou dois depoimentos, há algumas semanas, em Eldorado, SP, de lideranças do Quilombo Ivaporunduva, no Vale do Ribeira, em defesa dos direitos adquiridos pelas comunidades em todo o Brasil, com o decreto 4887/2003, que regulamenta a...
11/10/2017 11:35

Arpilleras: a defesa dos direitos tecida com a sensibilidade da arte

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro Maria Alacídia, 52 anos, de Altamira, Pará, e Claides Helga Kohwald, 76 anos, do Rio Grande do Sul e que hoje mora no Paraná, vivem a milhares de quilômetros de distância, mas têm suas vidas ligadas por um bordado e por uma “linha histórica” em comum. A...
09/10/2017 17:53

Justiça socioambiental: centenas de vozes ecoam homenagem póstuma à pescadora Nicinha, no Rio de Janeiro

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro  A pescadora Nilce de Souza Magalhães, mais conhecida por Nicinha, liderança feminina do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), no estado de Rondônia, defendia os direitos das populações afetadas pelo Complexo Hidrelétrico, no rio Madeira e seus...
25/09/2017 12:22

Gameleira traz um exemplo propositivo de afirmação identitária quilombola

PÍLULAS SOCIOAMBIENTAIS Por Sucena Shkrada Resk O Museu Gídio Veio, da Comunidade de Remanescentes Quilombolas de Gameleira, em São Tomé, no Rio Grande do Norte, é uma prova de que o senso de pertencimento étnico ao território pode ser ‘perpetuado’ por meio de ações proativas, que tragam o resgate...
21/08/2017 16:06

Ser quilombola: um diálogo com a memória ancestral

Por Sucena Shkrada Resk, em Eldorado (SP) - 20/08/2017 “Eu tenho uma memória ancestral que diz quem eu sou”, destaca o quilombola Ronaldo dos Santos, coordenador executivo da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ). Essa afirmação nunca foi tão...
01/08/2017 11:40

Mobilização nacional defende comunidades remanescentes quilombolas contra retrocessos em direitos estabelecidos

Por Sucena Shkrada Resk Nos últimos anos, está sendo construído um cenário de retrocessos no campo dos direitos humanos no Brasil, que ferem a Constituição de 1988. Atualmente, uma causa que ganha visibilidade é a das comunidades remanescentes quilombolas. Isso acontece, porque o julgamento...
09/07/2017 18:10

O discurso da invisibilidade no contexto da injustiça socioambiental e no campo

Por Sucena Shkrada Resk Vivemos tempos de invisibilização acentuada de povos e comunidades tradicionais e indígenas promovida pelos modus operandi das políticas de infraestrutura, que ferem os direitos instituídos legalmente, no âmbito nacional e internacional. Algumas das agendas com maior número...
22/01/2017 18:21

O ônus socioambiental da contemporaneidade “Flex”

  Por Sucena Shkrada Resk   Quando dizemos que um indivíduo ou uma nação têm "palavra", o sentido implícito nesta frase implica retidão, ética e relação de confiança. Mas nos deparamos hoje na contemporaneidade com uma fragilidade que reflete um mundo em que leis, direitos instituídos e...
18/12/2016 10:34

Guerra na Síria: o retrato da desumanização no século XXI

Por Sucena Shkrada ReskQuem cura as cicatrizes das feridas profundas das guerras civis que marcam o século XXI, em especial, na Síria? Os acordos geopolíticos demonstram que impera a crueldade imposta pelas polaridades, que armam os lados opostos internos com aparato bélico e financiamento e causam...
12/12/2016 21:38

A legislação socioambiental sob o ataque da artilharia ruralista no Congresso Nacional

Por Sucena Shkrada Resk Agora, querem destruir as regras do licenciamento ambiental O desgaste político brasileiro na agenda socioambiental chega a beirar o surrealismo. Tal qual uma artilharia, com tanque de guerra, a bancada ruralista tem assumido o ataque, por meio de projetos que tramitam no...
05/09/2016 17:41

A longevidade em tempos de mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk Caso fôssemos fazer uma enquete para saber se as pessoas querem envelhecer em um planeta com o aumento da temperatura média acima de dois graus Celsius até o final do século com relação à era pré-industrial, muitas talvez não tivessem a noção do que essa pergunta significa....
28/08/2016 16:31

Savanização da Amazônia mato-grossense a olhos nus

Por Sucena Shkrada Resk Mais de 15 mil focos de incêndio/queimadas, neste ano, colocam o Mato Grosso em primeiro do ranking no país atualmente. E boa parte destes registros ocorre no bioma amazônico ao norte e noroeste do estado. Colniza, a pouco mais de mil quilômetros de Cuiabá, é o município que...
26/06/2016 22:35

Mortes de ativistas socioambientais não podem se perder nas estatísticas

Por Sucena Shkrada Resk Muitos nomes em algumas lápides por este Brasil podem ser anônimos para a maioria de nós, mas representam o descaso cada vez maior com a vida de cidadãos e cidadãs, que fazem parte de comunidades indígenas, que pleiteiam a demarcação de terra que se estende em processos...
24/04/2016 14:53

Agrotóxicos – Parte 2: mais um projeto polêmico na Câmara

Por Sucena Shkrada Resk Quando imaginamos que está chegando o momento de bonança, vem mais uma notícia que exige um olhar atento da sociedade quanto à temática dos agrotóxicos e a tentativa de mudança de nomenclatura e regras, que ferem o direito do consumidor. Tramita na Câmara dos Deputados, o...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk