O pensamento ecologizado de Edgar Morin, por Sucena Shkrada Resk

04/07/2012 16:42

Depois de uma hora e meia de imersão nas palavras do filósofo e educador francês Edgar Morin, no lumiar dos seus 91 anos, na noite de ontem (3), renovei as minhas esperanças na capacidade humana de transformar os caminhos do planeta. O vigor de seu pensamento, que trafega de forma inclusiva e envolvente, da história antiga à contemporaneidade, dá sentido aos seus argumentos sobre o pensamento complexo e faz perceber que é possível ir fundo, sem que se perca a simplicidade. Ele tratou do tema Consciência Mundial: por um conceito de desenvolvimento para o século XXI, no SESC Consolação.

Pensamento ecologizado
Durante sua palestra, Edgar Morin, reforçou o que defende em sua vasta produção literária, que é a contextualização e se ir além da racionalidade abstrata. “...É preciso uma racionalidade complexa que enfrente as contradições...uma revolução do conhecimento. Isso quer dizer repudiar a inteligência cega que é incapaz de conceber a era planetária e apreender o problema ecológico”, como destaca no livro “Rumo ao Abismo?”, de 2011, pela Bertrand Brasil.

Com isso, na constituição do pensamento complexo, há o pensamento ecologizado que, em vez de isolar o objeto estudado, o considera na e por sua relação autoecoorganizadora com seu ambiente cultural, econômico, político, natural...E para ele é preciso ir além: pensar global, agir local e pensar local e agir global.

Eu o ouvi, com esse pano de fundo e anotei com “voracidade” de quem quer aprender, o que mais me chamou a atenção em sua fala, que resultou em oito páginas no meu pequeno companheiro de jornada – “o caderno espiral”. Assim sai de lá com ideias e motivações. Já vinha contagiada com outras impressões, provenientes da leitura que estou fazendo da obra que citei acima, que apresenta textos escritos por ele, durante os anos 2000. Sem falar, do clássico “Sete Saberes da Educação”, que é uma referência que tenho há alguns anos, entre outras.

Num ir e vir constante – entre o caminhar para o abismo e a esperança - Morin desnudou, de certa forma, a inconstância de nós, seres humanos, por meio da dialética, e lembrou o quanto é importante nos conectarmos aos saberes globais e aprendermos a nos auto-reconhecer, antes de prosseguir. “...A nossa civilização desenvolveu o egocentrismo, mas do lado bom, a autonomia...”, ponderou. E tocou num ponto central para ele: a destruição das solidariedades tradicionais nas famílias, entre vizinhos, no ambiente de trabalho...”São os aspectos mais negativos do processo de globalização”, disse.

Ele apontou o sentido de ambivalência, que permeia o mundo na atualidade. “Houve a formação de novas classes médias em países emergentes como o Brasil. Mas também esse processo de globalização fez que outra parte da população pobre, como os camponeses, fossem expulsos de suas terras, para as periferias das cidades, às favelas...Um bilhão de pessoas vivem na condição próxima à miséria...”.

Segundo ele, isso demonstra o equívoco da noção de desenvolvimento padronizada, entre países diferentes. “Ignora-se, dessa forma, a cultura, a arte de viver, as ilusões e erros que existem em cada um”. E citou como exemplo o conhecimento “rico” sobre as florestas, dos xamãs dos povos indígenas da Amazônia (que chega a ser menosprezado). “Seria melhor se houvesse uma simbiose”.

E lembrou que as grandes revoluções, sejam no campo religioso, político começaram de forma modesta. Nessa hora, fez com que embarcássemos com ele no Budismo, no Cristianismo, no Islamismo, como também, no Socialismo (Marx...), no Anarquismo (Proudhon, Bakunin)..um passeio pela história. Mencionou importantes pensadores, entre eles, Descartes e Galileu.

Por meio de uma analogia, comparou a sociedade a um organismo. “...A sociedade em crise pode regredir ou progredir pela criatividade. A metamorfose não é só um fenômeno dos insetos, é própria da história humana”.

A sensibilidade de Edgar Morin quanto às desigualdades foi a tônica permanente em sua exposição. “...Precisamos lutar contra as forças de desigualdade e de exploração sobre os povos africanos. É preciso proteger esses países das forças negativas da mundialização...que continua com a métrica do Produto Interno Bruto (PIB), com a economia do desperdício...”.

E foi incisivo, quanto à sua leitura sobre o que considera como ideal de nova economia. “Ela não se restringe à energia limpa. Precisa desenvolver democracias, autonomias e envolver as pessoas num tecido de solidariedade...”. Essa ausência foi um problema destacado, segundo ele, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a Cúpula dos Povos.

“O que chamamos de economia verde não é somente energia limpa, mas necessidade de substituição das formas agrícolas predatórias, do uso de pesticidas, da pegada ecológica (em excesso). Exige a substituição por agricultura orgânica e pela economia social e solidária...”

As reformas, no seu ponto de vista, devem acontecer simultaneamente no modo de consumo, na agricultura, nas empresas... “Como pequenos riachos até formarem rios...”.

Com uma mensagem de esperança, dirigiu sua fala para o caminho das escolhas: “...Posso acreditar no altruísmo, na bondade, no amor contra as barbáries humanas. Posso esperar o improvável. São os progressos da consciência humana, o agir em conformidade com as minhas aspirações e esperanças...” Nessa lógica, não é possível defender um povo em detrimento de outro, alertou.

E com a sagacidade de quem nunca para de aprender, ao ser perguntado sobre o papel da internet na educação e sua relação com o mundo real, respondeu:
- “ A internet pode contribuir para a educação e relações e não deve eliminar o mestre, que pode colocar paixão no que faz, no contato humano afetivo...É até possível haver second life, avatar, mas isso está ligado ao poder do imaginário, ao sonho e aos mitos. Vivemos em um mundo semi-virtual. Precisamos desenvolver melhor o uso da web...Em países ditatoriais, surgem informações falsas, que exigem que sejamos mais inteligentes”, citou como exemplo.

Após essa carga imensa de conhecimento compartilhado, Edgar Morin deu sentido mais uma vez ao que defende: não é possível ser racional sem o exercício de afeto.

 

Pesquisar no site

Blog

25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk