O pensamento ecologizado de Edgar Morin, por Sucena Shkrada Resk

04/07/2012 16:42

Depois de uma hora e meia de imersão nas palavras do filósofo e educador francês Edgar Morin, no lumiar dos seus 91 anos, na noite de ontem (3), renovei as minhas esperanças na capacidade humana de transformar os caminhos do planeta. O vigor de seu pensamento, que trafega de forma inclusiva e envolvente, da história antiga à contemporaneidade, dá sentido aos seus argumentos sobre o pensamento complexo e faz perceber que é possível ir fundo, sem que se perca a simplicidade. Ele tratou do tema Consciência Mundial: por um conceito de desenvolvimento para o século XXI, no SESC Consolação.

Pensamento ecologizado
Durante sua palestra, Edgar Morin, reforçou o que defende em sua vasta produção literária, que é a contextualização e se ir além da racionalidade abstrata. “...É preciso uma racionalidade complexa que enfrente as contradições...uma revolução do conhecimento. Isso quer dizer repudiar a inteligência cega que é incapaz de conceber a era planetária e apreender o problema ecológico”, como destaca no livro “Rumo ao Abismo?”, de 2011, pela Bertrand Brasil.

Com isso, na constituição do pensamento complexo, há o pensamento ecologizado que, em vez de isolar o objeto estudado, o considera na e por sua relação autoecoorganizadora com seu ambiente cultural, econômico, político, natural...E para ele é preciso ir além: pensar global, agir local e pensar local e agir global.

Eu o ouvi, com esse pano de fundo e anotei com “voracidade” de quem quer aprender, o que mais me chamou a atenção em sua fala, que resultou em oito páginas no meu pequeno companheiro de jornada – “o caderno espiral”. Assim sai de lá com ideias e motivações. Já vinha contagiada com outras impressões, provenientes da leitura que estou fazendo da obra que citei acima, que apresenta textos escritos por ele, durante os anos 2000. Sem falar, do clássico “Sete Saberes da Educação”, que é uma referência que tenho há alguns anos, entre outras.

Num ir e vir constante – entre o caminhar para o abismo e a esperança - Morin desnudou, de certa forma, a inconstância de nós, seres humanos, por meio da dialética, e lembrou o quanto é importante nos conectarmos aos saberes globais e aprendermos a nos auto-reconhecer, antes de prosseguir. “...A nossa civilização desenvolveu o egocentrismo, mas do lado bom, a autonomia...”, ponderou. E tocou num ponto central para ele: a destruição das solidariedades tradicionais nas famílias, entre vizinhos, no ambiente de trabalho...”São os aspectos mais negativos do processo de globalização”, disse.

Ele apontou o sentido de ambivalência, que permeia o mundo na atualidade. “Houve a formação de novas classes médias em países emergentes como o Brasil. Mas também esse processo de globalização fez que outra parte da população pobre, como os camponeses, fossem expulsos de suas terras, para as periferias das cidades, às favelas...Um bilhão de pessoas vivem na condição próxima à miséria...”.

Segundo ele, isso demonstra o equívoco da noção de desenvolvimento padronizada, entre países diferentes. “Ignora-se, dessa forma, a cultura, a arte de viver, as ilusões e erros que existem em cada um”. E citou como exemplo o conhecimento “rico” sobre as florestas, dos xamãs dos povos indígenas da Amazônia (que chega a ser menosprezado). “Seria melhor se houvesse uma simbiose”.

E lembrou que as grandes revoluções, sejam no campo religioso, político começaram de forma modesta. Nessa hora, fez com que embarcássemos com ele no Budismo, no Cristianismo, no Islamismo, como também, no Socialismo (Marx...), no Anarquismo (Proudhon, Bakunin)..um passeio pela história. Mencionou importantes pensadores, entre eles, Descartes e Galileu.

Por meio de uma analogia, comparou a sociedade a um organismo. “...A sociedade em crise pode regredir ou progredir pela criatividade. A metamorfose não é só um fenômeno dos insetos, é própria da história humana”.

A sensibilidade de Edgar Morin quanto às desigualdades foi a tônica permanente em sua exposição. “...Precisamos lutar contra as forças de desigualdade e de exploração sobre os povos africanos. É preciso proteger esses países das forças negativas da mundialização...que continua com a métrica do Produto Interno Bruto (PIB), com a economia do desperdício...”.

E foi incisivo, quanto à sua leitura sobre o que considera como ideal de nova economia. “Ela não se restringe à energia limpa. Precisa desenvolver democracias, autonomias e envolver as pessoas num tecido de solidariedade...”. Essa ausência foi um problema destacado, segundo ele, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a Cúpula dos Povos.

“O que chamamos de economia verde não é somente energia limpa, mas necessidade de substituição das formas agrícolas predatórias, do uso de pesticidas, da pegada ecológica (em excesso). Exige a substituição por agricultura orgânica e pela economia social e solidária...”

As reformas, no seu ponto de vista, devem acontecer simultaneamente no modo de consumo, na agricultura, nas empresas... “Como pequenos riachos até formarem rios...”.

Com uma mensagem de esperança, dirigiu sua fala para o caminho das escolhas: “...Posso acreditar no altruísmo, na bondade, no amor contra as barbáries humanas. Posso esperar o improvável. São os progressos da consciência humana, o agir em conformidade com as minhas aspirações e esperanças...” Nessa lógica, não é possível defender um povo em detrimento de outro, alertou.

E com a sagacidade de quem nunca para de aprender, ao ser perguntado sobre o papel da internet na educação e sua relação com o mundo real, respondeu:
- “ A internet pode contribuir para a educação e relações e não deve eliminar o mestre, que pode colocar paixão no que faz, no contato humano afetivo...É até possível haver second life, avatar, mas isso está ligado ao poder do imaginário, ao sonho e aos mitos. Vivemos em um mundo semi-virtual. Precisamos desenvolver melhor o uso da web...Em países ditatoriais, surgem informações falsas, que exigem que sejamos mais inteligentes”, citou como exemplo.

Após essa carga imensa de conhecimento compartilhado, Edgar Morin deu sentido mais uma vez ao que defende: não é possível ser racional sem o exercício de afeto.

 

Pesquisar no site

Blog

11/08/2014 19:40

Resíduos sólidos: São Paulo aprovou seu plano municipal, e agora...?, por Sucena Shkrada Resk

São Paulo, apesar de ser um município com porte de estado e a sexta cidade mais populosa mundialmente, só agora instituiu seu Plano de Gestão Integral de Resíduos Sólidos, depois de reelaborar uma primeira versão de 2010. A legislação foi aprovada após quatro anos da Política nacional no setor....
08/08/2014 17:44

Resíduos sólidos e reciclagem: catadores reivindicam mais espaço participativo, por Sucena Shkrada Resk

Quatro anos após a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a reivindicação por uma relação mais inclusiva nas implementações das coletas seletivas e dos processos de triagem e reciclagem no país ainda é presente entre os catadores, segundo  Armando Octaviano Júnior, 42 anos,...
07/08/2014 10:34

Resíduos sólidos: Portugal acabou com seus lixões e optou pelo modelo consorciado, por Sucena Shkrada Resk

Não existe país no mundo que esteja isento de problemas a solucionar diariamente com relação à geração e destinação de seus resíduos sólidos. Portugal não foge à regra e optou por criar um sistema de gestão consorciado entre seus municípios e tem um Plano Nacional (2011-2020) em vigor. Mas as...
06/08/2014 19:00

Resíduos sólidos: os desafios na região do ABCDMRR, por Sucena Shkrada Resk

A região do ABCDMRR, no estado de São Paulo, que engloba os municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e de Rio Grande da Serra, gera 2.138,3 toneladas diariamente de resíduos sólidos, segundo o Plano de Gestão Integrada do setor. Esse volume...
05/08/2014 18:15

ONU alerta que há evidências de crime de guerra em Gaza, por Sucena Shkrada Resk

A Segunda Guerra Mundial  (1939-1945) foi um divisor de águas na história dos marcos legais internacionais dos direitos humanos por seus efeitos. A definição de crimes de guerra a partir deste período histórico começou a figurar na Convenção de Genebra criada em 1864. O que se vê em 2014 é que...
04/08/2014 20:25

Da terra do Sol nascente ao Brasil: quando a natureza se ‘veste’ de rosa, por Sucena Shkrada Resk

  Crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk  O céu de brigadeiro é o pano de fundo para um bosque forrado de cerejeiras em flor, cujas pétalas com o sopro do vento forram o gramado, com esse tapete natural. A visão é deslumbrante. O rosa suave se mescla a um tom mais intenso e a...
01/08/2014 15:56

O Brasil dos lixões sobre o qual ninguém gosta de falar, por Sucena Shkrada Resk

Um odor praticamente insuportável exala e entra quase que permanentemente pelas narinas. A decomposição das matérias orgânicas se mistura a materiais recicláveis e tudo se amontoa num empilhamento desordenado.Vetores das mais variadas doenças, como ratos e baratas se abastecem, junto a...
31/07/2014 14:29

IDH: 24 anos depois, reflete um mundo cada vez mais desigual, por Sucena Shkrada Resk

O mundo contemporâneo tem um termômetro da desigualdade, que vigora há 24 anos, por meio dos relatórios do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), publicados pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Apesar de ainda ser superficial, é a métrica (baseada em dados de renda,...
30/07/2014 14:53

Defaunação: uma palavra que se consolida no vocabulário ambiental, por Sucena Shkrada Resk

A aceleração dos impactos antrópicos (decorrentes da ação humana) parece não ter fim e isso não se restringe somente às mudanças climáticas. Com isso, um termo cada vez mais usual na ciência é a chamada ‘defaunação’. Traduz um universo de declínio da população dos animais, contabilizando hoje 322...
27/07/2014 16:23

Perito Moreno, um gigante ainda resiliente às mudanças climáticas, por Sucena Shkrada Resk

crédito e acervo pessoal de imagens: Sucena Shkrada Resk Um traçado escuro forma uma fenda, como uma grande cicatriz, naquele imenso azul de gelo. De repente, o som é algo parecido com um grande ranger de dentes e em alguns minutos...um estrondo e o grande bloco se desprega do glaciar Perito...
20/07/2014 17:03

O condor da Patagônia argentina, por Sucena Shkrada Resk

crédito e acervo pessoal de imagens: Sucena Shkrada Resk Ao chegar no topo do 'mirador de los condores', que não tem esse nome por acaso, avistei um belo ângulo da região. Além do vento, dos raios solares, da vista dos vales e de outras cadeias montanhosas, que compõem o cenário na Patagônia...
01/07/2014 07:43

Uma relação humana mundial a ser repensada: número de refugiados aumenta, por Sucena Shkrada Resk

Certas notícias têm uma profundidade incômoda, porque mexem com valores culturais, comportamentos diante do diferente, da relação de poder e exigem mudanças nos caminhos da humanidade, um século após o desencadear dos grandes marcos históricos de conflitos mundiais do século XX, como da...
29/06/2014 14:44

Ilha Deserta: o conceito de deserto revisitado, por Sucena Shkrada Resk

Um, dois, três...lá se foram mais ou menos 20 quilômetros (ida e volta) de caminhada em um dia na Praia Deserta, em Superagui, no PR, no mês de maio. Momento de pura imersão e contato com a natureza e de revisitar o próprio conceito de deserto. Afinal, com tanta abundância de vida, da mais...
19/06/2014 14:43

Ararapira: um ex-vilarejo no canal do Varadouro, por Sucena Shkrada Resk

crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk À primeira vista, aquelas dunas enormes, algumas ruínas aparentes e a ponta da torre da antiga igreja histórica de São José, construída no século XIX, me aguçaram a curiosidade. Eu estava prestes a conhecer o pequeno vilarejo de Ararapira, também chamado de...
19/06/2014 10:48

Japão: o lixo não é um problema do outro, por Sucena Shkrada Resk

Um simples gesto de torcedores japoneses nas arquibancadas do estádio ‘Arena Pernambuco’, no último sábado, influenciou positivamente  os diálogos nas redes sociais e os noticiários na mídia em geral. Apesar da derrota do time asiático para o da Costa de Marfim, durante essa primeira etapa da...
25/05/2014 15:50

Conhecendo a nossa ‘Barbados’, por Sucena Shkrada Resk

crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk O nome Barbados remete em um primeiro momento ao país insular no Caribe, que com grande resiliência tenta se adaptar às mudanças climáticas. Mas a ‘Barbados’, que estou tratando aqui,  é também uma ilha, só que brasileira, onde uma comunidade tradicional...
11/05/2014 16:12

Uma tarde de prosa com ‘dona’ Narzira, de Superagui (PR), por Sucena Shkrada Resk

Crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Um quadro se desenha com a narrativa que começa de forma tímida, numa tarde de sábado. Nas primeiras horas da manhã, em alguns dias da semana, ‘dona’ Narzira Ignácia das Neves Santos, 75 anos, conta que sai em seu pequeno barco a remo com sua colega e vai pescar...
27/04/2014 15:09

Gabriel García Márquez: um contista inesquecível, por Sucena Shkrada Resk

"Um homem só tem o direito de olhar outro de cima para baixo para ajudá-lo a levantar-se”. Quem um dia expressou este pensamento foi o inesquecível escritor, jornalista e ativista colombiano Gabriel García Márquez (1927-2014), que se exilou no México a partir de 1961 até sua morte, no último dia 17...
13/04/2014 19:56

A curiosa Gansu: dos terremotos à energia renovável, por Sucena Shkrada Resk

 Gansu, na China, é um exemplo no planeta que pode ilustrar os extremos ambientais, em que há o contexto de perdas e ganhos diante ao natural e ao antrópico. Um dos locais com os mais devastadores terremotos também é hoje a região onde o país maior poluidor do mundo está...
23/03/2014 16:48

A escravidão e a injustiça socioambiental sob várias roupagens, por Sucena Shkrada Resk

Um silêncio misturado à emoção e a certo amargo na boca. Sensações diversas após assistir o filme “12 Anos de Escravidão – Solomon Northup", dirigido por Steve McQueen, baseado na história real deste escravo liberto no século XXI, que foi sequestrado em 1841, no Estado da Lousiana, nos Estados...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk