O pensamento ecologizado de Edgar Morin, por Sucena Shkrada Resk

04/07/2012 16:42

Depois de uma hora e meia de imersão nas palavras do filósofo e educador francês Edgar Morin, no lumiar dos seus 91 anos, na noite de ontem (3), renovei as minhas esperanças na capacidade humana de transformar os caminhos do planeta. O vigor de seu pensamento, que trafega de forma inclusiva e envolvente, da história antiga à contemporaneidade, dá sentido aos seus argumentos sobre o pensamento complexo e faz perceber que é possível ir fundo, sem que se perca a simplicidade. Ele tratou do tema Consciência Mundial: por um conceito de desenvolvimento para o século XXI, no SESC Consolação.

Pensamento ecologizado
Durante sua palestra, Edgar Morin, reforçou o que defende em sua vasta produção literária, que é a contextualização e se ir além da racionalidade abstrata. “...É preciso uma racionalidade complexa que enfrente as contradições...uma revolução do conhecimento. Isso quer dizer repudiar a inteligência cega que é incapaz de conceber a era planetária e apreender o problema ecológico”, como destaca no livro “Rumo ao Abismo?”, de 2011, pela Bertrand Brasil.

Com isso, na constituição do pensamento complexo, há o pensamento ecologizado que, em vez de isolar o objeto estudado, o considera na e por sua relação autoecoorganizadora com seu ambiente cultural, econômico, político, natural...E para ele é preciso ir além: pensar global, agir local e pensar local e agir global.

Eu o ouvi, com esse pano de fundo e anotei com “voracidade” de quem quer aprender, o que mais me chamou a atenção em sua fala, que resultou em oito páginas no meu pequeno companheiro de jornada – “o caderno espiral”. Assim sai de lá com ideias e motivações. Já vinha contagiada com outras impressões, provenientes da leitura que estou fazendo da obra que citei acima, que apresenta textos escritos por ele, durante os anos 2000. Sem falar, do clássico “Sete Saberes da Educação”, que é uma referência que tenho há alguns anos, entre outras.

Num ir e vir constante – entre o caminhar para o abismo e a esperança - Morin desnudou, de certa forma, a inconstância de nós, seres humanos, por meio da dialética, e lembrou o quanto é importante nos conectarmos aos saberes globais e aprendermos a nos auto-reconhecer, antes de prosseguir. “...A nossa civilização desenvolveu o egocentrismo, mas do lado bom, a autonomia...”, ponderou. E tocou num ponto central para ele: a destruição das solidariedades tradicionais nas famílias, entre vizinhos, no ambiente de trabalho...”São os aspectos mais negativos do processo de globalização”, disse.

Ele apontou o sentido de ambivalência, que permeia o mundo na atualidade. “Houve a formação de novas classes médias em países emergentes como o Brasil. Mas também esse processo de globalização fez que outra parte da população pobre, como os camponeses, fossem expulsos de suas terras, para as periferias das cidades, às favelas...Um bilhão de pessoas vivem na condição próxima à miséria...”.

Segundo ele, isso demonstra o equívoco da noção de desenvolvimento padronizada, entre países diferentes. “Ignora-se, dessa forma, a cultura, a arte de viver, as ilusões e erros que existem em cada um”. E citou como exemplo o conhecimento “rico” sobre as florestas, dos xamãs dos povos indígenas da Amazônia (que chega a ser menosprezado). “Seria melhor se houvesse uma simbiose”.

E lembrou que as grandes revoluções, sejam no campo religioso, político começaram de forma modesta. Nessa hora, fez com que embarcássemos com ele no Budismo, no Cristianismo, no Islamismo, como também, no Socialismo (Marx...), no Anarquismo (Proudhon, Bakunin)..um passeio pela história. Mencionou importantes pensadores, entre eles, Descartes e Galileu.

Por meio de uma analogia, comparou a sociedade a um organismo. “...A sociedade em crise pode regredir ou progredir pela criatividade. A metamorfose não é só um fenômeno dos insetos, é própria da história humana”.

A sensibilidade de Edgar Morin quanto às desigualdades foi a tônica permanente em sua exposição. “...Precisamos lutar contra as forças de desigualdade e de exploração sobre os povos africanos. É preciso proteger esses países das forças negativas da mundialização...que continua com a métrica do Produto Interno Bruto (PIB), com a economia do desperdício...”.

E foi incisivo, quanto à sua leitura sobre o que considera como ideal de nova economia. “Ela não se restringe à energia limpa. Precisa desenvolver democracias, autonomias e envolver as pessoas num tecido de solidariedade...”. Essa ausência foi um problema destacado, segundo ele, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a Cúpula dos Povos.

“O que chamamos de economia verde não é somente energia limpa, mas necessidade de substituição das formas agrícolas predatórias, do uso de pesticidas, da pegada ecológica (em excesso). Exige a substituição por agricultura orgânica e pela economia social e solidária...”

As reformas, no seu ponto de vista, devem acontecer simultaneamente no modo de consumo, na agricultura, nas empresas... “Como pequenos riachos até formarem rios...”.

Com uma mensagem de esperança, dirigiu sua fala para o caminho das escolhas: “...Posso acreditar no altruísmo, na bondade, no amor contra as barbáries humanas. Posso esperar o improvável. São os progressos da consciência humana, o agir em conformidade com as minhas aspirações e esperanças...” Nessa lógica, não é possível defender um povo em detrimento de outro, alertou.

E com a sagacidade de quem nunca para de aprender, ao ser perguntado sobre o papel da internet na educação e sua relação com o mundo real, respondeu:
- “ A internet pode contribuir para a educação e relações e não deve eliminar o mestre, que pode colocar paixão no que faz, no contato humano afetivo...É até possível haver second life, avatar, mas isso está ligado ao poder do imaginário, ao sonho e aos mitos. Vivemos em um mundo semi-virtual. Precisamos desenvolver melhor o uso da web...Em países ditatoriais, surgem informações falsas, que exigem que sejamos mais inteligentes”, citou como exemplo.

Após essa carga imensa de conhecimento compartilhado, Edgar Morin deu sentido mais uma vez ao que defende: não é possível ser racional sem o exercício de afeto.

 

Pesquisar no site

Blog

16/02/2014 18:43

Os seres humanos que roubam sonhos, por Sucena Shkrada Resk

Reprodução: Mapa   O filme “A Menina que Roubava Livros”, dirigido por Brian Percival, baseado na obra de Markus Zusak, é um exercício de leitura de mundo sob a pressão das adversidades. Ilustra a tentativa de se reescrever histórias de vida. O pano de fundo com as guerras internas e...
08/12/2013 22:32

Mandela: símbolo do ativismo pela dignidade humana, por Sucena Shkrada Resk

“Enquanto eu estiver envelhecendo como as montanhas, vou continuar alimentando a esperança de que surgiu um grupo de líderes no meu país, na minha região, no meu continente e no mundo que não vai permitir a negação da liberdade. Que ninguém se refugie como nós e que ninguém seja condenado à fome...
24/11/2013 19:55

Eu Maior provoca reflexões sobre nossa relação conosco e com o mundo, por Sucena Shkrada Resk

Tratar da razão de nossa existência neste Planeta está longe de ser um assunto trivial e enfadonho. De certa forma, infere nossa relação conosco, com os outros seres vivos, com o mundo e com os cosmos. Remexe, provoca e traz muitos questionamentos que não têm respostas fáceis, mas que são...
23/11/2013 16:11

Quilombolas: raiz, identidade cultural e ancestralidade, por Sucena Shkrada Resk

Raiz, palavra poderosa que emerge em qualquer cultura. Traduz ao mesmo tempo, permanência, sobrevivência, ancestralidade, conhecimento e identidade...mas acima de tudo, aprendizado. Nesse limiar em que o tempo é contado em séculos, o universo dos remanescentes quilombolas possibilita uma viagem...
17/11/2013 13:15

COP-19 e a tragédia filipina: realidade cobra eficiência da política mundial, por Sucena Shkrada Resk

Com o andamento da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-19), em Varsóvia, na Polônia, nada é mais incisivo para que haja a mudança de postura geopolítica no mundo, do que a calamidade que atinge a população das Filipinas, no Sudeste Asiático,...
03/11/2013 18:24

Eduardo Viola: A inércia e o conservadorismo da sociedade, por Sucena Shkrada Resk

  Eduardo Viola e Carlos Tautz, em Brasília (crédito da foto: Sucena S.Resk) “Se o mundo é inercial, não é só porque um grupo é conservador, mas a sociedade é conservadora”. Até hoje essa frase que ouvi recentemente do sociólogo e Doutor em Economia Política Internacional, Eduardo Viola, ecoa...
27/10/2013 21:09

Enrique Leff alerta sobre o reducionismo econômico, por Sucena Shkrada Resk

Achar normal as instabilidades planetárias que são aceleradas com a intervenção humana e reduzir a complexidade do planeta pela economia do mercado são alguns dos grandes equívocos na contemporaneidade, segundo o economista  e ecologista político mexicano Enrique Leff , que participou no...
14/10/2013 23:27

Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício, por Sucena Shkrada Resk

Já se tornou algo habitual ouvir falar que a água hoje tem o mesmo “valor” que o petróleo teve  neste século e no século passado no mundo. A comparação quanto ao peso geopolítico, socioeconômico e na balança das perdas e danos dos recursos naturais tem toda coerência, tendo em vista os...
13/10/2013 13:38

Educação: o exemplo de Malala, por Sucena Shkrada Resk

A segurança nas convicções da jovem paquistanesa Malala Yousafzai Montero, de 16 anos, chega a deixar muitos adultos desconcertados e eu me incluo nesse hall. Após sofrer uma emboscada, há um ano, quando levou um tiro na cabeça, no ônibus escolar em que se encontrava, no Vale do Swat, no Paquistão,...
04/08/2013 19:53

Personagens de Sampa: Uma noite na Paulista ao som da banda Xupisco, por Sucena Shkrada Resk

Sexta-feira (02/08), 20h, uma noite quente e um som harmonioso ao fundo de Música Popular Brasileira (MPB) em pleno calçadão da avenida Paulista, em frente ao Conjunto Nacional. A curiosidade é maior. Afinal, de onde vêm essas músicas? Logo, vou à procura da resposta. Da banda Xupisco, formada pelo...
30/06/2013 21:34

Um Outono que já marca as nossas vidas, por Sucena Shkrada Resk

“Meu partido é meu país”, “Reforma política”, “Você não me representa”, “País rico é país sem corrupção”, “Chega de corrupção”, “Vem pra rua que a luta é sua - #insatisfação”, “Desculpe o transtorno, estamos mudando o país”, “Verás que um filho teu não foge à luta”, “O gigante acordou”, “O povo...
16/06/2013 20:19

Sr. Pedro, o barqueiro, por Sucena Shkrada Resk

O seu nome é Pedro Roque do Carmo. Profissão: barqueiro de táxi fluvial. Conheci esse amazonense de 65 anos, em maio, em Manaus, ao fazer um passeio em seu barco na região do encontro dos rios Negro e Solimões, que formam o Amazonas, e de igarapés, acompanhada por mais quatro colegas jornalistas....
16/06/2013 16:15

Hortas urbanas: um exercício de desprendimento, por Sucena Shkrada Resk

O cenário urbano de São Paulo nos reserva algumas surpresas em meio ao caos composto por espigões, veículos e todo o tipo de poluição, da atmosférica à visual. De forma gradativa, um contingente de voluntários tem tornado a paisagem mais harmoniosa com os princípios da agroecologia por meio de...
02/06/2013 11:33

Memória socioambiental: o legado de “Realidade”, por Sucena Shkrada Resk

A encadernação é delicada e para folheá-la o cuidado tem de ser redobrado. Afinal 43 anos se passaram. Estou falando da edição de maio de 1970 da Revista Realidade, da Editora Abril, que traduzia em suas matérias as facetas de um Brasil que ainda permanecem pouco alteradas, se formos colocar uma...
01/05/2013 20:22

Qualidade do ar: será que ainda há tempo?, por Sucena Shkrada Resk

O ar que respiramos nos grandes centros urbanos é praticamente irrespirável, se formos observar a diversidade de poluentes primários e secundários (resultantes da reação química entre poluentes primários e componentes naturais da atmosfera) acima dos limites recomendados pelo Guia de Qualidade do...
17/04/2013 23:22

E o seu nome é “vinchuca”, por Sucena Shkrada Resk

Vinchuca...Uma palavra marcante associada à pobreza e à falha de vigilância à saúde que transcende a realidade dos países sul-americanos e já atinge o velho mundo. De origem quéchua, é utilizada principalmente na Argentina, Bolívia, no Chile, na Colômbia e no Paraguai  - em regiões como o...
07/04/2013 20:20

Dengue: brechas na prevenção no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

2013 ou 2002? Ao observar a evolução dos registros atuais de casos de dengue pelo Brasil, eu me recordo de que há uma década, o país vivia uma epidemia, que resultou em campanhas de prevenção e um olhar mais atento da mídia naquele período. À época, fiz várias reportagens no Caderno de Cidades do...
29/03/2013 15:12

Reflexão: Na pulsação da Pachamama “andina”, por Sucena Shkrada Resk

“Pachamama”. Palavra vigorosa forjada na América “andina”, por meio da sabedoria tradicional dos povos indígenas e campesinos, traz um simbolismo importante de pertencimento e respeito à  “Madre Tierra” ou à “Mãe Terra”. Essa metáfora materna e feminina nos leva à ideia da fecundidade,...
26/03/2013 17:19

Um olhar sobre a Venezuela megadiversa, por Sucena Shkrada Resk

Ampliar a leitura sobre países vizinhos ao Brasil na América do Sul, é um exercício de aprendizado interessante. No caso da Venezuela, conhecida mundialmente pela figura de seu ex-líder Hugo Chávez, que faleceu recentemente, e por ser uma potência petrolífera mundial e extrativista de...
22/03/2013 21:53

Água “pura”...quero ver-te, por Sucena Shkrada Resk

Fonte de imagem: FAO Olho para o céu e sei que lá estão os “Rios Voadores”. Ao ler a explicação de Gérard e Margi Moss sobre o projeto de mesmo nome (https://www.riosvoadores.com.br/o-projeto/rios-voadores) penso o quanto do intangível há no tangível, quando se trata do tema água, que já é...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk