O pensamento ecologizado de Edgar Morin, por Sucena Shkrada Resk

04/07/2012 16:42

Depois de uma hora e meia de imersão nas palavras do filósofo e educador francês Edgar Morin, no lumiar dos seus 91 anos, na noite de ontem (3), renovei as minhas esperanças na capacidade humana de transformar os caminhos do planeta. O vigor de seu pensamento, que trafega de forma inclusiva e envolvente, da história antiga à contemporaneidade, dá sentido aos seus argumentos sobre o pensamento complexo e faz perceber que é possível ir fundo, sem que se perca a simplicidade. Ele tratou do tema Consciência Mundial: por um conceito de desenvolvimento para o século XXI, no SESC Consolação.

Pensamento ecologizado
Durante sua palestra, Edgar Morin, reforçou o que defende em sua vasta produção literária, que é a contextualização e se ir além da racionalidade abstrata. “...É preciso uma racionalidade complexa que enfrente as contradições...uma revolução do conhecimento. Isso quer dizer repudiar a inteligência cega que é incapaz de conceber a era planetária e apreender o problema ecológico”, como destaca no livro “Rumo ao Abismo?”, de 2011, pela Bertrand Brasil.

Com isso, na constituição do pensamento complexo, há o pensamento ecologizado que, em vez de isolar o objeto estudado, o considera na e por sua relação autoecoorganizadora com seu ambiente cultural, econômico, político, natural...E para ele é preciso ir além: pensar global, agir local e pensar local e agir global.

Eu o ouvi, com esse pano de fundo e anotei com “voracidade” de quem quer aprender, o que mais me chamou a atenção em sua fala, que resultou em oito páginas no meu pequeno companheiro de jornada – “o caderno espiral”. Assim sai de lá com ideias e motivações. Já vinha contagiada com outras impressões, provenientes da leitura que estou fazendo da obra que citei acima, que apresenta textos escritos por ele, durante os anos 2000. Sem falar, do clássico “Sete Saberes da Educação”, que é uma referência que tenho há alguns anos, entre outras.

Num ir e vir constante – entre o caminhar para o abismo e a esperança - Morin desnudou, de certa forma, a inconstância de nós, seres humanos, por meio da dialética, e lembrou o quanto é importante nos conectarmos aos saberes globais e aprendermos a nos auto-reconhecer, antes de prosseguir. “...A nossa civilização desenvolveu o egocentrismo, mas do lado bom, a autonomia...”, ponderou. E tocou num ponto central para ele: a destruição das solidariedades tradicionais nas famílias, entre vizinhos, no ambiente de trabalho...”São os aspectos mais negativos do processo de globalização”, disse.

Ele apontou o sentido de ambivalência, que permeia o mundo na atualidade. “Houve a formação de novas classes médias em países emergentes como o Brasil. Mas também esse processo de globalização fez que outra parte da população pobre, como os camponeses, fossem expulsos de suas terras, para as periferias das cidades, às favelas...Um bilhão de pessoas vivem na condição próxima à miséria...”.

Segundo ele, isso demonstra o equívoco da noção de desenvolvimento padronizada, entre países diferentes. “Ignora-se, dessa forma, a cultura, a arte de viver, as ilusões e erros que existem em cada um”. E citou como exemplo o conhecimento “rico” sobre as florestas, dos xamãs dos povos indígenas da Amazônia (que chega a ser menosprezado). “Seria melhor se houvesse uma simbiose”.

E lembrou que as grandes revoluções, sejam no campo religioso, político começaram de forma modesta. Nessa hora, fez com que embarcássemos com ele no Budismo, no Cristianismo, no Islamismo, como também, no Socialismo (Marx...), no Anarquismo (Proudhon, Bakunin)..um passeio pela história. Mencionou importantes pensadores, entre eles, Descartes e Galileu.

Por meio de uma analogia, comparou a sociedade a um organismo. “...A sociedade em crise pode regredir ou progredir pela criatividade. A metamorfose não é só um fenômeno dos insetos, é própria da história humana”.

A sensibilidade de Edgar Morin quanto às desigualdades foi a tônica permanente em sua exposição. “...Precisamos lutar contra as forças de desigualdade e de exploração sobre os povos africanos. É preciso proteger esses países das forças negativas da mundialização...que continua com a métrica do Produto Interno Bruto (PIB), com a economia do desperdício...”.

E foi incisivo, quanto à sua leitura sobre o que considera como ideal de nova economia. “Ela não se restringe à energia limpa. Precisa desenvolver democracias, autonomias e envolver as pessoas num tecido de solidariedade...”. Essa ausência foi um problema destacado, segundo ele, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a Cúpula dos Povos.

“O que chamamos de economia verde não é somente energia limpa, mas necessidade de substituição das formas agrícolas predatórias, do uso de pesticidas, da pegada ecológica (em excesso). Exige a substituição por agricultura orgânica e pela economia social e solidária...”

As reformas, no seu ponto de vista, devem acontecer simultaneamente no modo de consumo, na agricultura, nas empresas... “Como pequenos riachos até formarem rios...”.

Com uma mensagem de esperança, dirigiu sua fala para o caminho das escolhas: “...Posso acreditar no altruísmo, na bondade, no amor contra as barbáries humanas. Posso esperar o improvável. São os progressos da consciência humana, o agir em conformidade com as minhas aspirações e esperanças...” Nessa lógica, não é possível defender um povo em detrimento de outro, alertou.

E com a sagacidade de quem nunca para de aprender, ao ser perguntado sobre o papel da internet na educação e sua relação com o mundo real, respondeu:
- “ A internet pode contribuir para a educação e relações e não deve eliminar o mestre, que pode colocar paixão no que faz, no contato humano afetivo...É até possível haver second life, avatar, mas isso está ligado ao poder do imaginário, ao sonho e aos mitos. Vivemos em um mundo semi-virtual. Precisamos desenvolver melhor o uso da web...Em países ditatoriais, surgem informações falsas, que exigem que sejamos mais inteligentes”, citou como exemplo.

Após essa carga imensa de conhecimento compartilhado, Edgar Morin deu sentido mais uma vez ao que defende: não é possível ser racional sem o exercício de afeto.

 

Pesquisar no site

Blog

15/09/2014 15:58

Especial – Desenvolvimento Sustentável (parte 2): os desafios dos ODM aos ODS no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk Atingir os vários ângulos que representam o conjunto do desenvolvimento sustentável, na prática, é uma meta contínua a ser alcançada, quando nos deparamos com a realidade da tentativa da universalização de direitos. Os diferentes 'Brasis' no Brasil são uma prova disso. Um...
12/09/2014 12:18

Especial - Desenvolvimento Sustentável: como sair do círculo dos gabinetes?

Por Sucena Shkrada Resk O tempo passa e já faz dois anos que ocorreu a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), no Rio de Janeiro, quando surgiu a tarefa de as nações estabelecerem consensualmente as metas dos chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS),...
08/09/2014 14:47

Recursos hídricos: o exercício de conservação por microbacias

Por Sucena Shkrada Resk A busca por alternativas eficientes para a gestão dos recursos hídricos se torna cada vez mais constante. Uma das alternativas para otimizar esforços e ao mesmo tempo envolver mais de perto a comunidade são gestões focadas nas microbacias hidrográficas. Neste sentido, um...
04/09/2014 14:09

Onde está a vulnerabilidade social no estado de São Paulo

Por Sucena Shkrada Resk As generalizações são capazes de esconder os aspectos de vulnerabilidade social do estado mais rico do Brasil: São Paulo. Neste ponto, as pesquisas auxiliam a colocar à tona estas questões, que são cruciais para revelar para a sociedade quais são as pautas que devem ser...
03/09/2014 19:44

José Pacheco fala da importância dos educadores no Brasil

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk   Por Sucena Shkrada Resk “Antes pensava de forma etnocêntrica e considerava que o desenvolvimento pedagógico estava concentrado na Europa. Quando descobri os avanços no Brasil, desfiz essa visão equivocada, e avaliei que o país está entre os primeiros...
02/09/2014 16:49

O Código Florestal e a influência na gestão das águas

Por Sucena Shkrada Resk Dois anos após a aprovação da atual legislação florestal brasileira, lei 12651 (de 25 de maio de 2012), ocorreu no último dia 31 de agosto, a pré-estreia do documentário A Lei da água: novo Código Florestal, sob direção de André Vilela D`Elia e produção de Fernando...
01/09/2014 15:21

Oceanos com sua biodiversidade costeira e marinha: documentar para conservar

Por Sucena Shkrada Resk  Existe uma máxima que faz todo sentido. Se você não conhece e nem sequer se sente parte da imensidão azul, que são nossos oceanos e sua biodiversidade, como pode perceber que é responsável por sua conservação? Pensando nisso, a figura do documentarista, que também é um...
29/08/2014 18:09

Alerta vermelho ao estado de conservação da biodiversidade costeira e marinha brasileira

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk  Por Sucena Shkrada Resk As analogias, por muitas vezes, facilitam a melhor absorção das conexões dos fatos. Sendo assim, se aqui no Brasil, colocarmos o ecossistema costeiro e marinho no lugar do paciente e a sociedade, os gestores e legisladores no papel...
27/08/2014 17:07

Livros recheados de ternura

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk, Quinze anos se passaram, mas para a pedagoga mineira Mirtes de Souza, 60 anos, radicada em São Paulo, é como se fosse hoje. A presidente do Movimento de Mulheres do Jardim Comercial lembra bem das palavras de sua filha à época – “Mãe,...
22/08/2014 17:26

Memória - Almirante Ibsen: um defensor do conservacionismo

Por Sucena Shkrada Resk Saber do falecimento do almirante Ibsen de Gusmão Câmara, no último dia 31 de julho deste ano, me causou num primeiro momento tristeza, mas ao mesmo tempo fiquei feliz por ter tido a oportunidade de ter conhecido um pouco de sua contribuição em vida. Uma semana antes de...
21/08/2014 11:08

Suassuna, um brasileiro travestido de “esperança”

Por Sucena Shkrada Resk Foto (Acervo pessoal: Sucena Shkrada Resk/abril 2011) “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso”. Frase inesquecível do dramaturgo, poeta e romancista paraibano Ariano Suassuna (1927-2014), que penetra em nossas reflexões, por...
20/08/2014 14:35

Cantareira expõe a fragilidade do sistema de abastecimento

(Como entender a gestão das águas em SP – parte 3) Por Sucena Shkrada Resk Como dizia o pensador Heráclito de Éfeso, as águas de um mesmo rio nunca são as mesmas águas. Metaforicamente essa constatação cai como luva, quando se trata do atual quadro do Sistema Cantareira, que abastece cerca de 12...
18/08/2014 17:12

Qualidade das águas em SP (Como entender a gestão das águas - parte 2)

Por Sucena Shkrada Resk Os principais cursos d´água do estado de São Paulo apresentam baixo Índice de Qualidade das Águas (IQA), de acordo com a avaliação 2013, da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), que observa a diluição de efluentes, em especial de origem doméstica, com...
15/08/2014 18:37

Como entender a gestão das águas, no estado de SP (parte 1)

Por Sucena Shkrada Resk Compreender como funcionam os mecanismos internos de gestão das águas e qual é o grau de participação da sociedade, em parte, facilita a cobrança feita por qualquer um de nós, como cidadãos, da melhoria da atuação dos órgãos públicos, na gestão desses recursos. Para entender...
14/08/2014 14:51

Ebola: uma emergência mundial sem fronteiras, por Sucena Shkrada Resk

As emergências mundiais em saúde se alternam de tempos em tempos e hoje, sem dúvida, a incidência do vírus Ebola na região ocidental do continente africano, é o que mais causa apreensão. São mais de mil mortes e 1,8 mil casos até agora registrados, de acordo com a Organização Mundial da Saúde...
13/08/2014 17:43

Rubem Alves e a Escola da Ponte: a desconstrução de paradigmas, por Sucena Shkrada Resk

“Quero uma escola retrógrada...em que a aprendizagem e o ensino sejam um empreendimento comunitário, uma expressão de solidariedade...e não uma linha de montagem”. Compreender o sentido amplo destes anseios de Rubem Alves (1933-2014) requer a libertação de amarras conceituais e fazer uma imersão no...
11/08/2014 19:40

Resíduos sólidos: São Paulo aprovou seu plano municipal, e agora...?, por Sucena Shkrada Resk

São Paulo, apesar de ser um município com porte de estado e a sexta cidade mais populosa mundialmente, só agora instituiu seu Plano de Gestão Integral de Resíduos Sólidos, depois de reelaborar uma primeira versão de 2010. A legislação foi aprovada após quatro anos da Política nacional no setor....
08/08/2014 17:44

Resíduos sólidos e reciclagem: catadores reivindicam mais espaço participativo, por Sucena Shkrada Resk

Quatro anos após a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a reivindicação por uma relação mais inclusiva nas implementações das coletas seletivas e dos processos de triagem e reciclagem no país ainda é presente entre os catadores, segundo  Armando Octaviano Júnior, 42 anos,...
07/08/2014 10:34

Resíduos sólidos: Portugal acabou com seus lixões e optou pelo modelo consorciado, por Sucena Shkrada Resk

Não existe país no mundo que esteja isento de problemas a solucionar diariamente com relação à geração e destinação de seus resíduos sólidos. Portugal não foge à regra e optou por criar um sistema de gestão consorciado entre seus municípios e tem um Plano Nacional (2011-2020) em vigor. Mas as...
06/08/2014 19:00

Resíduos sólidos: os desafios na região do ABCDMRR, por Sucena Shkrada Resk

A região do ABCDMRR, no estado de São Paulo, que engloba os municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e de Rio Grande da Serra, gera 2.138,3 toneladas diariamente de resíduos sólidos, segundo o Plano de Gestão Integrada do setor. Esse volume...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk