O pensamento ecologizado de Edgar Morin, por Sucena Shkrada Resk

04/07/2012 16:42

Depois de uma hora e meia de imersão nas palavras do filósofo e educador francês Edgar Morin, no lumiar dos seus 91 anos, na noite de ontem (3), renovei as minhas esperanças na capacidade humana de transformar os caminhos do planeta. O vigor de seu pensamento, que trafega de forma inclusiva e envolvente, da história antiga à contemporaneidade, dá sentido aos seus argumentos sobre o pensamento complexo e faz perceber que é possível ir fundo, sem que se perca a simplicidade. Ele tratou do tema Consciência Mundial: por um conceito de desenvolvimento para o século XXI, no SESC Consolação.

Pensamento ecologizado
Durante sua palestra, Edgar Morin, reforçou o que defende em sua vasta produção literária, que é a contextualização e se ir além da racionalidade abstrata. “...É preciso uma racionalidade complexa que enfrente as contradições...uma revolução do conhecimento. Isso quer dizer repudiar a inteligência cega que é incapaz de conceber a era planetária e apreender o problema ecológico”, como destaca no livro “Rumo ao Abismo?”, de 2011, pela Bertrand Brasil.

Com isso, na constituição do pensamento complexo, há o pensamento ecologizado que, em vez de isolar o objeto estudado, o considera na e por sua relação autoecoorganizadora com seu ambiente cultural, econômico, político, natural...E para ele é preciso ir além: pensar global, agir local e pensar local e agir global.

Eu o ouvi, com esse pano de fundo e anotei com “voracidade” de quem quer aprender, o que mais me chamou a atenção em sua fala, que resultou em oito páginas no meu pequeno companheiro de jornada – “o caderno espiral”. Assim sai de lá com ideias e motivações. Já vinha contagiada com outras impressões, provenientes da leitura que estou fazendo da obra que citei acima, que apresenta textos escritos por ele, durante os anos 2000. Sem falar, do clássico “Sete Saberes da Educação”, que é uma referência que tenho há alguns anos, entre outras.

Num ir e vir constante – entre o caminhar para o abismo e a esperança - Morin desnudou, de certa forma, a inconstância de nós, seres humanos, por meio da dialética, e lembrou o quanto é importante nos conectarmos aos saberes globais e aprendermos a nos auto-reconhecer, antes de prosseguir. “...A nossa civilização desenvolveu o egocentrismo, mas do lado bom, a autonomia...”, ponderou. E tocou num ponto central para ele: a destruição das solidariedades tradicionais nas famílias, entre vizinhos, no ambiente de trabalho...”São os aspectos mais negativos do processo de globalização”, disse.

Ele apontou o sentido de ambivalência, que permeia o mundo na atualidade. “Houve a formação de novas classes médias em países emergentes como o Brasil. Mas também esse processo de globalização fez que outra parte da população pobre, como os camponeses, fossem expulsos de suas terras, para as periferias das cidades, às favelas...Um bilhão de pessoas vivem na condição próxima à miséria...”.

Segundo ele, isso demonstra o equívoco da noção de desenvolvimento padronizada, entre países diferentes. “Ignora-se, dessa forma, a cultura, a arte de viver, as ilusões e erros que existem em cada um”. E citou como exemplo o conhecimento “rico” sobre as florestas, dos xamãs dos povos indígenas da Amazônia (que chega a ser menosprezado). “Seria melhor se houvesse uma simbiose”.

E lembrou que as grandes revoluções, sejam no campo religioso, político começaram de forma modesta. Nessa hora, fez com que embarcássemos com ele no Budismo, no Cristianismo, no Islamismo, como também, no Socialismo (Marx...), no Anarquismo (Proudhon, Bakunin)..um passeio pela história. Mencionou importantes pensadores, entre eles, Descartes e Galileu.

Por meio de uma analogia, comparou a sociedade a um organismo. “...A sociedade em crise pode regredir ou progredir pela criatividade. A metamorfose não é só um fenômeno dos insetos, é própria da história humana”.

A sensibilidade de Edgar Morin quanto às desigualdades foi a tônica permanente em sua exposição. “...Precisamos lutar contra as forças de desigualdade e de exploração sobre os povos africanos. É preciso proteger esses países das forças negativas da mundialização...que continua com a métrica do Produto Interno Bruto (PIB), com a economia do desperdício...”.

E foi incisivo, quanto à sua leitura sobre o que considera como ideal de nova economia. “Ela não se restringe à energia limpa. Precisa desenvolver democracias, autonomias e envolver as pessoas num tecido de solidariedade...”. Essa ausência foi um problema destacado, segundo ele, durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a Cúpula dos Povos.

“O que chamamos de economia verde não é somente energia limpa, mas necessidade de substituição das formas agrícolas predatórias, do uso de pesticidas, da pegada ecológica (em excesso). Exige a substituição por agricultura orgânica e pela economia social e solidária...”

As reformas, no seu ponto de vista, devem acontecer simultaneamente no modo de consumo, na agricultura, nas empresas... “Como pequenos riachos até formarem rios...”.

Com uma mensagem de esperança, dirigiu sua fala para o caminho das escolhas: “...Posso acreditar no altruísmo, na bondade, no amor contra as barbáries humanas. Posso esperar o improvável. São os progressos da consciência humana, o agir em conformidade com as minhas aspirações e esperanças...” Nessa lógica, não é possível defender um povo em detrimento de outro, alertou.

E com a sagacidade de quem nunca para de aprender, ao ser perguntado sobre o papel da internet na educação e sua relação com o mundo real, respondeu:
- “ A internet pode contribuir para a educação e relações e não deve eliminar o mestre, que pode colocar paixão no que faz, no contato humano afetivo...É até possível haver second life, avatar, mas isso está ligado ao poder do imaginário, ao sonho e aos mitos. Vivemos em um mundo semi-virtual. Precisamos desenvolver melhor o uso da web...Em países ditatoriais, surgem informações falsas, que exigem que sejamos mais inteligentes”, citou como exemplo.

Após essa carga imensa de conhecimento compartilhado, Edgar Morin deu sentido mais uma vez ao que defende: não é possível ser racional sem o exercício de afeto.

 

Pesquisar no site

Blog

14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...
29/01/2018 17:06

#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

Por Sucena Shkrada Resk  A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias...
26/01/2018 14:56

#Saneamentoambiental – 2018: lixões e aterros controlados, uma realidade ainda gritante no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O Ano era 2010, e a  Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) trouxe a esperança de que a gestão pública brasileira, de uma forma geral, iria se redimir dos sucessivos erros no quesito infraestrutura, ao longo de décadas. Mas do papel à realidade,...
19/01/2018 17:52

#Saúdeambiental - O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da bacia hidrográfica do Tejo, na Europa?

Por Sucena Shkrada Resk Quem um dia viu o rio Tejo, o mais extenso da Península Ibérica (da Espanha a Portugal), com 1.007 km e cuja bacia hidrográfica ocupa 80,6 mil km 2, poluído, quase sem vida e seco em vários trechos, há alguns anos observa um esforço para o processo de revitalização, de forma...
17/01/2018 08:51

#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

Por Sucena Shkrada Resk Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de...
09/01/2018 10:34

#Saúdeambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?

Por Sucena Shkrada Resk  Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores...
05/01/2018 08:59

#Protagonismofemininoindígena: da comunicação à incidência política

Entrevistada da semana: Telma Taurepang Por Sucena Shkrada Resk No Brasil e em outros países da América Latina, o papel da mulher indígena se destaca cada vez mais. No universo da comunicação, existe a iniciativa Comunicadoras y Realizadoras Indígenas, que tem incentivado este protagonismo na AL....
26/12/2017 11:45

Uma brasileira chamada Nise da Silveira...uma rebelde a favor da humanização

Por Sucena Shkrada Resk “...Nunca me fizeram a pergunta que eu queria ouvir em minha vida: onde estão os homens e mulheres que pintaram estas obras artísticas...? Este teor de questionamento quanto ao interesse da imprensa feito pela psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999), em documentário...
18/12/2017 12:27

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula!

Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk