O ônus da desigualdade no Brasil

20/10/2019 13:49

Por Sucena Shkrada Resk*

Há uma máxima que deve ser respeitada: os fatos não mentem, quando se trata de analisar a desigualdade socioeconômica no Brasil, que inclui a injustiça ambiental. Os percentuais estatísticos se revelam diariamente, nos trazendo a uma realidade gritante: o país está entre os 15 mais desiguais no mundo e basta termos sensibilidade no nosso dia a dia para enxergarmos e nos sentirmos parte desta engrenagem.  Desemprego, déficit de acesso ao saneamento, ao atendimento à saúde e educação e índices de violência são alguns desses indicadores no chão. Uma posição que nenhuma nação deve se orgulhar, não é?

Os abismos só crescem e trazem um questionamento permanente: como atingir a gênese do problema e seguir um rumo diferente de forma permanente? Que tipo de governança realmente queremos se hoje ainda milhares de cidadãos (ãs) são privados do mínimo da dignidade humana? Como atingir, de fato, as metas dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ODS/ONU) até 2030?

No último dia 16, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apresentou os seguintes resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Continua (PNADC), que é realizada desde o ano de 2012: o rendimento médio mensal real do 1% da fatia mais rica da população brasileira (2,1 milhões de pessoas) atingiu em 2018 o equivalente a 33,8 vezes o ganho obtido pelos 50% mais pobres do país (mais de 100 milhões de pessoas). É uma média mensal de R$ 27.744 contra R$ 820. Importante ficar atentos a um detalhe: menos que um salário mínimo.

O problema se acentua porque é constatado que os 30% mais pobres do país, que correspondem a aproximadamente 60 milhões, tiveram seu rendimento médio mensal reduzido, em alguns casos em até 3,2%. A matemática da desigualdade ainda é mais incisiva. Os 5% mais pobres (10 milhões de cidadãos) receberam ganhos mensais de R$ 153 em 2018, contra R$ 158 reais em 2017.  Como sobreviver com estas quantias? Um bom exercício de reflexão. Enquanto isto, a parcela do 1% mais rico teve o aumento de rendimento na faixa de 8,4%, ou seja, de R$ 25.593 para R$ 27.744, no mesmo período.

A concentração de renda é uma mazela histórica no país. O estudo “The concentration of income at the top in Brazil”, produzido pelos pesquisadores Pedro Herculano Guimarães e Marcelo Medeiros, do Instituto de Pesquisa Econômica (Ipea), sobre o período de 2006 – 2014, já revelava que o Brasil estava em quinto lugar na desigualdade entre 29 países — entre desenvolvidos e em desenvolvimento —em que a parcela mais rica da população recebia mais de 15% da renda nacional. O 1% mais rico do Brasil concentrava entre 22% e 23% do total da renda do país, nível bem acima da média internacional. O documento foi publicado no ano passado pelo Centro Internacional de Políticas para o Crescimento Inclusivo do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (IPC-IG/PNUD).

Já no Relatório de Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 2018, o Brasil figura em 79º lugar entre 189 países.

Os abismos no nosso dia a dia

Como nos defrontamos com estes abismos no dia a dia?  Um dos indicadores mais inquestionáveis é o do número de desempregados, que ultrapassa 12 milhões de pessoas e pelo menos 54,8 milhões de cidadãos que recebem na casa de R$ 400 mensais para sobreviver, dados baseados em informações do IBGE. Por outro lado, a carga tributária é algo astronômico para o bolso do trabalhador e é uma das maiores do mundo.

Existe ainda a estimativa que mais de 102 mil pessoas vivam em situação de rua e segundo o IPEA, apenas 47% da população de rua estava no Cadastro Único de Programas Sociais. Isso significa que há dados subestimados.

Um dos termômetros mais implacáveis é o do saneamento. O Brasil ainda tem 48% de nossa população sem acesso à colega de esgoto, o que é similar a 5.650 piscinas olímpicas despejando esgoto diariamente, segundo o Instituto Trata Brasil. Neste decréscimo, ainda a 35 milhões de brasileiros não chega também água tratada. A área da saúde é um reflexo irrefutável desta desigualdade socioeconômica. Em 2017, houve a internação de 289 mil pessoas em decorrência de diarreia e 50% delas eram crianças, entre 0 e 5 anos.

De todos os municípios brasileiros, menos de 10% têm leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), segundo Conselho Federal de Medicina (CFM). O retorno de doenças que eram consideradas erradicadas ou controladas é mais um sinal da desigualdade.  Temos como exemplo, o sarampo e a malária, entre outros. Quinze pessoas morrem, em média, de desnutrição no Brasil, diariamente.

Quando o assunto é energia elétrica, a estimativa é de que não chegou a 2 milhões de pessoas, de acordo com dados apurados com concessionárias de energia.

O país tem mais de 38 milhões de analfabetos funcionais e 11,5 milhões acima de 15 anos não sabem nem ler ou ou escrever. O Plano Nacional de Educação, de 2014, prevê erradicar o analfabetismo absoluto até 2024.

A violência também é uma chaga no país. Há uma morte violenta a cada 12 minutos no Brasil – 118 por dia, em média. A situação dos idosos também preocupa. Em 2017, o Ministério dos Direitos Humanos registrou mais de 33 mil denúncias de abusos e agressões.

As lacunas em todas estas áreas demonstram a ineficiência da gestão pública não solucionadas. São alertas que expõem que infraestrutura básica é mais do que essencial para a sustentação de avanços em um país. Os mais pobres consequentemente são os mais vulneráveis aos eventos extremos climáticos. E, sem dúvida, o Produto Interno Bruto (PIB) esconde estas injustiças socioeconômicas e ambientais.  

*Sucena Shkrada Resk - jornalista, formada há 27 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

12/04/2019 - Podcast 3 – As facetas das desigualdades sociais no Brasil , entre outras sobre saneamento, saúde e educação

Pesquisar no site

Blog

07/04/2020 14:31

Parte 3: A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha

Neste Dia Mundial da Saúde (07/04), fica o alerta em defesa de nossos profissionais da área da saúde Por Sucena Shkrada Resk* A batalha contra a Covid-19 está resultando em muitas baixas no front, em todo o mundo. No município de São Paulo, o médico socorrista Paulo Fernando, 56 anos; o enfermeiro...
30/03/2020 10:30

Parte 2: A espiral do novo coronavírus expõe a janela da fragilidade aberta no Antropoceno

Com a pandemia da Covid-19, somos obrigados a descobrir novos caminhos para a humanidade Por Sucena Shkrada Resk* Existem algumas guerras que não são estruturadas com armamentos bélicos e que são tão devastadoras quanto a estes conflitos geopolíticos que têm assolado a humanidade, como a 1ª e 2ª...
10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...
03/02/2020 11:22

Minas Gerais: um recorte sobre os abalos sísmicos e a gestão de riscos

Por Sucena Shkrada Resk* O Brasil tem na casa de 500 abalos sísmicos anualmente e pouca gente tem conhecimento disso. Minas Gerais é um dos estados que historicamente registra os maiores números de terremotos no país (a maioria entre 1 e 4 graus na Escala Richter, que vai até 10 graus), o que é um...
23/01/2020 12:18

Saúde ambiental: estado de alerta mundial para o coronavírus reflete um desequilíbrio ecossistêmico

Por Sucena Shkrada Resk* Maior parte dos registros de casos, até agora, se concentra na China e em outros países asiáticos A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta mundial sobre a propagação do coronavírus (2019-nCoV) e instituiu um comitê de emergência com renomados cientistas...
21/01/2020 13:12

Guerra na Síria: todo o peso da expressão “infância roubada” sobre mais de 5 milhões de crianças

Por Sucena Shkrada Resk* Este é um dos exemplos mais cruéis de obstáculos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que se multiplica em outras nações no mundo Quando observamos atentamente as consequências dos oito anos e meio da devastadora Guerra na Síria, alguns dos pontos mais...
17/01/2020 13:45

Ana Maria Primavesi: a pioneira semeadora da Agroecologia

Por Sucena Shkrada Resk* A construção da história se tece com ícones. Quando se trata da Agroecologia, a personagem que emerge é da engenheira agrônoma e Doutora em Cultura de Solos e Nutrição Vegetal Ana Maria Primavesi, que partiu para o outro plano, aos 99 anos, no último dia 5 de janeiro,...
16/01/2020 12:49

O Piroceno chegou e agora?

Por Sucena Shkrada Resk* Os incêndios na Austrália são o alerta mais contundente do aquecimento global na atualidade Nem nos longas-metragens mais dramáticos, poderíamos imaginar o roteiro da vida real de incêndios florestais que atingem com mais intensidade até agora especialmente a Austrália,...
15/01/2020 14:59

As mudanças climáticas desenham o cenário de urgência em saúde, na próxima década

Por Sucena Shkrada Resk Inação diante da crise pode ter um preço muito alto, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) A saúde pública é, em última análise, uma escolha política e a crise climática é uma crise de saúde. Esta afirmação ecoa um dos principais alertas em relatório divulgado neste...
20/10/2019 13:49

O ônus da desigualdade no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Há uma máxima que deve ser respeitada: os fatos não mentem, quando se trata de analisar a desigualdade socioeconômica no Brasil, que inclui a injustiça ambiental. Os percentuais estatísticos se revelam diariamente, nos trazendo a uma realidade gritante: o país está entre os...
24/08/2019 15:16

A carência de uma visão e ação integradas panamazônicas

Artigo nº 761/Podcast 8 – Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Neste ano de 2019, a evidência de posturas de governanças isolacionistas reacende uma discussão nas entranhas sul-americanas. Vivemos décadas após décadas, a carência de uma visão e ação...
13/08/2019 16:32

#ODS_4: O incentivo à leitura forjado em bibliotecas cidadãs

Atitudes de pessoas comuns fazem a diferença em suas comunidades e municípios e são fonte de inspiração em um país no qual o analfabetismo é ainda um desafio a se superar; são exemplos na busca do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS-4), na seara da educação   Por Sucena Shkrada...
06/08/2019 14:02

Poluição do ar: um assunto transversal nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Análise é feita pelo médico-patologista e pesquisador Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), em entrevista especial ao Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Não é por acaso que o sistema da...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk