O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

07/05/2018 14:08

Por Sucena Shkrada Resk

Foto: Anopheles - Divulgação/FiocruzDesmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de casos de malária (paludismo) no ano de 2017, totalizando cerca de 194 mil notificações de ocorrências na região, de acordo com o Sistema de Vigilância Epidemiológica, do Ministério da Sáude (Sivep/MS) contra 128,7 mil, em 2016 e 142,6 mil, em 2015.

No Brasil, as populações rural e ribeirinha se veem à mercê da ação dos mosquitos fêmea do gênero Anopheles, que são hospedeiros principalmente, do Plasmodium vivax (que causa forma mais branda da doença, mas que pode ser reincidente), principais transmissores da doença no país, além do falciparum (forma mais grave e altamente letal), que se proliferam em água limpa, quente, sombreada e de baixo fluxo. Na geolocalização do alerta epidemiológico, os estados do Pará, Amazonas, Acre e Roraima, além do Amapá, Maranhão, de Rondônia e do Tocantins se destacam em números totais de registros e a época mais propícia para a transmissão é durante e após o período das chuvas.

A instabilidade geopolítica também é um fator a ser destacado, tendo em vista, por exemplo, a situação na Venezuela e o processo migratório diretamente para Roraima, além da circulação histórica na região do Oiapoque com a Guiana Francesa, entre outras situações presentes em regiões transfronteiriças. A Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) alerta para o aumento da doença na América Latina, nos últimos anos, incluindo também Colômbia, El Salvador, Equador, Haiti, Honduras, México, Nicarágua e Panamá. Só na Venezuela, ocorreram mais de 406 mil casos em 2017, 69% mais que no ano anterior. A organização expõe que algumas atividades, como a mineração, a extração de produtos naturais e a agricultura, aumentam o risco de exposição das populações aos vetores nas áreas com transmissão da doença. 

A região amazônica sofreu algumas epidemias de malária, a partir do final do século XIX, em um contexto da extração de borracha nos seringais e da miscigenação e da construção da estrada de ferro Madeira-Mamoré. Principalmente após a Segunda Guerra Mundial, se concentra na região, depois de sua incidência também significativa na costa litorânea.

Estima-se que 128 milhões de pessoas vivem em áreas de risco nas Américas. No mundo, 90% dos casos são registrados na África Subsaariana. Existe uma estratégia mundial de combate à malária 2016-2030 definida pela Assembleia Mundial em Saúde, de 2015, que propõe a redução da incidência da doença e da mortalidade em pelo menos 90% até 2030. Em 2015, ocorreram 429 mil mortes, sendo a maior parte de crianças do continente africano.

O desafio da prevenção e tratamento

Como não existe ainda vacina, a prevenção fica mais difícil e depende de cuidados, como uso de repelentes, inseticidas (principalmente piretroides) específicos e mosquiteiros, como uso de roupas com mangas compridas. Existem também alguns tratamentos profiláticos com medicamentos (sob orientação médica), de acordo com a OPAS. O problema, no entanto, é o aumento de resistência dos parasitas, o que causa apreensão aos especialistas mundialmente. A doença pode ainda ser transmitida por transfusão de sangue contaminado, por meio da placenta ao feto e por meio de seringas infectadas. O período de incubação pode variar de 7 a 30 dias, com sintomas intermitentes.

Segundo pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para evitar quadros mais graves que levem a óbito, os tratamentos exigem que os diagnósticos sejam feitos nas primeiras 48 horas, após o início dos sintomas, que envolvem principalmente febre na casa dos 40 graus, calafrios, cefaleia, náuseas e dores articulares. A principal medida é a confirmação laboratorial da doença, pela microscopia da gota espessa de sangue ou por testes rápidos imunocromatográficos. Mas como está esta retaguarda justamente distante dos grandes centros urbanos? Essas ações podem significar a diferença entre a manutenção da vida e a morte.

Iniciativas de pesquisas
No campo da Ciência, algumas pesquisas estão em andamento, como da vacina contra a malária, que entra em fase-piloto em Gana, Quênia e Malau, segundo a OMS. De acordo com artigo na Scientific American Brasil, na Universidade do Arizona, foi desenvolvido um mosquito transgênico por equipe liderada pelo entomólogo Michael Riehle, que seria imune ao Plasmodium falciparum.

Outra iniciativa ocorre com a participação do Departamento de Biologia Estrutural e Funcional do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), coordenado pela professora Elizabeth Bilsland, em colaboração com as Universidades de Cambridge, Manchester e Gotemburgo, além da Universidade de São Paulo (USP) e Federal de Goiás (UFG). Trata-se da descoberta de que o “triclosan”, um composto utilizado em sabonetes e cremes dentais, tem a capacidade para inibir genes-alvo do Plasmodium vivax, tanto na fase quando se desenvolve no fígado, como nas células do sangue.

Encontra-se em fase de desenvolvimento no Instituto de Química da Unicamp, também um biossensor – com custo popular - para diagnosticar a malária transmitida pelo Plasmodium falciparum.

Todas estas medidas são importantes mas não descartam algo maior que é a intervenção humana que acelera as mudanças socioambientais, que desregulam ciclos de precipitações e períodos de estiagem, entre outros ângulos, como já é confirmado por especialistas do mundo todo. Facilitar o aumento do número de vetores abre uma janela para retrocedermos em conquistas de saúde ambiental ao longo de décadas.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
09/01/2018 - #Saúdeambiental: Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?
31/01/2016 - Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda
15/09/2014 – Especial Desenvolvimento Sustentável (parte 2): os desafios dos ODM aos ODS no Brasil
14/08/2014 – Ebola: uma emergência mundial sem fronteiras
11/12/2012 – Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
20/08/2012 – Eventos naturais extremos – prevenção no centro da pauta
07/02/2012 – Malária: uma realidade do século XXI

Crédito da foto: Anopheles/Divulgação-Fiocruz

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk 

Pesquisar no site

Blog

26/03/2012 07:34

Encontro de Educomunicação no VII Fórum de EA, por Sucena Shkrada Resk

Desde 2008, venho me familiarizando com o universo da educomunicação socioambiental, quando cobri profissionalmente o VI Simpósio Brasileiro de Educomunicação, no Sesc Vila Mariana, e comecei a pesquisar e levar esse aprendizado à construção de artigos, entrevistas e matérias e aos alunos em sala...
22/03/2012 22:12

Nota: EIMA8 lança informe rumo à Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

No último dia 15, ocorreu o lançamento do Informe Eima8, do Encontro Iberoamericano sobre Desenvolvimento Sustentável, realizado pela Fundación CONAMA e parceiros, em outubro passado, em São Paulo. A íntegra do documento, que discute ações e desafios rumo à RioMais20, nos eixos da economia verde,...
22/03/2012 21:42

Campanha A Água e a Segurança Alimentar, por Sucena Shkrada Resk

Hoje, data em que se comemora o Dia Mundial da Água 2012, uma das inúmeras iniciativas pelo mundo, é a Campanha "A Água e a Segurança Alimentar", promovida pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). O objetivo é incentivar a redução do consumo, o uso racional e...
22/03/2012 21:25

Nota: Amazônia no Google Street View, por Sucena Shkrada Resk

Agora, é possível ver alguns cenários da Amazônia, em boa resolução, na plataforma Google Street View (com visão de 360 graus). A região do rio Negro é um dos destaques no acervo de imagens...Esse projeto foi realizado em parceria com a Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e com o Centro Estadual de...
22/03/2012 21:03

Resíduos sólidos: Projeto mapeia aterros sanitários necessários no país, por Sucena S. Resk

A Associação Brasileira de Resíduos Sólidos e Limpeza Pública (ABLP) lançou um projeto técnico, nesta semana, que prevê a implantação no país, de 256 aterros sanitários de grande porte e 192 de pequeno porte, totalizando 448 aterros, a um custo total de cerca de R$ 2 bilhões. A iniciativa visa a...
22/03/2012 20:20

Sustentabilidade: Gro Brundtland no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

Gro Brundtland está na Amazônia e participou de entrevista coletiva no 3º Fórum Mundial de Sustentabilidade, que acontece em Manaus, promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais. A ex-ministra norueguesa, que coordenou o relatório Nosso Futuro Comum , importante documento que começou a...
16/03/2012 21:12

Aziz Ab`Saber: uma mente brilhante, por Sucena Shkrada Resk

Fiquei contente em encontrar em meu arquivo de imagens, a foto que tirei do professor Aziz Ab`Saber, em 30 de abril do ano passado, quando fui conversar com ele, após o espetáculo de Ariano Suassuna, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. Sentado na primeira fileira, com a voz mansa e demonstrando a...
13/03/2012 11:39

#RioMais20: Reflexão: Como entender o jogo do tabuleiro?, por Sucena Shkrada Resk

Como que a sociedade civil não-organizada pode entender o "jogo de tabuleiro" da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (#RioMais20) e da #CúpuladosPovos na Rio+20 por Justiça Social e Ambiental? Não há receita de bolo para isso, mas é necessário que compreendendamos quais...
13/03/2012 08:16

Nota: expectativas oficiais sobre a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

#Rumo_à_Rio+20 - A agenda da reunião de negociações dos países continua...(19 a 27/03 - 23/4 a 04/05 - 13/06 a 15/06), antes da rodada oficial. Segundo Sha Zukang, secretário-Geral da Conferência, a expectativa é de que governos, empresas e outras partes interessadas registrem mais de 1.000...
12/03/2012 21:09

Nota: Os vazios deixados por Fukushima, por Sucena Shkrada Resk

#Fukushima_um_ano - O desafio de se preencher vazios. Esse pensamento me passou ao ver as manifestações realizadas no domingo, com relação ao aniversário de um ano do terremoto e tsunami no Japão, que resultaram no desastre nuclear em Fukushima e em 15.853 mortes e estragos em outras cidades. Ainda...
12/03/2012 19:20

Versão em português dá dicas de 50 livros sobre sustentabilidade, por Sucena Shkrada Resk

Como fazer com que a palavra sustentabilidade não caia no descrédito? Quem nunca se questionou, ao menos, uma vez, ao ouvir aos “quatro ventos” o seu uso para os mais diferentes comportamentos e ações, já que se tornou corriqueira, em propagandas, nem sempre, condizentes ao conceito? Para ajudar...
11/03/2012 22:23

P.1- Paulo Nogueira-Neto:história que se funde com o ambientalismo brasileiro, por Sucena S.Resk

Falar sobre Paulo Nogueira-Neto não é uma das tarefas mais fáceis, afinal, é figura-chave para a compreensão da história “viva” do socioambientalismo brasileiro e internacional. Prestes a completar 90 anos, em 18 de abril, esse paulistano continua a contribuir com suas reflexões oriundas de uma...
11/03/2012 12:55

Nota: como participar do processo da Cúpula dos Povos?, por Sucena Shkrada Resk

11/03 - Para facilitar a compreensão, no processo de participação da #Cúpuladospovos , seguem duas maneiras divulgadas pela organização: - Chamada para participação de entidades (atividades autogestionadas) - https://cupuladospovos.org.br/2012/02/como-voce-pretende-participar-da-cupula-dos-povos/ -...
10/03/2012 08:07

Refugiados climáticos: do alerta ao fato, por Sucena Shkrada Resk

O anúncio feito pelo governo insular de Kiribati (arquipélago no Pacífico), em 2010, começa a se concretizar em 2012...Esse é um fato real, poucos meses antes da Rio+20. O líder do governo anunciou que o país deve adquirir 20 km² de terras em Fiji, para poder levar aos poucos a sua população de...
05/03/2012 17:43

Rio+20: Zukang no Brasil e cidadãos na mobilização, por Sucena Shkrada Resk

O principal papel da cidadania é exercê-la, senão se torna figurativa. No contexto da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20, o acompanhamento de algumas agendas e documentos também possibilita a construção de argumentos mais sólidos nas bandeiras de lutas. Afinal,...
04/03/2012 12:30

Pensata - Rio+20: agora é a vez do como, por Sucena Shkrada Resk

Com toda a efervescência da Rio+20 e seus contextos...sabemos o que está "errado", já foi feito o diagnóstico. Agora, está mais do que na hora de pular essa etapa e partir para o como fazer diferente e melhor...E poucos tratam disso. Onde encontramos algo sistematizado, desde modelos e boas...
03/03/2012 10:06

Pensata: Comunicação compartilhada, por Sucena Shkrada Resk

#Comunicação_compartilhada é o exercício do desapego...Começa por ideias, reflexões e informações para seguir a ações e mudanças de valores. Mas não basta o ctrl C, ctrl V...mas a intenção, a escolha do tema, a utilidade do mesmo, que está na rede dos porquês, dos 'comos' e para quês...Quando...
03/03/2012 07:09

O desafio de reaprendermos a ser humanos, por Sucena Shkrada Resk

Alguns ensinamentos na vida são para sempre. Nesse repertório adquirido no dia a dia, as palavras de Nélida Céspedes, educadora peruana, presidente do Conselho de Educação de Adultos da América Latina (CEAAL), proporciona muitas reflexões: "Precisamos reaprender a ser seres humanos". A frase dita,...
02/03/2012 17:14

A importância da discussão da água na Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

Hoje ao ler a matéria 2,7 bilhões de pessoas sofrem com escassez de água, veiculada no Estadão, e acompanhar as discussões que envolvem o VI Fórum Mundial da Água, que acontecerá, em Marselha, entre os dias 12 e 17, reflito o seguinte, no contexto da Conferência das Nações Unidas sobre...
26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk