O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

07/05/2018 14:08

Por Sucena Shkrada Resk

Foto: Anopheles - Divulgação/FiocruzDesmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de casos de malária (paludismo) no ano de 2017, totalizando cerca de 194 mil notificações de ocorrências na região, de acordo com o Sistema de Vigilância Epidemiológica, do Ministério da Sáude (Sivep/MS) contra 128,7 mil, em 2016 e 142,6 mil, em 2015.

No Brasil, as populações rural e ribeirinha se veem à mercê da ação dos mosquitos fêmea do gênero Anopheles, que são hospedeiros principalmente, do Plasmodium vivax (que causa forma mais branda da doença, mas que pode ser reincidente), principais transmissores da doença no país, além do falciparum (forma mais grave e altamente letal), que se proliferam em água limpa, quente, sombreada e de baixo fluxo. Na geolocalização do alerta epidemiológico, os estados do Pará, Amazonas, Acre e Roraima, além do Amapá, Maranhão, de Rondônia e do Tocantins se destacam em números totais de registros e a época mais propícia para a transmissão é durante e após o período das chuvas.

A instabilidade geopolítica também é um fator a ser destacado, tendo em vista, por exemplo, a situação na Venezuela e o processo migratório diretamente para Roraima, além da circulação histórica na região do Oiapoque com a Guiana Francesa, entre outras situações presentes em regiões transfronteiriças. A Organização Pan-americana de Saúde (OPAS) alerta para o aumento da doença na América Latina, nos últimos anos, incluindo também Colômbia, El Salvador, Equador, Haiti, Honduras, México, Nicarágua e Panamá. Só na Venezuela, ocorreram mais de 406 mil casos em 2017, 69% mais que no ano anterior. A organização expõe que algumas atividades, como a mineração, a extração de produtos naturais e a agricultura, aumentam o risco de exposição das populações aos vetores nas áreas com transmissão da doença. 

A região amazônica sofreu algumas epidemias de malária, a partir do final do século XIX, em um contexto da extração de borracha nos seringais e da miscigenação e da construção da estrada de ferro Madeira-Mamoré. Principalmente após a Segunda Guerra Mundial, se concentra na região, depois de sua incidência também significativa na costa litorânea.

Estima-se que 128 milhões de pessoas vivem em áreas de risco nas Américas. No mundo, 90% dos casos são registrados na África Subsaariana. Existe uma estratégia mundial de combate à malária 2016-2030 definida pela Assembleia Mundial em Saúde, de 2015, que propõe a redução da incidência da doença e da mortalidade em pelo menos 90% até 2030. Em 2015, ocorreram 429 mil mortes, sendo a maior parte de crianças do continente africano.

O desafio da prevenção e tratamento

Como não existe ainda vacina, a prevenção fica mais difícil e depende de cuidados, como uso de repelentes, inseticidas (principalmente piretroides) específicos e mosquiteiros, como uso de roupas com mangas compridas. Existem também alguns tratamentos profiláticos com medicamentos (sob orientação médica), de acordo com a OPAS. O problema, no entanto, é o aumento de resistência dos parasitas, o que causa apreensão aos especialistas mundialmente. A doença pode ainda ser transmitida por transfusão de sangue contaminado, por meio da placenta ao feto e por meio de seringas infectadas. O período de incubação pode variar de 7 a 30 dias, com sintomas intermitentes.

Segundo pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), para evitar quadros mais graves que levem a óbito, os tratamentos exigem que os diagnósticos sejam feitos nas primeiras 48 horas, após o início dos sintomas, que envolvem principalmente febre na casa dos 40 graus, calafrios, cefaleia, náuseas e dores articulares. A principal medida é a confirmação laboratorial da doença, pela microscopia da gota espessa de sangue ou por testes rápidos imunocromatográficos. Mas como está esta retaguarda justamente distante dos grandes centros urbanos? Essas ações podem significar a diferença entre a manutenção da vida e a morte.

Iniciativas de pesquisas
No campo da Ciência, algumas pesquisas estão em andamento, como da vacina contra a malária, que entra em fase-piloto em Gana, Quênia e Malau, segundo a OMS. De acordo com artigo na Scientific American Brasil, na Universidade do Arizona, foi desenvolvido um mosquito transgênico por equipe liderada pelo entomólogo Michael Riehle, que seria imune ao Plasmodium falciparum.

Outra iniciativa ocorre com a participação do Departamento de Biologia Estrutural e Funcional do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), coordenado pela professora Elizabeth Bilsland, em colaboração com as Universidades de Cambridge, Manchester e Gotemburgo, além da Universidade de São Paulo (USP) e Federal de Goiás (UFG). Trata-se da descoberta de que o “triclosan”, um composto utilizado em sabonetes e cremes dentais, tem a capacidade para inibir genes-alvo do Plasmodium vivax, tanto na fase quando se desenvolve no fígado, como nas células do sangue.

Encontra-se em fase de desenvolvimento no Instituto de Química da Unicamp, também um biossensor – com custo popular - para diagnosticar a malária transmitida pelo Plasmodium falciparum.

Todas estas medidas são importantes mas não descartam algo maior que é a intervenção humana que acelera as mudanças socioambientais, que desregulam ciclos de precipitações e períodos de estiagem, entre outros ângulos, como já é confirmado por especialistas do mundo todo. Facilitar o aumento do número de vetores abre uma janela para retrocedermos em conquistas de saúde ambiental ao longo de décadas.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
09/01/2018 - #Saúdeambiental: Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?
31/01/2016 - Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda
15/09/2014 – Especial Desenvolvimento Sustentável (parte 2): os desafios dos ODM aos ODS no Brasil
14/08/2014 – Ebola: uma emergência mundial sem fronteiras
11/12/2012 – Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
20/08/2012 – Eventos naturais extremos – prevenção no centro da pauta
07/02/2012 – Malária: uma realidade do século XXI

Crédito da foto: Anopheles/Divulgação-Fiocruz

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk 

Pesquisar no site

Blog

08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...
29/01/2018 17:06

#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

Por Sucena Shkrada Resk  A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias...
26/01/2018 14:56

#Saneamentoambiental – 2018: lixões e aterros controlados, uma realidade ainda gritante no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O Ano era 2010, e a  Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) trouxe a esperança de que a gestão pública brasileira, de uma forma geral, iria se redimir dos sucessivos erros no quesito infraestrutura, ao longo de décadas. Mas do papel à realidade,...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk