Mortes de ativistas socioambientais não podem se perder nas estatísticas

26/06/2016 22:35

Por Sucena Shkrada Resk

Muitos nomes em algumas lápides por este Brasil podem ser anônimos para a maioria de nós, mas representam o descaso cada vez maior com a vida de cidadãos e cidadãs, que fazem parte de comunidades indígenas, que pleiteiam a demarcação de terra que se estende em processos morosos, ou reivindicam o cessar da pressão sobre suas terras. Nesse  hall, outros brasileiros que têm suas vidas interrompidas pertencem a populações tradicionais atingidas por grandes empreendimentos. Todos sucumbem em conflitos ou literalmente em emboscadas covardes, que envolvem em algum grau, o uso da terra. Em qualquer uma das circunstâncias, as ocorrências viram manchetes por alguns dias e depois caem no esquecimento. As mortes desses ativistas não podem ficar impunes e se perder nas estatísticas.

Depois do caso emblemático de Chico Mendes, no final dos anos 80, muitas pessoas continuam reféns de uma violência desmedida. Ano a ano os assassinatos têm aumentado no país. Foram pelo menos 50 mortes, no ano passado, de pessoas ligadas à defesa de questões socioambientais, segundo a organização não governamental Global Witness. As baixas estão relacionadas principalmente à mineração, ao agronegócio, à exploração madeireira e a projetos de hidrelétricas.

O Brasil figura na liderança mundial deste estado de insegurança, seguido por Filipinas, Colômbia, Peru, Nicaragua e República Democrática do Congo, entre outros países. Os casos não param de acontecer. E do total de 185 casos apurados mundialmente, 67 ocorreram com indígenas.

No documento, é citado o aumento da violência principalmente na região amazônica e dão como exemplo o caso de Isídio Antonio, da comunidade de Vergel, do Maranhão, que foi uma das últimas vítimas na região. O ativista tinha sofrido vários ataques e recebeu ameaças de morte por defender a terra de sua comunidade contra um grupo de fazendeiros poderosos que exploram madeira. Segundo a ONG, as autoridades ignoraram o pedido de proteção feito por ele. No mapa no relatório, em cada clique com o mouse é possível ver o nome da vítima e a data do assassinato.

Após este levantamento, a violência prossegue. Um dos casos mais recentes, aqui no país, envolve Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza, um guarani-kaiowá de 26 anos, morto neste mês, em Mato Grosso do Sul. E após cinco meses do desaparecimento de Nilce de Souza Magalhães, mais conhecida como Nicinha, o seu corpo foi encontrado no lago da barragem da Usina Hidrelétrica Jirau, em Porto Velho (RO). Ela era uma liderança do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB).

Apesar de essa situação já ter alcance internacional, inclusive da Organização das Nações Unidas (ONU), a governança sobre a solução desses casos se encontra figurativamente sob uma nau desgovernada. Victoria Tauli-Corpuz, relatora especial das Nações Unidas sobre direitos das populações indígenas, já havia alertado o governo brasileiro em março sobre o "risco potencial de efeitos etnocidas (sobre indígenas) que não pode ser desconsiderado nem subestimado". Ela havia feito uma reunião com representantes de 50 povos indígenas.

O que é difícil quebrar é o modo de operação predominante nos eixos dos setores econômicos, nos quais os casos acontecem, pois permanece o mesmo. Literalmente ninguém garante a segurança física, além da psicológica dessas populações fragilizadas diante de um poder que não se detém em atingir seus propósitos a qualquer custo. Nestas ocorrências, são vítimas de verdadeiras quadrilhas organizadas, não há outra denominação a dar.

As famílias, comunidades, companheiros de militância destes ativistas assassinados vivem dia a dia o receio de serem vítimas em potencial. Apelam à polícia federal, ao Ministério Público, ao Ministério da Justiça, às organizações de direitos humanos, aos governantes e, acima de tudo, à sociedade. Quem conseguirá frear esses ataques, sendo que muitos ainda estão impunes? Cada um de nós se nos sentirmos distantes deste problema, talvez consigamos aparentemente nos blindar temporariamente, mas carregaremos o ônus de sermos coniventes a um sistema de injustiça socioambiental crescente.

Por isso, as urnas também são um instrumento que temos para pressionar que os governos e o legislativo façam, de fato, o seu papel. Seja na demarcação, em planos de energia que visem o bem-estar da população e obras realmente necessárias com matrizes limpas e com menos impacto socioambiental, que os processos de escuta, audiência sejam realmente executados e analisados, que bandidos de colarinho branco ou com grande poder econômico sejam presos e não fiquem perpetuando o sofrimento alheio. Será utopia querer tudo isso? Afinal é exatamente do pensamento utópico que nascem as ações necessárias para a realização das mudanças nos modelos político e econômico, que não estão dando mais certo. Então, escrevamos um novo capítulo dessa história e não esperemos que mais uma família chore seu ente que teve sua vida ceifada. 

Veja também:
12/11/2014 - Justiça Socioambiental: um grande gargalo no Brasil

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

12/04/2019 13:41

Podcast 3 - Blog Cidadãos do Mundo - as facetas das desigualdades sociais no Brasil, por Sucena Shkrada Resk*

Olá, compartilho hoje com vocês o terceiro podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo. Estou trazendo para este espaço algumas reflexões sobre a questão da desigualdade social que historicamente tem afetado o Brasil, e que traduz aquela lacuna de desenvolvimento, que revela as facetas ainda...
02/04/2019 15:05

Podcast 2 - Blog Cidadãos do Mundo - Uma imersão no turismo de base comunitária, por Sucena Shkrada Resk

Olá, estou tratando no segundo podcast do meu Blog jornalístico Cidadãos do Mundo, da reflexão sobre o turismo de base comunitária e o etnoturismo, que saem da esfera convencional que conhecemos e trazem um ingrediente importante: a junção da proposta da conservação ambiental com a valorização...
27/03/2019 17:39

Primeiro podcast do Blog Cidadãos do Mundo traz reflexão sobre os efeitos do ciclone Idai na África

Olá, neste ano de 2019, eu, Sucena Shkrada Resk, estou ampliando o formato de linguagem do meu blog jornalístico Cidadãos do Mundo, com a introdução de podcasts periódicos, no qual faço comentários e reflexões sobre temas socioambientais, de sustentabilidade e cidadania, além dos artigos e...
25/03/2019 13:20

Podcast - Agricultura orgânica: grupo de mulheres revela o casamento da faceta da raiz cultural às sementes crioulas

Por Sucena Shkrada Resk  A entrevistada desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk, é a agricultora familiar pernambucana Vilma Martins (terceira à direita na foto), radicada em São Paulo, que integra a composição feminina do Grupo de Agricultores Urbanos...
20/02/2019 14:05

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano

Por Sucena Shkrada Resk* A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos...
08/02/2019 12:42

Rompimentos de barragens de rejeitos minerais revelam cenário de insegurança no país

Por Sucena Shkrada Resk* Ausência e/ou ineficiência nas precaução e prevenção, manutenção, em monitoramento e investimento em tecnologias mais seguras e em fiscalização contínua na destinação e tratamento de rejeitos minerais. Essa série de potenciais causas tem demonstrado um verdadeiro campo...
25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk