Minas Gerais: um recorte sobre os abalos sísmicos e a gestão de riscos

03/02/2020 11:22

Por Sucena Shkrada Resk*

O Brasil tem na casa de 500 abalos sísmicos anualmente e pouca gente tem conhecimento disso. Minas Gerais é um dos estados que historicamente registra os maiores números de terremotos no país (a maioria entre 1 e 4 graus na Escala Richter, que vai até 10 graus), o que é um aspecto relevante que deveria ter um peso considerável para se tecer de forma mais segura, os planejamentos urbanos, como também objeções a tantas lavras minerárias, que mantêm detonações e consequentemente passivos ambientais, como barragens de rejeitos, que desestabilizam o solo.

No estado, algumas das localidades que têm apresentado mais incidências dos tremores, nas últimas décadas, são Nova Lima, Pedro Leopoldo e São José da Lapa, na região metropolitana de Belo Horizonte; Capitão Enéas, Itacarambi e Montes Claros, na região norte mineira, e Carmo do Cajuru, no centro-oeste do estado, entre outras. Os reflexos dos tremores geralmente são sentidos a quilômetros de distância, o que potencializa os seus efeitos.

Na sexta-feira, 31 de janeiro, a Rede Sismográfica Brasileira registrou um abalo sísmico, na região de Santo Antônio do Jacinto; no dia 30, no município de Santa Bárbara, MG. No dia 28, foi em Sete Lagoas, e no dia 22, em Pedro Leopoldo e em 21 de janeiro, em Capim Branco.

As combinações de ações humanas e fenômenos naturais, como estes abalos sísmicos, mesmo que com baixa e média magnitudes, geram apreensão. Imagine o temor que moradores da cidade histórica de Congonhas sentiram em novembro de 2019, por exemplo, quando houve um terremoto de 3.2 na Escala Richter, na altura da cidade de Belo Vale. Essas pessoas estavam a uma distância de 40 km do epicentro, e convivem com a pressão quanto à presença de uma barragem de rejeito próxima. Nesta ocasião, não houve nenhum dano registrado, mas o risco sempre existe. Em maio do mesmo ano, houve um sismo de 3.9 na região de Delfinópolis, divisa com o estado de São Paulo, que foi o maior em 29 anos naquela localidade.

De acordo com a Rede Sismográfica Brasileira, o município de Felixlândia, onde fica a Usina Hidrelétrica de Três Marias, apresentou tremor em 22 de julho de 2019 e 05 de dezembro do mesmo ano.

Todas estas ocorrências alertam para a necessidade de um sistema de precaução e adaptação mais rigorosos e isto implica modelos construtivos mais seguros e zonas nas quais não deveriam haver povoamentos, seja na zona urbana ou rural. Relevos acidentados acentuam o grau de gravidade na construção de cenários.

Estudos começam a expor este aspecto geomorfológico, de falhas geológicas e/ou de encontros de placas tectônicas, importante que deveria ter maior relevância nos planejamentos urbanos, tendo em vista, as inúmeras áreas de risco no estado. Em 2017, por exemplo, o Núcleo de Estudos Sismológicos (NES) da Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes) realizou um levantamento, no qual apurou que no ano de 2016, houve 88 tremores no estado, sendo que 36 aconteceram em municípios próximos a Belo Horizonte e 34, no Norte de Minas.  A maior incidência no Brasil.

Numa linha histórica, entre 1824 e janeiro de 2017, foram totalizados 738 tremores no estado. Quatro deles acima de 4 graus na Escala Richter. O município de Itacarambi, em dezembro de 2007, sofreu um abalo sísmico na ordem de 4,9 graus, que resultou no registro da primeira morte provocada por um tremor de terra no Brasil, de uma menina de 5 anos. Já Montes Claros se configurou como o município com o maior número de casos no mesmo período: um total de 172 tremores. A causa se deve à falha geológica encontrada a cerca de 2 mil metros de profundidade, com três quilômetros de extensão, entre a região do Parque Estadual da Lapa Grande e a área urbana. 

Este trabalho foi uma cooperação técnico-científica com o Observatório Sismológico da UnB e o Centro de Sismologia da Universidade de São Paulo (IAG/USP).

Com estas constatações, é possível observar que as agendas dos gestores públicos não podem se atrelar a grandes “guardas-chuvas”, sem se ater aos detalhes. Porque são estes detalhes que compreendem o que é definido como gestão de riscos.

*Sucena Shkrada Resk - jornalista, formada há 28 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
02/10/2014 – Especial Desenvolvimento Sustentável (parte 8): o Haiti não pode ser esquecido
13/04/2014 – A curiosa Gansu: dos terremotos à energia renovável
17/11/2013 – COP19 e a tragédia filipina: realidade cobra eficiência da política mundial
12/03/2012 – Nota: os vazios deixados por Fukushima

 

Pesquisar no site

Blog

14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...
29/01/2018 17:06

#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

Por Sucena Shkrada Resk  A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias...
26/01/2018 14:56

#Saneamentoambiental – 2018: lixões e aterros controlados, uma realidade ainda gritante no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O Ano era 2010, e a  Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) trouxe a esperança de que a gestão pública brasileira, de uma forma geral, iria se redimir dos sucessivos erros no quesito infraestrutura, ao longo de décadas. Mas do papel à realidade,...
19/01/2018 17:52

#Saúdeambiental - O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da bacia hidrográfica do Tejo, na Europa?

Por Sucena Shkrada Resk Quem um dia viu o rio Tejo, o mais extenso da Península Ibérica (da Espanha a Portugal), com 1.007 km e cuja bacia hidrográfica ocupa 80,6 mil km 2, poluído, quase sem vida e seco em vários trechos, há alguns anos observa um esforço para o processo de revitalização, de forma...
17/01/2018 08:51

#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

Por Sucena Shkrada Resk Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de...
09/01/2018 10:34

#Saúdeambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?

Por Sucena Shkrada Resk  Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores...
05/01/2018 08:59

#Protagonismofemininoindígena: da comunicação à incidência política

Entrevistada da semana: Telma Taurepang Por Sucena Shkrada Resk No Brasil e em outros países da América Latina, o papel da mulher indígena se destaca cada vez mais. No universo da comunicação, existe a iniciativa Comunicadoras y Realizadoras Indígenas, que tem incentivado este protagonismo na AL....
26/12/2017 11:45

Uma brasileira chamada Nise da Silveira...uma rebelde a favor da humanização

Por Sucena Shkrada Resk “...Nunca me fizeram a pergunta que eu queria ouvir em minha vida: onde estão os homens e mulheres que pintaram estas obras artísticas...? Este teor de questionamento quanto ao interesse da imprensa feito pela psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999), em documentário...
18/12/2017 12:27

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula!

Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk