Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

05/03/2018 14:55

Por Sucena Shkrada Resk

 Divulgação: Wangari MaathaiQuando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao importante legado que esta ativista deixou ao continente africano, ou melhor, ao planeta, foi algo natural. Praticamente sete anos depois, nas proximidades do Dia Internacional da Mulher e neste mês das “Águas”, retomar os propósitos desta cidadã resiliente, que focou sua vida em ações voltadas à justiça socioambiental, se torna mais uma vez, coerente, diante de uma contemporaneidade, na qual há flagrantes de um esquecimento histórico sobre elos de aprendizados que tecem essa rica teia de historicidade.

"Se você destruir a floresta, então o rio deixará de fluir, as chuvas se tornarão irregulares, as lavouras falharão e você morrerá de fome...”, dizia Wangari, que era uma mulher negra, de origem camponesa, ativista dos Direitos Humanos, bióloga, mestre em Ciências e PhD em Anatomia Veterinária. Ela unia esta multiplicidade de olhares em ações concretas locais e de relevância internacional, e tinha como princípio que a chave para o auto-empoderamento e a conservação reside nos valores espirituais tradicionais: amor ao meio ambiente, auto-aperfeiçoamento, gratidão e respeito, e um compromisso com o serviço. Este vídeo traz esta mensagem de forma objetiva -  https://youtu.be/BQU7JOxkGvo.

Como será que Wangari se sentiria, ao constatar em 2018, que nos últimos anos, seu povo continua a sofrer com a subnutrição em muitas partes de seu país atingido por uma seca persistente associada ao desmatamento, que é ainda um desafio a ser superado? São cerca de três milhões de pessoas ameaçadas pelos eventos climáticos extremos. Países vizinhos, como a Somália, também enfrentam esta situação grave. Para superar este estado de escassez, alguns camponeses começaram a criar insetos para poder se alimentar e voluntários chegam a percorrer dezenas de quilômetros para fornecer água a animais isolados.  

Certamente esta realidade não seria aceitável, para esta mulher que sustentava suas ações na premissa de gestão ambiental sustentável, governança democrática e cultura de paz. Por meio do Green Belt Movement (Movimento Cinturão Verde), que ela criou, desde 1977 até hoje, já foram plantadas em sistema comunitário mais de 51 milhões de árvores, dentro do conceito de recuperação de bacias hidrográficas e de promoção de geração de renda das comunidades locais. Uma ideia que faz sentido de aplicação em qualquer país no mundo, mas que precisa ser introduzida como uma renovação cultural e de valores.

Em fevereiro deste ano, Marion Kamau, atual presidente do Green Belt Movement foi convocada para presidir uma força-tarefa para fiscalizar a gestão dos recursos florestais e de exploração madeireira, no Ministério do Meio Ambiente do Quênia.  Nas entrelinhas, isto representa que a inspiração de Wangari continua presente e serve como objeto de reflexão em países sul-americanos, como o Brasil, onde o desmatamento pode culminar uma situação irreversível na Amazônia, conforme artigo do pesquisador americano Thomas Lovejoy e do brasileiro Carlos Nobre, na revista Science Advances.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

Retrospectiva - 26/09/2011 09:47
Wangari Maathai: um exemplo a seguir, por Sucena Shkrada Resk
"Você não pode proteger o meio ambiente, a menos que capacite as pessoas, as informe e ajude a entender que esses recursos são próprios e devem protegê-los". Essa frase de Wangari Maathai, criadora do Green Belt Movement (Movimento Cinturão Verde), traduzida em ações, nos incentiva a melhorar, pelas mais diferentes razões. Pode-se dizer, sem dúvidas, que ela é um ícone da comunidade africana, ou melhor, mundial, ao se dedicar à implementação dos princípios da sustentabilidade.

Essa mulher queniana formou-se em Biologia e fez Mestrado, por meio de bolsa de Estudos, nos EUA e foi a primeira mulher a conquistar o PhD em Anatomia, na África central e oriental, na Escola de Medicina Veterinária da Universidade de Nairobi. Nessa trajetória de emancipação, se tornou pioneira também ao presidir um departamento da Universidade e a ser nomeada professora. Uma conquista muito importante, na questão de gênero e de direitos humanos, mas transpôs a sala de aula e se dedicou à realidade do campo, da população vulnerável.

Na sua extensa biografia como ativista, comandou a Cruz Vermelha queniana nos anos 70 e foi ministra-assistente do Meio Ambiente entre 2003 e 2005. A sua agenda tinha como diretrizes o reflorestamento, proteção das florestas, e a restauração de áreas degradadas; como também projetos educacionais, com bolsas de estudo para órfãos devido ao HIV / AIDS; e acesso à nutrição aos portadores.

Uma de suas iniciativas de maior relevância foi o trabalho desenvolvido, por meio de sua organização, a partir de 1977, que resultou no plantio e replantio de cerca de 47 milhões de árvores no país, com a participação das comunidades, constituindo o sentido do empoderamento. A iniciativa nasceu, ao se defrontar com a realidade principalmente de mulheres do campo, que enfrentavam todos os tipos de dificuldades. Wangari propôs que as soluções viessem por meio de planos de manejos. Ao mesmo tempo, os camponeses deveriam proteger as bacias hidrográficas e estabilizar o solo, melhorando a agricultura.

A ideia que semeou nos anos 70 superou as fronteiras, e em 1987, já tinha seguido pela Pan African Green Belt Network , para a Tanzânia, Uganda, Etiópia, Zimbabwe e Lesoto.
As bandeiras foram ampliadas e ela se uniu a outros movimentos contra regimes ditatoriais, que acentuavam a pobreza em seu país. Uma das campanhas que iniciou, foi contra a construção de um arranha-céu em Uhuru ("Freedom") Park no centro de Nairobi, e o desmatamento de terras públicas. Durante essa militância, foi presa e espancada com outros ativistas.

Mais um trabalho relevante que não pode ser menosprezado, é que Wangari e seu movimento tiveram um papel importante na nova constituição do Quênia, ratificada pelo voto popular em 2010. O documento incluía o direito de todos os cidadãos a um ambiente limpo e saudável.

Ela colocava em prática o conceito de sustentabilidade em um contexto geopolítico e socioambiental de adversidades gritantes. Dedicou-se à proteção da selva da bacia do Congo na África central, segundo maior maciço florestal tropical do mundo...Contribuiu, em 2006, para o lançamento do Programa Um Bilhão de Árvores ao Redor do Mundo, pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnuma), que já ultrapassou a casa de bilhões.

Contribuiu também ao deixar uma bibliografia importante, calcada em suas experiências:
-The Green Belt Movement: Sharing the Approach and the Experience (2003);
- Unbowed (2006), uma auto-biografia;
- The Challenge for Africa (2008);
- Replenishing the Earth: Spiritual Values for Healing Ourselves and the World (2010).

Em 2009, ela foi designada como mensageira da paz, pela Organização das Nações Unidas (ONU).

A ativista, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz 2004, morreu neste domingo (25), aos 71 anos, devido a um câncer, em Nairóbi.

A sua partida nos entristece, mas a sua obra é tão sublime, que serve como um 'tapa com luva de pelica' à nossa inércia diante de tantas práticas erradas na condução socioambiental e, na verdade, das relações humanas...

Ao fazer a leitura de matérias a respeito, multiplicadas por agências de notícias internacionais, e ao conhecer um pouco mais de sua biografia, percebo o quanto ainda nos intitulamos mais do que realmente somos na prática.

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk 

Pesquisar no site

Blog

01/10/2014 10:49

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 7): o direito dos povos indígenas

Em Conferência Mundial, povos reforçam a necessidade de assegurar o que já é acordado em documentos internacionais, e no Brasil, há mobilizações para defender demarcações e segurança dos índios Por Sucena Shkrada Resk Declarações, convenções internacionais e leis nacionais não são suficientes para...
30/09/2014 16:09

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 6): a longevidade diz muito

Qualidade de vida e felicidade são componentes que revelam as prioridades de políticas públicas Por Sucena Shkrada Resk Diga a verdade! Tem muita gente que quer saber o segredo das japonesas e dos islandeses, não é? Eu me incluo, neste contingente de curiosos. Afinal, segundo o Relatório Mundial da...
29/09/2014 16:49

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 5): a Cúpula do Clima e a posição polêmica brasileira

País não assina a declaração mundial de países para atingir o desmatamento zero até 2030 Por Sucena Shkrada Resk Receio de quê? Esta é a primeira pergunta que vem à mente diante do posicionamento do Brasil em não assinar a declaração mundial resultante da Cúpula do Clima das Nações Unidas, com...
26/09/2014 15:09

Aristides Almeida Rocha: um olhar atento ao saneamento ambiental

  Especialista fala dos conceitos a ações e orientações práticas de soluções para corpos d´água importantes, como o rio Tietê, em São Paulo Por Sucena Shkrada Resk Praticamente meio século. Esta é a trajetória de Aristides Almeida Rocha, doutor em Ciências Biológicas, que durante a sua vida...
22/09/2014 18:04

Rio Tietê: um insistente subversivo

Por Sucena Shkrada Resk Hoje (22/09) é dia dele, de um dos rios mais ‘subversivos’ e com usos múltiplos brasileiros. Quem vê essa expressão, pode estranhar, mas já vou explicar. O adjetivo se aplica perfeitamente ao rio Tietê, que por aquelas condições que só a natureza explica, segue ao interior...
22/09/2014 10:27

Especial – Desenvolvimento Sustentável (Parte 4): caminhada pelo clima, sociedade quer ser ouvida

Crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk  Por Sucena Shkrada Resk As pessoas foram chegando pouco a pouco e por volta das 15h do domingo, lá estavam cerca de 50 brasileiros e estrangeiros, entre crianças e adultos, que se deslocaram de diferentes pontos da Grande São Paulo, até o vão do Museu...
16/09/2014 16:21

Especial - Desenvolvimento Sustentável (parte 3): de olho na justiça climática

Por Sucena Shkrada Resk As mudanças climáticas há muitas décadas deixaram de ser objeto de ‘análise’ somente circunscrito ao universo de grupo de cientistas ou especialistas e são refletidas, de forma concreta, na realidade de cada um de nós e em especial, na situação vivenciada pelos refugiados...
15/09/2014 15:58

Especial – Desenvolvimento Sustentável (parte 2): os desafios dos ODM aos ODS no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk Atingir os vários ângulos que representam o conjunto do desenvolvimento sustentável, na prática, é uma meta contínua a ser alcançada, quando nos deparamos com a realidade da tentativa da universalização de direitos. Os diferentes 'Brasis' no Brasil são uma prova disso. Um...
12/09/2014 12:18

Especial - Desenvolvimento Sustentável: como sair do círculo dos gabinetes?

Por Sucena Shkrada Resk O tempo passa e já faz dois anos que ocorreu a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), no Rio de Janeiro, quando surgiu a tarefa de as nações estabelecerem consensualmente as metas dos chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS),...
08/09/2014 14:47

Recursos hídricos: o exercício de conservação por microbacias

Por Sucena Shkrada Resk A busca por alternativas eficientes para a gestão dos recursos hídricos se torna cada vez mais constante. Uma das alternativas para otimizar esforços e ao mesmo tempo envolver mais de perto a comunidade são gestões focadas nas microbacias hidrográficas. Neste sentido, um...
04/09/2014 14:09

Onde está a vulnerabilidade social no estado de São Paulo

Por Sucena Shkrada Resk As generalizações são capazes de esconder os aspectos de vulnerabilidade social do estado mais rico do Brasil: São Paulo. Neste ponto, as pesquisas auxiliam a colocar à tona estas questões, que são cruciais para revelar para a sociedade quais são as pautas que devem ser...
03/09/2014 19:44

José Pacheco fala da importância dos educadores no Brasil

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk   Por Sucena Shkrada Resk “Antes pensava de forma etnocêntrica e considerava que o desenvolvimento pedagógico estava concentrado na Europa. Quando descobri os avanços no Brasil, desfiz essa visão equivocada, e avaliei que o país está entre os primeiros...
02/09/2014 16:49

O Código Florestal e a influência na gestão das águas

Por Sucena Shkrada Resk Dois anos após a aprovação da atual legislação florestal brasileira, lei 12651 (de 25 de maio de 2012), ocorreu no último dia 31 de agosto, a pré-estreia do documentário A Lei da água: novo Código Florestal, sob direção de André Vilela D`Elia e produção de Fernando...
01/09/2014 15:21

Oceanos com sua biodiversidade costeira e marinha: documentar para conservar

Por Sucena Shkrada Resk  Existe uma máxima que faz todo sentido. Se você não conhece e nem sequer se sente parte da imensidão azul, que são nossos oceanos e sua biodiversidade, como pode perceber que é responsável por sua conservação? Pensando nisso, a figura do documentarista, que também é um...
29/08/2014 18:09

Alerta vermelho ao estado de conservação da biodiversidade costeira e marinha brasileira

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk  Por Sucena Shkrada Resk As analogias, por muitas vezes, facilitam a melhor absorção das conexões dos fatos. Sendo assim, se aqui no Brasil, colocarmos o ecossistema costeiro e marinho no lugar do paciente e a sociedade, os gestores e legisladores no papel...
27/08/2014 17:07

Livros recheados de ternura

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk, Quinze anos se passaram, mas para a pedagoga mineira Mirtes de Souza, 60 anos, radicada em São Paulo, é como se fosse hoje. A presidente do Movimento de Mulheres do Jardim Comercial lembra bem das palavras de sua filha à época – “Mãe,...
22/08/2014 17:26

Memória - Almirante Ibsen: um defensor do conservacionismo

Por Sucena Shkrada Resk Saber do falecimento do almirante Ibsen de Gusmão Câmara, no último dia 31 de julho deste ano, me causou num primeiro momento tristeza, mas ao mesmo tempo fiquei feliz por ter tido a oportunidade de ter conhecido um pouco de sua contribuição em vida. Uma semana antes de...
21/08/2014 11:08

Suassuna, um brasileiro travestido de “esperança”

Por Sucena Shkrada Resk Foto (Acervo pessoal: Sucena Shkrada Resk/abril 2011) “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso”. Frase inesquecível do dramaturgo, poeta e romancista paraibano Ariano Suassuna (1927-2014), que penetra em nossas reflexões, por...
20/08/2014 14:35

Cantareira expõe a fragilidade do sistema de abastecimento

(Como entender a gestão das águas em SP – parte 3) Por Sucena Shkrada Resk Como dizia o pensador Heráclito de Éfeso, as águas de um mesmo rio nunca são as mesmas águas. Metaforicamente essa constatação cai como luva, quando se trata do atual quadro do Sistema Cantareira, que abastece cerca de 12...
18/08/2014 17:12

Qualidade das águas em SP (Como entender a gestão das águas - parte 2)

Por Sucena Shkrada Resk Os principais cursos d´água do estado de São Paulo apresentam baixo Índice de Qualidade das Águas (IQA), de acordo com a avaliação 2013, da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB), que observa a diluição de efluentes, em especial de origem doméstica, com...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk