Menos de cinco minutos, por Sucena Shkrada Resk

29/01/2013 11:13

Um domingo tenso e triste que se estende. Assim ficou marcado o dia 27 de janeiro de 2013 e essa semana. A tragédia em Santa Maria, no RS, preenche um espaço de tantos questionamentos, que fica difícil priorizar outras questões, pelo menos, agora. O que não sai de minha cabeça é que em menos de cinco minutos os destinos de 239 jovens (número atualizado em 28/02) foram abruptamente interrompidos e 21 permanecem internados em estado grave. Tudo isso, por quê? Um conjunto de erros, negligência e ignorância que só trouxe à tona a fragilidade dos sistemas de autorização de funcionamento de estabelecimentos de uso público – não só danceterias, mas de cinemas, teatros, magazines, mercados...Afinal, são 5.570 cidades e milhares de espaços e quantos realmente atendem às regras de segurança?

Monóxido de carbono, dióxido de carbono e outros gases entraram no organismo da maioria dos estudantes que estava lá e cravaram o fim de seus destinos. O contato do fogo com a espuma do revestimento (segundo noticiado) resultou naquela fumaça preta altamente tóxica. A combinação com o ambiente confinado se configurou como uma sentença de morte. Nesses breves momentos o que pensaram e sentiram esses jovens? Será que as autoridades, os empresários, os músicos da banda pensam sinceramente nisso?

Foram abreviadas as vidas de Alan, Alex, Ana Paula,...Cássio, Carolina, Letícia, Maicon..., Viviane, Walter...231 pessoas com histórias de vida, anseios (https://www1.folha.uol.com.br/especial/2013/tragediaemsantamaria/vitimas.shtml#A). Por mais que tentemos nos colocar no lugar de seus familiares, certamente é impossível ter a noção real do momento difícil que vivem. Alguns até agora estão em estado de choque e não acreditam no que aconteceu. Pelotões de voluntários – em especial da área de psicologia – são convocados para ajudar essas famílias. Há pais que perderam todos seus filhos...Mais de 100 deles estudavam em uma única universidade – a Federal de Santa Maria. Imaginem a atmosfera por lá...E quase 40 eram de uma única turma, que nunca irá se formar. Uma sala vazia de sonhos e de vidas no reinício do ano letivo.

Outra vez surge o questionamento: por quê? Se as regras existem, quanto à exigência de planos de emergência, contingência, que envolvem adequação das instalações com portas de emergência de acordo com demanda de público; sinalizações e materiais não-inflamáveis, sistema de ventilação..., extintores de incêndios, hidrantes, mangueiras, registros, chuveiros automáticos (sprinklers) e escadas com corrimão, preparação do corpo de funcionários, manutenção de brigadas de incêndio e obviamente manutenção dos equipamentos...Então, por que tantas pessoas morreram? Por que havia uma única porta (entrada e saída)? Porque aquele local como tantos outros no país parecia mais um cofre e estava aberto?

E como justificar que tenham sido acesos sinalizadores num ambiente fechado, sendo que no próprio produto, há a orientação de que não podem ser acionados nesse tipo de ambiente? Qual justificativa?

Frações de minutos foram de extrema tortura àqueles jovens e é algo que corroi e anestesia. O que é possível dizer a mais? Muitos ficaram empilhados nos banheiros , como descreveu o comandante dos bombeiros às emissoras; outros se pisotearam ou acabaram sucumbindo no meio da tentativa de fugir daquele cenário de pânico. Uma cena dantesca...Como apagar isso da memória? Quando os corpos foram retirados, celulares tocavam ao lado dos corpos inertes no ginásio esportivo da cidade. Familiares aflitos do outro lado mal sabiam que não teriam mais resposta.

Ao ver os velórios coletivos, aquela angústia da procura pelas vítimas em hospitais em Santa Maria e região...Algo difícil de descrever. Nem sequer a possibilidade de sensacionalismo sobre esse fato dava para encobrir tamanha tristeza. Agora, famílias enterram seus mortos e outras se agarram à fé e esperança para que seus entes queridos sobrevivam e saiam do coma induzido. E em alguns casos ainda, numa segunda etapa, consigam se recuperar psicologicamente e fisicamente de queimaduras (algumas das vítimas encontram-se nesse quadro).

A solidariedade de milhares de brasileiros e de cidadãos de outros países é algo positivo diante de tanta dor e se manifesta de diferentes maneiras. São voluntários que ajudaram e ajudam no salvamento, atendimento psicológico, médico, na preparação de alimentos para as famílias que foram ao ginásio reconhecer e velar seus mortos, como nos enterros. Outros se dispuseram a doar sangue, depois do apelo feito pelas autoridades, uma necessidade que deverá durar por semanas. E palavras de consolação, ombros amigos ou orações se multiplicam por todas as partes.

Mas apesar disso, algo mais emergente foi sinalizado por essa tragédia: é preciso apurar, punir e haver fiscalização e cobrança de regularização, não só em Santa Maria, mas por todo país. E mais – a criação de um projeto de lei a respeito de âmbito federal. Até hoje não há. Estamos no ano de 2013, não é tempo suficiente para isso? Ou esperaremos mais um século?

Nos noticiários, nesses dias que se sucedem a essa carnificina, falam do efeito dominó de fiscalizações em “casas noturnas” em vários estados ou de planejamento para tal. Mas será que essas ações serão, de fato, efetivas ou tudo voltará daqui a pouco ao que era? Se constataram tantas irregularidades, quer dizer que elas já estavam instaladas há muito tempo.

O que é incabível para o mínimo de senso ético é observar que alguns tomam iniciativas com preocupação principal voltada à imagem da segurança do Brasil para a Copa, no ano que vem. A preocupação primeira tem de ser a vida de cada cidadão e cidadã deste país. Sem esse princípio, tudo se torna vão e por força de analogia: efeito de pirotecnia.

 

Pesquisar no site

Blog

08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...
29/01/2018 17:06

#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

Por Sucena Shkrada Resk  A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias...
26/01/2018 14:56

#Saneamentoambiental – 2018: lixões e aterros controlados, uma realidade ainda gritante no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O Ano era 2010, e a  Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) trouxe a esperança de que a gestão pública brasileira, de uma forma geral, iria se redimir dos sucessivos erros no quesito infraestrutura, ao longo de décadas. Mas do papel à realidade,...
19/01/2018 17:52

#Saúdeambiental - O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da bacia hidrográfica do Tejo, na Europa?

Por Sucena Shkrada Resk Quem um dia viu o rio Tejo, o mais extenso da Península Ibérica (da Espanha a Portugal), com 1.007 km e cuja bacia hidrográfica ocupa 80,6 mil km 2, poluído, quase sem vida e seco em vários trechos, há alguns anos observa um esforço para o processo de revitalização, de forma...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk