Mandela: símbolo do ativismo pela dignidade humana, por Sucena Shkrada Resk

08/12/2013 22:32

“Enquanto eu estiver envelhecendo como as montanhas, vou continuar alimentando a esperança de que surgiu um grupo de líderes no meu país, na minha região, no meu continente e no mundo que não vai permitir a negação da liberdade. Que ninguém se refugie como nós e que ninguém seja condenado à fome como nós e que ninguém seja despido da dignidade humana como nós”. Esse discurso de Nelson Rolihlahla Mandela – Madiba (1918-2013), na Organização das Nações Unidas (ONU), é tão forte e provocativo, que não pode ser esquecido, pois de certa forma, representa a essência de sua luta por décadas que saltou as fronteiras do apartheid sul-africano (regime de segregação racial liderado por uma minoria branca), instalado desde 1949, e se projetou como uma bandeira pelos princípios dos direitos humanos universalmente.

O despertar para as causas humanitárias começa em sua infância, desde seus primeiros anos no pequeno vilarejo de Qunu e ao crescer quando começou a assimilar as mensagens dos mais velhos sobre as guerras de resistência de seus antepassados. Aquelas histórias ganhavam sentido para aquela criança, que forjava o modelo de concepção de qualidade de vida aos poucos. Mandela também começou desde cedo a lidar com os processos de perda, que o tornaram mais forte frente às adversidades. Seu pai faleceu, quando tinha nove anos, e aí foi adotado pelo líder do povo thembu, Jongintaba Dalindyebo, após ser entregue por sua mãe ao monarca, pois ela não tinha condições de criá-lo.

A criança virou adolescente e adulto, estudou Direito, na década de 50, e estruturou seu conhecimento acadêmico junto ao de cidadão. No início, sua revolta era grande pelo quadro de injustiça instalado em seu país, e acreditava na luta armada, principalmente quando 69 pessoas desarmadas foram mortas, quando se manifestavam em Sharpeville contra as leis de passe, em março de 1960,  que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitido circular.

Mandela vivia na clandestinidade e se transformou em cozinheiro, jardineiro e motorista. Como ativista político do Congresso Nacional Africano (CNA) foi condenado em 1964 à prisão perpétua pelo regime do apartheid, acusado de subversivo e de sabotagem ao governo em vigor, ao lado de mais sete acusados. Durante esse período de detenção, foi privado de tantos outros direitos, como o de ir aos funerais respectivamente de sua mãe e de um de seus filhos, nos anos de 68 e 69. Ao mesmo tempo ficaria afastado por quase três décadas de sua família, durante o período que ficou confinado em três prisões.

Mas os 27 anos de reclusão não o tornaram mais duro, com ódio ou sentimento de vingança. De certa forma esses momentos de privação forjaram nele o perfil que o tornou um grande exemplo à humanidade. Apesar de ter pelo menos três vezes a chance de ser libertado antes do cumprimento desse período, ele não aceitou, enquanto não fosse instituído o fim do regime e de proibição dos direitos do CNA, como também não fossem libertados os outros presos políticos.

No ano de 1990, quando é finalmente libertado, sai com um sorriso no rosto e as mãos levantadas, como um guerreiro que ainda teria muito a fazer. É recepcionado por uma multidão ávida por lutar por novos tempos na África do Sul. Já era um líder nato, que começou a viajar pelo mundo levando sua mensagem, inclusive, no âmbito da ONU, quando se torna o primeiro presidente eleito negro de seu país, em 1994 onde governa até 1999.

“Lutei contra a dominação branca, lutei contra a dominação negra. Eu estimo o ideal de uma sociedade democrática e livre na qual todas as pessoas convivam em harmonia e com oportunidades iguais. É um ideal que espero viver e alcançar. Mas, se for preciso, é um ideal pelo qual estou preparado para morrer”. Essa é mais uma mensagem de Mandela que cala fundo em sua trajetória.

Um homem carismático que conseguiu conquistar o respeito em todo o planeta foi chamado de “tatá” (pai), de “klulu” (grandioso) e principalmente de Madiba, nome do clã a que pertenceu. Cidadãos e cidadãs de todas as gerações hoje o homenageiam com esse sentido de gratidão. Talvez uma região que mais represente o esforço com o qual defendeu seu ideal seja Soweto, onde 99% de sua população é negra e sofreu durante décadas a pressão da segregação racial. Até hoje o ano de 1976 é marcado na história, devido aos resultados violentos, quando estudantes foram atacados por policiais durante manifestação que faziam contra a inferioridade das escolas onde estudavam negros na África do Sul.

Os anos se passaram e depois de ter saído da posição de estadista em 99, Mandela continuou a ser ativista pela igualdade racial no mundo e assumiu mais uma bandeira:  de promover a defesa da dignidade e de tratamento a pessoas com AIDS.

“O que conta na vida não é o fato de termos vivido. É o que temos feito de diferença para a vida dos outros que irá determinar o significado da vida que levamos”. Essa filosofia o líder sul-africano levou até o seu último dia de existência aqui na Terra. Já debilitado resistiu nos últimos meses o mais que pôde, após contrair pneumonia e posteriormente uma infecção pulmonar. E o que o tornou um símbolo de cidadão do mundo  é que em nenhum momento a sua notoriedade fez perder sua humildade. Ele nunca clamou por ser ‘santo’ mas um homem que tinha um ideal, o qual defendeu até o fim.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo:

08/07/2010 - Mandela: 92 anos de universalidade

Confira abaixo um vídeo com os principais discursos de Mandela na ONU:

*Blog Cidadãos do Mundo - Sucena Shkrada Resk 

Pesquisar no site

Blog

05/06/2020 08:00

Dia Mundial do Meio Ambiente: Onde se planta jornalismo floresce democracia

Veículos da mídia ambiental brasileira se unem em defesa da manutenção de um jornalismo atuante e com independência e lança  carta aberta, hoje, Dia Mundial do Meio Ambiente. Leia a íntegra: Onde se planta jornalismo floresce democracia 5 de junho de 2020 Neste Dia Mundial do Meio Ambiente,...
04/06/2020 12:02

Parte 12: Semana do Meio Ambiente: Conama em silêncio no ano de 2020, em tempos de Covid-19

No contexto da crise da pandemia e da aceleração de desmatamento ilegal na Amazônia, reuniões plenárias não ocorrem desde novembro de 2019 Por Sucena Shkrada Resk* Nesta Semana do Meio Ambiente e no auge da crise da pandemia da Covid-19, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), que tem o...
01/06/2020 09:53

Parte 11 – Observatórios possibilitam controle social, em tempos de Covid-19

Estes canais de comunicação surgem em busca de maior transparência de informações e de cobranças de ações proativas no combate à doença no Brasil Por Sucena Shkrada Resk* A sociedade civil brasileira, por meio de organizações não-governamentais (ONGs) e especialmente de instituições públicas de...
29/05/2020 13:00

Parte 10 – Estudo aponta o risco associado da desintegração ecológica com a origem de mais doenças infecciosas como a Covid-19

Por Sucena Shkrada Resk* Surtos epidêmicos entre humanos, com início em doenças zoonóticas, se tornam mais prováveis A The Wildlife Conservation Society lançou um documento, neste mês de maio, que alerta sobre o perigo que ronda a humanidade com a possibilidade de mais surtos epidêmicos e pandemias...
28/05/2020 09:58

Parte 9 – Mais de 40 milhões de vozes da área da saúde clamam por um meio ambiente saudável ao G20 no contexto da pandemia

Por Sucena Shkrada Resk* Carta foi encaminhada, nesta semana, aos líderes do grupo das 20 nações com as maiores economias mundiais, incluindo o Brasil, e clama pela necessidade de combate à poluição atmosférica “...Antes da Covid-19, a poluição do ar - principalmente originária do tráfego, uso...
26/05/2020 13:00

Parte 8: O papel estratégico da conservação da saúde ambiental no enfrentamento à Covid-19 no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Mídia ambiental está atenta ao processo de desestruturação nesta agenda, que pode ser uma porta aberta também para avanços de epidemias A saúde ambiental brasileira está seguindo para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Nunca foi tão necessário evocar esta analogia com...
25/05/2020 14:32

Parte 7 – A corrente de humanização que se tece em tempos da pandemia da Covid -19

Por Sucena Shkrada Resk* Campanhas pelo país impulsionam o exercício de empatia e desprendimento Uma das características singulares que emerge em tempos de crise é a humanização, que vem carregada daquela palavra ‘aconchegante’ chamada empatia. Problemas da sociedade moderna já existentes se...
22/05/2020 13:56

Parte 6: o impacto na saúde mental em tempos de pandemia da Covid-19

Por Sucena Shkrada Resk* OMS lança documento em maio e iniciativas se multiplicam no Brasil No conjunto de complexidades a respeito dos impactos da pandemia da Covid-19, a saúde mental ganha projeção em recentes pesquisas, e os comprometimentos são avaliados como “extremamente preocupantes”,...
29/04/2020 15:28

Parte 5: #Covid19 e a valorização da pesquisa científica

Por Sucena Shkrada Resk* Esta pandemia reitera o quanto é crucial o investimento no capital humano científico Nós, individualmente e como integrantes do coletivo da humanidade procuramos um norte, nesta pandemia da Covid-19. Neste horizonte de incertezas, a “bússola” leva a uma área que nos últimos...
22/04/2020 16:34

Parte 4 – Em tempos de #Covid19 e #mudançasclimáticas

No Dia Mundial da Terra, a reflexão sobre novos paradigmas de desenvolvimento Por Sucena Shkrada Resk* A expressão “em tempos de #Covid19 ou de #Coronavírus tem se fixado em nossas mentes para definir o atual momento histórico em que vivemos nos últimos meses. Este ano de 2020 definitivamente é...
07/04/2020 14:31

Parte 3: A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha

Neste Dia Mundial da Saúde (07/04), fica o alerta em defesa de nossos profissionais da área da saúde Por Sucena Shkrada Resk* A batalha contra a Covid-19 está resultando em muitas baixas no front, em todo o mundo. No município de São Paulo, o médico socorrista Paulo Fernando, 56 anos; o enfermeiro...
30/03/2020 10:30

Parte 2: A espiral do novo coronavírus expõe a janela da fragilidade aberta no Antropoceno

Com a pandemia da Covid-19, somos obrigados a descobrir novos caminhos para a humanidade Por Sucena Shkrada Resk* Existem algumas guerras que não são estruturadas com armamentos bélicos e que são tão devastadoras quanto a estes conflitos geopolíticos que têm assolado a humanidade, como a 1ª e 2ª...
10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk