Inhotim: arte e verde superam mineração no entorno, por Sucena Shkrada Resk

15/04/2012 21:37

Em uma região na qual predomina um histórico de mineração no entorno, o Horto Florestal do Instituto Inhotim, em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, no mínimo, chama a atenção pelo efeito contrastante que causa para quem visita a unidade, que ocupa uma área de 100 ha. O espaço abriga uma das maiores coleções mundiais de palmeiras (Arecaceae), com número aproximado de 1,5 mil espécies de diferentes regiões tropicais do planeta, além de nativas de Mata Atlântica e Cerrado. A curiosidade, no entanto, é estimulada, porque em meio a esse cenário, existe literalmente um museu a céu aberto.

A iniciativa da criação desse espaço partiu do minerador e colecionador de arte, Bernardo Paes, que hoje continua à frente do Instituto. O projeto paisagístico começou a ser constituído a partir dos anos 80 e o acesso ao público teve início em 2005. Ele doou a maioria das obras de sua coleção particular ao longo dos anos ao acervo. A unidade só se tornou horto, cinco anos depois. Oficialmente, desde outubro de 2006, a área já registrou mais de 769 mil visitantes, que vêm dos mais diferentes lugares do mundo.

Apesar de Bernardo ainda continuar empresário da área de mineração, ele afirma que hoje não exerce nenhuma função operacional no segmento, se dedicando totalmente a Inhotim.

Quando caminhamos por suas alamedas e trilhas, o que fica perceptível, é a influência do paisagista Burle Marx, em alguns trechos. Para ter condições de conhecer todo o espaço, são necessários, pelo menos, dois dias de visitação.

O cuidado com o paisagismo é uma característica que impressiona ao se conhecer Inhotim. Para manter toda essa estrutura funcionando, o instituto mantém um quadro de cerca de 1000 funcionários, sendo 85% moradores da cidade de Brumadinho, segundo Letícia Aguiar, gerente de Meio Ambiente do espaço. “Nossos funcionários possuem treinamento de capacitação para cada área que exercem como jardinagem, restaurantes, administrativo, receptivo, eventos, entre outros. Além disso, participam de cursos de inglês e possuem reembolso de mensalidade de cursos técnicos, de graduação e de reciclagem”.

O cenário ambiental é cultural se divide ao redor de cinco lagos. Segundo a gerente, além das espécies de palmeiras, as florestas existentes são secundárias em diferentes estágios de desenvolvimento, ou seja, resultantes de um processo natural de regeneração da vegetação.

Parte da área que hoje abriga o Instituto Inhotim já foi local de lavra de mineração, em processo avançado de degradação ambiental. São cerca de 20 hectares de jardins plantados, além dos viveiros, compostos por mais de 4 mil espécies nativas e exóticas de todo o mundo. “Dentre as plantas nativas da Mata Atlântica, destacam-se o palmito-juçara, espécie ameaçada de extinção, além de diversas espécies de imbés, begônias, orquídeas e bromélias (aproximadamente 500 espécies)”.

Os estudos realizados na área indicaram cerca de 132 espécies de aves nos remanescentes florais e 168 nos jardins, sendo as mais comuns das famílias dos bem-te-vis e beija-flores. Há também duas espécies ameaçadas de extinção, como o gavião-de-penacho (Spizaetus ornatos) e o gavião-pega-macaco (Spizaetus tyrannus), além de espécie rara na região, como o urubu-rei (Sarcoramphus papa).

A integração dessas aves às instalações culturais é interessante. Muitos fazem voos rasantes ou passeiam nas águas de piscinas que fazem parte das obras de arte.

Também podem ser encontrados no horto, mamíferos de médio e grande porte, entre eles, a espécie Callicebus nigrifrons, conhecida popularmente como “guigó” ou “sauá”. “Pode ser considerada uma espécie bandeira da mata atlântica, pois é endêmica deste tipo de bioma e é classificada como quase ameaçada, na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção da International Union for Conservation of Nature (IUCN).

A gerente explica que a unidade ainda desenvolve trabalhos de resgate de flora em áreas sujeitas ao licenciamento ambiental. “Essas espécies são mantidas no acervo botânico originando protocolos de cultivo e propagação. Muitas são raras, ameaçadas de extinção ou de potencial de uso econômico. Espera-se com estes projetos, colaborar em ações de recuperação de áreas degradadas e restauração de ecossistemas”.

A unidade também mantém uma Biblioteca, em que são desenvolvidos encontros do Projeto Sala Verde, criado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), em que existe o incentivo a reflexões e divulgadas ações ambientais.

À comunidade de estudantes de ensino médio de Brumadinho, é dirigido o Projeto Jovens Agentes Ambientais. O programa de formação ambiental dura quatro eses.

Preservação da mata atlântica
Além do Jardim Botânico, o Instituto Inhotim mantém outra área próxima, que desde maio de 2010, é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), com aproximadamente 150 ha de vegetação nativa. “O inventário da flora local revelou até o momento mais de 400 espécies e permitiu estimar que existam mais de 1000 espécies da flora nativa, muitas delas, típicas da Mata Atlântica”, esclarece Letícia.

“A criação da RPPN tem importância significativa para o Instituto, uma vez que objetiva a conservação do espaço para a pesquisa e a educação ambiental. Vai contribuir também com o desenvolvimento do Jardim Botânico em estudos de botânica, fauna, geologia e sensoriamento remoto”, afirma a gerente.

A mineração no entorno de Inhotim
Leticia Aguiar explica que, nas proximidades de Inhotim, antigas áreas mineradas estão presentes em dois pequenos fragmentos, além de zonas de mineração de empresas vizinhas atualmente em operação. “Estas áreas foram, inclusive, incluídas em projeto de que recentemente recebeu o apoio do Fundo de Mudanças Climáticas (Fundo Clima) do Ministério do Meio Ambiente (MMA), que consiste no desenvolvimento de um protótipo para iniciar um processo de recuperação de áreas degradadas por mineração”

Para isso, segundo a gerente, o Instituto realizará diversas pesquisas, desde a parte florística até o inventário de emissões/remissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs), incluindo também a educação ambiental e o envolvimento comunitário no planejamento e execução do projeto.

Acervo cultural
No aspecto cultural, Inhotim hoje mantém mais de 500 obras distribuídas em exposições fixas e itinerantes de artistas brasileiros e estrangeiros. Uma das mais curiosas, é a Sonic Pavilion, de Doug Aitken, na qual se ouve os ruídos do fundo da Terra, originados de um grande furo de 200m de profundidade, onde foram colocados microfones.

Estive por lá, nos dias 29 e 30 de dezembro do ano passado...

 

Pesquisar no site

Blog

08/02/2015 12:01

Castanheira viva, um sinal da floresta em pé

crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk   Por Sucena Shkrada Resk Mais que sombra, mais que frutos, a castanheira viva é símbolo da floresta em pé no bioma amazônico. Alta, soberana, se destaca na paisagem, mas depende de seus pares nativos de outras espécies para ficar vigorosa. Pode atingir...
26/01/2015 13:06

As perguntas encontram sentido nas coisas aparentemente miúdas

Por Sucena Shkrada ReskUm dia estava eu na atmosfera paulista da mata atlântica, vivendo um cotidiano entre São Caetano do Sul e São Paulo, e no outro já estava fincando os pés em Alta Floresta e depois, em Cotriguaçu, na Amazônia matogrossense. Um mero deslocamento geográfico e de bioma? Não,...
10/01/2015 15:18

Nivaldo, o artesão: uma história enraizada na Serra da Capivara (PI)

O oleiro e artesão Nivaldo Coelho de Oliveira é o segundo personagem entrevistados pelo Projeto Vozes dos Biomas - jornalista Sucena Shkrada Resk, na Serra da Capivara   Bioma Caatinga Entrevistado (2): artesão Nivaldo Coelho de Oliveira, 82 anos, da Cerâmica Serra da Capivara obs: auxiliou a...
08/01/2015 09:42

Vozes dos Biomas: início de um ideal jornalístico

Por Sucena Shkrada Resk  #Vozesdosbiomas - #Jornalismoambiental   Estou divulgando hoje uma iniciativa de jornalismo audiovisual socioambiental que estou gestando há quase dois anos: Projeto Vozes dos Biomas -  jornalista Sucena Shkrada Resk, e dei início neste mês. Como o...
03/01/2015 13:42

Mafalda, a COP20, o estado do mundo e do Brasil

Exposição "O Mundo segundo Mafalda", em cartaz gratuitamente na Praça das Artes, em São Paulo. (Crédito das fotos: Sucena Shkrada Resk) Por Sucena Shkrada Resk A eterna Mafalda completou meio século e continua sagaz como sempre. A personagem carismática criada pelo cartunista argentino Quino tem...
14/12/2014 22:00

Paranapiacaba: um manancial estratégico na Mata Atlântica

Em Parque Natural Municipal ficam nascentes do rio Grande, principal formador da represa Billings Por Sucena Shkrada Resk(texto e fotos) A água brota da terra, de forma quase imperceptível e continuamente. É preciso fixar os olhos para perceber esse delicado processo natural. Na superfície, mais...
23/11/2014 17:17

Os resíduos nossos de cada dia no Brasil e a relação com as mudanças climáticas

Do total de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs) no país, 4% são provenientes dessa fonte principalmente por causa da presença de lixões e da falta de estrutura de saneamento Por Sucena Shkrada Resk O estudo "Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG 2.0)-edição 2014",...
18/11/2014 18:19

Pantanal: um bioma rico em serviços ecossistêmicos

crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Reconhecimento do seu valor existe, mas a pressão ainda é muito maior Por Sucena Shkrada Resk Reconhecer o valor é o primeiro passo. Neste quesito, o Pantanal matogrossense – cujo dia foi celebrado em 12 de novembro - ganha visibilidade mundial ao longo do...
14/11/2014 16:50

Crise hídrica estimula protagonismo da sociedade

Campanhas e mobilizações começam a se multiplicar Por Sucena Shkrada Resk Dizem que momentos de crise podem fazer com que descubramos o ‘nosso melhor’. A afirmação tem fundamento, quando vimos o reflexo do exercício de cidadania crescente ao contexto da prolongada estiagem, a pior dos últimos 80...
13/11/2014 12:41

Manoel de Barros: o descobridor de memórias fósseis

Poeta pantaneiro falece aos 97 anos e deixa sua poesia rica em humanidade e vivência próxima à natureza Por Sucena Shkrada Resk “...A terapia literária consiste em desarrumar a linguagem a ponto que ela expresse nossos mais fundos desejos. Quero a palavra que sirva na boca dos passarinhos......
12/11/2014 17:07

Justiça socioambiental: um grande gargalo no Brasil

País é considerado o mais perigoso para os ativistas e o registro de mortes tem aumentado nos últimos anos Por Sucena Shkrada Resk O povo Guarani-Kaiowá está em luto. Mais uma representante da etnia foi brutalmente assassinada no último dia 31 de outubro, em Dourados, MS. Marinalva Manoel Kaiowá,...
04/11/2014 15:13

Decisões geopolíticas definem o caminho das mudanças climáticas

Caso continue o desenvolvimento pautado pelos combustíveis fósseis e pelo desmatamento, se desenha o pior cenário até o fim do século; posição brasileira é estratégica neste desafio Por Sucena Shkrada Resk Tudo junto, tudo misturado. Até onde vai a extensão da postura geopolítica mundial e sua...
29/10/2014 21:16

Especial Biodiversidade (Parte 2): declínio de espécies ecoa alerta

Situação está interligada com a pegada ecológica do ser humano e consequentemente ao quadro crescente das mudanças climáticas Por Sucena Shkrada Resk A fauna presente na América Latina está declinando nas últimas quatro décadas de forma ascendente, mais que em todo o globo. O silêncio começa a...
20/10/2014 17:24

Encheremos um balde d`água?

Escassez hídrica não pode ser colocada na conta de “São Pedro” Por Sucena Shkrada Resk As nascentes do São Francisco (MG) estão praticamente secas, colocando em risco a existência do rio da integração nacional, que já sofre em toda sua extensão. O Paraíba do Sul, que abastece (RJ, SP e MG), está...
16/10/2014 14:26

Guaranis-Kaiowás resistem à dinâmica da desigualdade, mas até quando?

Povo indígena tenta ser ouvido por autoridades Por Sucena Shkrada Resk Ter o direito de se expressar e se fazer ouvido e assistido em suas reivindicações pelas instâncias deliberativas brasileiras, desde os Governos federal e estadual à esfera judicial. Esse anseio tem sido manifestado pelo povo...
15/10/2014 18:05

Especial Biodiversidade (Parte 1): Protocolo de Nagoya passa a valer, sem o Brasil

País não ratificou o documento no Congresso Nacional Por Sucena Shkrada Resk Agora está oficialmente validado internacionalmente. Desde o dia 12 de outubro, entrou em vigor o Protocolo de Nagoya sobre Acesso a Recursos Genéticos e a Partilha Equitativa Justa dos Benefícios Decorrentes da sua...
13/10/2014 14:47

Uma paquistanesa e um indiano num propósito em comum: o direito à infância digna

Ativistas, vencedores do Nobel da Paz, dão voz àqueles que são oprimidos Por Sucena Shkrada Resk O universo geopolítico é marcado por cisões de décadas que comprometem a qualidade de vida de suas populações, mas dois cidadãos conseguiram unir dois países separados, desde 1947, pelo menos, neste...
03/10/2014 19:16

O ‘Velho Chico’ tem sede

As nascentes do rio da integração nacional estão secando e a bacia carece de medidas de longo prazo Por Sucena Shkrada Resk Sedento. Assim está o ‘Velho Chico’. Nascentes no Parque Nacional da Serra da Canastra, na região do Alto São Francisco, em Minas Gerais, estão praticamente secas. Ao longo...
02/10/2014 15:14

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 8): o Haiti não pode ser esquecido

Crédito da foto: Ivan Munox/Intermon_Oxfam Este país é o que mais necessita de apoio internacional hoje nas Américas Por Sucena Shkrada Resk Entre o mar do Caribe e o oceano Atlântico, ao lado da República Dominicana, lá está o Haiti. Este país insular, com 27,7 mil km2 (tamanho equivalente ao...
01/10/2014 10:49

Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 7): o direito dos povos indígenas

Em Conferência Mundial, povos reforçam a necessidade de assegurar o que já é acordado em documentos internacionais, e no Brasil, há mobilizações para defender demarcações e segurança dos índios Por Sucena Shkrada Resk Declarações, convenções internacionais e leis nacionais não são suficientes para...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk