Inhotim: arte e verde superam mineração no entorno, por Sucena Shkrada Resk

15/04/2012 21:37

Em uma região na qual predomina um histórico de mineração no entorno, o Horto Florestal do Instituto Inhotim, em Brumadinho, a 60 km de Belo Horizonte, no mínimo, chama a atenção pelo efeito contrastante que causa para quem visita a unidade, que ocupa uma área de 100 ha. O espaço abriga uma das maiores coleções mundiais de palmeiras (Arecaceae), com número aproximado de 1,5 mil espécies de diferentes regiões tropicais do planeta, além de nativas de Mata Atlântica e Cerrado. A curiosidade, no entanto, é estimulada, porque em meio a esse cenário, existe literalmente um museu a céu aberto.

A iniciativa da criação desse espaço partiu do minerador e colecionador de arte, Bernardo Paes, que hoje continua à frente do Instituto. O projeto paisagístico começou a ser constituído a partir dos anos 80 e o acesso ao público teve início em 2005. Ele doou a maioria das obras de sua coleção particular ao longo dos anos ao acervo. A unidade só se tornou horto, cinco anos depois. Oficialmente, desde outubro de 2006, a área já registrou mais de 769 mil visitantes, que vêm dos mais diferentes lugares do mundo.

Apesar de Bernardo ainda continuar empresário da área de mineração, ele afirma que hoje não exerce nenhuma função operacional no segmento, se dedicando totalmente a Inhotim.

Quando caminhamos por suas alamedas e trilhas, o que fica perceptível, é a influência do paisagista Burle Marx, em alguns trechos. Para ter condições de conhecer todo o espaço, são necessários, pelo menos, dois dias de visitação.

O cuidado com o paisagismo é uma característica que impressiona ao se conhecer Inhotim. Para manter toda essa estrutura funcionando, o instituto mantém um quadro de cerca de 1000 funcionários, sendo 85% moradores da cidade de Brumadinho, segundo Letícia Aguiar, gerente de Meio Ambiente do espaço. “Nossos funcionários possuem treinamento de capacitação para cada área que exercem como jardinagem, restaurantes, administrativo, receptivo, eventos, entre outros. Além disso, participam de cursos de inglês e possuem reembolso de mensalidade de cursos técnicos, de graduação e de reciclagem”.

O cenário ambiental é cultural se divide ao redor de cinco lagos. Segundo a gerente, além das espécies de palmeiras, as florestas existentes são secundárias em diferentes estágios de desenvolvimento, ou seja, resultantes de um processo natural de regeneração da vegetação.

Parte da área que hoje abriga o Instituto Inhotim já foi local de lavra de mineração, em processo avançado de degradação ambiental. São cerca de 20 hectares de jardins plantados, além dos viveiros, compostos por mais de 4 mil espécies nativas e exóticas de todo o mundo. “Dentre as plantas nativas da Mata Atlântica, destacam-se o palmito-juçara, espécie ameaçada de extinção, além de diversas espécies de imbés, begônias, orquídeas e bromélias (aproximadamente 500 espécies)”.

Os estudos realizados na área indicaram cerca de 132 espécies de aves nos remanescentes florais e 168 nos jardins, sendo as mais comuns das famílias dos bem-te-vis e beija-flores. Há também duas espécies ameaçadas de extinção, como o gavião-de-penacho (Spizaetus ornatos) e o gavião-pega-macaco (Spizaetus tyrannus), além de espécie rara na região, como o urubu-rei (Sarcoramphus papa).

A integração dessas aves às instalações culturais é interessante. Muitos fazem voos rasantes ou passeiam nas águas de piscinas que fazem parte das obras de arte.

Também podem ser encontrados no horto, mamíferos de médio e grande porte, entre eles, a espécie Callicebus nigrifrons, conhecida popularmente como “guigó” ou “sauá”. “Pode ser considerada uma espécie bandeira da mata atlântica, pois é endêmica deste tipo de bioma e é classificada como quase ameaçada, na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas de Extinção da International Union for Conservation of Nature (IUCN).

A gerente explica que a unidade ainda desenvolve trabalhos de resgate de flora em áreas sujeitas ao licenciamento ambiental. “Essas espécies são mantidas no acervo botânico originando protocolos de cultivo e propagação. Muitas são raras, ameaçadas de extinção ou de potencial de uso econômico. Espera-se com estes projetos, colaborar em ações de recuperação de áreas degradadas e restauração de ecossistemas”.

A unidade também mantém uma Biblioteca, em que são desenvolvidos encontros do Projeto Sala Verde, criado pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), em que existe o incentivo a reflexões e divulgadas ações ambientais.

À comunidade de estudantes de ensino médio de Brumadinho, é dirigido o Projeto Jovens Agentes Ambientais. O programa de formação ambiental dura quatro eses.

Preservação da mata atlântica
Além do Jardim Botânico, o Instituto Inhotim mantém outra área próxima, que desde maio de 2010, é uma Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), com aproximadamente 150 ha de vegetação nativa. “O inventário da flora local revelou até o momento mais de 400 espécies e permitiu estimar que existam mais de 1000 espécies da flora nativa, muitas delas, típicas da Mata Atlântica”, esclarece Letícia.

“A criação da RPPN tem importância significativa para o Instituto, uma vez que objetiva a conservação do espaço para a pesquisa e a educação ambiental. Vai contribuir também com o desenvolvimento do Jardim Botânico em estudos de botânica, fauna, geologia e sensoriamento remoto”, afirma a gerente.

A mineração no entorno de Inhotim
Leticia Aguiar explica que, nas proximidades de Inhotim, antigas áreas mineradas estão presentes em dois pequenos fragmentos, além de zonas de mineração de empresas vizinhas atualmente em operação. “Estas áreas foram, inclusive, incluídas em projeto de que recentemente recebeu o apoio do Fundo de Mudanças Climáticas (Fundo Clima) do Ministério do Meio Ambiente (MMA), que consiste no desenvolvimento de um protótipo para iniciar um processo de recuperação de áreas degradadas por mineração”

Para isso, segundo a gerente, o Instituto realizará diversas pesquisas, desde a parte florística até o inventário de emissões/remissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs), incluindo também a educação ambiental e o envolvimento comunitário no planejamento e execução do projeto.

Acervo cultural
No aspecto cultural, Inhotim hoje mantém mais de 500 obras distribuídas em exposições fixas e itinerantes de artistas brasileiros e estrangeiros. Uma das mais curiosas, é a Sonic Pavilion, de Doug Aitken, na qual se ouve os ruídos do fundo da Terra, originados de um grande furo de 200m de profundidade, onde foram colocados microfones.

Estive por lá, nos dias 29 e 30 de dezembro do ano passado...

 

Pesquisar no site

Blog

14/01/2013 19:39

Reflexão: a desertificação e o consumo inconsciente, por Sucena Shkrada Resk

Quando se trata do tema “desertificação”, a integração de ações antrópicas e processos naturais refletem o processo de fragilidade presente em vários pontos do planeta. O certo é que a série histórica demonstra que se intensificam os eventos extremos a cada década. Tanto as secas como as estiagens...
09/01/2013 11:20

#Reflexão: Ir além do morde e assopra nas políticas socioambientais, por Sucena Shkrada Resk

A implementação de políticas socioambientais no contexto federativo ao municipal é lenta e essa é a realidade. Não adianta colocarmos "panos quentes", pois é isso que vivenciamos. Ao usar uma figura de linguagem, fica em muitas questões, no ritmo do "morde e assopra". Se formos avaliar o...
08/01/2013 17:32

Atenção a histórias de vida sobre a luta em favor dos direitos humanos, por Sucena Shkrada Resk

Nesta semana foi lançada a publicação Dez faces da luta pelos #direitoshumanos no Brasil(ONU, Embaixada do Reino dos Países Baixos, SDH e UE, 2012). É um material denso, com 101 páginas, no qual há entrevistas com dez personagens de diferentes localidades do país. O conteúdo é interessante, pelo...
04/01/2013 09:28

Reflexão: Diferentes relações do ser humano com a natureza, por Sucena Shkrada Resk

No último dia 31 de dezembro, ao conhecer o Borboletário de Campos do Jordão, considerei interessante a iniciativa de pesquisa e de educação ambiental, por estimular o aprendizado por meio da vivência e estímulos sensoriais, em uma atmosfera lúdica que envolve o ambiente no qual elas se desenvolvem...
17/12/2012 19:01

Desastres naturais:o desafio na prevenção e na emergência no Sul e Sudeste, por Sucena Shkrada Resk

A incidência dos altos índices pluviométricos nas regiões Sul e Sudeste, neste verão, com estimativas acumuladas até fevereiro do ano que vem, de chegar a 1400 mm já sinalizam as dificuldades contínuas identificadas anteriormente na série histórica em ambas as regiões. O que está mudando aos poucos...
12/12/2012 10:20

Até quando iremos silenciar as primaveras?, por Sucena Shkrada Resk

Há cinco décadas, a bióloga marinha Rachel Carson (www.rachelcarson.org) desnudava por meio da literatura, um processo desencadeado no frenesi industrial da sociedade contemporânea, em que o uso excessivo de agrotóxicos (pesticidas) sintéticos, nos EUA, resultava na aniquilação de espécies de aves...
11/12/2012 13:01

Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação, por Sucena Shkrada Resk

O direito ao acesso à informação passa por todas as áreas e em especial na de saúde. Na semana passada, tive conhecimento da existência da FEBER – Associação Brasileira de Enfermidades Raras (https://feber-brasil.comunidades.net), que é focada em divulgação sobre esse tema. O site ainda está sendo...
09/12/2012 15:32

O papel dos cães nos processos educacionais e terapêuticos, por Sucena Shkrada Resk

Quem olha os cães Lion, de 1 ano e 8 meses e Picolé, de 2 anos, os companheiros de “pelo” das pedagogas Andrea e Laura, de São Paulo, não imaginam que os dois são, de certa forma, assistentes na área educacional. É verdade! Os animais têm um papel importante principalmente no auxílio lúdico a...
06/12/2012 18:26

Mães de Maio: a força diante da experiência da perda violenta de um filho, por Sucena Shkrada Resk

Olhos úmidos, fala embargada e uma saudade quase que insuportável. Com essa fusão e profundidade de sentimentos expressos, conheci ontem a dona de casa M.H.T.P, 55 anos, da cidade de Santos, que tenta se recuperar da recente perda violenta de seu filho caçula José Rodrigo, de 25 anos, no início de...
06/12/2012 10:43

Reflexão: a resiliência diante das perdas, por Sucena Shkrada Resk

#Reflexão - Essa semana, em particular, estou mais sensível aos sentimentos que envolvem as partidas deste plano. Ontem me deixei levar pelos relatos de Mães de Maio (https://www.facebook.com/maes.demaio?ref=ts&fref=ts), no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, e...
03/12/2012 18:00

Educomunicação:memória e resiliência no enfrentamento dos eventos extremos , por Sucena Shkrada Resk

Poucos minutos ou horas e tudo está sob as águas ou sob escombros. Imaginaram a cena praticamente dantesca? Talvez muitos de vocês já passaram por essa situação algum dia na vida...O que não se pode negar é que o enfrentamento de inundações, enchentes e outros tipos de eventos extremos é uma...
29/11/2012 21:26

Joanne Garde-Hansen fala da ética de se importar, por Sucena Shkrada Resk

A mensagem que me marcou no dia de hoje foi da especialista britânica em memória e mídia, Joanne Garde-Hansen, durante o 5º Seminário Internacional do Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, em São Paulo. Ela falou da importância da "ética de se importar...", que é o lado...
23/11/2012 16:36

FIQUEPORDENTRO-Cadastro propõe recuperação florestal voluntária de matas ciliares,por Sucena S Resk

Hoje ao pesquisar dados sobre reflorestamento, descobri que no Estado de São Paulo, existe o Banco de Áreas Ciliares (particulares) para Recuperação Florestal, mantido no site da Secretaria do Meio Ambiente, que conta hoje com um total de 412 locais, que correspondem a 3.333,16 ha. As inscrições...
08/11/2012 14:18

Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas, por Sucena Shkrada Resk

“O eu se constrói em frente aos tus”. Nessa frase, está o pano de fundo que envolve a história oral, que é um método a partir de técnicas que envolvem principalmente histórias de vida e de famílias. Reconhecer a importância da elaboração de perguntas “férteis” e entender a dinâmica do olhar (o que...
07/11/2012 09:57

Nota: Barack Obama reeleito, o que muda na política ambiental?, por Sucena Shkrada Resk

#PolíticainternacionaleMeioAmbiente - Barack Obama foi reeleito ( https://blogs.estadao.com.br/radar-global/ao-vivo-eleicoes-nos-eua-2012/ ) e se levanta a questão de como ficará a política norte-americana com relação ao meio ambiente, tendo em vista, as resistências históricas no Senado...
01/11/2012 17:36

JT: uma escola de jornalismo, por Sucena Shkrada Resk

Dizem que a gente não deve ser saudosista, pois isso não leva a nada. Eu entendo de outra maneira. As recordações podem e devem ter o papel de fazer com que avancemos, são partes de nossa história, que nos constituem enquanto seres integrais e podem ser recobradas como algo construtivo. Fiz essa...
01/11/2012 14:31

Domenico De Masi : 2020 em 10 tendências, por Sucena Shkrada Resk

Criatividade e concretude; uma ação conectada à outra. É dessa forma que o criador do conceito do “ócio criativo” (que resumidamente propõe o equilíbrio entre trabalho, estudo e lazer), o sociólogo italiano, Domenico De Masi https://www.domenicodemasi.it/pt faz a sua leitura sobre o poder que temos...
30/10/2012 18:29

Educomunicação: o sentido da inclusão, por Sucena Shkrada Resk

Quando pensamos a educomunicação no seu sentido holístico, fica claro que trafega na comunicação formal, não-formal e informal, abarca desde o educador popular ao acadêmico e traz o sentido de inclusão de direitos cidadãos, comunitários e dos mais variados sentidos tanto na ideologia, na linguagem...
29/10/2012 16:33

Educomunicação:O caminho das imagens como mobilização socioambiental,por Sucena Shkrada Resk

Como lidar de forma sustentável com os resíduos? Talvez esse seja um dos desafios impostos aos moradores da comunidade da Ilha das Peças, em Guaraqueçaba, no litoral norte paranaense, na baía de Paranaguá, simultaneamente à gestão do poder público e aos veranistas que visitam esse destino...
29/10/2012 13:14

Dona Tonha, de São Mateus para o mundo, por Sucena Shkrada Resk

“...Eu tenho uma honra da saúde que eu tenho...”. Essa frase ecoa ainda em minha memória. É de dona Antônia, ou melhor, “Tonha”, hoje com 104 anos, uma cidadã que se confunde com a história de São Mateus, ES. Eu não fui à sua cidade e nem ela veio a São Paulo. Como descobri essa brasileira? Ao...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk