Especial - Desenvolvimento Sustentável: como sair do círculo dos gabinetes?

12/09/2014 12:18

Por Sucena Shkrada Resk

O tempo passa e já faz dois anos que ocorreu a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), no Rio de Janeiro, quando surgiu a tarefa de as nações estabelecerem consensualmente as metas dos chamados Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), que deverão representar as diretrizes de prioridades das políticas públicas governamentais após 2015, com um horizonte de 15 anos, de caráter não vinculante. Agora, após um ano e meio de discussões, 193 países chegaram a um rascunho composto por 17 itens gerais (com quase 170 subitens) que reiteram a constatação de gargalos e abismos que existem no mundo, que envolvem conjuntamente aspectos ambientais, sociais, econômicos e culturais, entre outros.  A pergunta latente que permanece: como fazer diferente para mudar esse quadro de pobreza e desigualdade que se perpetua há décadas, se todas as regras continuarão fundamentadas na ordem do sistema capitalista?

Mais de 1,2 bilhão de pessoas ‘sobrevivem’ com  US$ 1,25 ou menos por dia, num mundo com mais de 7 bilhões de pessoas. Mas a situação é muito mais dramática, de acordo com o chamado Índice de Pobreza Multidimensional (IPM) do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). O levantamento aponta que praticamente 1,5 bilhão de pessoas, em 91 países em desenvolvimento, vivem na pobreza, com a sobreposição de privações em saúde, educação e padrão de vida. Ainda mais de 800 milhões de pessoas estão sob o risco de voltar a esse estado ‘caso ocorram contratempos’.

As propostas dos ODS se estabelecem neste contexto e deverão substituir e ser mais amplas do que os oito Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), estabelecidos a partir de 2000, cujo prazo de cumprimento expira em 2015. Isso ocorre, tendo em vista que estes são voltados somente aos países em desenvolvimento, e os ODS serão uma diretriz para todos os países que integram o sistema ONU.

O ‘x’ da questão neste universo da geopolítica internacional até a local, nas cidades, é a implementação. A retórica saindo do círculo dos gabinetes de forma concreta e se incorporando à realidade tão diversa em cada cultura e regime político, que são envoltos de discrepâncias de padrões de desenvolvimento. Uma pergunta que persiste há anos no campo das negociações e crucial nisso tudo é quem ajudará a 'pagar a conta' para promover as melhorias quanto à redução de danos e adaptação nas nações mais vulneráveis (em especial, na África Subsaariana, onde estão 33 dos países mais pobres do mundo)?

Pano de fundo

Poucos governos (dos países desenvolvidos) até hoje desembolsaram nesta matemática, acima de 0,7% dos seus Produtos Internos Brutos (PIB) para os ODM, um percentual acordado na esfera da ONU, há décadas. Entre eles, estão os da Dinamarca, Holanda, Suécia e Noruega. Essa dificuldade também ocorre no campo das conferências das mudanças sobre o clima e da diversidade biológica, entre outros, que geram os chamados tratados vinculantes, em que os países se comprometem, por meio de ratificações em suas legislações internas. Fundos são criados mas têm dificuldade prática de se estabelecer, por falta de recursos e normas operacionais dos mesmos.

Um dos mais recentes acordos mundiais que será finalmente estabelecido em outubro, é o Protocolo de Nagoya, na área de conservação da diversidade biológica, com as chamadas Metas de Aichi acordadas desde 2010 (que o Brasil não ratificou até agora).

Na esfera climática, ainda se delineia o que realmente virá com a prorrogação do Protocolo de Kyoto aprovado em 1997 (que compromete os países industrializados a reduzir os gases de efeito estufa), que expirou em 2012 e agora vai até 2020. O acordo foi um grande fracasso, do ponto de vista de cumprimento. Neste novo acordo, houve a diminuição da adesão de países, com 36 países desenvolvidos responsáveis por 15% das emissões mundiais. Não quiseram participar Japão, Rússia, Canadá e Nova Zelândia e os EUA nunca ratificaram. Os que se comprometeram foram: Austrália, Noruega, Suíça, Ucrânia e os integrantes da União Europeia.

Os países que não concordaram com a prorrogação questionam que nações em desenvolvimento como a China (considerada a maior poluidora no mundo), a Índia e o Brasil não integram esse grupo. A próxima Conferência das Partes da Convenção-Quadro sobre Clima (COP ) acontece em novembro, no Peru, e ainda é uma incógnita saber o seu desenrolar. O que se sabe é que somente em 2015, está programado um encontro em que serão estabelecidas novas metas de redução GEEs para todos os países. A meta principal é tentar conter a elevação da temperatura da superfície terrestre em 2 graus Celsius, o que cientistas do Painel Intergovernamental das Mudanças Climáticas avaliam ser bem difícil, dentro do contexto atual.

Nessa estrutura de financiamento, o que começa a ganhar cada vez mais corpo, é a participação das empresas. Foi criado o Pacto Global. A polêmica instituída é o quanto de influência isso pode ter na gestão pública. Para se discutir mais especificamente essa questão financeira das implementações, está programada uma conferência para julho de 2015, na Etiópia.

A polêmica de fundo, que emperra as negociações há décadas é quanto às responsabilidades comuns, porém diferenciadas, ou seja, como atribuir o papel dos países desenvolvidos, mais pobres e em desenvolvimento. A crise financeira global nos últimos anos tem sido o argumento da maioria dos países. Essa pauta complexa e difusa fará parte da 69ª Assembleia da ONU, que começa dia 24 de setembro, em Nova York, que prossegue até o dia 7 de outubro.

As 17 metas gerais (que podem sofrer modificações e até ser reduzidas) até o ano que vem são tão óbvias e demonstram como há dificuldade dos sistemas de governança locais e global para o cumprimento do que é básico para a qualidade de vida e manutenção do equilíbrio do planeta. Grande parte delas demonstra o peso do meio ambiente e do modelo de consumo atrelado aos demais eixos. Tudo está profundamente interligado.

1 – Acabar com a pobreza em todas as suas formas e em todos os lugares
2 – Eliminar com a forme, alcançar a segurança alimentar e melhor nutrição, promovendo a agricultura sustentável
3 – Assegurar vidas saudáveis e promover o bem-estar para todos em todas as idades
4 – Assegurar educação inclusiva e equitativa de qualidade e promover oportunidades de aprendizado por toda a vida para todos
5 – Alcançar a igualdade de gênero e capacitar todas as mulheres e crianças
6 – Assegurar a disponibilidade e a gestão sustentável de água e saneamento para todos
7 – Assegurar o acesso à energia confiável, sustentável, moderna e a preço acessível para todos
8 – Promover o crescimento econômico sustentado, inclusivo e sustentável, emprego integral e produtivo e trabalho decente para todos
9 – Construir infraestrutura resiliente, promover industrialização inclusiva e sustentável e fomentar inovação
10 – Reduzir a desigualdade dentro dos países e entre eles
11 – Tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis
12 – Assegurar padrões sustentáveis de consumo e de produção
13 – Adotar ação urgente para combatger a mudança do clima e seus impactos
14 – Conservação e uso sustentável dos oceanos, mares e recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável
15 – Proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, promover a gestão sustentável de florestas, combater a desertificação, cessar e reverter a degradação da terra e cessar a perda de biodiversidade
16 – Promover sociedades pacíficas e inclusivas para o desenvolvimento sustentável, oferecer a todos o acesso à justiça e construir instituições efetivas, responsáveis e inclusivas em todos os níveis
17 – Fortalecer os meios de implementação e revigorar a parceria global para o desenvolvimento sustentável

O Brasil, por meio do Itamaraty, programou para hoje o anúncio público de suas metas nacionais. Esse conteúdo será objeto do próximo artigo.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

29/08/2014 - Alerta vermelho ao estado de conservação da biodiversidade costeira e marinha brasileira   

03/07/2012 – Cúpula dos Povos: uma olhar indígena para além do Brasil
29/06/12 - Pós-Rio+20: ao sair da bolha, o trabalho continua
26/06/12 - Rio+20 e Cúpula dos Povos em imagens
25/06/12 - Rio+20 &Cúpula dos Povos - momentos intensos de trabalho
14/06/12 - Rio+20: Relatório reforça a necessidade da inclusão no conceito de Economia Verde
14/06/12 - Rio+20/CúpuladosPovos: o presente e futuro que fazemos
07/06/12 - Rumo à Rio+20: o valor oculto da água
07/06/12 - Rumo à Rio +20 - O direito à comunicação
22/05/12 - Nota: #RumoàRioMais20: Obra trata da resiliência & sustentabilidade
22/05/12 - Rumo à Rio+20:Oceano é tema de livro no Dia Internacional da Biodiversidade
20/05/12 - RumoàRioMais20 - Game simula ambiente real de decisões políticas
03/05/12 - Rumo à RioMais20: seca, fome, morte e draft zero
11/04/12 - Site da ONU pretende ser canal de diálogo com a sociedade sobre a Rio+20
22/03/12 - Nota: EIMA8 lança informe rumo à Rio+20
22/03/12 - Campanha A Água e a Segurança Alimentar
22/03/12 - Sustentabilidade: Gro Brundtland no Brasil
13/03/12 - #RioMais20: Reflexão: Como entender o jogo do tabuleiro?
13/03/12 - Nota: expectativas oficiais sobre a Rio+20
11/03/12 - Nota: como participar do processo da Cúpula dos Povos?
10/03/12 - Refugiados climáticos: do alerta ao fato
04/03/12 - Pensata - Rio+20: agora é a vez do como
02/03/12 - A importância da discussão da água na Rio+20
27/12/11 - As teias que ligam a COP17 com a Rio+20
Entre outras, desde 05/12/10. 

* Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

07/04/2020 14:31

Parte 3: A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha

Neste Dia Mundial da Saúde (07/04), fica o alerta em defesa de nossos profissionais da área da saúde Por Sucena Shkrada Resk* A batalha contra a Covid-19 está resultando em muitas baixas no front, em todo o mundo. No município de São Paulo, o médico socorrista Paulo Fernando, 56 anos; o enfermeiro...
30/03/2020 10:30

Parte 2: A espiral do novo coronavírus expõe a janela da fragilidade aberta no Antropoceno

Com a pandemia da Covid-19, somos obrigados a descobrir novos caminhos para a humanidade Por Sucena Shkrada Resk* Existem algumas guerras que não são estruturadas com armamentos bélicos e que são tão devastadoras quanto a estes conflitos geopolíticos que têm assolado a humanidade, como a 1ª e 2ª...
10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...
03/02/2020 11:22

Minas Gerais: um recorte sobre os abalos sísmicos e a gestão de riscos

Por Sucena Shkrada Resk* O Brasil tem na casa de 500 abalos sísmicos anualmente e pouca gente tem conhecimento disso. Minas Gerais é um dos estados que historicamente registra os maiores números de terremotos no país (a maioria entre 1 e 4 graus na Escala Richter, que vai até 10 graus), o que é um...
23/01/2020 12:18

Saúde ambiental: estado de alerta mundial para o coronavírus reflete um desequilíbrio ecossistêmico

Por Sucena Shkrada Resk* Maior parte dos registros de casos, até agora, se concentra na China e em outros países asiáticos A Organização Mundial da Saúde (OMS) emitiu um alerta mundial sobre a propagação do coronavírus (2019-nCoV) e instituiu um comitê de emergência com renomados cientistas...
21/01/2020 13:12

Guerra na Síria: todo o peso da expressão “infância roubada” sobre mais de 5 milhões de crianças

Por Sucena Shkrada Resk* Este é um dos exemplos mais cruéis de obstáculos aos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODSs), que se multiplica em outras nações no mundo Quando observamos atentamente as consequências dos oito anos e meio da devastadora Guerra na Síria, alguns dos pontos mais...
17/01/2020 13:45

Ana Maria Primavesi: a pioneira semeadora da Agroecologia

Por Sucena Shkrada Resk* A construção da história se tece com ícones. Quando se trata da Agroecologia, a personagem que emerge é da engenheira agrônoma e Doutora em Cultura de Solos e Nutrição Vegetal Ana Maria Primavesi, que partiu para o outro plano, aos 99 anos, no último dia 5 de janeiro,...
16/01/2020 12:49

O Piroceno chegou e agora?

Por Sucena Shkrada Resk* Os incêndios na Austrália são o alerta mais contundente do aquecimento global na atualidade Nem nos longas-metragens mais dramáticos, poderíamos imaginar o roteiro da vida real de incêndios florestais que atingem com mais intensidade até agora especialmente a Austrália,...
15/01/2020 14:59

As mudanças climáticas desenham o cenário de urgência em saúde, na próxima década

Por Sucena Shkrada Resk Inação diante da crise pode ter um preço muito alto, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) A saúde pública é, em última análise, uma escolha política e a crise climática é uma crise de saúde. Esta afirmação ecoa um dos principais alertas em relatório divulgado neste...
20/10/2019 13:49

O ônus da desigualdade no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Há uma máxima que deve ser respeitada: os fatos não mentem, quando se trata de analisar a desigualdade socioeconômica no Brasil, que inclui a injustiça ambiental. Os percentuais estatísticos se revelam diariamente, nos trazendo a uma realidade gritante: o país está entre os...
24/08/2019 15:16

A carência de uma visão e ação integradas panamazônicas

Artigo nº 761/Podcast 8 – Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Neste ano de 2019, a evidência de posturas de governanças isolacionistas reacende uma discussão nas entranhas sul-americanas. Vivemos décadas após décadas, a carência de uma visão e ação...
13/08/2019 16:32

#ODS_4: O incentivo à leitura forjado em bibliotecas cidadãs

Atitudes de pessoas comuns fazem a diferença em suas comunidades e municípios e são fonte de inspiração em um país no qual o analfabetismo é ainda um desafio a se superar; são exemplos na busca do Objetivo do Desenvolvimento Sustentável 4 (ODS-4), na seara da educação   Por Sucena Shkrada...
06/08/2019 14:02

Poluição do ar: um assunto transversal nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Análise é feita pelo médico-patologista e pesquisador Paulo Saldiva, diretor do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (IEA/USP), em entrevista especial ao Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk Por Sucena Shkrada Resk* Não é por acaso que o sistema da...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk