Especial Biodiversidade (Parte 2): declínio de espécies ecoa alerta

29/10/2014 21:16

Situação está interligada com a pegada ecológica do ser humano e consequentemente ao quadro crescente das mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk

A fauna presente na América Latina está declinando nas últimas quatro décadas de forma ascendente, mais que em todo o globo. O silêncio começa a ocupar o lugar dos sons, dos movimentos, da vida animal terrestre e marinha. De certa forma, reflete um grito contido. Esse cenário de extrema vulnerabilidade é refletido pelo seguinte quadro: cerca de 83% das populações de peixes, aves, mamíferos, anfíbios e répteis da região é afetada por esta diminuição. Esse decréscimo é percentualmente superior ao declínio global de 52% no período, que avalia a situação de 10.380 populações de 3.038 espécies de vertebrados (sendo que no mundo, há o registro de 62.839). A maior parcela afetada é de espécies de sistemas de água doce. Os dados integram o recente Relatório Planeta Vivo 2014, da organização não governamental (ONG) WWF, que tem periodicidade bienal.

Algumas situações são extremas. Na China, por exemplo, a espécie Baiji ou golfinho do rio Yangtze (Lipotes vexillifer) é agora considerada extinta. A constatação foi feita em pesquisa realizada em 2006, quando não se conseguiu encontrar quaisquer indivíduos no rio Yangtze. Uma das causas considerada mais provável é de que a morte foi ocasionada pela pesca predatória.

No Brasil, segundo o Livro Vermelho da Fauna Brasileira, do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), existem 135 espécies ameaçadas de água doce, sendo a maior parte da família Rivulidae (52), que se encontra principalmente entre a foz do rio São Francisco e os rios litorâneos do Estado de Santa Catarina.

No mundo, o que se observa são indícios de que a pressão à fauna nas zonas tropicais é maior, onde houve a redução de 56% , entre 1970 e 2010, ou seja, atingiu uma população de 1.638 espécies de um total de 3.811. Já no caso das zonas temperadas, o declínio foi de 36% correspondentes a 1.606 em um universo de 6.569 espécies. Entre as principais causas dessa redução, estão a perda e degradação de hábitat e a exploração por meio de caça e pesca (intencionalmente para o alimento ou esporte, ou acidentalmente, por exemplo, como as capturas acessórias),  a introdução de espécies invasoras e o processo acelerado das mudanças climáticas, que está se agravando, de acordo com o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas (ONU).

Não existem dúvidas de que o quadro de vulnerabilidade está associado à pressão antrópica global. A sobrecarga da pegada ecológica é grande: usamos o equivalente hoje a 1,5 Terras ou 18,1 bilhões de hectares. Assim, a conta não bate. E em 2050, quando seremos entorno de 9,6 milhões de indivíduos, é um contexto que já causa apreensão.

A métrica utilizada para se chegar a esses cálculos reúne dados sobre áreas construídas, estoques pesqueiros, florestas, pastagens, áreas de cultivo e carbono. Nesta matemática de subtração, a pegada de carbono é a mais predatória. E entre os países, com maior emissão, estão El Salvador, Jordânia, Myanmar, Equador, Tunísia e Colômbia. Só para se ter noção, em 1961, o carbono respondia por 36% de nossa pegada total, enquanto em 2010, o percentual era de 53% no mundo.

As 25 nações com maiores pegadas ecológicas (com população superior a um milhão de habitantes) são justamente as mais ricas e é aí que o conceito de desenvolvimento tem de ser repensado. Como exemplo, o Catar, que está no segundo lugar neste ranking, depois do Kwait, consome nada mais, nada menos, que 4,8 planetas.

Por incrível que pareça, as maiores perdas ecossistêmicas, no entanto, não ocorrem onde mais se explora, mas nos países de baixa renda. A relação de desigualdade se dá da seguinte maneira: essas nações acabam sustentando o estilo de vida das mais ‘desenvolvidas’. Nessa balança, as perdas recaem sobre a própria população. Atualmente, cerca de um bilhão de pessoas passam fome e 768 milhões não têm acesso à água limpa. Ao mesmo tempo, 1,4 bilhões também não têm acesso a fontes de energia limpa.

E no final das contas, o que se percebe com isso tudo é que as intervenções humanas,  que comprometem a diversidade biológica, são um ‘tiro no pé’ do ser humano, ou seja, nós. Aí está um dos inúmeros ângulos que integram a agenda complexa da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-20), que acontece em dezembro, no Peru. E alguém ainda tem dúvida de que tudo está interligado?

Veja outros artigos que escrevi referente ao tema, no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

15/10/2014 - Especial Biodiversidade (Parte 1): Protocolo de Nagoya passa a valer, sem o Brasil
16/09/2014 - Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 3): de olho na justiça climática
12/09/2014 - Especial - Desenvolvimento Sustentável: como sair do círculo dos gabinetes?
29/08/2014 - Alerta vermelho ao estado de conservação da biodiversidade costeira e marinha brasileira
07/10/2011 -Russell Mittermeier-p1: foco em conservação das espécies e áreas protegidas
01/11/2010 - COP10-Biodiversidade: cartas colocadas à mesa
27/08/2010  -Diferentes olhares sobre a biodiversidade
*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

08/02/2019 12:42

Rompimentos de barragens de rejeitos minerais revelam cenário de insegurança no país

Por Sucena Shkrada Resk* Ausência e/ou ineficiência nas precaução e prevenção, manutenção, em monitoramento e investimento em tecnologias mais seguras e em fiscalização contínua na destinação e tratamento de rejeitos minerais. Essa série de potenciais causas tem demonstrado um verdadeiro campo...
25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk