Educomunicação:memória e resiliência no enfrentamento dos eventos extremos , por Sucena Shkrada Resk

03/12/2012 18:00

Poucos minutos ou horas e tudo está sob as águas ou sob escombros. Imaginaram a cena praticamente dantesca? Talvez muitos de vocês já passaram por essa situação algum dia na vida...O que não se pode negar é que o enfrentamento de inundações, enchentes e outros tipos de eventos extremos é uma experiência difícil para qualquer um de nós. E como auxiliar as vítimas para que sejam mais resilientes a esses desastres de fundo climático? Ou melhor, que sejam antes de tudo, previdentes?

Uma das maneiras é por meio das memórias, segundo a especialista em mídia, a britânica Joanne Garde-Hansen. Ela é docente na graduação em Mídia Criativa da Universidade Gloucestershire/Inglaterra e coordenadora dos cursos de pós-graduação na área. “Na era digital, há o perigo de se achar que o momento presente é mais importante e com isso sempre se começa do zero”, alerta.

Em 2007, ela e sua equipe desenvolveram um projeto em comunidades, onde milhares de pessoas sofreram as consequências de inundações, desde a falta de água e eletricidade, perdas ao estado de trauma, na Inglaterra. “O que percebemos é que as que mais sofreram com o impacto perderam suas memórias dos acontecimentos”. O objetivo, então, foi propiciar a essas pessoas, o estímulo à proatividade para a prevenção e enfrentamento dos incidentes climáticos, por meio da recomposição histórica dos fatos vividos e de outros que ocorreram em séculos passados.

“Descobrimos que as inundações eram regulares naquela região, desde o século XV e foram bem maiores nos anos 1700, e que era possível aprender com as experiências dos cidadãos daquelas épocas”. Não tinham, por exemplo, carpetes e os pisos eram limpos com água e pano (algo mais prático)....

Joanne também expõe que hoje as pessoas não vão aos edifícios que foram impactados em inundações antigas, onde ainda há marcadores do nível das águas nas paredes, que recobram esses episódios e são úteis como fonte de informação.

“Quando abrimos arquivos antigos de como as comunidades lidavam com o meio ambiente, temos histórias de sobrevivência, resiliência e como se davam essas dinâmicas, que não dependiam de governos, de ambulâncias, de outras estruturas mais modernas, como ocorre hoje”...

Diante desses levantamentos, na avaliação de Joanne, o esquecimento não propicia força de reação e reconhecimento de ações mais eficazes. Por isso, segundo ela, é importante a mobilização para o conhecimento de experiências decorridas com o passar do tempo. Nessa apreensão e análise, é necessária a convergência de mídias analógicas e digitais e que as próprias pessoas da comunidade sejam capacitadas para fazer esse trabalho de recuperação histórica. Tanto a história oral como documental são estratégicas. Os recursos comunicacionais utilizados vão desde áudio, vídeo, fotografia à construção de blogs, jornais a encenações teatrais, com abordagem crítica e mista. Entre as plataformas de mídias sociais, estão o Flickr, o Facebook e Youtube, entre outras.

“Nessa relação com as comunidades, temos de criar confiabilidade. Em todos os projetos que participo, luto pelo envolvimento e participação delas. Não gosto de abordagens de cima para baixo”, disse a especialista, ao ser perguntada pelo Blog Cidadãos do Mundo. Segundo ela, os resultados, por sua vez, tendem a ser mais “ricos” em seu conteúdo. Nesse processo, os participantes comparam e contrastam suas memórias pessoais com os arquivos oficiais e escolhem as maneiras de multiplicar as histórias, orientações e informações, de maneira autoral.

Os relatos da especialista britânica, feitos durante o Seminário Internacional do Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, em São Paulo, me fizeram constatar novamente a importância da educomunicação na rede de prevenção e enfrentamento dos desastres naturais e/ou antrópicos, em que todos nós somos agentes ativos como possíveis vítimas. Estamos potencialmente dos dois lados da situação continuamente.

Em outros locais do mundo, há mais experiências em curso, no sentido de envolver a sociedade no processo. Na Itália, é desenvolvido o projeto EduRisk – Itinerari per La Riduzione Del Rischio, que obteve o apoio de comunicadores a educadores e estudantes com relação a terremotos. O relato a respeito foi feito pela jornalista italiana Elisabetta Tola, no Museu da Vida (COC/Fiocruz), no ano passado.

O tema da comunicação, memória e resiliência me trouxe à mente várias cenas recentes de enchentes, deslizamentos em diferentes localidades do Brasil e fica impossível esquecer a “fragilidade” de cidadãs (os) ainda existente em áreas da serra fluminense, no Vale do Itajaí, em municípios mineiros, no Norte e Nordeste do país e tão próximo, como na Grande São Paulo. Muitos ainda continuam literalmente nas áreas de risco, por inúmeros motivos, que envolvem desde a questão financeira à inoperância da gestão pública com relação a programas habitacionais, educacionais, de recuperação de áreas afetadas por desastres anteriores ou até de sistemas de alertas.

Acredito que a questão das ações para a autonomia de prevenção e enfrentamento por parte das comunidades deveria estar constante na sustentação das diretrizes do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Desastres Naturais (2012 2014) https://www.pac.gov.br/pub/up/relatorio/d0d2a5b6f24df2fea75e7f5401c70e0d.pdf.

O documento aponta um investimento total de R$18,8 bi e foca principalmente 170 municípios e 17 regiões metropolitanas e bacias hidrográficas. Com riscos de deslizamento e enxurradas, foram levantados 821 municípios. O que se prevê é que os mesmos tenham alertas de duas a seis horas antes das ocorrências. No caso de previsão de impacto da seca na agricultura no semiárido, o período deve ser de dois meses antes.

O incentivo à resiliência poderia estar na composição na formação do quadro dos agentes da Defesa Civil, que prevê 10 mil agentes, 4 mil membros da sociedade civil organizada e 2.130 profissionais especializados. É o lado humano e não matemático, que é fundamental tanto na prevenção como diante de fatos consumados.

No âmbito global, o que se vê é um quadro cada vez mais complexo. A Universidade das Nações Unidas apresentou, durante a Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP18), que ocorre em Doha, no Qatar,.um estudo que analisa a situação de comunidades supervulneráveis de cinco países (Bangladesh, Butão, Gâmbia, Quênia e Micronésia). Os dados, de certa forma, vêm também ao encontro do que Joanne expõe sobre a importância da memória. Nesses locais, há inabilidade com relação ao estresse climático e praticamente as pessoas estão no extremo da capacidade de suporte para a subsistência.

Além da necessidade de auxílio financeiro para a questão de perdas e danos (vide que o Fundo Verde Climático não saiu do papel até o momento), é possível observar algo ainda mais perverso. Esses cidadãos não conseguem superar os efeitos da salinidade nas águas de abastecimento, de inundações, secas ou de erosões, dependendo dos biomas e ecossistemas onde vivem, que estão seriamente comprometidos.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo:
29/11/12 - Joanne Garde-Hansen fala da ética de se importar
08/11/12 - Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas 30/10/12 - Educomunicação: o sentido da inclusão
29/10/12 - Educomunicação:O caminho das imagens como mobilização socioambiental
29/10/12 -Dona Tonha, de São Mateus para o mundo
27/08/12 - No contexto das nove fronteiras
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África
10/04/12 - Nota: Educomunicadores criam associação
10/04/12 - E a educomunicação ambiental nas políticas públicas brasileiras?
08/04/12 - Educomunicação: uma questão de estímulo
08/04/12 - Esp.Educom 2012:Ismar Soares e a educomunicação na academia e fora de seus muros
06/04/12 - Especial Educom 2012: Grácia Lopes Lima fala dos objetivos do Cala-Boca Já Morreu
26/03/12 - Encontro de Educomunicação no VII Fórum de EA
09/01/12 - E os planos de contingência?
22/11/11 - CBJA: jornalista socioambiental na busca da liberdade
31/10/11 - O encanto pela história oral
11/06/11 - Reflexões: o que pensar depois do C-40
27/03/11 - Com qual lente olhamos os desastres naturais?
05/12/10 - Especial Fórum Social Pan-Amazônico – A luta só está no começo
09/09/10 - Cepal utiliza metodologia da síndrome de mudança climática
02/09/10 - Adaptação tem de ultrapassar a retórica
10/06/10 - A multiplicidade da ação simbólica ambiental
25/05/10 - Pensata: Entre os discursos e as ações
03/04/10 - Educomunicação: Resolução Conama abre novas perspectivas
13/01/10 - Propostas da 1ª Conf. Nac. de Comunicação virarão lei?
17/11/09 - Esp. EA (4)-Entrevista:Maria del Carmen Chude
02/11/09 20 - Esp. EA (3)-Entrevista: Vilmar Berna
01/11/09 - Esp. EA (2)-Entrevista: André Trigueiro
26/10/09 -Esp. EA (1) - Entrevista: Heitor Queiroz de Medeiros
04/08/09 - Esp.-VI Fórum de Educação Ambiental-A importância do empoderamento
01/12/08 - Santa Catarina: um desastre a refletir

 

Pesquisar no site

Blog

09/10/2017 17:53

Justiça socioambiental: centenas de vozes ecoam homenagem póstuma à pescadora Nicinha, no Rio de Janeiro

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro  A pescadora Nilce de Souza Magalhães, mais conhecida por Nicinha, liderança feminina do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), no estado de Rondônia, defendia os direitos das populações afetadas pelo Complexo Hidrelétrico, no rio Madeira e seus...
25/09/2017 12:22

Gameleira traz um exemplo propositivo de afirmação identitária quilombola

PÍLULAS SOCIOAMBIENTAIS Por Sucena Shkrada Resk O Museu Gídio Veio, da Comunidade de Remanescentes Quilombolas de Gameleira, em São Tomé, no Rio Grande do Norte, é uma prova de que o senso de pertencimento étnico ao território pode ser ‘perpetuado’ por meio de ações proativas, que tragam o resgate...
21/08/2017 16:06

Ser quilombola: um diálogo com a memória ancestral

Por Sucena Shkrada Resk, em Eldorado (SP) - 20/08/2017 “Eu tenho uma memória ancestral que diz quem eu sou”, destaca o quilombola Ronaldo dos Santos, coordenador executivo da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ). Essa afirmação nunca foi tão...
01/08/2017 11:40

Mobilização nacional defende comunidades remanescentes quilombolas contra retrocessos em direitos estabelecidos

Por Sucena Shkrada Resk Nos últimos anos, está sendo construído um cenário de retrocessos no campo dos direitos humanos no Brasil, que ferem a Constituição de 1988. Atualmente, uma causa que ganha visibilidade é a das comunidades remanescentes quilombolas. Isso acontece, porque o julgamento...
09/07/2017 18:10

O discurso da invisibilidade no contexto da injustiça socioambiental e no campo

Por Sucena Shkrada Resk Vivemos tempos de invisibilização acentuada de povos e comunidades tradicionais e indígenas promovida pelos modus operandi das políticas de infraestrutura, que ferem os direitos instituídos legalmente, no âmbito nacional e internacional. Algumas das agendas com maior número...
22/01/2017 18:21

O ônus socioambiental da contemporaneidade “Flex”

  Por Sucena Shkrada Resk   Quando dizemos que um indivíduo ou uma nação têm "palavra", o sentido implícito nesta frase implica retidão, ética e relação de confiança. Mas nos deparamos hoje na contemporaneidade com uma fragilidade que reflete um mundo em que leis, direitos instituídos e...
18/12/2016 10:34

Guerra na Síria: o retrato da desumanização no século XXI

Por Sucena Shkrada ReskQuem cura as cicatrizes das feridas profundas das guerras civis que marcam o século XXI, em especial, na Síria? Os acordos geopolíticos demonstram que impera a crueldade imposta pelas polaridades, que armam os lados opostos internos com aparato bélico e financiamento e causam...
12/12/2016 21:38

A legislação socioambiental sob o ataque da artilharia ruralista no Congresso Nacional

Por Sucena Shkrada Resk Agora, querem destruir as regras do licenciamento ambiental O desgaste político brasileiro na agenda socioambiental chega a beirar o surrealismo. Tal qual uma artilharia, com tanque de guerra, a bancada ruralista tem assumido o ataque, por meio de projetos que tramitam no...
05/09/2016 17:41

A longevidade em tempos de mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk Caso fôssemos fazer uma enquete para saber se as pessoas querem envelhecer em um planeta com o aumento da temperatura média acima de dois graus Celsius até o final do século com relação à era pré-industrial, muitas talvez não tivessem a noção do que essa pergunta significa....
28/08/2016 16:31

Savanização da Amazônia mato-grossense a olhos nus

Por Sucena Shkrada Resk Mais de 15 mil focos de incêndio/queimadas, neste ano, colocam o Mato Grosso em primeiro do ranking no país atualmente. E boa parte destes registros ocorre no bioma amazônico ao norte e noroeste do estado. Colniza, a pouco mais de mil quilômetros de Cuiabá, é o município que...
26/06/2016 22:35

Mortes de ativistas socioambientais não podem se perder nas estatísticas

Por Sucena Shkrada Resk Muitos nomes em algumas lápides por este Brasil podem ser anônimos para a maioria de nós, mas representam o descaso cada vez maior com a vida de cidadãos e cidadãs, que fazem parte de comunidades indígenas, que pleiteiam a demarcação de terra que se estende em processos...
24/04/2016 14:53

Agrotóxicos – Parte 2: mais um projeto polêmico na Câmara

Por Sucena Shkrada Resk Quando imaginamos que está chegando o momento de bonança, vem mais uma notícia que exige um olhar atento da sociedade quanto à temática dos agrotóxicos e a tentativa de mudança de nomenclatura e regras, que ferem o direito do consumidor. Tramita na Câmara dos Deputados, o...
11/04/2016 12:44

Estão calando aos poucos as raízes indígenas: a memória oral é um caminho necessário

Por Sucena Shkrada Resk Quando anunciam que dezenas de línguas indígenas podem morrer, como centenas já desapareceram no Brasil, dá uma sensação de vazio. O processo de extermínio das raízes vem se acelerando, desde o “Descobrimento do Brasil”, quando se estima que havia o registro entre 1.500 e...
03/04/2016 09:44

Agrotóxicos-transgênicos: um rolo compressor está sendo passado sobre o direito do consumidor

Por Sucena Shkrada Resk Enquanto o cenário político brasileiro enfrenta uma de suas maiores crises na história democrática no país, nos bastidores, a orquestração no Congresso de grupos políticos, que representam predominantemente interesses de mercado, consegue aprovar projetos que prejudicam o...
23/02/2016 20:34

Esgotamento sanitário mais uma vez relegado a segundo plano no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk Bactérias, vírus e parasitas, coliformes fecais, produtos químicos, metais pesados...  Sinto muito dizer, mas 42% da população convivem com este contexto de saneamento, porque não têm acesso a um direito mínimo, que é a coleta de rede de esgoto. O endereço dessa...
09/02/2016 07:27

As lamas da mineração: a caixa de pandora foi aberta

Por Sucena Shkrada Resk Três meses se passaram e a conclusão a que se chega é que a expressão “tragédia anunciada” se materializou no acidente do rompimento da barragem de rejeitos minerais(de ferro) do Fundão, operada pela Samarco, controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Biliton, , em...
31/01/2016 14:00

Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda

Por Sucena Shkrada Resk Lembro como se fosse hoje. O ano era 2002 e trabalhava como repórter no Diário do Grande ABC. Uma das pautas que mais cobri, neste período, foi com relação à epidemia de dengue e aos diversos focos do mosquito fêmea do Aedes aegypti que havia na região e no país. Em outras...
26/12/2015 15:58

Implementação é a palavra-chave após a COP21

Por Sucena Shkrada Resk Esta é uma fase de amadurecimento de reflexões. Os últimos dias após o acordo firmado na 21ª Conferência das Partes (COP-21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) e da 11ª Reunião das Partes no Protocolo de Quioto (MOP-11), em...
07/12/2015 21:32

COP21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque

Por Sucena Shkrada Resk Enquanto nas salas climatizadas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-21), em Paris, tudo vai hipoteticamente bem, obrigado, do lado de fora, a realidade é bem outra. Essa constatação vem por meio de dados do recente...
29/11/2015 13:04

Crônicas de uma urbanóide na vida rural: superando os medos e mitos sobre uma caranguejeira

Por Sucena Shkrada Resk Já era noite e estava dentro de casa, no quarto, quando vi próximo ao guarda-roupa uma enorme aranha –caranguejeira. Até então, só tinha visto em alguns locais externos, em viagens, mas não tão pertinho, nesta experiência de quase um ano vivendo em uma cidade com perfil...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk