Educomunicação:memória e resiliência no enfrentamento dos eventos extremos , por Sucena Shkrada Resk

03/12/2012 18:00

Poucos minutos ou horas e tudo está sob as águas ou sob escombros. Imaginaram a cena praticamente dantesca? Talvez muitos de vocês já passaram por essa situação algum dia na vida...O que não se pode negar é que o enfrentamento de inundações, enchentes e outros tipos de eventos extremos é uma experiência difícil para qualquer um de nós. E como auxiliar as vítimas para que sejam mais resilientes a esses desastres de fundo climático? Ou melhor, que sejam antes de tudo, previdentes?

Uma das maneiras é por meio das memórias, segundo a especialista em mídia, a britânica Joanne Garde-Hansen. Ela é docente na graduação em Mídia Criativa da Universidade Gloucestershire/Inglaterra e coordenadora dos cursos de pós-graduação na área. “Na era digital, há o perigo de se achar que o momento presente é mais importante e com isso sempre se começa do zero”, alerta.

Em 2007, ela e sua equipe desenvolveram um projeto em comunidades, onde milhares de pessoas sofreram as consequências de inundações, desde a falta de água e eletricidade, perdas ao estado de trauma, na Inglaterra. “O que percebemos é que as que mais sofreram com o impacto perderam suas memórias dos acontecimentos”. O objetivo, então, foi propiciar a essas pessoas, o estímulo à proatividade para a prevenção e enfrentamento dos incidentes climáticos, por meio da recomposição histórica dos fatos vividos e de outros que ocorreram em séculos passados.

“Descobrimos que as inundações eram regulares naquela região, desde o século XV e foram bem maiores nos anos 1700, e que era possível aprender com as experiências dos cidadãos daquelas épocas”. Não tinham, por exemplo, carpetes e os pisos eram limpos com água e pano (algo mais prático)....

Joanne também expõe que hoje as pessoas não vão aos edifícios que foram impactados em inundações antigas, onde ainda há marcadores do nível das águas nas paredes, que recobram esses episódios e são úteis como fonte de informação.

“Quando abrimos arquivos antigos de como as comunidades lidavam com o meio ambiente, temos histórias de sobrevivência, resiliência e como se davam essas dinâmicas, que não dependiam de governos, de ambulâncias, de outras estruturas mais modernas, como ocorre hoje”...

Diante desses levantamentos, na avaliação de Joanne, o esquecimento não propicia força de reação e reconhecimento de ações mais eficazes. Por isso, segundo ela, é importante a mobilização para o conhecimento de experiências decorridas com o passar do tempo. Nessa apreensão e análise, é necessária a convergência de mídias analógicas e digitais e que as próprias pessoas da comunidade sejam capacitadas para fazer esse trabalho de recuperação histórica. Tanto a história oral como documental são estratégicas. Os recursos comunicacionais utilizados vão desde áudio, vídeo, fotografia à construção de blogs, jornais a encenações teatrais, com abordagem crítica e mista. Entre as plataformas de mídias sociais, estão o Flickr, o Facebook e Youtube, entre outras.

“Nessa relação com as comunidades, temos de criar confiabilidade. Em todos os projetos que participo, luto pelo envolvimento e participação delas. Não gosto de abordagens de cima para baixo”, disse a especialista, ao ser perguntada pelo Blog Cidadãos do Mundo. Segundo ela, os resultados, por sua vez, tendem a ser mais “ricos” em seu conteúdo. Nesse processo, os participantes comparam e contrastam suas memórias pessoais com os arquivos oficiais e escolhem as maneiras de multiplicar as histórias, orientações e informações, de maneira autoral.

Os relatos da especialista britânica, feitos durante o Seminário Internacional do Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, em São Paulo, me fizeram constatar novamente a importância da educomunicação na rede de prevenção e enfrentamento dos desastres naturais e/ou antrópicos, em que todos nós somos agentes ativos como possíveis vítimas. Estamos potencialmente dos dois lados da situação continuamente.

Em outros locais do mundo, há mais experiências em curso, no sentido de envolver a sociedade no processo. Na Itália, é desenvolvido o projeto EduRisk – Itinerari per La Riduzione Del Rischio, que obteve o apoio de comunicadores a educadores e estudantes com relação a terremotos. O relato a respeito foi feito pela jornalista italiana Elisabetta Tola, no Museu da Vida (COC/Fiocruz), no ano passado.

O tema da comunicação, memória e resiliência me trouxe à mente várias cenas recentes de enchentes, deslizamentos em diferentes localidades do Brasil e fica impossível esquecer a “fragilidade” de cidadãs (os) ainda existente em áreas da serra fluminense, no Vale do Itajaí, em municípios mineiros, no Norte e Nordeste do país e tão próximo, como na Grande São Paulo. Muitos ainda continuam literalmente nas áreas de risco, por inúmeros motivos, que envolvem desde a questão financeira à inoperância da gestão pública com relação a programas habitacionais, educacionais, de recuperação de áreas afetadas por desastres anteriores ou até de sistemas de alertas.

Acredito que a questão das ações para a autonomia de prevenção e enfrentamento por parte das comunidades deveria estar constante na sustentação das diretrizes do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Desastres Naturais (2012 2014) https://www.pac.gov.br/pub/up/relatorio/d0d2a5b6f24df2fea75e7f5401c70e0d.pdf.

O documento aponta um investimento total de R$18,8 bi e foca principalmente 170 municípios e 17 regiões metropolitanas e bacias hidrográficas. Com riscos de deslizamento e enxurradas, foram levantados 821 municípios. O que se prevê é que os mesmos tenham alertas de duas a seis horas antes das ocorrências. No caso de previsão de impacto da seca na agricultura no semiárido, o período deve ser de dois meses antes.

O incentivo à resiliência poderia estar na composição na formação do quadro dos agentes da Defesa Civil, que prevê 10 mil agentes, 4 mil membros da sociedade civil organizada e 2.130 profissionais especializados. É o lado humano e não matemático, que é fundamental tanto na prevenção como diante de fatos consumados.

No âmbito global, o que se vê é um quadro cada vez mais complexo. A Universidade das Nações Unidas apresentou, durante a Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP18), que ocorre em Doha, no Qatar,.um estudo que analisa a situação de comunidades supervulneráveis de cinco países (Bangladesh, Butão, Gâmbia, Quênia e Micronésia). Os dados, de certa forma, vêm também ao encontro do que Joanne expõe sobre a importância da memória. Nesses locais, há inabilidade com relação ao estresse climático e praticamente as pessoas estão no extremo da capacidade de suporte para a subsistência.

Além da necessidade de auxílio financeiro para a questão de perdas e danos (vide que o Fundo Verde Climático não saiu do papel até o momento), é possível observar algo ainda mais perverso. Esses cidadãos não conseguem superar os efeitos da salinidade nas águas de abastecimento, de inundações, secas ou de erosões, dependendo dos biomas e ecossistemas onde vivem, que estão seriamente comprometidos.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo:
29/11/12 - Joanne Garde-Hansen fala da ética de se importar
08/11/12 - Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas 30/10/12 - Educomunicação: o sentido da inclusão
29/10/12 - Educomunicação:O caminho das imagens como mobilização socioambiental
29/10/12 -Dona Tonha, de São Mateus para o mundo
27/08/12 - No contexto das nove fronteiras
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África
10/04/12 - Nota: Educomunicadores criam associação
10/04/12 - E a educomunicação ambiental nas políticas públicas brasileiras?
08/04/12 - Educomunicação: uma questão de estímulo
08/04/12 - Esp.Educom 2012:Ismar Soares e a educomunicação na academia e fora de seus muros
06/04/12 - Especial Educom 2012: Grácia Lopes Lima fala dos objetivos do Cala-Boca Já Morreu
26/03/12 - Encontro de Educomunicação no VII Fórum de EA
09/01/12 - E os planos de contingência?
22/11/11 - CBJA: jornalista socioambiental na busca da liberdade
31/10/11 - O encanto pela história oral
11/06/11 - Reflexões: o que pensar depois do C-40
27/03/11 - Com qual lente olhamos os desastres naturais?
05/12/10 - Especial Fórum Social Pan-Amazônico – A luta só está no começo
09/09/10 - Cepal utiliza metodologia da síndrome de mudança climática
02/09/10 - Adaptação tem de ultrapassar a retórica
10/06/10 - A multiplicidade da ação simbólica ambiental
25/05/10 - Pensata: Entre os discursos e as ações
03/04/10 - Educomunicação: Resolução Conama abre novas perspectivas
13/01/10 - Propostas da 1ª Conf. Nac. de Comunicação virarão lei?
17/11/09 - Esp. EA (4)-Entrevista:Maria del Carmen Chude
02/11/09 20 - Esp. EA (3)-Entrevista: Vilmar Berna
01/11/09 - Esp. EA (2)-Entrevista: André Trigueiro
26/10/09 -Esp. EA (1) - Entrevista: Heitor Queiroz de Medeiros
04/08/09 - Esp.-VI Fórum de Educação Ambiental-A importância do empoderamento
01/12/08 - Santa Catarina: um desastre a refletir

 

Pesquisar no site

Blog

26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...
06/02/2012 13:39

Aeroportos: Um país de duas medidas, por Sucena Shkrada Resk

Na semana passada, ouvi uma notícia que, no mínimo, demonstra um desequilíbrio total de gestão. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) anunciou que aeroportos em cidades da Copa terão opções de lanchonetes econômicas x aqueles preços homéricos que nos cobram. A iniciativa...
06/02/2012 11:18

Nota: Reflexões rumo às eleições & cidadania, por Sucena Shkrada Resk

Exigir que os CANDIDATOS DE TODOS OS PARTIDOS INDISTINTAMENTE a prefeitos e vereadores tenham plano de governos e legislativos coerentes, com metas, diretrizes de curto, médio e longo prazos, apresentem de onde virão as dotações orçamentárias (do tesouros, Parcerias Público-Privadas - PPs etc)...
06/02/2012 09:18

Prática da cidadania: combate ao uso do cerol, por Sucena Shkrada Resk

Praticar cidadania não tem hora marcada, feito uma consulta no médico, e nem pode depender de conveniência, de acordo com o ambiente, personagens envolvidos e interesses particulares. Isso deveria ser a regra, mas a gente sabe que não é bem assim. Vou citar um exemplo cotidiano para reflexão, aqui...
02/02/2012 12:14

Chico Whitaker: Como sensibilizar os 99%?, por Sucena Shkrada Resk

Um dos raciocínios e sensibilizações mais coerentes sobre o qual refleti, durante o Fórum Social Temático (FST) 2012, entre os dias 24 e 29 de janeiro, foi expresso por Chico Whitaker. Durante um encontro entre ativistas de mídia livre, promovido pela Ciranda.Net, no dia 25, ele trouxe a bagagem de...
25/01/2012 21:59

Caminhada do FST 2012: um momento em que as vozes emergem, por Sucena Shkrada Resk

A atmosfera de lançamento dos Fóruns Sociais consegue ter um DNA em comum a cada edição e isso se repetiu no dia 24, com o Fórum Social Temático – FST 2012, em Porto Alegre. As mais diversas “tribos” se misturaram e ao mesmo tempo se separaram em blocos e colocaram suas reivindicações na pauta das...
13/01/2012 18:42

Rio+20: O que fazemos com tanta informação?, por Sucena Shkrada Resk

Para quem acompanha ou atua na área socioambiental, a contagem regressiva para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, ao menos, gera uma carga significativa de pesquisas e informações para que possamos trabalhar o pensamento complexo,...
09/01/2012 16:14

E os planos de contingência?, por Sucena Shkrada Resk

Fiz esse breve questionário, como uma pré-pauta, para aguçar nossas reflexões. Quem será que tem as respostas na ponta da língua ou pelo menos sabe onde encontrá-las?: - O Brasil (enquanto federação) tem um plano de contingência a desastres naturais implementado? - Quantos dos 5.565 municípios...
06/01/2012 16:13

Que chance teve a criança indígena?, por Sucena Shkrada Resk

Uma notícia realmente me abateu hoje. Foi da denúncia da atrocidade feita com uma criança indígena do povo Awá-Guajá, de cerca de oito anos. O seu corpo carbonizado teria sido abandonado pelos Awá isolados, a cerca de 20 km da aldeia Patizal do povo Tenetehara, em Arame (MA). Tudo indica que foi...
06/01/2012 11:17

Anos e décadas institucionais da ONU e a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

No contexto da #Rio+20, estrategicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 2012 como ano de importantes eixos da sustentabilidade, quando completa 40 anos de atividade: Os temas são: - Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos e - Ano Internacional das Cooperativas (que...
01/05/2011 10:35

Suassuna, em verso e prosa

Por Sucena Shkrada Resk O escritor, poeta, dramaturgo e historiador Ariano Suassuna, 84 anos, no palco, e o geógrafo Aziz Ab´Saber, 87, na plateia. Poderia haver combinação mais emocionante de se flagrar? Presenciei esse bonito quadro, neste sábado, 30 de abril, no teatro do Sesc Vila Mariana, em...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk