Educomunicação:memória e resiliência no enfrentamento dos eventos extremos , por Sucena Shkrada Resk

03/12/2012 18:00

Poucos minutos ou horas e tudo está sob as águas ou sob escombros. Imaginaram a cena praticamente dantesca? Talvez muitos de vocês já passaram por essa situação algum dia na vida...O que não se pode negar é que o enfrentamento de inundações, enchentes e outros tipos de eventos extremos é uma experiência difícil para qualquer um de nós. E como auxiliar as vítimas para que sejam mais resilientes a esses desastres de fundo climático? Ou melhor, que sejam antes de tudo, previdentes?

Uma das maneiras é por meio das memórias, segundo a especialista em mídia, a britânica Joanne Garde-Hansen. Ela é docente na graduação em Mídia Criativa da Universidade Gloucestershire/Inglaterra e coordenadora dos cursos de pós-graduação na área. “Na era digital, há o perigo de se achar que o momento presente é mais importante e com isso sempre se começa do zero”, alerta.

Em 2007, ela e sua equipe desenvolveram um projeto em comunidades, onde milhares de pessoas sofreram as consequências de inundações, desde a falta de água e eletricidade, perdas ao estado de trauma, na Inglaterra. “O que percebemos é que as que mais sofreram com o impacto perderam suas memórias dos acontecimentos”. O objetivo, então, foi propiciar a essas pessoas, o estímulo à proatividade para a prevenção e enfrentamento dos incidentes climáticos, por meio da recomposição histórica dos fatos vividos e de outros que ocorreram em séculos passados.

“Descobrimos que as inundações eram regulares naquela região, desde o século XV e foram bem maiores nos anos 1700, e que era possível aprender com as experiências dos cidadãos daquelas épocas”. Não tinham, por exemplo, carpetes e os pisos eram limpos com água e pano (algo mais prático)....

Joanne também expõe que hoje as pessoas não vão aos edifícios que foram impactados em inundações antigas, onde ainda há marcadores do nível das águas nas paredes, que recobram esses episódios e são úteis como fonte de informação.

“Quando abrimos arquivos antigos de como as comunidades lidavam com o meio ambiente, temos histórias de sobrevivência, resiliência e como se davam essas dinâmicas, que não dependiam de governos, de ambulâncias, de outras estruturas mais modernas, como ocorre hoje”...

Diante desses levantamentos, na avaliação de Joanne, o esquecimento não propicia força de reação e reconhecimento de ações mais eficazes. Por isso, segundo ela, é importante a mobilização para o conhecimento de experiências decorridas com o passar do tempo. Nessa apreensão e análise, é necessária a convergência de mídias analógicas e digitais e que as próprias pessoas da comunidade sejam capacitadas para fazer esse trabalho de recuperação histórica. Tanto a história oral como documental são estratégicas. Os recursos comunicacionais utilizados vão desde áudio, vídeo, fotografia à construção de blogs, jornais a encenações teatrais, com abordagem crítica e mista. Entre as plataformas de mídias sociais, estão o Flickr, o Facebook e Youtube, entre outras.

“Nessa relação com as comunidades, temos de criar confiabilidade. Em todos os projetos que participo, luto pelo envolvimento e participação delas. Não gosto de abordagens de cima para baixo”, disse a especialista, ao ser perguntada pelo Blog Cidadãos do Mundo. Segundo ela, os resultados, por sua vez, tendem a ser mais “ricos” em seu conteúdo. Nesse processo, os participantes comparam e contrastam suas memórias pessoais com os arquivos oficiais e escolhem as maneiras de multiplicar as histórias, orientações e informações, de maneira autoral.

Os relatos da especialista britânica, feitos durante o Seminário Internacional do Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, em São Paulo, me fizeram constatar novamente a importância da educomunicação na rede de prevenção e enfrentamento dos desastres naturais e/ou antrópicos, em que todos nós somos agentes ativos como possíveis vítimas. Estamos potencialmente dos dois lados da situação continuamente.

Em outros locais do mundo, há mais experiências em curso, no sentido de envolver a sociedade no processo. Na Itália, é desenvolvido o projeto EduRisk – Itinerari per La Riduzione Del Rischio, que obteve o apoio de comunicadores a educadores e estudantes com relação a terremotos. O relato a respeito foi feito pela jornalista italiana Elisabetta Tola, no Museu da Vida (COC/Fiocruz), no ano passado.

O tema da comunicação, memória e resiliência me trouxe à mente várias cenas recentes de enchentes, deslizamentos em diferentes localidades do Brasil e fica impossível esquecer a “fragilidade” de cidadãs (os) ainda existente em áreas da serra fluminense, no Vale do Itajaí, em municípios mineiros, no Norte e Nordeste do país e tão próximo, como na Grande São Paulo. Muitos ainda continuam literalmente nas áreas de risco, por inúmeros motivos, que envolvem desde a questão financeira à inoperância da gestão pública com relação a programas habitacionais, educacionais, de recuperação de áreas afetadas por desastres anteriores ou até de sistemas de alertas.

Acredito que a questão das ações para a autonomia de prevenção e enfrentamento por parte das comunidades deveria estar constante na sustentação das diretrizes do Plano Nacional de Gestão de Riscos e Desastres Naturais (2012 2014) https://www.pac.gov.br/pub/up/relatorio/d0d2a5b6f24df2fea75e7f5401c70e0d.pdf.

O documento aponta um investimento total de R$18,8 bi e foca principalmente 170 municípios e 17 regiões metropolitanas e bacias hidrográficas. Com riscos de deslizamento e enxurradas, foram levantados 821 municípios. O que se prevê é que os mesmos tenham alertas de duas a seis horas antes das ocorrências. No caso de previsão de impacto da seca na agricultura no semiárido, o período deve ser de dois meses antes.

O incentivo à resiliência poderia estar na composição na formação do quadro dos agentes da Defesa Civil, que prevê 10 mil agentes, 4 mil membros da sociedade civil organizada e 2.130 profissionais especializados. É o lado humano e não matemático, que é fundamental tanto na prevenção como diante de fatos consumados.

No âmbito global, o que se vê é um quadro cada vez mais complexo. A Universidade das Nações Unidas apresentou, durante a Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP18), que ocorre em Doha, no Qatar,.um estudo que analisa a situação de comunidades supervulneráveis de cinco países (Bangladesh, Butão, Gâmbia, Quênia e Micronésia). Os dados, de certa forma, vêm também ao encontro do que Joanne expõe sobre a importância da memória. Nesses locais, há inabilidade com relação ao estresse climático e praticamente as pessoas estão no extremo da capacidade de suporte para a subsistência.

Além da necessidade de auxílio financeiro para a questão de perdas e danos (vide que o Fundo Verde Climático não saiu do papel até o momento), é possível observar algo ainda mais perverso. Esses cidadãos não conseguem superar os efeitos da salinidade nas águas de abastecimento, de inundações, secas ou de erosões, dependendo dos biomas e ecossistemas onde vivem, que estão seriamente comprometidos.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo:
29/11/12 - Joanne Garde-Hansen fala da ética de se importar
08/11/12 - Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas 30/10/12 - Educomunicação: o sentido da inclusão
29/10/12 - Educomunicação:O caminho das imagens como mobilização socioambiental
29/10/12 -Dona Tonha, de São Mateus para o mundo
27/08/12 - No contexto das nove fronteiras
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África
10/04/12 - Nota: Educomunicadores criam associação
10/04/12 - E a educomunicação ambiental nas políticas públicas brasileiras?
08/04/12 - Educomunicação: uma questão de estímulo
08/04/12 - Esp.Educom 2012:Ismar Soares e a educomunicação na academia e fora de seus muros
06/04/12 - Especial Educom 2012: Grácia Lopes Lima fala dos objetivos do Cala-Boca Já Morreu
26/03/12 - Encontro de Educomunicação no VII Fórum de EA
09/01/12 - E os planos de contingência?
22/11/11 - CBJA: jornalista socioambiental na busca da liberdade
31/10/11 - O encanto pela história oral
11/06/11 - Reflexões: o que pensar depois do C-40
27/03/11 - Com qual lente olhamos os desastres naturais?
05/12/10 - Especial Fórum Social Pan-Amazônico – A luta só está no começo
09/09/10 - Cepal utiliza metodologia da síndrome de mudança climática
02/09/10 - Adaptação tem de ultrapassar a retórica
10/06/10 - A multiplicidade da ação simbólica ambiental
25/05/10 - Pensata: Entre os discursos e as ações
03/04/10 - Educomunicação: Resolução Conama abre novas perspectivas
13/01/10 - Propostas da 1ª Conf. Nac. de Comunicação virarão lei?
17/11/09 - Esp. EA (4)-Entrevista:Maria del Carmen Chude
02/11/09 20 - Esp. EA (3)-Entrevista: Vilmar Berna
01/11/09 - Esp. EA (2)-Entrevista: André Trigueiro
26/10/09 -Esp. EA (1) - Entrevista: Heitor Queiroz de Medeiros
04/08/09 - Esp.-VI Fórum de Educação Ambiental-A importância do empoderamento
01/12/08 - Santa Catarina: um desastre a refletir

 

Pesquisar no site

Blog

21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk