#Direitoindígena - Coordenadora na COIAB destaca: Protocolos de consulta de diferentes povos indígenas na Amazônia são instrumentos de luta pelos direitos

11/12/2017 09:04

Entrevistada da semana - Angela Amankawa Kaxuyana
 

Por Sucena Shkrada Resk
 

 Angela Amankawa Kaxuyana - Crédito da foto: Mídia ÍndiaO protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da TI Kaxuyana Tunayana, do extremo Norte do Pará, que pertence ao povo Kahyana e Katxuyana. Atual coordenadora tesoureira da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (COIAB), ela fala ao Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk sobre as principais bandeiras de luta, que envolvem uma leitura pan-amazônica e de instrumentos cada vez mais importantes de protocolos de consulta específicos de cada povo frente a empreendimentos que afetam seus territórios, cultura e modos de vida.
 

A COIAB foi fundada em 19 de abril de 1989, com sede em Manaus, e é atualmente a maior organização indígena do Brasil, que compõe a base da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) e está vinculada à Coordenação das Organizações Indígenas da Bacia Amazônica (COICA). No Brasil, tem atuação em nove estados na Amazônia Legal (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) com o objetivo de articular e mobilizar 60% do total da população indígena do país, com a participação de mais de 200 organizações (desde associações locais a organizações de mulheres e de agentes ambientais e agroflorestais indígenas).
 

Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk - Hoje quais são as principais bandeiras de luta da COIAB?


Angela Amankawa Kaxuyana – A COIAB tem como missão a defesa dos direitos dos povos e organizações indígenas amazônicos, considerando as suas diversidades, visando sua autonomia por meio de articulação e fortalecimento. São muitos os problemas enfrentados, que vão desde a educação, territórios, impactos ambientais, sustentabilidade, saúde dentre outros e hoje, entre os que têm maior impacto e ameaçam esses povos, estão as construções de grandes empreendimentos na Amazônia.

Trata-se de 46 regiões indígenas de base, com mais de 160 diferentes povos, com um total de 440 mil pessoas, além dos indígenas isolados que evitam o contato com a sociedade nacional e preferem viver de forma autônoma na floresta.

Esses povos ocupam 110 milhões de hectares no território amazônico, distribuídas em 403 Terras Indígenas (TIs) demarcadas (além das que estão em processo de regularização), nas quais as comunidades precisam ter condições de sustentabilidade e sobrevivência digna. Muitos territórios ainda não foram regularizados, exigindo que o movimento indígena se fortaleça para assegurar o direito fundamental aos seus territórios tradicionais.
 

A COIAB, nos seus 27 anos de luta dentro do movimento indígena amazônico, vem atuando de forma incisiva e clara na defesa e na promoção dos direitos indígenas frente ao cenário político nacional e internacional, apresentando as propostas que estão de acordo com os anseios dos povos indígenas e que cabe aos representantes das instituições governamentais inseri-las dentro do plano político.

Muitos líderes indígenas das diversas organizações que compõem a sua base política apoiam articulações políticas, que buscam diálogo franco e aberto com os órgãos governamentais.

Blog Cidadãos do Mundo – Qual sua avaliação sobre o protagonismo feminino indígena no campo da incidência política nos dias de hoje? Quais são os desafios?

Angela Amankawa Kaxuyana - As mulheres indígenas ainda encontram dificuldades de acesso a espaços decisórios do movimento indígena, uma vez que são ocupados majoritariamente pelos homens. Porém, o protagonismo cada vez mais tem se fortalecido a partir da atuação de mulheres mais jovens e incidência forte e perceptível feminina nos processos de discussão dos direitos.

Hoje a própria COIAB tem na coordenação geral uma mulher – Francinara Soares Baré -, pela primeira vez na história. Ela é de São Gabriel da Cachoeira, AM. Temos a presença feminina na coordenação executiva da APIB, com Sônia Guajajara, do Maranhão, que é um ícone de empoderamento das mulheres. Ela é um é o símbolo de luta dos povos indígenas. Também há mulheres indígenas na política, na região Nordeste...e em outras localidades no país no espaço da política partidária.

Espera-se que as mulheres ocupem e mantenham os espaços formais e informais de liderança, de decisão e poder, além da conquista do respeito e confiança, incluindo as organizações do movimento e de conselhos tradicionais de povos indígenas.
 

Blog Cidadãos do Mundo -  Como a COIAB está atuando no contexto da Pan-amazônia? 
 

Angela Amankawa Kaxuyana – A COIAB tem atuação junto à COICA e faz parte da organização maior na Bacia Amazônica, na qual se discutem as questões junto aos oito países da Bacia Amazônica, além do Brasil (Bolívia, Colômbia, Guiana, Guiana Francesa, Equador, Suriname e Venezuela).
 

Blog Cidadãos do Mundo - No campo dos direitos indígenas, o que está sendo feito pelas organizações indígenas para fazerem valer as determinações de tratados internacionais, como a Convenção OIT 169? 


Angela Amankawa Kaxuyana - COIAB - Crédito da foto: Sucena Shkrada Resk Angela Amankawa Kaxuyana - Sempre lutamos enquanto povos indígenas para o cumprimento dos nossos direitos assegurados pelas legislações do país e internacional, a luta e as cobranças de forma coletiva é umas das formas mais eficazes para que nossos direitos sejam respeitados. Mas cada vez mais o Estado brasileiro não tem respeitado essas convenções que asseguram esses direitos. O Estado tem praticado aquilo que sempre foi ameaçar e retroceder todo um histórico de luta que afeta nossos direitos, que durante muitas décadas foram conquistados, direitos consuetudinários, direitos que não são adquiridos, mas o que é nosso por direito.
 

Não temos desistido no que refere ao cumprimento desses direitos. A luta do movimento indígena e a resistência têm sido o fator fundamental para isso. Estamos sempre vigilantes, atentos e prontos para o embate e morrer se preciso for, como muitas das lideranças têm feito e têm perdido suas vidas para proteger a vida do seu povo, e do direito de continuar vivendo.


Blog Cidadãos do Mundo - Fale a respeito dos Protocolos de Consulta Indígena concluídos e em formulação na Amazônia e como está sendo a receptividade no campo jurídico dos direitos?


Angela Amankawa Kaxuyana - Os protocolos próprios de consulta, com base na convenção 169 da OIT, estão sendo elaborados, desenhados com base em cada cultura, forma e tempo de decidir sobre aquilo que afeta o seu povo. Essa ferramenta tem sido cada vez mais importante para ser socializada com a sociedade, principalmente com o governo sobre como, quando e quem pode nos consultar sobre tudo que vai mudar e afetar nossas vidas e as vidas das nossas futuras gerações.
 

Os protocolos próprios de consultas são nada mais que ferramentas de diálogo e garantia quanto aos nossos direitos de opinar e decidir sobre determinada situação ou tema, para que sejam respeitados e considerados como decisão legítima. Ainda são poucos, mas o ideal é que cada povo tivesse seu protocolo próprio de consulta, porque estamos falando de povos no plural, ou seja, são infinitas formas de olhar e decidir sobre os assuntos. Mas de uma coisa, os povos indígenas não abrem mão em qualquer cultura, tempo e espaço – é o direito ao território e a garantia à terra. Com a terra podemos discutir as várias formas de viver nesse território.

 

Entre os protocolos pioneiros estão os dos Wayapi, do Amapá, dos Munduruku do Médio e Alto Tapajós do Pará, dos povos indígenas do Alto Xingu, do Mato Grosso, e Yudja, do Baixo Xingu (PA) e de outras regiões que estão em processo de construção e/ou publicação.

 

(Créditos da fotos - 1 - Mídia Índia e 2 - Sucena Shkrada Resk)

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk:
14/11/2017 - Vozes do direito indígena refletem sobre cenário atual 

02/11/2017 - As mudanças climáticas sob o olhar indígena

11/04/2016 - Estão calando aos poucos as raízes indígenas, a memória oral é um caminho necessário

31/07/2015 - Marcelo Munduruku: Quando a natureza e o ser humano traduzem uma única essência

Pesquisar no site

Blog

04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...
29/01/2018 17:06

#Saneamentoambiental – Tamanduateí, um rio metropolitano em agonia

Por Sucena Shkrada Resk  A nostalgia de recordar do Tamanduateí sinuoso e límpido (Tamanduá grande, em tupi), na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP), que já foi conhecido como Rio Piratininga, talvez esteja ainda nas memórias de bisavós e tataravós e de alguns relatos em bibliografias...
26/01/2018 14:56

#Saneamentoambiental – 2018: lixões e aterros controlados, uma realidade ainda gritante no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O Ano era 2010, e a  Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei 12.305/2010) trouxe a esperança de que a gestão pública brasileira, de uma forma geral, iria se redimir dos sucessivos erros no quesito infraestrutura, ao longo de décadas. Mas do papel à realidade,...
19/01/2018 17:52

#Saúdeambiental - O que tirar de proveito no Brasil do exemplo da mobilização pela recuperação da bacia hidrográfica do Tejo, na Europa?

Por Sucena Shkrada Resk Quem um dia viu o rio Tejo, o mais extenso da Península Ibérica (da Espanha a Portugal), com 1.007 km e cuja bacia hidrográfica ocupa 80,6 mil km 2, poluído, quase sem vida e seco em vários trechos, há alguns anos observa um esforço para o processo de revitalização, de forma...
17/01/2018 08:51

#Saúdeambiental - Até quando políticos não priorizarão solução para esgoto em agenda da gestão pública?

Por Sucena Shkrada Resk Falar sobre a situação do esgotamento sanitário no Brasil é um assunto “espinhoso”, imprescindível, mas que raramente faz parte da pauta de campanhas políticas nacionais, estaduais e municipais e de programas de gestão pública de boa parte de municípios deste Brasil de...
09/01/2018 10:34

#Saúdeambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018: o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?

Por Sucena Shkrada Resk  Final do século XIX e 2018. Neste ir e vir da história, a questão sanitária no Brasil é ainda o calcanhar de aquiles que permeia a condução da gestão pública no país. Hoje o aumento do número de casos comprovados e suspeitos de febre amarela silvestre (pelos vetores...
05/01/2018 08:59

#Protagonismofemininoindígena: da comunicação à incidência política

Entrevistada da semana: Telma Taurepang Por Sucena Shkrada Resk No Brasil e em outros países da América Latina, o papel da mulher indígena se destaca cada vez mais. No universo da comunicação, existe a iniciativa Comunicadoras y Realizadoras Indígenas, que tem incentivado este protagonismo na AL....
26/12/2017 11:45

Uma brasileira chamada Nise da Silveira...uma rebelde a favor da humanização

Por Sucena Shkrada Resk “...Nunca me fizeram a pergunta que eu queria ouvir em minha vida: onde estão os homens e mulheres que pintaram estas obras artísticas...? Este teor de questionamento quanto ao interesse da imprensa feito pela psiquiatra alagoana Nise da Silveira (1905-1999), em documentário...
18/12/2017 12:27

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula!

Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na...
11/12/2017 09:04

#Direitoindígena - Coordenadora na COIAB destaca: Protocolos de consulta de diferentes povos indígenas na Amazônia são instrumentos de luta pelos direitos

Entrevistada da semana - Angela Amankawa Kaxuyana   Por Sucena Shkrada Resk    O protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da TI Kaxuyana Tunayana, do extremo Norte do Pará, que...
27/11/2017 14:40

Médica sanitarista fala sobre o universo da saúde ambiental, com destaque sobre os impactos dos agrotóxicos

Por Sucena Shkrada Resk A entrevistada, desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk, é a médica sanitarista Telma de Cassia dos Santos Nery, que trata do tema Saúde Ambiental, com os impactos dos agrotóxicos e da poluição, neste contexto, e também explica o trabalho...
14/11/2017 14:01

Vozes do Direito indígena refletem sobre cenário atual

  Por Sucena Shkrada Resk Compreender os conceitos de bem-viver, de patrimônios imaterial e espiritual, do significado holístico da terra, do ecossistema e do território e do planeta como casa (mãe “pachamama”) e local sagrado, é o grande desafio das visões herméticas dos Estados que ainda se...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk