COP21: as mudanças climáticas e as vidas em xeque

07/12/2015 21:32

Por Sucena Shkrada Resk

Enquanto nas salas climatizadas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP-21), em Paris, tudo vai hipoteticamente bem, obrigado, do lado de fora, a realidade é bem outra. Essa constatação vem por meio de dados do recente “Índice Global do Risco Climático”, publicado pela organização não-governamental (ONG) Germanwatch, que registra a morte de aproximadamente 525 mil pessoas em ocorrências de 15 mil eventos extremos, em duas décadas (1995-2014). No ano de 2014, as precipitações, inundações e deslizamentos de terra foram as principais causas de danos.

Além de ceifar vidas, o prejuízo econômico gerado por essas catástrofes são na ordem trilhonária, de US$ 2,97 trilhões. As nações mais afetadas foram Honduras, Mianmar e Haiti seguidas por Filipinas, Nicarágua e Bangladesh. Neste recorte, América Central e Ásia concentram os efeitos mais catastróficos, nesses últimos anos. As principais vítimas: os mais pobres, reforçando que a injustiça socioambiental não é só teoria, mas uma realidade contemporânea indiscutível.

O processo de adaptação ainda é muito lento, um novo desenho geográfico começa a se formar, principalmente nos últimos anos, na Europa. Países como a Sérvia, Bósnia e Herzegovina estão apresentando os efeitos das mudanças climáticas e do Aquecimento Global. A afirmação é de Sönke Kreft, um dos principais pesquisadores do levantamento. Os países insulares, como Tuvalu, no Pacífico, continuam a implorar por apoio, para que não desapareçam sob o aumento do nível do mar.

No campo das negociações, ano após ano, o embate é sobre quem arca com a maior parte dos custos de adaptação e mitigação (redução de danos), nesses países com poucos recursos. Uma das maiores fontes em negociação nas COPs, instituída desde 2010,  é o Fundo Verde do Clima (GCF), que tem a meta de estabelecer a quantia de US$ 100 bilhões anuais a partir de 2020 aos países mais pobres, sem ainda conseguir computar este recurso e decidir quais critérios de repasse. O dilema que envolve a maior parte dos 195 países envolvidos na conferência é quem paga a conta da aceleração do desequilíbrio climático, desde a Revolução Industrial, que imprime um modelo de desenvolvimento ultrapassado e nocivo.

Segundo anúncio da coordenação do GCF, já foram aprovados recursos para serem aplicados em oito projetos distribuídos em Bangladesh, nas Ilhas Fiji, no Malaui, nas Maldivas e no Peru. Mas existe uma quantidade enorme de nações com sua população em extremo risco, como descrito acima.

E fora das mesas de negociação da COP-21, algumas iniciativas são inspiradoras, como da coligação “Restauração Africana (AFR100)”, de dez  países africanos (Etiópia, Libéria, Madagáscar, Malawi, Níger, Quênia, República Democrática do Congo, Ruanda, Togo e Uganda) com nove financiadores e 10 apoios na área técnica,que prevê a restauração de 100 milhões de hectares de florestas degradadas até 2030 (cada ha equivale a um campo de futebol).

Todas as ações cada vez mais proativas são exemplares, já que pelo aspecto científico, agora as previsões são menos favoráveis e chegam na casa do aumento de até 3,5 graus na temperatura média da Terra até o final do século comparativamente ao período pré-industrial, 1,5 a mais ao limite tolerável, segundo os pesquisadores do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC). É como se nós, seres vivos, estivéssemos expostos a uma roleta russa.

Brasil: muito a melhorar

Todos os compromissos voluntários já anunciados por boa parte das nações, incluindo o Brasil, não dão conta dessa espiral ascendente. A proposta brasileira para conter o aquecimento global é reduzir em 37% as emissões de Gases do Efeito Estufa (GEEs) do País em relação ao ano de 2005. Naquele ano, as emissões totalizaram 2,1 gigatoneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2eq). O País também se propõe a restaurar 12 milhões de hectares de florestas até 2030. 

Na lista do “Índice Global do Risco Climático”, o país figura em 82º lugar e se a análise é referente ao ano passado, passa a 21º. De acordo com analistas, os esforços têm de ser maiores, fazendo o cruzamento do combate ao desmatamento com a mudança para uma matriz energética mais limpa. As políticas internas em muitas áreas ainda são controversas no país.

Em estudo recente da Organização Mundial da Saúde (OMS), com a Convenção-Quadro e o Ministério da Saúde, além de outras organizações, foram analisados os efeitos das mudanças climáticas na saúde do brasileiro, e aí a preocupação aumenta.

A complexidade é tanta que estima-se que se a situação continuar do jeito que está, as inundações resultantes do aumento do nível do mar afetarão 618 mil brasileiros entre os anos 2070 e 2100. Pensar em longevidade também será difícil, já que a perspectiva é que morrerão, devido a causas associadas ao aumento de temperatura, 72 idosos acima de 65 anos por 100 mil habitantes em 2080, sendo que hoje esta proporção é de 1 para 100 mil anualmente. A vida está em xeque aqui e no mundo e depende em grande parte de um documento de quase 50 páginas discutido a portas fechadas. O "clima" do lado de fora é muito mais urgente.

Veja também outros artigos que escrevi sobre este tema, no blog:

Mudanças Climáticas: a COP-21 das utopias

20/09/2015 - Amazônia: um lamento dos sem-árvore

30//08/2015: Rumo à COP21: o desmatamento na Amazônia continua a ser um desafio

Mafalda, a COP20, o estado do mundo e do Brasil

23/11/2014 - Os resíduos nossos de cada dia no Brasil e a relação com as mudanças climáticas
04/11/2014 - Decisões geopolíticas definem o caminho das mudanças climáticas

29/10/2014 – Especial Biodiversidade Parte 2: declínio de espécies ecoa alerta
16/09/2014 - Especial Desenvolvimento Sustentável (Parte 3): de olho na justiça climática
12/09/2014 - Especial - Desenvolvimento Sustentável: como sair do círculo dos gabinetes?
29/08/2014 - Alerta vermelho ao estado de conservação da biodiversidade costeira e marinha brasileira
07/08/12 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África
14/10/2013 - Água: um bem depreciado na sociedade do desperdício

14/01/2013 - Reflexão: a desertificação e o consumo inconsciente
27/08/2012 -No contexto das nove fronteiras
20/08/2012 - Eventos naturais extremos: prevenção no centro da pauta
07/08/2012 - Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África
23/05/2012 - Riomais20 - Como tratará da realidade da África Subsaariana
10/03/12 - Refugiados climáticos: do alerta ao fato
09/11/2011 - Refletindo sobre o Estado do Futuro
04/03/2012 - Pensata - Rio+20: agora é a vez do como
13/01/2012 -Rio+20: O que fazemos com tanta informação?
27/12/2011 - As teias que ligam a COP17 com a Rio+20
10/12/2011 -Relatório de Adaptação do IPCC: será que eles leram
09/11/2011 - Refletindo sobre o Estado do Futuro/Projeto Millennium
07/10/2011 – Russell Mittermeier-p1: foco em conservação das espécies e áreas protegidas
27/09/2011 - Quem quer fazer parte da estatística fatal provocada pela poluição?

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...
27/03/2018 12:29

Jogo de titãs: O implacável Antropoceno x a resiliência ecossistêmica

Por Sucena Shkrada Resk  Hoje 75% da superfície terrestre estão impactadas pelas atividades humanas e a projeção é de que essa destruição atinja 85% até 2050  e já afeta pelo menos 3,2 bilhões de pessoas no planeta. Alguém acha pouco? Mais de 100 pesquisadores de 45 países da Plataforma...
23/03/2018 10:29

#Recursoshídricos: o pedido de socorro ao ecossistema

Por Sucena Shkrada Resk O Informe Mundial das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2018, lançado nesta semana, tem como mote “as soluções baseadas na natureza” (SbN) para a gestão das águas, um conhecimento milenar mas que conceitualmente tem sido desenvolvido desde 2002....
19/03/2018 15:00

Março de 2018: seca e estiagem marcam a realidade brasileira, na semana dos fóruns das águas

Por Sucena Shkrada Resk Diante da realidade, não há meias palavras, quando se trata de insegurança hídrica e do cenário das mudanças climáticas. Neste mês das águas, em que fóruns internacionais ocorrem em Brasília para discutir o tema em diferentes ângulos e propor soluções, dezenas de municípios...
08/03/2018 13:00

Usinassolares: do protagonismo chinês às iniciativas que começam a se destacar timidamente na matriz nacional brasileira

Por Sucena Shkrada Resk   A energia solar fotovoltaica se projeta de forma gradativa no mundo, desde os anos 2000. No contexto das implementações de usinas e fazendas solares (fontes centralizadas), estão a China - ainda o maior poluidor do mundo, por causa do carvão, e ao mesmo tempo o...
05/03/2018 14:55

Mês das Mulheres: A relevância permanente das contribuições socioambientais de Wangari Maathai

Por Sucena Shkrada Resk  Quando em 25 de setembro de 2011, a queniana Wangari Maathai faleceu, devido a um câncer, escrever no dia seguinte um artigo a respeito de sua trajetória de vida (veja também abaixo, artigo: Wangari Maathai: um exemplo a seguir), como manifestação de respeito ao...
19/02/2018 19:33

Quilombos: O simbolismo da força de séculos dialoga com a decisão do STF

Por Sucena Shkrada Resk Homenagear postumamente lideranças quilombolas, como Dandara e Zumbi dos Palmares (século XVII), Tereza de Benguela, do Quilombo de Quariterê, MT (século XVIII) e Helen Moreira, do Quilombo Ilha de Vera Cruz, BA; como também, Maria Trindade da Silva Costa, do Quilombo...
07/02/2018 10:17

#Pílulassocioambientais - A arte voltada ao combate ao racismo

Por Sucena Shkrada Resk   Sensibilidade, criatividade e reutilização de recursos em forma de bonecas artesanais, com um propósito maior: combater o racismo, que nada mais é do que incentivar o respeito às diferenças e valorização das identidades de gênero, cor, raça e cultura... Nessas...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk