Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

29/11/2018 15:20

Por Sucena Shkrada Resk*

Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que se refere a questões de ocupação e uso do solo, emissão de poluentes, interferência no planejamento urbano, comprometimento da biodiversidade, impactos de diferentes portes que afetem populações do entorno e seus modos de vida e saúde. Ao mostrar esta radiografia, vem o principal: com quais ações (factíveis) se comprometem para mitigar e adaptar o que e quem são afetados em curto a longo prazo. E aí entra o aspecto crucial: esta remediação se sobrepõe qualitativamente a todos os danos?

Esta introdução permeia os processos que envolvem o movimento de cidadania e de gestão participativa quanto a um tema que está causando polêmica atualmente sobre o futuro da região de ecoturismo e de patrimônio histórico da rústica Vila de Paranapiacaba (de característica histórica ferroviária inglesa no meio de um maciço verde de floresta atlântica, tombada da esfera municipal à federal, entre 1987 e 2003), em Santo André,  - que conheço como jornalista e cidadã há 16 anos - e seu entorno que se estende até a Baixada Santista. É o projeto de construção de um Centro logístico na área do distrito de Campo Grande , também chamado de porto seco, numa área particular total de 468 ha (empreendimento Fazenda Rio Pequeno, Gleba A, Gleba C), até o ano de 2024, a 4 quilômetros da vila, onde passa a Ferrovia Santos-Jundiaí. Neste trecho, somente há transportes de cargas destino a Cubatão e Santos. E da Luz e Santo André para lá, também trem turístico aos finais de semana à vila.

No aspecto do processo na gestão pública, cabe à Prefeitura de Santo André a análise do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), devido à zona de amortecimento do Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba, área contígua ao Parque Estadual da Serra do Mar, além da Reserva Biológica da Serra do Mar. Já o licenciamento ambiental do EIA/RIMA está sob análise da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB).

Com a instalação, segundo o empreendedor, estaria prevista inicialmente a quantidade de 64 viagens diárias de caminhões pela Rodovia Antônio Adib Chammas (SP-122), que dá acesso à Vila diariamente para transporte de cargas e utilização da ferrovia local, que segue para o Porto de Santos. Esta rodovia é utilizada hoje principalmente por ônibus de transporte público, ciclistas e carros de passeio para moradores e turistas.

Em 2017, houve uma emenda à Lei de Uso de Ocupação do Solo (LUOPS) andreense, que permite a obra e está sendo questionada. A Prefeitura de Santo André chegou a apresentar à Câmara Municipal recentemente um projeto de lei que a revoga.  

No decorrer de 2018, o assunto foi tema de debate na Universidade Federal do ABC (UFABC), no Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA/USP), originou uma mobilização social por meio do atuante movimento SOS Paranapiacaba e abaixo-assinado on-line. A reação parte da sociedade civil, de especialistas nas áreas socioambiental e de gestão pública. A pauta também está sendo acompanhada pelo Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com o empreendedor Fazenda Campo Grande Empreendimentos e Participações, o investimento está estimado na ordem aproximada de R$ 780 mi, e ocupará a área de influência direta do Centro é a porção alta da Bacia do Rio Grande (que abastece a Represa Billings) e indiretamente, a Bacia do rio Grande e parte do vale do rio Mogi, até o Vale da Morte. A previsão é que sejam desmatadas 91 ha de mata nativa (equivalentes a 91 campos de futebol). A empresa alega que respeitará as características ambientais (sem entrar em detalhes maiores quanto a compensação ambiental direta ao passivo), além de promover a geração de mais de 1,2 mil empregos diretos e indiretos e arrecadação de Imposto sobre Serviços (ISS) a Santo André, na ordem de R$ 64 mi, entre construção e operação.

Preocupação socioambiental

O Movimento SOS Paranapiacaba e especialistas, como a arquiteta e urbanista Silvia Passarelli, da UFABC, a bióloga e especialista em recursos hídricos Marta Marcondes, da Universidade de São Caetano do Sul (USCS), Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (PROAM) e conselheiro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) e o advogado Virgílio Alcides de Farias, do Movimento em Defesa da Vida do ABC (que já deu entrada em uma ação no Tribunal de Justiça quanto a este projeto)  argumentam que a instalação do empreendimento poderá causar sérios comprometimentos socioambientais, de acordo com o que apuraram de “lacunas” de informações prestadas até agora pelo empreendedor, nos estudos inicialmente apresentados.

Segundos os especialistas, devido ao porte e abrangência do empreendimento, alguns dos problemas verificados na proposta do projeto inicialmente são a possibilidade de perda de biodiversidade devido ao desmatamento (incluindo impactos irreversíveis a espécies ameaçadas), redução de produção de água comprometendo o abastecimento da Billings, o aumento de problemas de drenagem de águas pluviais em Campo Grande, comprometimento dos serviços ecossistêmicos, como também conflito de trânsito no entroncamento da SP 31 com a SP 122, em Ribeirão Pires. Mais um aspecto apontado é que indiretamente a atração de novos empreendimentos pressionem as nascentes do rio Grande e haja incidência de problemas de saúde em população flutuante.

Também são feitos questionamentos quanto à qualidade do sistema de coleta e tratamento de esgoto que será adotado na construção para que não comprometa os mananciais, ao tipo de carga que será transportado e à questão de possibilidade de acidentes com produtos contaminantes, como também o comprometimento do corredor ecológico que há nesta região que abriga diferentes áreas de conservação ambiental e compreende o cinturão verde da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica . Aspectos importantes, como a geração de partículas finas poluentes e emissões de Gases de Efeito Estufa também são mais um ponto a ser esclarecido. Fazem parte dos componentes de saúde ambiental e de mudanças climáticas.

Primeira audiência pública programada para dezembro

A realização da primeira audiência pública sobre o EIA/RIMA do empreendimento, programada para junho deste ano, foi suspensa conforme informação do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema). Uma nova data foi anunciada, agora, para 17 de dezembro. A participação da sociedade civil é de extrema importância nesta fase, como também a leitura anterior do documento (link acima) para que possa ter o mínimo de subsídios de informações.

Em um processo de gestão participativa, todas as dúvidas quanto a passivos e ações de mitigação e adaptação devem ser esclarecidas pelo empreendedor de forma objetiva e transparente para que qualquer pessoa (leiga) compreenda. Nestes espaços, especialistas que questionam o empreendimento também têm o direito de se expressar, com suas argumentações e perguntas. Ao mesmo tempo, o poder público, representado pelos órgãos ambientais, devem ser claros quanto a estes pontos levantados neste processo. A Justiça, por sua vez, neste momento, na figura dos promotores de Justiça, também devem ser atuantes na defesa do direito público e ambiental. Ouvir gestores de unidades de conservação do entorno é fundamental, dada a importância desse maciço de mata atlântica e hídrico paulista.

*Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 26 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também outros artigos que escrevi a respeito de Paranapiacaba no Blog Cidadãos do Mundo:

14/12/2014 – Paranapiacaba: um manancial estratégico na Mata Atlântica
27/07/2014 – Paranapiacaba: uma leitura para sua conservação

 

Pesquisar no site

Blog

05/03/2012 17:43

Rio+20: Zukang no Brasil e cidadãos na mobilização, por Sucena Shkrada Resk

O principal papel da cidadania é exercê-la, senão se torna figurativa. No contexto da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20, o acompanhamento de algumas agendas e documentos também possibilita a construção de argumentos mais sólidos nas bandeiras de lutas. Afinal,...
04/03/2012 12:30

Pensata - Rio+20: agora é a vez do como, por Sucena Shkrada Resk

Com toda a efervescência da Rio+20 e seus contextos...sabemos o que está "errado", já foi feito o diagnóstico. Agora, está mais do que na hora de pular essa etapa e partir para o como fazer diferente e melhor...E poucos tratam disso. Onde encontramos algo sistematizado, desde modelos e boas...
03/03/2012 10:06

Pensata: Comunicação compartilhada, por Sucena Shkrada Resk

#Comunicação_compartilhada é o exercício do desapego...Começa por ideias, reflexões e informações para seguir a ações e mudanças de valores. Mas não basta o ctrl C, ctrl V...mas a intenção, a escolha do tema, a utilidade do mesmo, que está na rede dos porquês, dos 'comos' e para quês...Quando...
03/03/2012 07:09

O desafio de reaprendermos a ser humanos, por Sucena Shkrada Resk

Alguns ensinamentos na vida são para sempre. Nesse repertório adquirido no dia a dia, as palavras de Nélida Céspedes, educadora peruana, presidente do Conselho de Educação de Adultos da América Latina (CEAAL), proporciona muitas reflexões: "Precisamos reaprender a ser seres humanos". A frase dita,...
02/03/2012 17:14

A importância da discussão da água na Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

Hoje ao ler a matéria 2,7 bilhões de pessoas sofrem com escassez de água, veiculada no Estadão, e acompanhar as discussões que envolvem o VI Fórum Mundial da Água, que acontecerá, em Marselha, entre os dias 12 e 17, reflito o seguinte, no contexto da Conferência das Nações Unidas sobre...
26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...
06/02/2012 13:39

Aeroportos: Um país de duas medidas, por Sucena Shkrada Resk

Na semana passada, ouvi uma notícia que, no mínimo, demonstra um desequilíbrio total de gestão. A Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) anunciou que aeroportos em cidades da Copa terão opções de lanchonetes econômicas x aqueles preços homéricos que nos cobram. A iniciativa...
06/02/2012 11:18

Nota: Reflexões rumo às eleições & cidadania, por Sucena Shkrada Resk

Exigir que os CANDIDATOS DE TODOS OS PARTIDOS INDISTINTAMENTE a prefeitos e vereadores tenham plano de governos e legislativos coerentes, com metas, diretrizes de curto, médio e longo prazos, apresentem de onde virão as dotações orçamentárias (do tesouros, Parcerias Público-Privadas - PPs etc)...
06/02/2012 09:18

Prática da cidadania: combate ao uso do cerol, por Sucena Shkrada Resk

Praticar cidadania não tem hora marcada, feito uma consulta no médico, e nem pode depender de conveniência, de acordo com o ambiente, personagens envolvidos e interesses particulares. Isso deveria ser a regra, mas a gente sabe que não é bem assim. Vou citar um exemplo cotidiano para reflexão, aqui...
02/02/2012 12:14

Chico Whitaker: Como sensibilizar os 99%?, por Sucena Shkrada Resk

Um dos raciocínios e sensibilizações mais coerentes sobre o qual refleti, durante o Fórum Social Temático (FST) 2012, entre os dias 24 e 29 de janeiro, foi expresso por Chico Whitaker. Durante um encontro entre ativistas de mídia livre, promovido pela Ciranda.Net, no dia 25, ele trouxe a bagagem de...
25/01/2012 21:59

Caminhada do FST 2012: um momento em que as vozes emergem, por Sucena Shkrada Resk

A atmosfera de lançamento dos Fóruns Sociais consegue ter um DNA em comum a cada edição e isso se repetiu no dia 24, com o Fórum Social Temático – FST 2012, em Porto Alegre. As mais diversas “tribos” se misturaram e ao mesmo tempo se separaram em blocos e colocaram suas reivindicações na pauta das...
13/01/2012 18:42

Rio+20: O que fazemos com tanta informação?, por Sucena Shkrada Resk

Para quem acompanha ou atua na área socioambiental, a contagem regressiva para a realização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), em junho, ao menos, gera uma carga significativa de pesquisas e informações para que possamos trabalhar o pensamento complexo,...
09/01/2012 16:14

E os planos de contingência?, por Sucena Shkrada Resk

Fiz esse breve questionário, como uma pré-pauta, para aguçar nossas reflexões. Quem será que tem as respostas na ponta da língua ou pelo menos sabe onde encontrá-las?: - O Brasil (enquanto federação) tem um plano de contingência a desastres naturais implementado? - Quantos dos 5.565 municípios...
06/01/2012 16:13

Que chance teve a criança indígena?, por Sucena Shkrada Resk

Uma notícia realmente me abateu hoje. Foi da denúncia da atrocidade feita com uma criança indígena do povo Awá-Guajá, de cerca de oito anos. O seu corpo carbonizado teria sido abandonado pelos Awá isolados, a cerca de 20 km da aldeia Patizal do povo Tenetehara, em Arame (MA). Tudo indica que foi...
06/01/2012 11:17

Anos e décadas institucionais da ONU e a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

No contexto da #Rio+20, estrategicamente a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu 2012 como ano de importantes eixos da sustentabilidade, quando completa 40 anos de atividade: Os temas são: - Ano Internacional de Energia Sustentável para Todos e - Ano Internacional das Cooperativas (que...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk