Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

29/11/2018 15:20

Por Sucena Shkrada Resk*

Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que se refere a questões de ocupação e uso do solo, emissão de poluentes, interferência no planejamento urbano, comprometimento da biodiversidade, impactos de diferentes portes que afetem populações do entorno e seus modos de vida e saúde. Ao mostrar esta radiografia, vem o principal: com quais ações (factíveis) se comprometem para mitigar e adaptar o que e quem são afetados em curto a longo prazo. E aí entra o aspecto crucial: esta remediação se sobrepõe qualitativamente a todos os danos?

Esta introdução permeia os processos que envolvem o movimento de cidadania e de gestão participativa quanto a um tema que está causando polêmica atualmente sobre o futuro da região de ecoturismo e de patrimônio histórico da rústica Vila de Paranapiacaba (de característica histórica ferroviária inglesa no meio de um maciço verde de floresta atlântica, tombada da esfera municipal à federal, entre 1987 e 2003), em Santo André,  - que conheço como jornalista e cidadã há 16 anos - e seu entorno que se estende até a Baixada Santista. É o projeto de construção de um Centro logístico na área do distrito de Campo Grande , também chamado de porto seco, numa área particular total de 468 ha (empreendimento Fazenda Rio Pequeno, Gleba A, Gleba C), até o ano de 2024, a 4 quilômetros da vila, onde passa a Ferrovia Santos-Jundiaí. Neste trecho, somente há transportes de cargas destino a Cubatão e Santos. E da Luz e Santo André para lá, também trem turístico aos finais de semana à vila.

No aspecto do processo na gestão pública, cabe à Prefeitura de Santo André a análise do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), devido à zona de amortecimento do Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba, área contígua ao Parque Estadual da Serra do Mar, além da Reserva Biológica da Serra do Mar. Já o licenciamento ambiental do EIA/RIMA está sob análise da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB).

Com a instalação, segundo o empreendedor, estaria prevista inicialmente a quantidade de 64 viagens diárias de caminhões pela Rodovia Antônio Adib Chammas (SP-122), que dá acesso à Vila diariamente para transporte de cargas e utilização da ferrovia local, que segue para o Porto de Santos. Esta rodovia é utilizada hoje principalmente por ônibus de transporte público, ciclistas e carros de passeio para moradores e turistas.

Em 2017, houve uma emenda à Lei de Uso de Ocupação do Solo (LUOPS) andreense, que permite a obra e está sendo questionada. A Prefeitura de Santo André chegou a apresentar à Câmara Municipal recentemente um projeto de lei que a revoga.  

No decorrer de 2018, o assunto foi tema de debate na Universidade Federal do ABC (UFABC), no Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA/USP), originou uma mobilização social por meio do atuante movimento SOS Paranapiacaba e abaixo-assinado on-line. A reação parte da sociedade civil, de especialistas nas áreas socioambiental e de gestão pública. A pauta também está sendo acompanhada pelo Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com o empreendedor Fazenda Campo Grande Empreendimentos e Participações, o investimento está estimado na ordem aproximada de R$ 780 mi, e ocupará a área de influência direta do Centro é a porção alta da Bacia do Rio Grande (que abastece a Represa Billings) e indiretamente, a Bacia do rio Grande e parte do vale do rio Mogi, até o Vale da Morte. A previsão é que sejam desmatadas 91 ha de mata nativa (equivalentes a 91 campos de futebol). A empresa alega que respeitará as características ambientais (sem entrar em detalhes maiores quanto a compensação ambiental direta ao passivo), além de promover a geração de mais de 1,2 mil empregos diretos e indiretos e arrecadação de Imposto sobre Serviços (ISS) a Santo André, na ordem de R$ 64 mi, entre construção e operação.

Preocupação socioambiental

O Movimento SOS Paranapiacaba e especialistas, como a arquiteta e urbanista Silvia Passarelli, da UFABC, a bióloga e especialista em recursos hídricos Marta Marcondes, da Universidade de São Caetano do Sul (USCS), Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (PROAM) e conselheiro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) e o advogado Virgílio Alcides de Farias, do Movimento em Defesa da Vida do ABC (que já deu entrada em uma ação no Tribunal de Justiça quanto a este projeto)  argumentam que a instalação do empreendimento poderá causar sérios comprometimentos socioambientais, de acordo com o que apuraram de “lacunas” de informações prestadas até agora pelo empreendedor, nos estudos inicialmente apresentados.

Segundos os especialistas, devido ao porte e abrangência do empreendimento, alguns dos problemas verificados na proposta do projeto inicialmente são a possibilidade de perda de biodiversidade devido ao desmatamento (incluindo impactos irreversíveis a espécies ameaçadas), redução de produção de água comprometendo o abastecimento da Billings, o aumento de problemas de drenagem de águas pluviais em Campo Grande, comprometimento dos serviços ecossistêmicos, como também conflito de trânsito no entroncamento da SP 31 com a SP 122, em Ribeirão Pires. Mais um aspecto apontado é que indiretamente a atração de novos empreendimentos pressionem as nascentes do rio Grande e haja incidência de problemas de saúde em população flutuante.

Também são feitos questionamentos quanto à qualidade do sistema de coleta e tratamento de esgoto que será adotado na construção para que não comprometa os mananciais, ao tipo de carga que será transportado e à questão de possibilidade de acidentes com produtos contaminantes, como também o comprometimento do corredor ecológico que há nesta região que abriga diferentes áreas de conservação ambiental e compreende o cinturão verde da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica . Aspectos importantes, como a geração de partículas finas poluentes e emissões de Gases de Efeito Estufa também são mais um ponto a ser esclarecido. Fazem parte dos componentes de saúde ambiental e de mudanças climáticas.

Primeira audiência pública programada para dezembro

A realização da primeira audiência pública sobre o EIA/RIMA do empreendimento, programada para junho deste ano, foi suspensa conforme informação do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema). Uma nova data foi anunciada, agora, para 17 de dezembro. A participação da sociedade civil é de extrema importância nesta fase, como também a leitura anterior do documento (link acima) para que possa ter o mínimo de subsídios de informações.

Em um processo de gestão participativa, todas as dúvidas quanto a passivos e ações de mitigação e adaptação devem ser esclarecidas pelo empreendedor de forma objetiva e transparente para que qualquer pessoa (leiga) compreenda. Nestes espaços, especialistas que questionam o empreendimento também têm o direito de se expressar, com suas argumentações e perguntas. Ao mesmo tempo, o poder público, representado pelos órgãos ambientais, devem ser claros quanto a estes pontos levantados neste processo. A Justiça, por sua vez, neste momento, na figura dos promotores de Justiça, também devem ser atuantes na defesa do direito público e ambiental. Ouvir gestores de unidades de conservação do entorno é fundamental, dada a importância desse maciço de mata atlântica e hídrico paulista.

*Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 26 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também outros artigos que escrevi a respeito de Paranapiacaba no Blog Cidadãos do Mundo:

14/12/2014 – Paranapiacaba: um manancial estratégico na Mata Atlântica
27/07/2014 – Paranapiacaba: uma leitura para sua conservação

 

Pesquisar no site

Blog

20/08/2012 15:26

Eventos naturais extremos: prevenção no centro da pauta, por Sucena Shkrada Resk

Com a proximidade da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP18), em Doha, no Qatar, de 26 de novembro a 7 de dezembro, teoricamente poderíamos considerar que não seriam necessários muito argumentos para se defender os princípios da prevenção e da...
07/08/2012 13:28

Políticas fragmentadas e mudanças climáticas intensificam crise na África, por Sucena Shkrada Resk

07/08/2012 13:28 O grau de vulnerabilidade pelo qual passam os cidadãos de vários países da África se intensificou nos últimos meses, com o quadro de seca e consequente desertificação. Países do Sahel (Chade, Mali, Mauritânia e Níger, Senegal e as regiões do norte do Camarões e Nigéria), do Chifre...
06/08/2012 20:43

Reflexão: 67 anos de Hiroshima, por Sucena Shkrada Resk

#67anosdeHiroshima - "Não esquecer...não repetir..." - Um mantra a ser mantido na atualidade, quando falam de acervos bélicos nucleares e armas químicas...Como passar uma borracha em tanta dor e falta de amor? Pessoas, animais - seres vivos - foram pulverizados, famílias ficaram destruídas na sua...
06/08/2012 11:14

Nota: Arthur Zanetti, de SCS, transforma seu sonho em realidade em Londres, por Sucena Shkrada Resk

Arthur Zanetti, 22 anos, de São Caetano do Sul, que ganhou hoje o ouro olímpico nas argolas, em Londres, começou a sua jornada no esporte, no SERC Santa Maria (bairro onde moro) há 10 anos. Perseverante e esforçado chegou ao pódio. Parabéns pela sua trajetória e empenho (pessoal e em equipe)!...
31/07/2012 10:21

Nota: Núcleo de Ecojornalistas é criado no Amazonas, por Sucena Shkrada Resk

Jornalismo_Ambiental - Dia 27 de julho, foi dado o pontapé inicial à criação do Núcleo de Ecojornalistas do Amazonas (Nejam), que será integrado ao Sindicato dos Jornalistas do Amazonas, e da Rede Amazonense de Jornalismo Ambiental (Raja). Essa última se propõe a ser uma plataforma de interação...
30/07/2012 15:48

Quanto da Mata Atlântica matamos dentro e fora de nós?, por Sucena Shkrada Resk

Mais de 120 milhões de pessoas vivem na Mata Atlântica (https://www.mma.gov.br/biomas/mata-atlantica), que ocupa 1.315.460 km2 em 17 estados, do PI ao RS (correspondente a praticamente o tamanho do País de Gales), num país de quase 192 milhões de pessoas. Essa região representa 70% do Produto...
27/07/2012 10:23

Paranapiacaba: uma leitura para sua conservação, por Sucena Shkrada Resk

Paranapiacaba, em Santo André, é um dos destinos ao qual mais gosto de retornar até hoje, desde 2002, quando a "descobri", como repórter do Diário do Grande ABC (onde trabalhava à época até 2005). A cada matéria feita por lá, voltava impregnada de história e certa da importância de sua...
24/07/2012 14:17

Coleta seletiva: na busca da compreensão do caminho das pedras em SCS, por Sucena Shkrada Resk

Há alguns anos, em São Caetano do Sul, é realizada a coleta seletiva, com coletores distribuídos pela cidade, onde rotineiramente levo os resíduos recicláveis de minha casa, além do recolhimento porta a porta em alguns bairros, de forma gradativa. Mas falta informação quanto ao destino desse...
10/07/2012 17:08

Copacabana sob a perspectiva de Nazaré, uma de suas mais antigas moradoras, por Sucena Shkrada Resk

Copacabana completou 120 anos e tem algo peculiar e inspirador, que chama a atenção, além da beleza de sua praia, eternizada pela Bossa Nova, e o charme de suas construções. São as conquistas de sua população da maior idade, de sua gente. Estima-se que um a cada três moradores de lá está nesta...
04/07/2012 16:42

O pensamento ecologizado de Edgar Morin, por Sucena Shkrada Resk

Depois de uma hora e meia de imersão nas palavras do filósofo e educador francês Edgar Morin, no lumiar dos seus 91 anos, na noite de ontem (3), renovei as minhas esperanças na capacidade humana de transformar os caminhos do planeta. O vigor de seu pensamento, que trafega de forma inclusiva e...
03/07/2012 11:56

Cúpula dos Povos: um olhar indígena para além do Brasil, por Sucena Shkrada Resk

“Acho que falta troca; se cada um passasse para o outro (conhecimento, auxílio...), não existiria fome no mundo”. Com esse pensamento simples, direto e até desconcertante, o jovem índio xinguano Mataripé Trumai Waurá me falou de seu anseio em relação aos caminhos do planeta, no dia 20 de junho. Ele...
29/06/2012 13:06

Pós-Rio+20: ao sair da bolha, o trabalho continua, por Sucena Shkrada Resk

Alguns dias se passaram após regressar do Rio de Janeiro, no dia 24, onde trabalhei desde o dia 15, na cobertura da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e parte da Cúpula dos Povos na Rio+20 por Justiça Social e Ambiental. Levei esse tempo para “assimilar” e...
26/06/2012 10:27

Rio+20 e Cúpula dos Povos em imagens, por Sucena Shkrada Resk

Na jornada diária de cobertura jornalística e de momentos "cidadãos" na Conferência das Partes sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e da Cúpula dos Povos na Rio+20 por Justiça Social e Ambiental, fiz alguns registros de imagens para que um dia, se a memória falhar, possa resgatar esses...
25/06/2012 22:40

Rio+20 & Cúpula dos Povos - momentos intensos de trabalho, por Sucena Shkrada Resk

A fase que antecedeu a Conferência das Partes sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) e a Cúpula dos Povos na Rio+20 por Justiça Social e Ambiental foi intensa e a cobertura à trabalho, de 15 a 23 de junho, no Rio de Janeiro, também exigiu imersão e dedicação exclusivas. Ao mesmo tempo, foram...
14/06/2012 22:45

Rio+20: Relatório reforça a necessidade da inclusão no conceito de Economia Verde, por Sucena S.Resk

Foi lançado hoje (14), na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o relatório Construindo uma Economia Verde Inclusiva para Todos . O documento é resultado de trabalho da Parceria Pobreza e Ambiente (PEP, da sigla em inglês), que é uma rede bilateral de agências de...
14/06/2012 11:30

Rio+20/CúpuladosPovos: o presente e futuro que fazemos, por Sucena Shkrada Resk

A maioria dos discursos em torno da Rio+20 e da Cúpula dos Povos e de nossas próprias expectativas se remete sempre ao futuro...Às vezes, penso que essa palavra se tornou, de certa forma, uma armadilha semântica. Afinal, o futuro depende do presente e do passado, isso é fato, e não hipótese. E as...
07/06/2012 20:34

Rumo à Rio+20: o valor oculto da água, por Sucena Shkrada Resk

Acesso à água: um direito humano. A Declaração Universal dos Direitos à Água será respeitada na Rio+20?... O 6º Fórum Mundial da Água foi realizado em Marselha, na França, entre 12 e 17 de março de 2012, e reuniu representantes de agências da ONU, ministros, prefeitos, legisladores e...
07/06/2012 18:02

Rumo à Rio +20 - O direito à comunicação, por Sucena Shkrada Resk

*O texto abaixo - "A Comunicação é um direito fundamental para alcançar a sustentabilidade" escrevi como contribuição à Carta de Brasília do Encontro Latino-Americano de Mulheres - Rio+20 Planeta Mulher - www.terraumplanetamulher.org, realizado em Brasília, entre 04 e 06 de junho deste ano, pelo...
04/06/2012 17:45

Pensata - Bibi Ferreira: exemplo de longevidade, por Sucena Shkrada Resk

O ato de "reclamar" sem seguir no caminho de contrapropostas torna cada vez mais constante na sociedade moderna, fazendo com que a proatividade para que as mudanças aconteçam perca espaço, nesse duelo de forças. Mas nem tudo está perdido. Uma fonte de inspiração para renovações de discursos é a...
26/05/2012 00:29

Arte se inspira nas inscrições rupestres da Serra da Capivara, por Sucena Shkrada Resk

#Detalhes_do_cotidiano - Hoje eu trouxe um pouquinho do Piauí para casa. A frase parece estranha, mas é verdade rs. Fui a um shopping em SP, o que num primeiro momento parece uma ação tipicamente consumista, mas que teve um toque diferenciado para mim. Eu me deparei com uma mostra de trabalhos...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk