Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

29/11/2018 15:20

Por Sucena Shkrada Resk*

Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que se refere a questões de ocupação e uso do solo, emissão de poluentes, interferência no planejamento urbano, comprometimento da biodiversidade, impactos de diferentes portes que afetem populações do entorno e seus modos de vida e saúde. Ao mostrar esta radiografia, vem o principal: com quais ações (factíveis) se comprometem para mitigar e adaptar o que e quem são afetados em curto a longo prazo. E aí entra o aspecto crucial: esta remediação se sobrepõe qualitativamente a todos os danos?

Esta introdução permeia os processos que envolvem o movimento de cidadania e de gestão participativa quanto a um tema que está causando polêmica atualmente sobre o futuro da região de ecoturismo e de patrimônio histórico da rústica Vila de Paranapiacaba (de característica histórica ferroviária inglesa no meio de um maciço verde de floresta atlântica, tombada da esfera municipal à federal, entre 1987 e 2003), em Santo André,  - que conheço como jornalista e cidadã há 16 anos - e seu entorno que se estende até a Baixada Santista. É o projeto de construção de um Centro logístico na área do distrito de Campo Grande , também chamado de porto seco, numa área particular total de 468 ha (empreendimento Fazenda Rio Pequeno, Gleba A, Gleba C), até o ano de 2024, a 4 quilômetros da vila, onde passa a Ferrovia Santos-Jundiaí. Neste trecho, somente há transportes de cargas destino a Cubatão e Santos. E da Luz e Santo André para lá, também trem turístico aos finais de semana à vila.

No aspecto do processo na gestão pública, cabe à Prefeitura de Santo André a análise do Estudo de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), devido à zona de amortecimento do Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba, área contígua ao Parque Estadual da Serra do Mar, além da Reserva Biológica da Serra do Mar. Já o licenciamento ambiental do EIA/RIMA está sob análise da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (CETESB).

Com a instalação, segundo o empreendedor, estaria prevista inicialmente a quantidade de 64 viagens diárias de caminhões pela Rodovia Antônio Adib Chammas (SP-122), que dá acesso à Vila diariamente para transporte de cargas e utilização da ferrovia local, que segue para o Porto de Santos. Esta rodovia é utilizada hoje principalmente por ônibus de transporte público, ciclistas e carros de passeio para moradores e turistas.

Em 2017, houve uma emenda à Lei de Uso de Ocupação do Solo (LUOPS) andreense, que permite a obra e está sendo questionada. A Prefeitura de Santo André chegou a apresentar à Câmara Municipal recentemente um projeto de lei que a revoga.  

No decorrer de 2018, o assunto foi tema de debate na Universidade Federal do ABC (UFABC), no Instituto de Estudos Avançados da USP (IEA/USP), originou uma mobilização social por meio do atuante movimento SOS Paranapiacaba e abaixo-assinado on-line. A reação parte da sociedade civil, de especialistas nas áreas socioambiental e de gestão pública. A pauta também está sendo acompanhada pelo Ministério Público Federal (MPF).

De acordo com o empreendedor Fazenda Campo Grande Empreendimentos e Participações, o investimento está estimado na ordem aproximada de R$ 780 mi, e ocupará a área de influência direta do Centro é a porção alta da Bacia do Rio Grande (que abastece a Represa Billings) e indiretamente, a Bacia do rio Grande e parte do vale do rio Mogi, até o Vale da Morte. A previsão é que sejam desmatadas 91 ha de mata nativa (equivalentes a 91 campos de futebol). A empresa alega que respeitará as características ambientais (sem entrar em detalhes maiores quanto a compensação ambiental direta ao passivo), além de promover a geração de mais de 1,2 mil empregos diretos e indiretos e arrecadação de Imposto sobre Serviços (ISS) a Santo André, na ordem de R$ 64 mi, entre construção e operação.

Preocupação socioambiental

O Movimento SOS Paranapiacaba e especialistas, como a arquiteta e urbanista Silvia Passarelli, da UFABC, a bióloga e especialista em recursos hídricos Marta Marcondes, da Universidade de São Caetano do Sul (USCS), Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (PROAM) e conselheiro do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA) e o advogado Virgílio Alcides de Farias, do Movimento em Defesa da Vida do ABC (que já deu entrada em uma ação no Tribunal de Justiça quanto a este projeto)  argumentam que a instalação do empreendimento poderá causar sérios comprometimentos socioambientais, de acordo com o que apuraram de “lacunas” de informações prestadas até agora pelo empreendedor, nos estudos inicialmente apresentados.

Segundos os especialistas, devido ao porte e abrangência do empreendimento, alguns dos problemas verificados na proposta do projeto inicialmente são a possibilidade de perda de biodiversidade devido ao desmatamento (incluindo impactos irreversíveis a espécies ameaçadas), redução de produção de água comprometendo o abastecimento da Billings, o aumento de problemas de drenagem de águas pluviais em Campo Grande, comprometimento dos serviços ecossistêmicos, como também conflito de trânsito no entroncamento da SP 31 com a SP 122, em Ribeirão Pires. Mais um aspecto apontado é que indiretamente a atração de novos empreendimentos pressionem as nascentes do rio Grande e haja incidência de problemas de saúde em população flutuante.

Também são feitos questionamentos quanto à qualidade do sistema de coleta e tratamento de esgoto que será adotado na construção para que não comprometa os mananciais, ao tipo de carga que será transportado e à questão de possibilidade de acidentes com produtos contaminantes, como também o comprometimento do corredor ecológico que há nesta região que abriga diferentes áreas de conservação ambiental e compreende o cinturão verde da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica . Aspectos importantes, como a geração de partículas finas poluentes e emissões de Gases de Efeito Estufa também são mais um ponto a ser esclarecido. Fazem parte dos componentes de saúde ambiental e de mudanças climáticas.

Primeira audiência pública programada para dezembro

A realização da primeira audiência pública sobre o EIA/RIMA do empreendimento, programada para junho deste ano, foi suspensa conforme informação do Conselho Estadual de Meio Ambiente (Consema). Uma nova data foi anunciada, agora, para 17 de dezembro. A participação da sociedade civil é de extrema importância nesta fase, como também a leitura anterior do documento (link acima) para que possa ter o mínimo de subsídios de informações.

Em um processo de gestão participativa, todas as dúvidas quanto a passivos e ações de mitigação e adaptação devem ser esclarecidas pelo empreendedor de forma objetiva e transparente para que qualquer pessoa (leiga) compreenda. Nestes espaços, especialistas que questionam o empreendimento também têm o direito de se expressar, com suas argumentações e perguntas. Ao mesmo tempo, o poder público, representado pelos órgãos ambientais, devem ser claros quanto a estes pontos levantados neste processo. A Justiça, por sua vez, neste momento, na figura dos promotores de Justiça, também devem ser atuantes na defesa do direito público e ambiental. Ouvir gestores de unidades de conservação do entorno é fundamental, dada a importância desse maciço de mata atlântica e hídrico paulista.

*Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 26 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também outros artigos que escrevi a respeito de Paranapiacaba no Blog Cidadãos do Mundo:

14/12/2014 – Paranapiacaba: um manancial estratégico na Mata Atlântica
27/07/2014 – Paranapiacaba: uma leitura para sua conservação

 

Pesquisar no site

Blog

14/01/2013 19:39

Reflexão: a desertificação e o consumo inconsciente, por Sucena Shkrada Resk

Quando se trata do tema “desertificação”, a integração de ações antrópicas e processos naturais refletem o processo de fragilidade presente em vários pontos do planeta. O certo é que a série histórica demonstra que se intensificam os eventos extremos a cada década. Tanto as secas como as estiagens...
09/01/2013 11:20

#Reflexão: Ir além do morde e assopra nas políticas socioambientais, por Sucena Shkrada Resk

A implementação de políticas socioambientais no contexto federativo ao municipal é lenta e essa é a realidade. Não adianta colocarmos "panos quentes", pois é isso que vivenciamos. Ao usar uma figura de linguagem, fica em muitas questões, no ritmo do "morde e assopra". Se formos avaliar o...
08/01/2013 17:32

Atenção a histórias de vida sobre a luta em favor dos direitos humanos, por Sucena Shkrada Resk

Nesta semana foi lançada a publicação Dez faces da luta pelos #direitoshumanos no Brasil(ONU, Embaixada do Reino dos Países Baixos, SDH e UE, 2012). É um material denso, com 101 páginas, no qual há entrevistas com dez personagens de diferentes localidades do país. O conteúdo é interessante, pelo...
04/01/2013 09:28

Reflexão: Diferentes relações do ser humano com a natureza, por Sucena Shkrada Resk

No último dia 31 de dezembro, ao conhecer o Borboletário de Campos do Jordão, considerei interessante a iniciativa de pesquisa e de educação ambiental, por estimular o aprendizado por meio da vivência e estímulos sensoriais, em uma atmosfera lúdica que envolve o ambiente no qual elas se desenvolvem...
17/12/2012 19:01

Desastres naturais:o desafio na prevenção e na emergência no Sul e Sudeste, por Sucena Shkrada Resk

A incidência dos altos índices pluviométricos nas regiões Sul e Sudeste, neste verão, com estimativas acumuladas até fevereiro do ano que vem, de chegar a 1400 mm já sinalizam as dificuldades contínuas identificadas anteriormente na série histórica em ambas as regiões. O que está mudando aos poucos...
12/12/2012 10:20

Até quando iremos silenciar as primaveras?, por Sucena Shkrada Resk

Há cinco décadas, a bióloga marinha Rachel Carson (www.rachelcarson.org) desnudava por meio da literatura, um processo desencadeado no frenesi industrial da sociedade contemporânea, em que o uso excessivo de agrotóxicos (pesticidas) sintéticos, nos EUA, resultava na aniquilação de espécies de aves...
11/12/2012 13:01

Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação, por Sucena Shkrada Resk

O direito ao acesso à informação passa por todas as áreas e em especial na de saúde. Na semana passada, tive conhecimento da existência da FEBER – Associação Brasileira de Enfermidades Raras (https://feber-brasil.comunidades.net), que é focada em divulgação sobre esse tema. O site ainda está sendo...
09/12/2012 15:32

O papel dos cães nos processos educacionais e terapêuticos, por Sucena Shkrada Resk

Quem olha os cães Lion, de 1 ano e 8 meses e Picolé, de 2 anos, os companheiros de “pelo” das pedagogas Andrea e Laura, de São Paulo, não imaginam que os dois são, de certa forma, assistentes na área educacional. É verdade! Os animais têm um papel importante principalmente no auxílio lúdico a...
06/12/2012 18:26

Mães de Maio: a força diante da experiência da perda violenta de um filho, por Sucena Shkrada Resk

Olhos úmidos, fala embargada e uma saudade quase que insuportável. Com essa fusão e profundidade de sentimentos expressos, conheci ontem a dona de casa M.H.T.P, 55 anos, da cidade de Santos, que tenta se recuperar da recente perda violenta de seu filho caçula José Rodrigo, de 25 anos, no início de...
06/12/2012 10:43

Reflexão: a resiliência diante das perdas, por Sucena Shkrada Resk

#Reflexão - Essa semana, em particular, estou mais sensível aos sentimentos que envolvem as partidas deste plano. Ontem me deixei levar pelos relatos de Mães de Maio (https://www.facebook.com/maes.demaio?ref=ts&fref=ts), no Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, e...
03/12/2012 18:00

Educomunicação:memória e resiliência no enfrentamento dos eventos extremos , por Sucena Shkrada Resk

Poucos minutos ou horas e tudo está sob as águas ou sob escombros. Imaginaram a cena praticamente dantesca? Talvez muitos de vocês já passaram por essa situação algum dia na vida...O que não se pode negar é que o enfrentamento de inundações, enchentes e outros tipos de eventos extremos é uma...
29/11/2012 21:26

Joanne Garde-Hansen fala da ética de se importar, por Sucena Shkrada Resk

A mensagem que me marcou no dia de hoje foi da especialista britânica em memória e mídia, Joanne Garde-Hansen, durante o 5º Seminário Internacional do Fórum Permanente de Gestão do Conhecimento, Comunicação e Memória, em São Paulo. Ela falou da importância da "ética de se importar...", que é o lado...
23/11/2012 16:36

FIQUEPORDENTRO-Cadastro propõe recuperação florestal voluntária de matas ciliares,por Sucena S Resk

Hoje ao pesquisar dados sobre reflorestamento, descobri que no Estado de São Paulo, existe o Banco de Áreas Ciliares (particulares) para Recuperação Florestal, mantido no site da Secretaria do Meio Ambiente, que conta hoje com um total de 412 locais, que correspondem a 3.333,16 ha. As inscrições...
08/11/2012 14:18

Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas, por Sucena Shkrada Resk

“O eu se constrói em frente aos tus”. Nessa frase, está o pano de fundo que envolve a história oral, que é um método a partir de técnicas que envolvem principalmente histórias de vida e de famílias. Reconhecer a importância da elaboração de perguntas “férteis” e entender a dinâmica do olhar (o que...
07/11/2012 09:57

Nota: Barack Obama reeleito, o que muda na política ambiental?, por Sucena Shkrada Resk

#PolíticainternacionaleMeioAmbiente - Barack Obama foi reeleito ( https://blogs.estadao.com.br/radar-global/ao-vivo-eleicoes-nos-eua-2012/ ) e se levanta a questão de como ficará a política norte-americana com relação ao meio ambiente, tendo em vista, as resistências históricas no Senado...
01/11/2012 17:36

JT: uma escola de jornalismo, por Sucena Shkrada Resk

Dizem que a gente não deve ser saudosista, pois isso não leva a nada. Eu entendo de outra maneira. As recordações podem e devem ter o papel de fazer com que avancemos, são partes de nossa história, que nos constituem enquanto seres integrais e podem ser recobradas como algo construtivo. Fiz essa...
01/11/2012 14:31

Domenico De Masi : 2020 em 10 tendências, por Sucena Shkrada Resk

Criatividade e concretude; uma ação conectada à outra. É dessa forma que o criador do conceito do “ócio criativo” (que resumidamente propõe o equilíbrio entre trabalho, estudo e lazer), o sociólogo italiano, Domenico De Masi https://www.domenicodemasi.it/pt faz a sua leitura sobre o poder que temos...
30/10/2012 18:29

Educomunicação: o sentido da inclusão, por Sucena Shkrada Resk

Quando pensamos a educomunicação no seu sentido holístico, fica claro que trafega na comunicação formal, não-formal e informal, abarca desde o educador popular ao acadêmico e traz o sentido de inclusão de direitos cidadãos, comunitários e dos mais variados sentidos tanto na ideologia, na linguagem...
29/10/2012 16:33

Educomunicação:O caminho das imagens como mobilização socioambiental,por Sucena Shkrada Resk

Como lidar de forma sustentável com os resíduos? Talvez esse seja um dos desafios impostos aos moradores da comunidade da Ilha das Peças, em Guaraqueçaba, no litoral norte paranaense, na baía de Paranaguá, simultaneamente à gestão do poder público e aos veranistas que visitam esse destino...
29/10/2012 13:14

Dona Tonha, de São Mateus para o mundo, por Sucena Shkrada Resk

“...Eu tenho uma honra da saúde que eu tenho...”. Essa frase ecoa ainda em minha memória. É de dona Antônia, ou melhor, “Tonha”, hoje com 104 anos, uma cidadã que se confunde com a história de São Mateus, ES. Eu não fui à sua cidade e nem ela veio a São Paulo. Como descobri essa brasileira? Ao...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk