Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

19/02/2020 17:02

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti

Por Sucena Shkrada Resk*

Aedes aegypti - Crédito da foto: Arquivo/Agência BrasilQuando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da dengue. A situação crítica da doença no país tem exposto esta lacuna de parte da gestão pública e da sociedade, nas responsabilidades compartilhadas. É uma doença que deveria se enquadrar na prioridade permanente da vigilância em saúde, com dotação orçamentária compatível, que envolve outras áreas dos governos, desde gestão de resíduos sólidos a saneamento.

Em 2019, foram registrados cerca de 2.242 milhões de casos da doença por aqui, visto a dimensão continental do país, que representam 70% das mais de 3 mi ocorrências nas Américas, no período, de acordo com a Organização Pan-americana de Saúde (OPAS). É como se toda população de Brasília, no DF, tivesse sido atingida. Desse total, ocorreram 754 óbitos (sendo que em 2018, foram 155). O que preocupa as autoridades médicas é a existência de um novo subtipo do vírus – tipo 2, que ocasiona a dengue hemorrágica, que é letal. A situação atual supera a de 2015, quando ocorreu 2,4 mi casos na região. 

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem alertado, nos últimos anos, que a dengue é a doença do século e alerta: está sendo negligenciada. Historicamente, os primeiros registros da doença no continente latino-americano ocorreram há 400 anos, de acordo com o assessor regional da OPAS, José Luís San Martín. Com intermitências de registros com picos de surtos e epidemias, já houve tempo suficiente para que houvesse maior dedicação ao combate de seus vetores.

Com o avanço das mudanças climáticas, que refletem em chuvas e temporais com mais frequência, o cenário é perfeito para a eclosão dos ovos do mosquito fêmea do Aedes aegypti, quando infectado, transmissor não só desta doença, como da Chikungunya, do zika vírus e da febre amarela, chamada de arboviroses urbanas. Além do vetor transmissor Aedes albopictus. E 2020 chegou, e os registros continuam a preocupar! O período de chuvas regular deve ser presente, pelo menos, até abril.

Segundo o boletim epidemiológico da Secretaria de Vigilância em Saúde – 7/2020, do Ministério da Saúde mais recente de fevereiro, já são 94.149 casos prováveis de dengue até agora e a confirmação de 14 mortes (AC, MG, SP, PR, DF, MS) com prevalência em idosos e mais de 60 óbitos estão sob investigação. Entre os estados com maior número de casos, estão São Paulo, Paraná, Acre e Mato Grosso do Sul. Regionalmente, o Centro-Oeste, o Sul e Sudeste têm uma ascendência em registros. Em relação à chikungunya, foram notificados 3.439 casos prováveis, com maior incidência no Sudeste e  Nordeste do país e destaque para o Espírito Santo e Rio de Janeiro.

Mas por que foi aberta esta janela epidêmica? Primeiro, é importante lembrar que os ovos do mosquito podem ficar até por um ano, “quietinhos”, latentes em ambiente seco, até o contato com a água. E criadouros urbanos – tanto com água limpa, como suja parada, de responsabilidade do próprio ser humano, ou seja, qualquer um de nós, não faltam por aí, não é? São pneus velhos, pratinhos de vasos, calhas, caixas d`água, piscinas e latões destampados, entre outros recipientes. Por isso, falar em precaução e prevenção não é banalidade. A vacina (com finalidade de utilização pública) contra a dengue, após muitos anos de pesquisa pelo Instituto Butantan, ainda está na última fase de testes em humanos. Hoje já existe uma outra vacina – a Dengvaxia (produzida por um laboratório particular francês), no mercado, e oferecida no sistema privado de saúde, que tem o objetivo de atender quem já foi infectado pelo vírus da doença anteriormente.

A utilização de repelentes e telas de proteção nas janelas também são mais alguns meios de proteção adicionais neste cerco à contaminação de alta complexidade.

Um ponto que não pode ser descartado, neste conjunto de ações, é que apesar de haver registros de picos de casos no país em diferentes períodos, nas últimas décadas, as campanhas mais assertivas ficaram sazonais, ao longo dos anos, e o tema se perdeu na burocracia das prioridades da área da saúde, que inclui saneamento e limpeza urbana, desde o nível municipal ao federal. Cada cidadão, por sua vez, tem a responsabilidade de combater focos em seus domicílios, locais de trabalho e da comunidade ou denunciar grandes focos onde não têm acesso para remediação.

Algumas ações do poder público com o envolvimento da sociedade têm sido noticiadas. Cidadãos (ãs) “arregaçam as mangas” em mutirões em suas comunidades. Uma destas iniciativas ocorreu no município de Concórdia/SC, no dia 15.  Por sua vez, na corrida contra o tempo, vários municípios brasileiros estão realizando ações para eliminar criadouros. Ações que devem ser constantes o ano inteiro.

Nas Américas, depois do Brasil, o maior número de casos de dengue foi registrado no México (268.458); na Nicarágua (186.173); na Colômbia (127.553) e em Honduras (112.708). Com todos estes dados e fatos, o alerta permanente a ser reforçado é que a dengue é uma das doenças tropicais mais complexas de controle na atualidade, que depende do envolvimento e conscientização da população no combate aos vetores. Não é uma preocupação só no verão.

*Sucena Shkrada Resk - jornalista, formada há 28 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:
15/01/2020 – As mudanças climáticas desenham o cenário de urgência em saúde
04/05/2019 – Podcast 4: Saúde ambiental não existe sem prevenção – um alerta no Brasil
09/01/2018 - Saúde ambiental - Febre amarela, do século XIX a 2018, o que Oswaldo Cruz faria nos dias de hoje?
27/11/2017 - Médica sanitarista fala sobre o universo da saúde ambiental, com destaque sobre os impactos dos agrotóxicos
31/01/2016 - Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda
07/04/2013 – Dengue: brechas de prevenção no Brasil
11/12/2012 -Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
08/09/2010 - Precisamos nos reconhecer sul-americanos (II)

20/02/2010 - Dengue: prevenção não pode ser sazonal
 

Pesquisar no site

Blog

18/12/2017 12:27

Ilhas do Pacífico: as lições das crianças das nações insulares na COP 23 – Bula!

Por Sucena Shkrada Resk A Aliança dos Pequenos Estados Insulares (em inglês, Alliance of Small Island States – AOSIS, com 39 países) assumiu, pela primeira vez, um protagonismo na condução da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (COP 23), em Bonn, Alemanha, ao ter na...
11/12/2017 09:04

#Direitoindígena - Coordenadora na COIAB destaca: Protocolos de consulta de diferentes povos indígenas na Amazônia são instrumentos de luta pelos direitos

Entrevistada da semana - Angela Amankawa Kaxuyana   Por Sucena Shkrada Resk    O protagonismo indígena na defesa dos seus direitos é a pauta desta semana. Na seara do contexto amazônico, a entrevistada é Angela Amankawa Kaxuyana, da TI Kaxuyana Tunayana, do extremo Norte do Pará, que...
27/11/2017 14:40

Médica sanitarista fala sobre o universo da saúde ambiental, com destaque sobre os impactos dos agrotóxicos

Por Sucena Shkrada Resk A entrevistada, desta semana, do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk, é a médica sanitarista Telma de Cassia dos Santos Nery, que trata do tema Saúde Ambiental, com os impactos dos agrotóxicos e da poluição, neste contexto, e também explica o trabalho...
14/11/2017 14:01

Vozes do Direito indígena refletem sobre cenário atual

  Por Sucena Shkrada Resk Compreender os conceitos de bem-viver, de patrimônios imaterial e espiritual, do significado holístico da terra, do ecossistema e do território e do planeta como casa (mãe “pachamama”) e local sagrado, é o grande desafio das visões herméticas dos Estados que ainda se...
02/11/2017 18:15

As mudanças climáticas sob o olhar indígena

Por Sucena Shkrada Resk Subestimar os conhecimentos tradicionais que se perpetuam por gerações é um ato de ignorância que tem se repetido por décadas. No contexto das mudanças climáticas, essa constatação se torna mais evidente, pois a vivência dos povos indígenas e suas relações cosmológicas...
18/10/2017 09:33

Do papel à realidade, existe um “gap” na mitigação (redução de danos) e adaptação aos eventos extremos no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O que dizer sobre o “Velho Chico” agonizando, e pessoas e animais tendo de dividir a pouca água que resta, entre outras centenas de cenas desoladoras por todo país? Imagens que ficam gravadas para sempre. As manchetes sobre eventos extremos e desastres naturais no Brasil,...
16/10/2017 08:42

Ivaporunduva ecoa vozes pelos direitos quilombolas no Brasil

O Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk coletou dois depoimentos, há algumas semanas, em Eldorado, SP, de lideranças do Quilombo Ivaporunduva, no Vale do Ribeira, em defesa dos direitos adquiridos pelas comunidades em todo o Brasil, com o decreto 4887/2003, que regulamenta a...
11/10/2017 11:35

Arpilleras: a defesa dos direitos tecida com a sensibilidade da arte

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro Maria Alacídia, 52 anos, de Altamira, Pará, e Claides Helga Kohwald, 76 anos, do Rio Grande do Sul e que hoje mora no Paraná, vivem a milhares de quilômetros de distância, mas têm suas vidas ligadas por um bordado e por uma “linha histórica” em comum. A...
09/10/2017 17:53

Justiça socioambiental: centenas de vozes ecoam homenagem póstuma à pescadora Nicinha, no Rio de Janeiro

Por Sucena Shkrada Resk, no Rio de Janeiro  A pescadora Nilce de Souza Magalhães, mais conhecida por Nicinha, liderança feminina do Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), no estado de Rondônia, defendia os direitos das populações afetadas pelo Complexo Hidrelétrico, no rio Madeira e seus...
25/09/2017 12:22

Gameleira traz um exemplo propositivo de afirmação identitária quilombola

PÍLULAS SOCIOAMBIENTAIS Por Sucena Shkrada Resk O Museu Gídio Veio, da Comunidade de Remanescentes Quilombolas de Gameleira, em São Tomé, no Rio Grande do Norte, é uma prova de que o senso de pertencimento étnico ao território pode ser ‘perpetuado’ por meio de ações proativas, que tragam o resgate...
21/08/2017 16:06

Ser quilombola: um diálogo com a memória ancestral

Por Sucena Shkrada Resk, em Eldorado (SP) - 20/08/2017 “Eu tenho uma memória ancestral que diz quem eu sou”, destaca o quilombola Ronaldo dos Santos, coordenador executivo da Coordenação Nacional de Articulação das Comunidades Negras Rurais Quilombolas (CONAQ). Essa afirmação nunca foi tão...
01/08/2017 11:40

Mobilização nacional defende comunidades remanescentes quilombolas contra retrocessos em direitos estabelecidos

Por Sucena Shkrada Resk Nos últimos anos, está sendo construído um cenário de retrocessos no campo dos direitos humanos no Brasil, que ferem a Constituição de 1988. Atualmente, uma causa que ganha visibilidade é a das comunidades remanescentes quilombolas. Isso acontece, porque o julgamento...
09/07/2017 18:10

O discurso da invisibilidade no contexto da injustiça socioambiental e no campo

Por Sucena Shkrada Resk Vivemos tempos de invisibilização acentuada de povos e comunidades tradicionais e indígenas promovida pelos modus operandi das políticas de infraestrutura, que ferem os direitos instituídos legalmente, no âmbito nacional e internacional. Algumas das agendas com maior número...
22/01/2017 18:21

O ônus socioambiental da contemporaneidade “Flex”

  Por Sucena Shkrada Resk   Quando dizemos que um indivíduo ou uma nação têm "palavra", o sentido implícito nesta frase implica retidão, ética e relação de confiança. Mas nos deparamos hoje na contemporaneidade com uma fragilidade que reflete um mundo em que leis, direitos instituídos e...
18/12/2016 10:34

Guerra na Síria: o retrato da desumanização no século XXI

Por Sucena Shkrada ReskQuem cura as cicatrizes das feridas profundas das guerras civis que marcam o século XXI, em especial, na Síria? Os acordos geopolíticos demonstram que impera a crueldade imposta pelas polaridades, que armam os lados opostos internos com aparato bélico e financiamento e causam...
12/12/2016 21:38

A legislação socioambiental sob o ataque da artilharia ruralista no Congresso Nacional

Por Sucena Shkrada Resk Agora, querem destruir as regras do licenciamento ambiental O desgaste político brasileiro na agenda socioambiental chega a beirar o surrealismo. Tal qual uma artilharia, com tanque de guerra, a bancada ruralista tem assumido o ataque, por meio de projetos que tramitam no...
05/09/2016 17:41

A longevidade em tempos de mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk Caso fôssemos fazer uma enquete para saber se as pessoas querem envelhecer em um planeta com o aumento da temperatura média acima de dois graus Celsius até o final do século com relação à era pré-industrial, muitas talvez não tivessem a noção do que essa pergunta significa....
28/08/2016 16:31

Savanização da Amazônia mato-grossense a olhos nus

Por Sucena Shkrada Resk Mais de 15 mil focos de incêndio/queimadas, neste ano, colocam o Mato Grosso em primeiro do ranking no país atualmente. E boa parte destes registros ocorre no bioma amazônico ao norte e noroeste do estado. Colniza, a pouco mais de mil quilômetros de Cuiabá, é o município que...
26/06/2016 22:35

Mortes de ativistas socioambientais não podem se perder nas estatísticas

Por Sucena Shkrada Resk Muitos nomes em algumas lápides por este Brasil podem ser anônimos para a maioria de nós, mas representam o descaso cada vez maior com a vida de cidadãos e cidadãs, que fazem parte de comunidades indígenas, que pleiteiam a demarcação de terra que se estende em processos...
24/04/2016 14:53

Agrotóxicos – Parte 2: mais um projeto polêmico na Câmara

Por Sucena Shkrada Resk Quando imaginamos que está chegando o momento de bonança, vem mais uma notícia que exige um olhar atento da sociedade quanto à temática dos agrotóxicos e a tentativa de mudança de nomenclatura e regras, que ferem o direito do consumidor. Tramita na Câmara dos Deputados, o...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk