Até quando iremos silenciar as primaveras?, por Sucena Shkrada Resk

12/12/2012 10:20

Há cinco décadas, a bióloga marinha Rachel Carson (www.rachelcarson.org) desnudava por meio da literatura, um processo desencadeado no frenesi industrial da sociedade contemporânea, em que o uso excessivo de agrotóxicos (pesticidas) sintéticos, nos EUA, resultava na aniquilação de espécies de aves e peixes, consequentemente comprometendo a saúde humana. Ela rebatia principalmente o argumento de que o uso do agente químico Dicloro-difenil-tricloretano (DDT) utilizado à época era justificável pela necessidade de conter as pragas nos cultivos na agricultura. Assim nascia a obra “Primavera Silenciosa”, resultado de sua persistência, verdadeiro altruísmo, diante de um inimigo poderoso que eram as indústrias do setor e toda a retaguarda política que sustentavam suas práticas.

Quando me volto hoje, especialmente à realidade brasileira, vejo que o alerta que ela deu é tão atual e ganha contornos bem mais amplos, tendo em vista, que o país é o maior consumidor de agrotóxicos do planeta, há pelo menos, três anos consecutivos. Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), enquanto, nos últimos dez anos, o mercado mundial de agrotóxicos cresceu 93%, o mercado nacional cresceu 190%.

Em 2008, o Brasil ultrapassou os EUA e assumiu o posto de maior mercado mundial desses produtos. O que é estarrecedor. Um terço dos alimentos consumidos diariamente, por nós, no Brasil, está contaminado pelos agrotóxicos, de acordo com a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) .

O Programa de Análise de Resíduos de Agrotóxicos (PARA) da ANVISA demonstra que o consumo indevido dos produtos (em excesso dos registrados ou de não autorizados) leva à contaminação de vários alimentos. O relatório de atividades de 2010, publicado em dezembro de 2011, apresentou os resultados do monitoramento de 18 alimentos: abacaxi, alface, arroz, batata, beterraba, cebola, cenoura, couve, feijão, laranja, maçã, mamão, manga, morango, pepino, pimentão, repolho e tomate. Dessa lista, os índices mais graves foram apresentados em pimentões, morangos e pepinos.

Em tese, o que não deveria acontecer, é realidade cotidiana. O documento aponta que ocorreram 7.677 casos de intoxicação aguda (7,64% do total de casos de 2009) por agrotóxicos de uso agrícola, ou desviados ilegalmente para o uso como raticida domiciliar, registrados por 24 dos 36 Centros de Informação e Assistência Toxicológica brasileiros.

O que especialistas constatam é que o efeito cumulativo de todas essas substâncias tóxicas é uma porta para doenças crônicas endócrinas, imunológicas, neurológicas como também comprometem a fertilidade e resultam em cânceres.

Eu me pergunto quantas primaveras estamos silenciando aos poucos, em doses homeopáticas e letais, que nos silenciam das mais diferentes maneiras. Que cenários futuros estão sendo construídos? Pergunta incômoda, mas que precisa ser feita de forma incessante, pois a perspectiva é que não ouviremos mais os sons das aves e nem de nossas próprias vozes, se continuarmos nessa inoperância diante dos fatos.

Em agosto deste ano, o governo federal lançou a Política Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Pnapo) – lei nº 7.794. Cláudia Calório, diretora de Extrativismo da Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável do Ministério do Meio Ambiente, disse na ocasião, que “Com as ações esperamos reduzir o uso de agrotóxicos e aumentar os índices de conservação da agrobiodiversidade, além de tratar-se de mais um instrumento público que busca construir agenda sustentável para a sociedade brasileira" . Transformar essas diretrizes em realidade é que qualquer cidadão consciente ou inconscientemente deseja. Agora, quando a práxis ocorrerá é que ninguém consegue projetar.

Enquanto isso, as mobilizações ocorrem das mais diferentes formas. O documentário “O Veneno está na Mesa” (https://www.youtube.com/watch?v=8RVAgD44AGg), de Silvio Tendler, é uma das reações que ocorrem por meio das organizações sociais e marca seu espaço em redes sociais.

Décadas de alertas
E ao voltar à iniciativa de Rachel Carson, com “Primavera Silenciosa”, é preciso retornar um pouco mais na história e observar que foi gestada bem antes, desde 1945, quando a bióloga começava a questionar os testes feitos com o produto, em Maryland, nas proximidades de onde morava. Mas apesar das tentativas de publicar um artigo a respeito, houve resistência editorial, para que conseguisse expor o que ocorria à época.

No ano de 1958, mais um fato a revolta: ela se deparou com uma grande mortandade de pássaros, em Cape Cod, em Massassuchets, em decorrência do uso do DDT. Novamente, a tentativa de publicar a respeito foi em vão...Por meio de suas pesquisas, já havia comprovado que o produto havia provocado a morte de espécies importantes locais, como o falcão peregrino e a águia careca. Afinal, o produto era cancerígeno e comprometia a saúde humana.

Ela enfrentou a “artilharia pesada” do mercado, que tentava desqualificá-la como cientista, por sinal, uma das pioneiras também a tratar dos oceanos, com contribuições, como os títulos A Sea Around US (1952) e The Edge of the Sea (1955). Imagino como deve ter sido difícil para Rachel manter a resiliência. Dois anos depois da publicação, ela se calou para sempre, por causa de um câncer, mas a sua contribuição foi tão intensa, que até hoje, provoca respeito e o sentimento da necessidade de se provar que seu trabalho não foi em vão.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo- jornalista Sucena Shkrada Resk:
08/11/2011 - Os eixos da economia sustentável sob o olhar de Ladislau Dowbor
28/10/2011 - Reflexões sobre segurança alimentar & meio ambiente
14/07/2010 - Uma realidade sem agrotóxicos é possível
29/06/2010 - O que comemos?
01/02/2010 - Esp.FSM 2010 - Qual é a nossa conjuntura ambiental?

 

Pesquisar no site

Blog

20/02/2019 14:05

Tietê permanece adoecido na região metropolitana devido ao mau planejamento urbano

Por Sucena Shkrada Resk* A sensação de déjà-vu é contínua. Entra ano, sai ano, esta é a realidade perversa que vivemos diariamente nas regiões metropolitanas. De um lado, algumas nascentes que resistem, sabe-se lá até quando à pressão humana e, por outro, rios que são engolidos, em diversos...
08/02/2019 12:42

Rompimentos de barragens de rejeitos minerais revelam cenário de insegurança no país

Por Sucena Shkrada Resk* Ausência e/ou ineficiência nas precaução e prevenção, manutenção, em monitoramento e investimento em tecnologias mais seguras e em fiscalização contínua na destinação e tratamento de rejeitos minerais. Essa série de potenciais causas tem demonstrado um verdadeiro campo...
25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk