As lamas da mineração: a caixa de pandora foi aberta

09/02/2016 07:27

Crédito: Agência Brasil

Por Sucena Shkrada Resk

Três meses se passaram e a conclusão a que se chega é que a expressão “tragédia anunciada” se materializou no acidente do rompimento da barragem de rejeitos minerais(de ferro) do Fundão, operada pela Samarco, controlada pela Vale e pela anglo-australiana BHP Biliton, , em Bento Rodrigues, distrito de Mariana, MG, no dia 5 de novembro de 2015.

O acidente socioambiental, considerado o maior no país até hoje, que se estendeu ao litoral capixaba, abriu a ‘caixa da pandora’ do segmento da mineração. Revelou-se que boa parte deste setor poderoso da economia que é baseado essencialmente em extrativismo dos bens naturais pouco está investindo em precaução e remediação de danos, deixando rastros de passivos ambientais. Ao mesmo tempo, a fiscalização no setor demonstra ser extremamente frágil, facilitando os descumprimentos legais.

Com as chuvas no mês de janeiro, mais um deslocamento na barragem do Fundão foi detectada no final do mês, acionando o alerta amarelo no entorno, mas sem gerar ocorrências. Ainda há o temor de novos acidentes com outras duas barragens de rejeitos da mineradora, que têm volume bem maior de sedimentos.

No último dia 5 de fevereiro, outro acidente ocorreu em Jacareí, SP. Desta vez, uma barragem de rejeitos de mineração de areia atingiu o rio Paraíba do Sul. Uma operação de reparo foi feita pela mineradora responsável - Rolando Comércio de Areia - com supervisão de técnicos da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb). Temporariamente o abastecimento foi prejudicado em São José dos Campos, por causa da turbidez da água que atingiu nível crítico.

Um dado irrefutável para a constatação de que é necessário rigor das empresas e das autoridades neste segmento é o Relatório de Segurança das Barragens, da Agência Nacional de Águas (ANA), que levanta informações de unidades de mineração, geração de energia e abastecimento humano. Neste contexto, hoje estão em operação 14.966 barragens e somente 432 passaram por algum tipo de vistoria em 2014. Quantas têm plano de emergência (sem inferir obviamente sua eficácia), que é uma exigência legal? Apenas 162. 

Em Minas Gerais, um inventário realizado pela Fundação Ambiental do Meio Ambiente atesta que há 42 barragens com estabilidade não garantida por auditores. Os empreendimentos ficam localizados nas bacias dos rios São Francisco, Piracicaba, Jaguari, Grande e das Velhas. Outro temor se refere à segurança de barragens já desativadas.

Este é um dos ângulos dos diversos comprometimentos que envolvem a manutenção desses complexos. A pergunta que não quer calar: como podem estar funcionando normalmente, sem cumprir estes requisitos? Qual é o papel do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM)? E do órgão estadual licenciador? Do Ministério de Minas e Energia? Os Ministérios Públicos Federal e Estaduais estão apurando os casos e analisando quem são os envolvidos na causa do acidente.

Como pano de fundo, tramita em regime de prioridade no Congresso Nacional o projeto de um novo Código da Mineração (37/2011) polêmico, mais permissivo ao setor. Mas algumas questões continuam sendo claras no novo texto: a concessionária tem de se responsabilizar pela segurança das pessoas e dos equipamentos e para a proteção do meio ambiente, como também responsabilizar-se civilmente e indenizar todos e quaisquer danos decorrentes das atividades das lavras contratadas. Entretanto, não entra em detalhes sobre algo fundalmental, que é o princípio da precaução e de extinção de concessão por atos danosos e ou negligentes.

Acidente em Mariana teve projeção mundial

O acidente da barragem de Mariana teve repercussão mundial, sendo objeto de análise da Organização das Nações Unidas (ONU), que iniciou, em dezembro passado, investigação com seu grupo de trabalho sobre Empresas e Direitos Humanos sobre o comportamento de empresas de mineração e do governo no desastre.

Não é possível ter memória curta e passar uma borracha nesta tragédia que resultou em dezessete mortos, dois desaparecidos, 35 municípios mineiros afetados diretamente pela lama com diferentes graus de toxidade, que se propagou até o mar do Espírito Santo, causando danos ambientais e socioeconômicos que ainda estão sendo apurados. Como é possível desprezar que 62 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério e lama se transformaram em uma arma praticamente incontrolável por onde passou em mais de 700 km de extensão?

O abastecimento de água e o ecossistema desta área atingida sofreram impactos que ainda estão sendo dimensionados e toda a bacia hidrográfica foi comprometida por este acidente, considerado o pior do gênero neste setor mundialmente, depois do que ocorreu em 2014, na mina canadense, de Mount Poulley, na Colúmbia Britânica, segundo o Instituto Virtual Internacional de Mudanças Globais (Ivig).

O que dizer do povoado de Bento Rodrigues que era habitado principalmente por agricultores familiares, que de um dia para o outro, viram tudo que construíram, durante uma vida, destruído? Dos pescadores e outros ribeirinhos que tiveram sua fonte de sustento suspensa? E povos indígenas que tiveram seu modo de vida afetado?

Segundo o Ministério Público Estadual mineiro, estudo de 2013, encomendado pelo órgão para o Instituto Prístino, já havia alertado para a possibilidade do rompimento das barragens do Fundão e de Santarém.

Após o acidente, um levantamento oficial, com contribuição de mais de 80 organizações, está sendo encaminhado ao Ministério Público, Assembleia Legislativa Mineira e prefeituras. O documento divulgado à imprensa registra o número de 321.626 pessoas afetadas somente ao longo do Rio Doce. As principais recomendações da análise são a urgência da ação de restauro e redução de danos por parte das empresas operadoras e controladoras da mineradora. Também sugere a criação de uma fundação privada que possa gerir um fundo de R$ 2 bilhões por ano em uma ação de R$ 20 bilhões ao todo, que envolveria todos os municípios afetados até o Espírito Santo.

Pesquisadores de um grupo independente e outros oficialmente fizeram levantamento da qualidade das águas ao longo do rio Doce e no mar. Entre os resultados, foram detectadas quantidades de alguns elementos químicos acima do nível tolerável ao longo dos últimos meses, como chumbo, alumínio, ferro, bário, cobre, boro e mercúrio.  O rio Doce chegou a ser  taxado como morto por alguns especialistas.

A possibilidade de recuperação em cinco meses é cogitada, de acordo com análise de Paulo Rosman, professor de Engenharia Costeira da COPPE/UFRJ e autor de um estudo encomendado pelo Ministério do Meio Ambiente sobre o caso. Ele argumenta que as chuvas previstas até abril podem carregar os sedimentos. O especialista alerta, entretanto, que não deve haver povoados nas proximidades dessas barragens, o que seria uma imprudência.

Outros especialistas de diferentes organizações falam em décadas. O desequilíbrio ecossistêmico foi um dos resultados do acidente, que é difícil dimensionar o alcance, por enquanto. Algo irremediável foi a morte de milhares de peixes e de outros organismos com a avalanche de lama. Faltam respostas de como será reposto o estoque pesqueiro. A implicação à sobrevivência de algumas espécies ainda está sendo analisada.

O monitoramento das águas do rio Doce começou a ser feito regularmente pela ANA e pelo Serviço Geológico do Brasil, a partir de 6 de novembro do ano passado. O Ministério do Meio Ambiente criou por portaria, somente em 7 de janeiro, um grupo para coordenar a “posição ambiental na esfera federal” sobre o caso. Essas ações têm de ser divulgadas à sociedade, para que também possa acompanhar.

Na página oficial da Samarco, os informes são breves, como este do dia 27 de janeiro:

Barragens permanecem estáveis

27/01/2016

“Ocorreu na tarde de hoje, dia 27 de janeiro, uma movimentação de parte da massa residual da Barragem de Fundão devido as chuvas das últimas semanas.

De forma preventiva e seguindo seu Plano de Emergência, os empregados que atuam próximo à área afetada foram orientados a deixar o local. Não houve a necessidade de acionamento de sirene por parte da empresa. As defesas civis de Mariana e Barra Longa foram devidamente informadas.

O volume deslocado permanece entre a barragem de Fundão e Santarém, dentro das áreas da Samarco. A empresa reafirma, que as estruturas das barragens de Germano e Santarém permanecem estáveis, com base no contínuo monitoramento.” (sem entrar em maiores detalhes).

Fazendo uma retrospectiva, a empresa preparou um plano de emergência após o acidente, conforme determinação legal, e chegou a negar que foi negligente. Vale lembrar que à época do acidente, confirmou que não tinha um sistema de sirenes para alertar moradores em situações como aquela e que avisou algumas pessoas por telefone, apesar de ter um plano de emergência no papel. A Vale e a sócia australiana foram acionadas pela Justiça, mas a Vale alega que não é a responsável legal, mas que estaria criando um fundo para esse caso. Ainda muito a esclarecer.

Qual a lição tirada de tudo isso? Que a sociedade precisa acompanhar o processo, que não pode acabar em mais um acúmulo de papel da burocracia. Ações práticas têm de ser tomadas por estas empresas, para a redução de danos, ressarcimento às vítimas, e no contexto macro, os órgãos governamentais têm o dever ético de cumprirem seu papel para exigir a regularização dos sistemas de precaução de todas as mineradoras que não estão cumprindo as exigências legais. E claro, a justiça devidamente punir os culpados. Não podemos acreditar mais em sistemas de faz-de-conta e que caiam num esquecimento perverso de um país “sem memória”.

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk

Pesquisar no site

Blog

22/03/2012 20:20

Sustentabilidade: Gro Brundtland no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

Gro Brundtland está na Amazônia e participou de entrevista coletiva no 3º Fórum Mundial de Sustentabilidade, que acontece em Manaus, promovido pelo LIDE – Grupo de Líderes Empresariais. A ex-ministra norueguesa, que coordenou o relatório Nosso Futuro Comum , importante documento que começou a...
16/03/2012 21:12

Aziz Ab`Saber: uma mente brilhante, por Sucena Shkrada Resk

Fiquei contente em encontrar em meu arquivo de imagens, a foto que tirei do professor Aziz Ab`Saber, em 30 de abril do ano passado, quando fui conversar com ele, após o espetáculo de Ariano Suassuna, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. Sentado na primeira fileira, com a voz mansa e demonstrando a...
13/03/2012 11:39

#RioMais20: Reflexão: Como entender o jogo do tabuleiro?, por Sucena Shkrada Resk

Como que a sociedade civil não-organizada pode entender o "jogo de tabuleiro" da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (#RioMais20) e da #CúpuladosPovos na Rio+20 por Justiça Social e Ambiental? Não há receita de bolo para isso, mas é necessário que compreendendamos quais...
13/03/2012 08:16

Nota: expectativas oficiais sobre a Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

#Rumo_à_Rio+20 - A agenda da reunião de negociações dos países continua...(19 a 27/03 - 23/4 a 04/05 - 13/06 a 15/06), antes da rodada oficial. Segundo Sha Zukang, secretário-Geral da Conferência, a expectativa é de que governos, empresas e outras partes interessadas registrem mais de 1.000...
12/03/2012 21:09

Nota: Os vazios deixados por Fukushima, por Sucena Shkrada Resk

#Fukushima_um_ano - O desafio de se preencher vazios. Esse pensamento me passou ao ver as manifestações realizadas no domingo, com relação ao aniversário de um ano do terremoto e tsunami no Japão, que resultaram no desastre nuclear em Fukushima e em 15.853 mortes e estragos em outras cidades. Ainda...
12/03/2012 19:20

Versão em português dá dicas de 50 livros sobre sustentabilidade, por Sucena Shkrada Resk

Como fazer com que a palavra sustentabilidade não caia no descrédito? Quem nunca se questionou, ao menos, uma vez, ao ouvir aos “quatro ventos” o seu uso para os mais diferentes comportamentos e ações, já que se tornou corriqueira, em propagandas, nem sempre, condizentes ao conceito? Para ajudar...
11/03/2012 22:23

P.1- Paulo Nogueira-Neto:história que se funde com o ambientalismo brasileiro, por Sucena S.Resk

Falar sobre Paulo Nogueira-Neto não é uma das tarefas mais fáceis, afinal, é figura-chave para a compreensão da história “viva” do socioambientalismo brasileiro e internacional. Prestes a completar 90 anos, em 18 de abril, esse paulistano continua a contribuir com suas reflexões oriundas de uma...
11/03/2012 12:55

Nota: como participar do processo da Cúpula dos Povos?, por Sucena Shkrada Resk

11/03 - Para facilitar a compreensão, no processo de participação da #Cúpuladospovos , seguem duas maneiras divulgadas pela organização: - Chamada para participação de entidades (atividades autogestionadas) - https://cupuladospovos.org.br/2012/02/como-voce-pretende-participar-da-cupula-dos-povos/ -...
10/03/2012 08:07

Refugiados climáticos: do alerta ao fato, por Sucena Shkrada Resk

O anúncio feito pelo governo insular de Kiribati (arquipélago no Pacífico), em 2010, começa a se concretizar em 2012...Esse é um fato real, poucos meses antes da Rio+20. O líder do governo anunciou que o país deve adquirir 20 km² de terras em Fiji, para poder levar aos poucos a sua população de...
05/03/2012 17:43

Rio+20: Zukang no Brasil e cidadãos na mobilização, por Sucena Shkrada Resk

O principal papel da cidadania é exercê-la, senão se torna figurativa. No contexto da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável - Rio+20, o acompanhamento de algumas agendas e documentos também possibilita a construção de argumentos mais sólidos nas bandeiras de lutas. Afinal,...
04/03/2012 12:30

Pensata - Rio+20: agora é a vez do como, por Sucena Shkrada Resk

Com toda a efervescência da Rio+20 e seus contextos...sabemos o que está "errado", já foi feito o diagnóstico. Agora, está mais do que na hora de pular essa etapa e partir para o como fazer diferente e melhor...E poucos tratam disso. Onde encontramos algo sistematizado, desde modelos e boas...
03/03/2012 10:06

Pensata: Comunicação compartilhada, por Sucena Shkrada Resk

#Comunicação_compartilhada é o exercício do desapego...Começa por ideias, reflexões e informações para seguir a ações e mudanças de valores. Mas não basta o ctrl C, ctrl V...mas a intenção, a escolha do tema, a utilidade do mesmo, que está na rede dos porquês, dos 'comos' e para quês...Quando...
03/03/2012 07:09

O desafio de reaprendermos a ser humanos, por Sucena Shkrada Resk

Alguns ensinamentos na vida são para sempre. Nesse repertório adquirido no dia a dia, as palavras de Nélida Céspedes, educadora peruana, presidente do Conselho de Educação de Adultos da América Latina (CEAAL), proporciona muitas reflexões: "Precisamos reaprender a ser seres humanos". A frase dita,...
02/03/2012 17:14

A importância da discussão da água na Rio+20, por Sucena Shkrada Resk

Hoje ao ler a matéria 2,7 bilhões de pessoas sofrem com escassez de água, veiculada no Estadão, e acompanhar as discussões que envolvem o VI Fórum Mundial da Água, que acontecerá, em Marselha, entre os dias 12 e 17, reflito o seguinte, no contexto da Conferência das Nações Unidas sobre...
26/02/2012 18:10

Rio+20: a crise social e os empregos verdes na mira, por Sucena Shkrada Resk

Quanto mais se discute os possíveis caminhos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), o que fica mais claro é o fato de que o diagnóstico já está feito. A questão é tratar de “como” fazer diferente. A crise social global já é reconhecida em números,...
17/02/2012 19:16

Um momento de vivência de educação ambiental em Inhotim, por Sucena Shkrada Resk

O que os estudantes universitários respectivamente nas áreas de Ciências Ambientais e Biológicas, Diego José Rodrigues Pimenta, 20 anos, e Rafael Magalhães Mol, 19, têm em comum? Além de serem amigos, hoje eles atuam como agentes ambientais, que passam por período de estágio de um ano, no Horto...
15/02/2012 19:26

Rumo à Rio+20: Foco da campanha Meu Sonho Verde, por Sucena Shkrada Resk

A Campanha "Meu Sonho Verde", que está em vigor até a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), propõe que cidadãos apresentem seus sonhos (mensagens em vídeo) encaminhados por e-mail ou pelo telefone. Os temas podem girar em torno de: ar e clima/água e...
11/02/2012 10:54

Memória: Repórter Eco completa 20 anos, por Sucena Shkrada Resk

Cada história completa a experiência de alguém neste planeta. De uma forma indireta, os 20 anos do Repórter Eco, completados neste mês, se integram de maneira fragmentada, às minhas próprias memórias. Em 1992, recém-saída do curso de jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP), eu...
07/02/2012 18:03

Memória: Os bastidores da Ecoagência, por Sucena Shkrada Resk

Conhecer os caminhos trilhados por profissionais veteranos do jornalismo ambiental é um meio positivo de se valorizar os esforços desses pioneiros, como também revigorar a “chama” militante e os rumos editoriais. Com esse propósito, mantive um bate-papo, no último dia 23 de janeiro, com Ilza...
07/02/2012 10:36

Malária: uma realidade do século XXI, por Sucena Shkrada Resk

A Malária não é uma questão de saúde pública circunscrita ao passado, mas do século XXI, que não pode ser menosprezada e se relaciona com a forma como interagimos com o meio ambiente. Historicamente tem maior incidência na África subsaariana e nas Américas, o Brasil apresenta um grande número de...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk