Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda

31/01/2016 14:00

Por Sucena Shkrada Resk

Lembro como se fosse hoje. O ano era 2002 e trabalhava como repórter no Diário do Grande ABC. Uma das pautas que mais cobri, neste período, foi com relação à epidemia de dengue e aos diversos focos do mosquito fêmea do Aedes aegypti que havia na região e no país. Em outras cidades paulistas e demais estados brasileiros, a situação era alarmante. As campanhas preventivas, o fumacê, as blitz da vigilância em saúde e a atualização de registros de casos nutriam as matérias regularmente. Praticamente quinze anos depois, com o que nos deparamos? Um quadro mais complexo, em que o inseto se tornou vetor de mais doenças e tem sua propagação facilitada por extremos climáticos, como o El Niño, que amplia a incidência de chuvas e calor, além da falha da gestão preventiva pública e da sociedade.  O Brasil baixou a retaguarda e assim, abre precedentes para o perigo de retomada de aumento de casos de outras doenças, como malária e febre amarela.

A desaceleração da prioridade desta pauta na área de saúde está tendo um custo alto, que envolve também o campo científico. O investimento na pesquisa tem de ser prioridade tanto para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação como para o Ministério da Saúde.

No decorrer deste tempo, produzi outras matérias, para diferentes publicações, como na Revista Viva Saúde, sobre os testes da vacina contra a dengue em processo no Instituto Butantan (que ainda não foram produzidas e estão em fase final de testes) e artigos para o blog. Hoje o que se tem de alternativa é a vacina criada pela empresa farmacêutica francesa Sanofi Pasteur, que teve registro aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 28 de dezembro do ano passado, e que tem um custo elevado, de acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Castro.

Neste período, o que foi possível observar é que a retaguarda do país com relação à prevenção foi diminuindo gradativamente até praticamente ficar adormecida. Saiu da agenda de prioridades do contexto dos centros urbanos, justamente onde o mosquito prevalece, por ter uma característica doméstica e se proliferar em água parada e limpa. Cada fêmea pode gerar 1.500 mosquitos.

A memória histórica também foi praticamente apagada. Até os anos 30, é interessante lembrar que o Aedes era vetor da febre amarela urbana e foi erradicado no país, em 1955. Mas a sua incidência em outros países possibilitou sua reintrodução, segundo histórico descrito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Nos últimos anos, a incidência de casos começou a se destacar novamente nas manchetes. E hoje temos uma situação epidemiológica das mais graves, com a dengue, o zika vírus – com grande possibilidade de relação com microcefalia de fetos  e casos da síndrome de Gullain-Barré, que é caracterizada por um colapso neurológico – e a febre chikungunya. Para completar, um Ministério da Saúde fragilizado pelas declarações do seu atual ministro, que disse mais recentemente que “o Brasil perdeu feio a batalha para o Aedes aegypti...”. Esta não foi a única declaração polêmica, nos últimos meses, o que causa um mal-estar quanto ao enfrentamento do problema.

Mais que cuidados ininterruptos com caixas d`água, cisternas, latas, pneus, pratinhos de vasos com água parada e calhas entupidas, estamos falando hoje de um estágio de evolução do Aedes como vetor de doenças, nunca antes visto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que neste ano, 4 milhões de pessoas possam contrair zika vírus, nas Américas, sendo que 1,5 milhão no Brasil. Nesta escala global, 23 países já divulgaram a presença da doença. Para isso, foi criado um comitê de emergência.

Em cidades de pequeno porte como Cotriguaçu, onde vivo e trabalho há um ano no noroeste mato-grossense, o número de casos no único hospital local e no posto de saúde é assustador. Famílias inteiras estão contraindo as doenças (com predominância da dengue) e algumas desenvolvem sintomas mais graves, exigindo internação. Isto sem falar dos casos subnotificados. O corpo de profissionais é reduzido, fazendo com que um único médico, dependendo do plantão, se desdobre entre uma unidade e outra (o que já faz parte da rotina). O município só tem três médicos que atendem a população nestes locais, além dos atendentes e alguns enfermeiros.

Esse é um dos gargalos também presenciados em várias localidades. O país, tanto nos pequenos como nos grandes centros, não está preparado para uma epidemia. Vide a situação dos complexos hospitalares nas capitais como Rio de Janeiro.

Os repelentes que encontramos no mercado, por muitas vezes, não dão conta por muito tempo, de afastar os mosquitos. Empiricamente, dá a impressão de que os insetos estão ficando cada vez mais resistentes, inclusive, em locais com refrigeração mais fria. Constatei isto, por exemplo, em uma sala climatizada a 17 graus em uma rodoviária mato-grossense, no município de Juína, neste mês, onde diferentes insetos (com aspecto semelhante ao Aedes sobrevoavam sem cerimônias).

Algumas alternativas encontradas em alguns municípios são de investir na produção de repelentes naturais. Entre eles, a crotalária, a citronela e o nim. Ao se produzir sementes e mudas em escala, em viveiros, é possível fazer a distribuição à população e para o plantio em espaços públicos.

Outra lacuna na prevenção é o efeito tardio de ações coletivas. Fazer mutirões depois que os ovos já eclodiram também revela a carência de planejamento estratégico que é vista em todo o território nacional. É necessário lembrar que eles podem ficar “adormecidos” por um ano e na próxima chuva retomar o ciclo de nascimento dos mosquitos. Portanto, prevenção é no ano todo.

Em 2015, em todo o Brasil, 843 pessoas morreram em decorrência da dengue em um total de 1,6 milhão de casos registrados. No ano anterior foram 473 óbitos. Este é um dado relevante, que aponta um estágio mais agressivo da doença, pouco a pouco.

Desde o século XIX, há registros da presença do Aedes, no Brasil e mundialmente, a partir do século anterior. O mosquito é procedente do Egito e se espalhou aos demais continentes por meio da África. Portanto, uma história longa, que não faz parte de uma realidade só das últimas décadas. Segundo a Fiocruz, na atualidade há registros de sua presença nas Américas, na África, Ásia, Austrália e Polinésia Pacífica. Quando falamos do Aedes aegypti, estamos tratando de um status de emergência mundial. Não há tempo a perder.

Veja também outros artigos que escrevi a respeito no Blog:

07/04/2013 -Dengue: brechas de prevenção no Brasil
11/12/2012 -Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
08/09/2010 - Precisamos nos reconhecer sul-americanos (II)

20/02/2010 - Dengue: prevenção não pode ser sazonal


* Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk
 

Pesquisar no site

Blog

05/06/2020 08:00

Dia Mundial do Meio Ambiente: Onde se planta jornalismo floresce democracia

Veículos da mídia ambiental brasileira se unem em defesa da manutenção de um jornalismo atuante e com independência e lança  carta aberta, hoje, Dia Mundial do Meio Ambiente. Leia a íntegra: Onde se planta jornalismo floresce democracia 5 de junho de 2020 Neste Dia Mundial do Meio Ambiente,...
04/06/2020 12:02

Parte 12: Semana do Meio Ambiente: Conama em silêncio no ano de 2020, em tempos de Covid-19

No contexto da crise da pandemia e da aceleração de desmatamento ilegal na Amazônia, reuniões plenárias não ocorrem desde novembro de 2019 Por Sucena Shkrada Resk* Nesta Semana do Meio Ambiente e no auge da crise da pandemia da Covid-19, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA), que tem o...
01/06/2020 09:53

Parte 11 – Observatórios possibilitam controle social, em tempos de Covid-19

Estes canais de comunicação surgem em busca de maior transparência de informações e de cobranças de ações proativas no combate à doença no Brasil Por Sucena Shkrada Resk* A sociedade civil brasileira, por meio de organizações não-governamentais (ONGs) e especialmente de instituições públicas de...
29/05/2020 13:00

Parte 10 – Estudo aponta o risco associado da desintegração ecológica com a origem de mais doenças infecciosas como a Covid-19

Por Sucena Shkrada Resk* Surtos epidêmicos entre humanos, com início em doenças zoonóticas, se tornam mais prováveis A The Wildlife Conservation Society lançou um documento, neste mês de maio, que alerta sobre o perigo que ronda a humanidade com a possibilidade de mais surtos epidêmicos e pandemias...
28/05/2020 09:58

Parte 9 – Mais de 40 milhões de vozes da área da saúde clamam por um meio ambiente saudável ao G20 no contexto da pandemia

Por Sucena Shkrada Resk* Carta foi encaminhada, nesta semana, aos líderes do grupo das 20 nações com as maiores economias mundiais, incluindo o Brasil, e clama pela necessidade de combate à poluição atmosférica “...Antes da Covid-19, a poluição do ar - principalmente originária do tráfego, uso...
26/05/2020 13:00

Parte 8: O papel estratégico da conservação da saúde ambiental no enfrentamento à Covid-19 no Brasil

Por Sucena Shkrada Resk* Mídia ambiental está atenta ao processo de desestruturação nesta agenda, que pode ser uma porta aberta também para avanços de epidemias A saúde ambiental brasileira está seguindo para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Nunca foi tão necessário evocar esta analogia com...
25/05/2020 14:32

Parte 7 – A corrente de humanização que se tece em tempos da pandemia da Covid -19

Por Sucena Shkrada Resk* Campanhas pelo país impulsionam o exercício de empatia e desprendimento Uma das características singulares que emerge em tempos de crise é a humanização, que vem carregada daquela palavra ‘aconchegante’ chamada empatia. Problemas da sociedade moderna já existentes se...
22/05/2020 13:56

Parte 6: o impacto na saúde mental em tempos de pandemia da Covid-19

Por Sucena Shkrada Resk* OMS lança documento em maio e iniciativas se multiplicam no Brasil No conjunto de complexidades a respeito dos impactos da pandemia da Covid-19, a saúde mental ganha projeção em recentes pesquisas, e os comprometimentos são avaliados como “extremamente preocupantes”,...
29/04/2020 15:28

Parte 5: #Covid19 e a valorização da pesquisa científica

Por Sucena Shkrada Resk* Esta pandemia reitera o quanto é crucial o investimento no capital humano científico Nós, individualmente e como integrantes do coletivo da humanidade procuramos um norte, nesta pandemia da Covid-19. Neste horizonte de incertezas, a “bússola” leva a uma área que nos últimos...
22/04/2020 16:34

Parte 4 – Em tempos de #Covid19 e #mudançasclimáticas

No Dia Mundial da Terra, a reflexão sobre novos paradigmas de desenvolvimento Por Sucena Shkrada Resk* A expressão “em tempos de #Covid19 ou de #Coronavírus tem se fixado em nossas mentes para definir o atual momento histórico em que vivemos nos últimos meses. Este ano de 2020 definitivamente é...
07/04/2020 14:31

Parte 3: A Covid 19 e os desafios de nossos defensores no front de batalha

Neste Dia Mundial da Saúde (07/04), fica o alerta em defesa de nossos profissionais da área da saúde Por Sucena Shkrada Resk* A batalha contra a Covid-19 está resultando em muitas baixas no front, em todo o mundo. No município de São Paulo, o médico socorrista Paulo Fernando, 56 anos; o enfermeiro...
30/03/2020 10:30

Parte 2: A espiral do novo coronavírus expõe a janela da fragilidade aberta no Antropoceno

Com a pandemia da Covid-19, somos obrigados a descobrir novos caminhos para a humanidade Por Sucena Shkrada Resk* Existem algumas guerras que não são estruturadas com armamentos bélicos e que são tão devastadoras quanto a estes conflitos geopolíticos que têm assolado a humanidade, como a 1ª e 2ª...
10/03/2020 10:36

Um tipo de pressão transversal de obsolescência programada ronda unidades de conservação marinha brasileiras?

Legislação do SNUC pode ser colocada em xeque, se UCs marinhas forem expostas à maior vulnerabilidade  Por Sucena Shkrada Resk* Após duas décadas da criação do Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC - LEI 9.985/2000), o Brasil se depara hoje com a possibilidade de...
03/03/2020 16:20

Água: no eixo central nos cenários de conflito no mundo

Por Sucena Shkrada Resk* A água, apesar de ser um direito humano, tem sido menosprezada através dos séculos no planeta. Experiências que exemplificam este extremo são vivenciadas diariamente por meio de conflitos contemporâneos com relação aos recursos hídricos, cada vez mais escassos, em nações...
27/02/2020 13:22

Pela quarta vez, é prorrogado prazo de obrigatoriedade dos Planos Municipais de Saneamento no Brasil

A falta de comprometimento efetivo com a infraestrutura ainda é um desafio na esfera de mais da metade dos governos locais. Novo prazo estabelecido pelo Governo Federal é 31 de dezembro de 2022. Sucena Shkrada Resk* Cumprimento de prazos, eis um “calcanhar de aquiles” na agenda de políticas...
19/02/2020 17:02

Brasil ocupa o primeiro lugar em casos de dengue nas Américas

Cenário exige campanhas permanentes para combater criadouros do vetor Aedes aegypti Por Sucena Shkrada Resk* Quando a pauta é saúde ambiental, o Brasil tem trilhado uma linha tênue e perigosa, nos quesitos precaução, prevenção e efetividade, desde a esfera municipal à federal, quando se trata da...
14/02/2020 10:40

Antártica, 20 graus: o continente gelado emite sinal de alerta

Registro de recorde não é motivo de celebração Por Sucena Shkrada Resk* Nem sempre os recordes são sinais de celebração. O que dizer, então, sobre o registro da temperatura de 20,75 graus C na Ilha Seymour, na Antártica, no último dia 9 de fevereiro? É bom frisar – GRAUS POSITIVOS, no continente...
13/02/2020 16:09

Gafanhotos-do-deserto expõem os extremos da crise climática na África

Situação atual em vários países do continente é avaliada como sem precedentes, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU) Por Sucena Shkrada Resk* A palavra “extremo” permite resumir o quadro complexo e caótico que países da África Oriental estão vivenciando desde dezembro do ano passado e que...
12/02/2020 14:28

Adaptação à Mudança do Clima: do papel à ação, uma longa distância

Reflexo de temporal em SP, nesta semana, abre uma discussão importante sobre o papel do planejamento urbano Por Sucena Shkrada Resk*  Vocês já devem ter ouvido dizer pelo menos uma vez que o Brasil é um dos países com maior arcabouço legal na área socioambiental. Isso não quer dizer,...
04/02/2020 12:41

“Eu quero minha história de volta”, diz ex-moradora de Paracatu de Baixo, MG

Desabafo ocorre sobre recordações dos impactos do rompimento de duas barragens de rejeito da Samarco Por Sucena Shkrada Resk*, em Mariana (MG) “Levaram embora nossa história, eu não me sinto feliz”. Com esta frase, M.C.S., 45 anos, antiga moradora da comunidade de Paracatu de Baixo, subdistrito a...

© 2020 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk