Aedes aegypti - lá se vão quinze anos e uma constatação: o Brasil baixou a retaguarda

31/01/2016 14:00

Por Sucena Shkrada Resk

Lembro como se fosse hoje. O ano era 2002 e trabalhava como repórter no Diário do Grande ABC. Uma das pautas que mais cobri, neste período, foi com relação à epidemia de dengue e aos diversos focos do mosquito fêmea do Aedes aegypti que havia na região e no país. Em outras cidades paulistas e demais estados brasileiros, a situação era alarmante. As campanhas preventivas, o fumacê, as blitz da vigilância em saúde e a atualização de registros de casos nutriam as matérias regularmente. Praticamente quinze anos depois, com o que nos deparamos? Um quadro mais complexo, em que o inseto se tornou vetor de mais doenças e tem sua propagação facilitada por extremos climáticos, como o El Niño, que amplia a incidência de chuvas e calor, além da falha da gestão preventiva pública e da sociedade.  O Brasil baixou a retaguarda e assim, abre precedentes para o perigo de retomada de aumento de casos de outras doenças, como malária e febre amarela.

A desaceleração da prioridade desta pauta na área de saúde está tendo um custo alto, que envolve também o campo científico. O investimento na pesquisa tem de ser prioridade tanto para o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação como para o Ministério da Saúde.

No decorrer deste tempo, produzi outras matérias, para diferentes publicações, como na Revista Viva Saúde, sobre os testes da vacina contra a dengue em processo no Instituto Butantan (que ainda não foram produzidas e estão em fase final de testes) e artigos para o blog. Hoje o que se tem de alternativa é a vacina criada pela empresa farmacêutica francesa Sanofi Pasteur, que teve registro aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) em 28 de dezembro do ano passado, e que tem um custo elevado, de acordo com o ministro da Saúde, Marcelo Castro.

Neste período, o que foi possível observar é que a retaguarda do país com relação à prevenção foi diminuindo gradativamente até praticamente ficar adormecida. Saiu da agenda de prioridades do contexto dos centros urbanos, justamente onde o mosquito prevalece, por ter uma característica doméstica e se proliferar em água parada e limpa. Cada fêmea pode gerar 1.500 mosquitos.

A memória histórica também foi praticamente apagada. Até os anos 30, é interessante lembrar que o Aedes era vetor da febre amarela urbana e foi erradicado no país, em 1955. Mas a sua incidência em outros países possibilitou sua reintrodução, segundo histórico descrito pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Nos últimos anos, a incidência de casos começou a se destacar novamente nas manchetes. E hoje temos uma situação epidemiológica das mais graves, com a dengue, o zika vírus – com grande possibilidade de relação com microcefalia de fetos  e casos da síndrome de Gullain-Barré, que é caracterizada por um colapso neurológico – e a febre chikungunya. Para completar, um Ministério da Saúde fragilizado pelas declarações do seu atual ministro, que disse mais recentemente que “o Brasil perdeu feio a batalha para o Aedes aegypti...”. Esta não foi a única declaração polêmica, nos últimos meses, o que causa um mal-estar quanto ao enfrentamento do problema.

Mais que cuidados ininterruptos com caixas d`água, cisternas, latas, pneus, pratinhos de vasos com água parada e calhas entupidas, estamos falando hoje de um estágio de evolução do Aedes como vetor de doenças, nunca antes visto. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que neste ano, 4 milhões de pessoas possam contrair zika vírus, nas Américas, sendo que 1,5 milhão no Brasil. Nesta escala global, 23 países já divulgaram a presença da doença. Para isso, foi criado um comitê de emergência.

Em cidades de pequeno porte como Cotriguaçu, onde vivo e trabalho há um ano no noroeste mato-grossense, o número de casos no único hospital local e no posto de saúde é assustador. Famílias inteiras estão contraindo as doenças (com predominância da dengue) e algumas desenvolvem sintomas mais graves, exigindo internação. Isto sem falar dos casos subnotificados. O corpo de profissionais é reduzido, fazendo com que um único médico, dependendo do plantão, se desdobre entre uma unidade e outra (o que já faz parte da rotina). O município só tem três médicos que atendem a população nestes locais, além dos atendentes e alguns enfermeiros.

Esse é um dos gargalos também presenciados em várias localidades. O país, tanto nos pequenos como nos grandes centros, não está preparado para uma epidemia. Vide a situação dos complexos hospitalares nas capitais como Rio de Janeiro.

Os repelentes que encontramos no mercado, por muitas vezes, não dão conta por muito tempo, de afastar os mosquitos. Empiricamente, dá a impressão de que os insetos estão ficando cada vez mais resistentes, inclusive, em locais com refrigeração mais fria. Constatei isto, por exemplo, em uma sala climatizada a 17 graus em uma rodoviária mato-grossense, no município de Juína, neste mês, onde diferentes insetos (com aspecto semelhante ao Aedes sobrevoavam sem cerimônias).

Algumas alternativas encontradas em alguns municípios são de investir na produção de repelentes naturais. Entre eles, a crotalária, a citronela e o nim. Ao se produzir sementes e mudas em escala, em viveiros, é possível fazer a distribuição à população e para o plantio em espaços públicos.

Outra lacuna na prevenção é o efeito tardio de ações coletivas. Fazer mutirões depois que os ovos já eclodiram também revela a carência de planejamento estratégico que é vista em todo o território nacional. É necessário lembrar que eles podem ficar “adormecidos” por um ano e na próxima chuva retomar o ciclo de nascimento dos mosquitos. Portanto, prevenção é no ano todo.

Em 2015, em todo o Brasil, 843 pessoas morreram em decorrência da dengue em um total de 1,6 milhão de casos registrados. No ano anterior foram 473 óbitos. Este é um dado relevante, que aponta um estágio mais agressivo da doença, pouco a pouco.

Desde o século XIX, há registros da presença do Aedes, no Brasil e mundialmente, a partir do século anterior. O mosquito é procedente do Egito e se espalhou aos demais continentes por meio da África. Portanto, uma história longa, que não faz parte de uma realidade só das últimas décadas. Segundo a Fiocruz, na atualidade há registros de sua presença nas Américas, na África, Ásia, Austrália e Polinésia Pacífica. Quando falamos do Aedes aegypti, estamos tratando de um status de emergência mundial. Não há tempo a perder.

Veja também outros artigos que escrevi a respeito no Blog:

07/04/2013 -Dengue: brechas de prevenção no Brasil
11/12/2012 -Doenças raras e negligenciadas: o direito à informação
24/08/2012 - Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?
08/09/2010 - Precisamos nos reconhecer sul-americanos (II)

20/02/2010 - Dengue: prevenção não pode ser sazonal


* Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk
 

Pesquisar no site

Blog

08/02/2019 12:42

Rompimentos de barragens de rejeitos minerais revelam cenário de insegurança no país

Por Sucena Shkrada Resk* Ausência e/ou ineficiência nas precaução e prevenção, manutenção, em monitoramento e investimento em tecnologias mais seguras e em fiscalização contínua na destinação e tratamento de rejeitos minerais. Essa série de potenciais causas tem demonstrado um verdadeiro campo...
25/01/2019 14:43

Um olhar mais atento para os caminhos da habitação popular/social

Por Sucena Shkrada Resk* A população cresce ano a ano e o déficit habitacional segue a mesma trajetória no Brasil e é superior a 7,7 milhões de moradias necessárias para suprir essa demanda por imóvel próprio. Os dados são baseados em informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do...
21/01/2019 14:10

Narrativa de agricultora familiar nos leva à valorização ecossistêmica e humanística

Por Sucena Shkrada Resk* Ouvir a narrativa de agricultores familiares sempre é algo revigorante e que nos leva à ligação afetiva à terra, à água, à fauna e flora. Estimula nossa recepção sensorial e dá sentido à máxima de que quanto mais simples, mais estamos sintonizados com o equilíbrio...
16/01/2019 14:48

Os oceanos apelam todos os dias: #plásticosnão

Por Sucena Shkrada Resk* A imagem é desconcertante e dramática. Olhamos de um lado e de outro e os oceanos têm mais plásticos do que peixes. O ano é 2050. Cena de filme de ficção? Longe disso. Este é um prognóstico mais próximo do real descrito em estudo da fundação da navegadora Ellen MacArthur e...
14/01/2019 11:21

Temas “Refugiados” e “Migrantes”: não existe geopolítica baseada em visões unilaterais

Por Sucena Shkrada Resk* Em um mundo em que a maioria das pessoas e “nações” aspiram pela manutenção da democracia e da paz mundial, as relações diplomáticas internacionais exigem como alicerce o constante diálogo e o princípio de que as decisões sejam o mais consistentes e equilibradas para a...
10/01/2019 16:03

O Quênia e seus exemplos inspiradores: da resiliência ao socioambientalismo

Por Sucena Shkrada Resk * Sim. Exemplos inspiradores vêm do leste do continente africano e especialmente de países como o Quênia, e não se restringem a resultados na tradicional corrida de São Silvestre por aqui e chegam à esfera socioambiental, além do fato de Nairobi ser a cidade-sede do Programa...
09/01/2019 14:09

O Princípio da Precaução tão urgente e ao mesmo tempo, tão esquecido

Por Sucena Shkrada Resk* Memória, ah, essa memória histórica, que dá sentido e é importante para começos e recomeços. Nesse recuperar do tempo, o Princípio 15 – da Precaução (precautio-onis, em latim), instituído da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio 92), que...
29/11/2018 15:20

Conservação de Paranapiacaba e entorno frente a projetos de novos empreendimentos

Por Sucena Shkrada Resk* Empreendimentos que por sua natureza econômica causam passivos ambientais devem obrigatoriamente, por determinação legal, antes de serem licenciados, esclarecer da forma mais transparente possível todos os cenários possíveis do comprometimento relacionado à sua atuação, que...
28/11/2018 16:54

A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

Por Sucena Shkrada Resk* Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da...
08/11/2018 15:43

Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Por Sucena Shkrada Resk* A agenda socioambiental brasileira sofre, nas últimas décadas, de um anacronismo crescente, no qual o que muito do que está escrito nas legislações nacionais e, inclusive, em tratados internacionais ratificados pelo país, não se configura na prática da realidade diária....
08/10/2018 12:48

2018: a crônica ambiental dos 30 anos

Por Sucena Shkrada Resk  O ano de 2018 é simbólico por representar o aniversário de 30 anos de importantes acontecimentos na trajetória do ambientalismo brasileiro. Apesar de não ser totalmente infundado o velho ditado de que no Brasil temos memória curta, essas histórias ainda pulsam, pois...
26/08/2018 16:33

Refugiados: os diversos contextos das fronteiras humanitárias

Por Sucena Shkrada Resk* As relações humanas trafegam em linhas tênues que reúnem processos culturais centenários, questões socioeconômicas, religiosas e limites geográficos, que integram a geopolítica, que ora se fundem, e ora segregam. Historicamente é isto que vimos em diferentes partes do mundo...
14/08/2018 18:30

O mercúrio nas veias da Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk* Quem dera que falar sobre “mercúrio” fosse um assunto somente de interesse da pauta astronômica? Voltando à realidade do planeta Terra, se trata dos impactos da contaminação pelo metal, altamente letal, um tema ainda subnotificado, que mexe em uma ferida aberta, em...
11/07/2018 18:00

Entrevista da semana - Defensor público fala sobre o desafio do combate ao uso de agrotóxicos em São Paulo e em todo o Brasil

Por Sucena Shkrada Resk O advogado Marcelo Carneiro Novaes, defensor público do Estado de São Paulo, que integra a coordenação do Fórum Paulista de Combate aos Impactos dos Agrotóxicos e Transgênicos, que começou a se reunir em novembro 2016, é o entrevistado desta semana do Blog Cidadãos do Mundo...
17/06/2018 14:35

Refugiados: uma situação que reflete o modelo de desenvolvimento de uma humanidade adoecida

Por Sucena Shkrada Resk Século XXI em andamento. O que, em princípio, seria um período a evocar um status ‘positivo’ de modernidade, revela um momento histórico em que lacunas cíclicas de humanização são refletidas na quantidade de refugiados pelo planeta, que segundo o Alto Comissariado das Nações...
14/05/2018 14:29

PANCs: um universo da segurança alimentar a explorar

Por Sucena Shkrada Resk  O tema da segurança alimentar é rico em multiplicidades de enfoques, sendo que um deles trata do reconhecimento da importância das Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANCs). O termo foi criado pelos pesquisadores Valdely Kinupp e Harri Lorenzi, resultando no livro...
07/05/2018 14:08

O aumento de casos de malária e sua associação à pressão socioambiental sobre a Amazônia

Por Sucena Shkrada Resk Desmatamento, mudanças climáticas e consequentemente a facilitação para um aumento de vetores de doenças infectocontagiosas são o cenário perfeito, que está sendo construído, nos últimos anos, na Amazônia brasileira, onde um dos indícios desta pressão é a ascendência de...
20/04/2018 17:36

Século XXI: a cartografia da violência no campo

  Por Sucena Shkrada Resk   O mapeamento do processo de violência no campo revela um Brasil com janelas de oportunidades perdidas sob um modelo perverso, que tem no centro a disputa da terra. Os estados do Pará (21), Rondônia (17), Bahia (10), Mato Grosso (9), Amazonas (3), Minas...
04/04/2018 13:27

O simbolismo do adeus à Sudan, o último rinoceronte-branco do norte (macho) do planeta!

Por Sucena Shkrada Resk O ancião Sudan, no alto dos seus 45 anos e cerca de 2,3 mil quilos e 1,82m de altura, não venceu a batalha que travava contra uma infecção que atingiu sua pata direita traseira, no mês de março. O último exemplar macho de rinoceronte-branco do norte do planeta foi submetido...
03/04/2018 09:05

#Pulverizaçãoaérea: Sabemos realmente as externalidades negativas do ciclo do que comemos?

Por Sucena Shkrada Resk O quadro de vulnerabilidade a que somos expostos com a “insegurança” alimentar e ataque aos direitos humanos mais básicos é cada vez maior no Brasil. Inúmeros casos de sobrevoos de pulverizações aéreas de agrotóxicos são notificados pelo país, mas a maioria de nós, sequer...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk