A miopia de gestão sobre as mitigações e adaptações às mudanças climáticas

28/11/2018 16:54

Por Sucena Shkrada Resk*

Às vésperas da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças do Clima (COP 24), o Brasil desenha um quadro desestruturador das medidas quanto a mitigações e adaptações às mudanças climáticas. Diplomaticamente falando, a desistência da candidatura de sediar a COP 25, anúncio feito nesta semana pelo governo brasileiro, integra um pacote de desestímulo a um protagonismo do país em medidas proativas nesta agenda nacionalmente e internacionalmente, que infere, na prática, uma pressão sobre a qualidade de vida de todos os cidadãos e à economia. Algo que seria considerado impensável eticamente para um país que figura como o sétimo maior emissor de Gases de Efeito Estufa (GEEs) no planeta.

Neste ciclo de comprometimentos, há poucos dias, mais uma informação oficial se integrou neste sinal amarelo: o aumento em 14% do desmatamento na Amazônia (entre agosto de 2017 e julho de 2018), o maior desde 2008. Nessa pegada devastadora, o hotspot Cerrado também sofre pressões significativas, na chamada região da MATOPIBA, siglas dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

Segundo especialistas, movimentos e organizações do terceiro setor e fontes do próprio governo, uma combinação de fatores gera esta instabilidade, que vai desde o teor político de prioridades, que tem como ponto central o aumento da propulsão à agenda do agronegócio, como também o aumento de queimadas e de situações de seca cada vez mais intensas. Ao mesmo tempo, está em curso há anos, a fragilização do Ministério do Meio Ambiente e seus órgãos fiscalizadores, que agora chega a um ponto crítico. Essa orquestração expõe a combinação de retrocessos.

Historicamente, alguns estados brasileiros permanecem aquém de uma performance sustentável. Pará, Mato Grosso e Rondônia assumem uma posição estratégica neste descompasso na Amazônia Legal. Juntos representam 81% do total de desmatamento num total de 7.900 km 2 de devastação, conforme dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite)/Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (PRODES/INPE).  

Como o físico Paulo Artaxo (USP/IPCC), um dos cientistas mais respeitados nesta agenda, destacou recentemente no lançamento da oitava edição do SEEG/Observatório do Clima , a Ciência evidencia que onde há sistema produtivo, há maior aquecimento. Trocando em miúdos, isso significa que é preciso racionalizar tanto a extração e recursos naturais e uso da terra, como as técnicas produtivas, conjuntamente com consumo para que a equação parta para ganhos e não a um ciclo vertiginoso de perdas.

“Em um pior cenário das mudanças climáticas, com aumento de 6 graus (2071-2099), os piores impactos serão sentidos na Amazônia/Centro-Oeste”, diz Artaxo. Hoje já é possível refletir que é uma questão que ultrapassa achismos. Para se limitar o aumento da temperatura a 1,5 graus C, seria necessário zerar as emissões no planeta até 2040; e a 2 graus C, até 2050. Com o atual cenário brasileiro, como o Brasil poderá efetuar sua parte no engajamento com os demais países?

No ranking de emissões de GEEs no Brasil, o setor de agronegócios está disparadamente na frente, com 71%, seguido de transportes, industrial e produção de combustíveis/energia. Ao fazer o recorte de origem, Pará e Mato Grosso são os que mais emitem (agropecuária) e Minas Gerais e São Paulo (energia).

Quando se trata de emissões líquidas oriundas de mudança do uso da terra, a sequência dos oito estados que mais emitem é a seguinte: MT, RO, PA, MG, RS, BA, MA e GO.

Ao analisar, por exemplo, situações mais concentradas, o Sistema de Estimativas de Emissões e Remoções de Gases de Efeito Estufa (SEEG) 2018 também traz alguns dados municipais no estado de São Paulo quanto a fontes de emissões, desde transporte a resíduos. De acordo com a apuração, as situações mais complexas se encontram na Capital, em Paulínia, Cubatão, São José dos Campos, Guarulhos, Jacareí e Campinas, entre outros municípios. Já quando o recorte é percapita, em primeiro lugar está o município de Alumínio seguido de Paulínia.

Os problemas já são detectados, não há como negar. A questão é a permanência de políticas públicas que contemplem de curto a longo prazos, ações mitigadoras e de adaptação. Uma discussão que só se acirra atualmente.  

O Greenpeace Brasil lançou recentemente também o relatório “Segure a Linha: A Expansão do Agronegócio e a Disputa pelo Cerrado”, no qual destaca que somente em 45 dos 337 municípios do Matopiba, os indicadores de produção e de bem estar superam a média dos respectivos estados. Segundo o levantamento, 196 municípios continuam pobres, com produção e qualidade de vida piores do que a média de seus estados.

Cenário mundial

No contexto, existe atualmente um enunciado de negacionismo a evidências expostas nas últimas décadas, quanto à intervenção humana na aceleração das mudanças climáticas e do aquecimento global, que ganha eco em exposições equivocadas de futuros quadros do próximo governo. Um contrassenso ao mais recente relatório Emissions Gap Report, da ONU Meio Ambiente, que enfatiza que é necessário triplicar no planeta a velocidade de redução de emissões de gases de efeito estufa até 2030 se quiser evitar que o aquecimento global ultrapasse o limite de menos de 2 graus C definido no Acordo de Paris. 

Meio Ambiente e economia

Em outro relatório deste ano, do Escritório das Nações Unidas para Redução do Risco de Desastres (UNISDR), foi exposto que as perdas econômicas diretas devido a catástrofes climáticas nos últimos 20 anos foram 2,5 vezes maiores do que no período de 1978-1997 e 1,3 milhão perderam a vida nessas ocorrências. Os prejuízos econômicos de desastres em geral totalizaram 2,9 trilhões de dólares entre 1998 e 2017, sendo que US$ 2,24 trilhões ou 77% do total foram relativos à questão climática.

E na contramão do negacionismo, a Comissão Global sobre Economia e Clima, em documento recente, apresentou dados de que o investimento contra a mudança climática até 2030, pode contribuir com US$ 26 trilhões à economia mundial e evitar mais de 700 mil mortes. A chave para isso: energia limpa, melhor planejamento urbano, agricultura e utilização de recursos hídricos de forma sustentável e indústrias menos poluentes.

No Brasil e em nações estratégicas, como os EUA, é como se vivêssemos um processo de miopia das lideranças políticas, que abre a vulnerabilidade na ação de comando e controle sobre esta pauta, que não só interfere internamente nestas nações, mas em todo o equilíbrio do planeta.

*Sucena Shkrada Resk é jornalista, formada há 26 anos, pela PUC-SP, com especializações lato sensu em Meio Ambiente e Sociedade e em Política Internacional, pela FESPSP, e autora do Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk (https://www.cidadaosdomundo.webnode.com), desde 2007, voltado às áreas de cidadania, socioambientalismo e sustentabilidade.

Veja também no Blog Cidadãos do Mundo – jornalista Sucena Shkrada Resk:

08/11 – Vivemos um hiato temporal brasileiro socioambiental

Pesquisar no site

Blog

23/11/2012 16:36

FIQUEPORDENTRO-Cadastro propõe recuperação florestal voluntária de matas ciliares,por Sucena S Resk

Hoje ao pesquisar dados sobre reflorestamento, descobri que no Estado de São Paulo, existe o Banco de Áreas Ciliares (particulares) para Recuperação Florestal, mantido no site da Secretaria do Meio Ambiente, que conta hoje com um total de 412 locais, que correspondem a 3.333,16 ha. As inscrições...
08/11/2012 14:18

Jorge González Sánchez: o segredo da história oral está nas perguntas, por Sucena Shkrada Resk

“O eu se constrói em frente aos tus”. Nessa frase, está o pano de fundo que envolve a história oral, que é um método a partir de técnicas que envolvem principalmente histórias de vida e de famílias. Reconhecer a importância da elaboração de perguntas “férteis” e entender a dinâmica do olhar (o que...
07/11/2012 09:57

Nota: Barack Obama reeleito, o que muda na política ambiental?, por Sucena Shkrada Resk

#PolíticainternacionaleMeioAmbiente - Barack Obama foi reeleito ( https://blogs.estadao.com.br/radar-global/ao-vivo-eleicoes-nos-eua-2012/ ) e se levanta a questão de como ficará a política norte-americana com relação ao meio ambiente, tendo em vista, as resistências históricas no Senado...
01/11/2012 17:36

JT: uma escola de jornalismo, por Sucena Shkrada Resk

Dizem que a gente não deve ser saudosista, pois isso não leva a nada. Eu entendo de outra maneira. As recordações podem e devem ter o papel de fazer com que avancemos, são partes de nossa história, que nos constituem enquanto seres integrais e podem ser recobradas como algo construtivo. Fiz essa...
01/11/2012 14:31

Domenico De Masi : 2020 em 10 tendências, por Sucena Shkrada Resk

Criatividade e concretude; uma ação conectada à outra. É dessa forma que o criador do conceito do “ócio criativo” (que resumidamente propõe o equilíbrio entre trabalho, estudo e lazer), o sociólogo italiano, Domenico De Masi https://www.domenicodemasi.it/pt faz a sua leitura sobre o poder que temos...
30/10/2012 18:29

Educomunicação: o sentido da inclusão, por Sucena Shkrada Resk

Quando pensamos a educomunicação no seu sentido holístico, fica claro que trafega na comunicação formal, não-formal e informal, abarca desde o educador popular ao acadêmico e traz o sentido de inclusão de direitos cidadãos, comunitários e dos mais variados sentidos tanto na ideologia, na linguagem...
29/10/2012 16:33

Educomunicação:O caminho das imagens como mobilização socioambiental,por Sucena Shkrada Resk

Como lidar de forma sustentável com os resíduos? Talvez esse seja um dos desafios impostos aos moradores da comunidade da Ilha das Peças, em Guaraqueçaba, no litoral norte paranaense, na baía de Paranaguá, simultaneamente à gestão do poder público e aos veranistas que visitam esse destino...
29/10/2012 13:14

Dona Tonha, de São Mateus para o mundo, por Sucena Shkrada Resk

“...Eu tenho uma honra da saúde que eu tenho...”. Essa frase ecoa ainda em minha memória. É de dona Antônia, ou melhor, “Tonha”, hoje com 104 anos, uma cidadã que se confunde com a história de São Mateus, ES. Eu não fui à sua cidade e nem ela veio a São Paulo. Como descobri essa brasileira? Ao...
24/10/2012 19:03

Frota veicular deve aumentar, mas e a nossa qualidade de vida?, por Sucena Shkrada Resk

#Inacreditável - Para completar o dia, acabei de ver a notícia de que a presidente Dilma Rousseff prorrogou o Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) reduzido para os carros até dezembro... Nas entrelinhas, isso significa que deve aumentar a frota, a emissão de partículas finas, de toda a...
01/10/2012 17:07

Terceira idade: com tão pouco, é possível fazer muito, por Sucena Shkrada Resk

O planeta envelhece e se renova e o ser humano também tende a ter mais tempo de vida nesse complexo organismo chamado Terra, e como lida com isso? No Brasil, a expectativa é que 64 milhões de pessoas estejam na fase da terceira e quarta idade contra cerca de 21 milhões atuais, segundo o Fundo de...
21/09/2012 10:40

Refugiados: o quanto compreendemos dessa realidade?, por Sucena Shkrada Resk

O colombiano J.M. convive até hoje com sequelas físicas e psicológicas do tempo em que foi seqüestrado político em seu país, por 45 dias, que pareceram anos. Refugiado no Brasil há quatro anos, tenta se restabelecer, mas ainda teme pela vida de familiares que ficaram por lá. J.M, de origem síria,...
31/08/2012 15:36

Do conhecimento tradicional à fitoterapia, por Sucena Shkrada Resk

O Formulário de #FitoterápicosdaFarmacopeiabrasileira - https://www.anvisa.gov.br/farmacopeiabrasileira/conteudo/Formulario_de_Fitoterapicos_da_Farmacopeia_Brasileira.pdf, criado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é uma fonte de pesquisa interessante, e que nos faz ir de encontro...
31/08/2012 13:29

#Educaçãoempauta - crianças fora da escola, uma agenda importante no Brasil, por Sucena Shkrada Resk

"A sustentabilidade passa pelo acesso à educação inclusiva e com qualidade...e que faça com que os estudantes se reconheçam como protagonistas neste mundo..." 31/08 Hoje foi lançado o relatório "Todas as crianças na escola em 2015" – Iniciativa global pelas crianças fora da escola - (...
30/08/2012 11:22

Olhar sobre os problemas socioambientais do cotidiano - ABCDMRR, por Sucena Shkrada Resk

Nada de querer começar pelo grande, mas sim do pequeno e seguir o rumo natural das coisas. Por que essa frase? Porque essa é a lógica, o primeiro passo para o reconhecimento e sensibilização sobre os problemas socioambientais. E esse preâmbulo é para falar de minha contribuição hoje para fomentar...
28/08/2012 11:16

Jovem estudante ativista nos leva a muitas reflexões, por Sucena Shkrada Resk

Eu dediquei alguns momentos, agora, pela manhã, para conhecer sua página do facebook Diário de Classe - A Verdade, criada por você, Isadora Faber, 13 anos, estudante de Florianópolis, em 11 de julho ( https://www.facebook.com/pages/Di%C3%A1rio-de-Classe/261964980576682 ). A dica foi de meu colega...
27/08/2012 13:26

No contexto das nove fronteiras, por Sucena Shkrada Resk

No contexto do acompanhamento antes, durante e pós - Rio+20 (Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável), alguns trabalhos interessantes estão sendo realizados por organizações de pesquisa mundialmente. Um deles é promovido, desde 2009, pelo Centro de Resiliência de Estocolmo -...
24/08/2012 21:48

Nota: O lado direito do cérebro na proposta coletiva, por Sucena Shkrada Resk

Nota: O lado direito do cérebro na proposta coletiva, por Sucena Shkrada Resk “O lado direito” do cérebro (das emoções) tem sido negligenciado... e precisamos mudar os modelos mentais. Essas palavras de Rachel Cavalcanti Stefanuto, economista com Doutorado em Sustentabilidade, que é docente da...
24/08/2012 19:40

Coleta e tratamento de esgoto: como será quando chegarmos a 2050?, por Sucena S.Resk

Crianças morrem por doenças hídricas e milhares de famílias ainda não têm acesso ao mínimo de condições sanitárias em nosso país, no século XXI. Isso não é ficção e nem está tão longe de nossos olhos, como pensamos. São situações que podem ser encontradas nas grandes metrópoles como também nos...
24/08/2012 11:24

Quando as ideias propõem algo coletivo, por Sucena Shkrada Resk

Ao participar (como ouvinte) no Festival de Ideias 2012 e RIA Festival, no auditório Ibirapuera, no último dia 22, achei muito interessante a proposta do evento em fomentar propostas que agregam a ideia do coletivo. Ao todo, foram escolhidas 21 ideias, e seus autores e coautores estavam lá, num...
20/08/2012 15:26

Eventos naturais extremos: prevenção no centro da pauta, por Sucena Shkrada Resk

Com a proximidade da Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP18), em Doha, no Qatar, de 26 de novembro a 7 de dezembro, teoricamente poderíamos considerar que não seriam necessários muito argumentos para se defender os princípios da prevenção e da...

© 2018 Todos os direitos reservados.

Blog Cidadãos do Mundo-jornalista Sucena Shkrada Resk