Blog Cidadãos do Mundo - Sucena Shkrada Resk - Jornalismo socioambiental


Resíduos sólidos: os desafios na região do ABCDMRR, por Sucena Shkrada Resk

06/08/2014 19:00

A região do ABCDMRR, no estado de São Paulo, que engloba os municípios de Santo André, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e de Rio Grande da Serra, gera 2.138,3 toneladas diariamente de resíduos sólidos, segundo o Plano de Gestão Integrada do setor. Esse volume tem como destino o Aterro Sanitário Lara (particular), em Mauá, com exceção de Santo André (493,8 ton/dia desse total), que mantém um aterro municipal, reaberto em março deste ano, após uma obra de ampliação que durou cinco meses. Do total de geração de mais de 2,5 milhões de habitantes e das indústrias, estima-se que 662,9 toneladas/dias são passíveis de reciclagem, mas somente 5% são encaminhados para reciclagem. Esse é o quadro atual após quatro anos da publicação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS).

Cinco dos sete municípios também já estabeleceram os seus Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos, o que é uma exigência da legislação federal, para a gestão da política. Agora, estão na etapa de implementação. A exceção fica por conta de Diadema (que já divulgou um relatório final do documento) e de Rio Grande da Serra, que ainda não aprovaram suas legislações específicas.

A gestão conjunta dos resíduos por meio do Consórcio Intermunicipal Grande ABC é uma discussão que vem sendo amadurecida nos últimos anos, e está mais detalhada no Plano Plurianual Regional 2014/2017. Segundo o documento, os sete municípios deverão adotar uma solução regionalmente integrada com ampliação da coleta seletiva, reutilização e reciclagem dos resíduos sólidos e incorporação das cooperativas de catadores; além de medidas de educação ambiental para a conscientização da população e de otimização das ações de controle e fiscalização de descarte irregular.

Na região, algumas das cooperativas em funcionamento são a Cooperluz e a Cooperativa Raio de Luz, em São Bernardo do Campo; a Cooperlimpa, em Diadema; a Coopercata, em Mauá, e a Cooperpires, em Ribeirão Pires. As cinco integram a Coopcent ABC, que reivindica maior participação no processo da execução dos projetos de coleta seletiva.

Esse é o contexto no ABCDMRR, no primeiro dia do Seminário Internacional de Resíduos Sólidos Urbanos Grande ABC 2014, organizado pela Prefeitura de Mauá e pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP), que teve início hoje, no Teatro Municipal de Mauá, e prossegue até amanhã.

Conheça mais sobre os planos municipais regionais:

Santo André

São Bernardo do Campo

São Caetano do Sul

Ribeirão Pires

Veja mais a respeito do tema resíduos sólidos, que escrevi no Blog:

01/08/2014 - O Brasil dos lixões sobre o qual ninguém gosta de falar
19/06/2014 - Japão: o lixo não é um problema do outro
09/01/2013 -#Reflexão: Ir além do morde e assopra nas políticas socioambientais
10/04/2012 - E a educomunicação ambiental nas políticas públicas brasileiras?
22/03/2012 - Resíduos sólidos: Projeto mapeia aterros sanitários necessários no país
25/11/2011 - Reflexão: Audiência pública nacional sobre o Plano de Resíduos Sólidos
28/10/2011 - Por dentro do saneamento básico
30/07/2011 - Estamira partiu e deixou seu legado
15/05/2011 - Nós e a responsabilidade compartilhada s/o consumo e destinação do lixo eletrônico
26/04/2011 - A “sociedade do lixo”: 60.868.080 toneladas só em 2010
08/01/2011 - Personagens do Brasil: vozes da Várzea do Amazonas
02/09/2010 - Adaptação tem de ultrapassar a retórica
15/07/2010 - Reflexões sobre resíduos sólidos
14/06/2009  - Quantas Estamiras há por este Brasil?

*Blog Cidadãos do Mundo - jornalista Sucena Shkrada Resk
Atualizado às 20h08, de 06/08/2014

—————

Voltar