Blog Cidadãos do Mundo - Sucena Shkrada Resk - Jornalismo socioambiental


O papel dos cães nos processos educacionais e terapêuticos, por Sucena Shkrada Resk

09/12/2012 15:32


Quem olha os cães Lion, de 1 ano e 8 meses e Picolé, de 2 anos, os companheiros de “pelo” das pedagogas Andrea e Laura, de São Paulo, não imaginam que os dois são, de certa forma, assistentes na área educacional. É verdade! Os animais têm um papel importante principalmente no auxílio lúdico a crianças, com o objetivo de melhorar seus processos de assimilação.

Ultrapassar o convencional, por muitas vezes, resulta em ações surpreendentes. Dessa forma alguns cães, como esses mascotes, assumem um papel mais amplo do que o de “melhor amigo do homem”. Eles ingressam no papel terapêutico como atores proativos e treinados por seus cuidadores, que são profissionais nas áreas de fisioterapia e educação. As parcerias resultam em um ganho para pessoas de com diferentes quadros, desde comprometimentos físicos, neurológicos e de atenção para que tenham uma melhor qualidade de vida, com a diminuição de estresse, a melhoria do convívio social, como na apreensão de conhecimento de estudantes.

A iniciativa integra as TAC - Terapias Assistidas por Cães e EAC – Educação Assistida por Cães, da TAC, que é uma associação sem fins lucrativos, que atua em alguns projetos sociais, por meio de apoios financeiros, desde 2009. Entre eles, estão:
- o atendimento a idosas residentes na Sociedade de Assistência Social “Recanto da Vovó″, no município de Cotia;
- o Projeto Cães e Crianças Autistas no Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas (IPq-HCFMUSP);
- o atendimento a idosas residentes na Casa de Nazaré, em Fortaleza, CE;
- a famílias de crianças e jovens em situação de risco e vulnerabilidade social. por meio do Projeto Melhores Amigos, uma parceria entre o IPq-HCFMUSP e Prefeitura de São Paulo;
- a pacientes infantis do Hospital A.C. Camargo, em São Paulo.

Conheci Lion e Picolé, na sexta-feira, quando fui ao evento ONG Brasil, em São Paulo. Ao vê-los e saber mais sobre o motivo de estarem lá, foi algo motivador. Depois li e vi algumas imagens no Blog do EAC (http://tac.org.br/index.php/category/educacao), que também ilustram as atividades. Em uma delas, as crianças, faziam os exercícios de forma carinhosa sobre um pano lúdico colocado no Picolé. Segundo os especialistas, que atuam na área pedagoga, o papel desses animais é dar suporte e coragem, por exemplo,a um leitor, numa atividade de leitura e compreensão de texto. É como que nas entrelinhas ele falasse – “Força, você consegue!”.

Nesse bate-papo, com as pedagogas Andréa e Laura soube ainda que “Zoah” e “Flora”, cadelas mais velhas da turma, estão prestes a aposentar. Depois dessa carga de informação, o próximo passo será conhecer o trabalho mais de perto, não é?

 

—————

Voltar